Home Indústria Aeroespacial Gripen na Suíça: RUAG recebe contrato da SAAB para desenvolver e produzir...

Gripen na Suíça: RUAG recebe contrato da SAAB para desenvolver e produzir pilones do Gripen E

364
11

Gripen nas cores da Força Aérea Suíça - ilustração Saab

Pacotes iniciais do contrato compreendem o desenvolvimento e a produção de protótipos dos pilones para três ‘Gripen E’ de testes, com opção de produção em série caso o referendo suíço aprove a compra do jato sueco

 –

Na seguda-feira, 3 de março, o grupo RUAG informou que recebeu do fabricante sueco de aeronaves SAAB um contrato para desenvolver e produzir pilones para os jatos militares Gripen E. O contrato tem valor estimado em 68 milhões de francos suíços (cerca de 77 milhões de dólares), dos quais 15,5 milhões de francos (aproximadamente US$ 17,6 milhões) serão implementados imediatamente.

Os pilones são mecanismos que carregam, sob o caça, cargas externas como tanques de combustível adicionais, sistemas de reconhecimento ou mísseis guiados. A RUAG destacou que são componentes tecnológicos complexos, contendo tanto sistemas mecânicos quanto eletrônicos, e precisam atender aos mais altos padrões em aerodinâmica e resiliência (aguentar tensões sem romper).

Gripen para a Suíça - detalhe de mísseis meteor em ilustração via Saab

A encomenda compreende quatro pacotes de trabalho, três dos quais, correspondendo a 15,5 milhões de francos, efetivos desde já. Os três primeiors pacotes incluem o projeto dos pilones, o desenvolvimento até o padrão de produção em série, além da criação de protótipos para três aviões de teste do Gripen E.

Quanto ao quarto pacote, que é o de produção em série dos pilones,  a SAAB tem a opção de conferir a outra empresa que não a RUAG no caso de ser do referendo a ser realizado em maio, sobre a aquisição do Gripen pela Suíça, chegar a um resultado negativo.

Porém, caso a Suíça decida comprar 22 caças Gripen E, os pilones de série para toda a frota do modelo, ou seja, 60 caças para os suecos e 22 para os suíços, serão produzidos futuramente na Suíça. Nesse caso, a RUAG acionará fornecedores de todas as regiões do país. Quotas já foram obtidas para produtos de metal e componentes eletrônicos de fornecedores de áreas que incluem a parte de língua francesa e Ticino.

Gripen NG Demo - vista do ventre mostrando carenagens nas raizes das asas para trem de pouso- foto Saab

FONTE: Ruag (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

IMAGENS: Saab

VEJA TAMBÉM:

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
PenguinFernando "Nunão" De MartiniVaderMarcosNick Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Nick
Visitante
Member
Nick

E os pilones do Gripen NG brasileiros também serão RUAG. Pelo menos é o que a racionalidade propõe.

[]’s

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Quem vai bancar o desenvolvimento desses pilones???

Vader
Visitante
Member

Agora que o Brasil decidiu-se pelo Gripen NG os suíços começam a se apressar no sentido de produzir o máximo possível de partes do Gripen.

A verdade é que com a encomenda brasileira a única que vai perder se o referendo for contrário à aquisição dos caças é a própria Suíça.

Azar o deles…

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Vader

O Brasil decidiu-se, de fato! Porém…

… porém, ainda falta o contrato;

… porém, no Brasil, contrato não vale muita coisa, assim o dinheiro pode ir atrasando, atrasando, atrasando…

Marcos
Visitante
Member
Marcos

É só olhar os atrasos na modernização dos AMX!

Vader
Visitante
Member

Nunão, sem dúvida, mas o ponto para o qual chamei a atenção é outro: as empresas suíças, como a RUAG, têm todo o interesse em apressar as coisas e assumir mais e mais partes do projeto, de forma a criar pressão na opinião pública a favor do Gripen. Até porque a Suécia e a SAAB não têm mais, por conta da escolha brasileira, o mesmo desespero em levar o contrato suíço que tinham antes.

O fato é: se o povo suíço não abrir o olho, vai dançar. E ninguém vai chorar por eles.

Vader
Visitante
Member

O Brasil só irá utilizar a opção de financiamento a longuíssimo prazo oferecida pela SAAB se o governo deixar o programa inteiramente por conta da FAB, que terá assim que fazer uso de tal expediente.

Só que se fizer isso os PeTralhas perdem a boquinha, pois o controle ficaria pra FAB, e a ser pago por governos longínquos, ou seja: os pagamentos virão mesmo via Tesouro, em suaves prestações. Como foi a aquisição da Kombi Voadora Francesa.

Sds.

Penguin
Visitante
Penguin

[Jane’s Defence Weekly
Brazilian Air Force Commander Lieutenant Brigadier Juniti Saito

Link: http://www.janes360.com/images/assets/343/34343/20feb4.pdf