Home Aviação de Caça Ataques de Rafale e Mirage 2000D a alvos do EI, no Iraque

Ataques de Rafale e Mirage 2000D a alvos do EI, no Iraque

403
14

Mirage 2000D - traslado para a Jordânia na Operação Chammal contra o EI - foto via Ministério da Defesa da França

Nos últimos dias, ocorreram novos ataques de jatos franceses em apoio a tropas iraquianas que lutam contra o Estado Islâmico, e foi completado o efetivo de seis jatos Mirage 2000D na Jordânia

Em notas divulgadas na sexta-feira, 19 de dezembro, o Ministério da Defesa da França informou que a chegada de mais três jatos Mirage 2000D da Força Aérea Francesa à Jordânia, juntando-se a outros três que já começaram a operar em missões a partir daquele país contra alvos do Estado Islâmico (EI) no Iraque, a chamada força “Chammal” (nome da operação francesa na região) continua a apoiar cotidianamente as forças iraquianas em luta contra o EI, autoproclamado Daech.

No dia 12, jatos de combate do dispositivo francês realizaram três ataques no Norte do Iraque, próximo a Mossoul, destruindo depósitos de munição do EI. No dia 15, uma patrulha foi solicitada a destruir um alvo de oportunidade nos contrafortes do monte Sinjar, no Noroeste do Iraque, onde combatentes iraquianos, curdos e yézidis defendem a zona contra ataques do Daech. Já no dia 16, outra patrulha de jatos franceses foi solicitada a destruir um objetivo na região de Mossoul.

Rafale na Operação Chammal contra o EI - foto via Ministério da Defesa da França

No dia seguinte, 17 de dezembro, dois jatos franceses participaram de um “raid” de 17 aeronaves da coalizão de países que atua em apoio às tropas iraquianas, na região do monte Sinjar. O raid visou a destruição de uma linha de defesa do EI e a neutralização de cerca de sessenta objetivos. Os aviões franceses realizaram um voo de 3 horas e 20 minutos de duração nessa missão (nota do editor: pela duração da surtida, conclui-se que eram jatos Mirage 2000D baseados na Jordânia, bem mais próximos de seus objetivos do que os caças Rafale baseados muito mais ao sul, nos Emirados Árabes Unidos, cujas missões são bem mais longas devido à maior distância dos alvos).

Também no dia 17, pousaram em base da Jordânia três jatos Mirage 2000D da 3ª Esquadra de Caça de Nancy, num voo de traslado teve a duração de 5 horas. Com esse reforço, a parte aérea da “Operação Chammal” francesa passou a contar com seis jatos Mirage 2000D na Jordânia, além de nove caças Rafale, um reabastecedor C-135FR e um avião de patrulha marítima Atlantique 2 (este da Marinha Francesa) nos Emirados Árabes Unidos. No mar, a fragata antiaérea Jean Bart da Marinha Francesa integra o grupo aeronaval americano nucleado no navio-aeródromo USS Carl Vinson.

Mirage 2000D - traslado para a Jordânia na Operação Chammal contra o EI - foto 2 via Ministério da Defesa da França

FONTE / FOTOS: Ministério da Defesa da França (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de originais em francês)

VEJA TAMBÉM:

14
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Iväny Juniorricardo_recifeFernando "Nunão" De MartiniClésio Luiz Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Compridinha a chama da pós-combustão no M53. É quase o comprimento da aeronave.

Foi feito pensando em razão de subida e desempenho à grandes altitudes, onde oferece mais empuxo que o F100 e ainda é mais resistente à fluxos de ar turbulentos. Tudo isso para tentar interceptar possíveis incursões do MiG-25R com o Super 530, tarefa nada fácil. Pagou o preço com um consumo específico mais elevado que seus contemporâneos americanos e soviéticos.

Iväny Junior
Visitante
Member

Eu acredito que seja válido pra frança manter seu esquadrão de Mirage 2000 operacional, mas, a decisão aí precisaria ser de negócio. O Rafale precisa de Propaganda, e portanto deveria ser a única plataforma utilizada (pelos alvos, caças não são as plataformas ideais para a missão de todo o modo). Já pensou se certo país do oriente médio, que opera m2000 e tinha escolhido rafale para a nova frota (e que o contrato não foi assinado ainda, diga-se de passagem, pra variar) resolve que é melhor modernizar os mirages do que comprar rafales? Enfim, este assunto já foi debatido em… Read more »

Iväny Junior
Visitante
Member

Estou me referindo ao esquadrão nancy, nunão. Ao que me parece, é o único a ir de mirage2000 pra guerra.

ricardo_recife
Visitante
Member
ricardo_recife

Guardadas as devidas proporções o Mirage 2000D é o Tornado da Armée de l’Air. Foram construidos mais de 80 2000D e há pelo menos 60 destes ainda operacionais na BA 133 Nancy Ochey. O 2000D ainda vai voar durante um bom tempo, lembro que estão sendo modernizados.

Iväny Junior
Visitante
Member

Coisas da frança, uma esquadra com 6 caças.

Iväny Junior
Visitante
Member

Segundo o texto são 6 mirage 2000D.

“Com esse reforço, a parte aérea da “Operação Chammal” francesa passou a contar com seis jatos Mirage 2000D na Jordânia, além de nove caças Rafale, um reabastecedor C-135FR e um avião de patrulha marítima Atlantique 2 (este da Marinha Francesa) nos Emirados Árabes Unidos. No mar, a fragata antiaérea Jean Bart da Marinha Francesa integra o grupo aeronaval americano nucleado no navio-aeródromo USS Carl Vinson.”

Iväny Junior
Visitante
Member

Enfim quando voam juntos, o pequeno numero de caças é na prática um esquadrão, embora tenham vindo de 3 esquadrões distintos que incorporam uma esquadra no país de origem.

Iväny Junior
Visitante
Member

Nunão

Eles estão operando em conjunto, como uma pequena unidade. O termo de esquadra e esquadrão é amplamente difundido porque a forma coloquial foi adotada em alguns países, e, em outros, permaneceu a norma formal do termo.

Como esquadrão, estou dizendo que é uma pequena unidade de combate e apoio que obedece a um comando específico, de forma genérica.

Iväny Junior
Visitante
Member

Difundido diversamente*