Home Aviação de Caça Gripen E/F oferece oportunidades para a África do Sul e outros países

Gripen E/F oferece oportunidades para a África do Sul e outros países

206
14

Opinião é do CEO da Saab África do Sul, que também prevê que a Suécia vai manter em operação boa parte da frota de Gripen C/D, modernizada para receber alguns dos novos sistemas da nova geração E/F

Reportagem publicada pelo site sul-africano Engineering News no mês passado e atualizada na última sexta-feira, 12 de outubro, traz declarações do chefe-executivo (CEO) da Saab África do Sul (Saab SA), Magnus Lewis-Olsson, tratando de oportunidades que as novas versões do Gripen podem proporcionar à África do Sul e para outros países.

As declarações de Olsson sobre o desenvolvimento das versões JAS39E/F do Gripen estão no contexto do acordo, entre Suécia e Suíça, para desenvolver e adquirir a  nova geração do caça, com 40 a 60 unidades para a Suécia e 22 para a Suíça (sendo que esta talvez precise fazer um referendo para aprovação do negócio).

Segundo o executivo, “há oportunidades para a África do Sul, e outros países, para participar no desenvolvimento da nova geração do Gripen. A África do Sul tem capacidades fantásticas no Conselho para Pesquisa Científica e Industrial e nas empresas locais. Evidentemente, a África do Sul precisaria ajudar a financiar o programa. Mas poderia prover fundos para apenas uma pequena parte dele e ainda assim fazer parte da grande família da nova geração do Gripen.”

Lewis-Olsson deixou claro que estava dando sua opinião pessoal, e acrescentou que, com a Suécia provavelmente comprando poucas unidades de JAS39E e F, muito provavelmente a Força Aérea Sueca continuará a operar uma boa quantidade de seus atuais JAS39C e D, juntamente com as aeronaves de nova geração. Os modelos C e D remanescentes seriam modernizados e poderiam receber algumas das tecnologias e sistemas desenvolvidos para as novas versões.

Isso também poderia beneficiar a África do Sul se quiser fazer uma modernização de meia-vida de monta em seus caças Gripen C/D, utilizando sistemas de nova geração mais acessíveis. Estes poderiam incluir radar AESA (varredura eletrônica ativa) e novos sistemas de contramedidas eletrônicas.

Todos os 26 caças Gripen da África do Sul já foram entregues (na foto acima, o transporte dos caças por navio). Segundo o executivo, “os Gripens sul-africanos provavelmente têm os mais modernos sistemas de todos os Gripens em operação hoje.” Por exemplo, a integração do míssil A-Darter (projeto em parceria da África do Sul com o Brasil) já foi completada, assim como a do sistema de visor montado no capacete. Lewis-Olsson afirmou, sobre os caças sul-africanos, que “todas as atividades principais de desenvolvimento já foram completadas. A capacidade completa de manutenção já foi entregue e o  ‘pod’ de reconhecimento para a Força Aérea Sul-Africana já foi integrado.”

A reportagem finaliza com os dados de pesquisa independente da Jane’s, que coloca o custo de hora de voo do Gripen em 4.700 dólares (de 2012), comparados aos valores de US$ 7.700 para o Lockheed Martin F-16,  US$ 11.000 para o Boeing F/A-18 E/F Super Hornet e US$ 16.500 para o Dassault Rafale. E acrescenta também que a Saab espera vender até 300 caças Gripen nos próximos dez anos, nas versões C/D e E/F.

Oferecimento do avião de patrulha marítima Saab 340 MSA à África do Sul

A mesma reportagem tratou também do oferecimento do Saab 340 MSA à África do Sul. A aeronave foi apresentada ao país na última Aerospace and Defence (AAD) 2012, realizada na Base Aérea Waterkloof (logo ao sul de Pretoria). Ao invés de um programa de desenvolvimento, trata-se de uma solução acessível para operação imediata, segundo Lewis-Olsson.

Cada aeronave na configuração básica custaria US$ 18 milhões cada, o que inclui um radar ar-mar com cobertura 360º, sensor infravermelho e eletro-óptico Star Safire, sistema de controle de missão, comunicação por satélite e sistema de identificação automática para receber sinais de navios mercantes.

O alcance na configuração básica é de 1.325 milhas náuticas, com autonomia de três horas e quarenta e cinco minutos.

Também podem ser oferecidas versões mais completas, com equipamentos de busca e salvamento, janelas de observações, porta para lançamento aéreo e tanque de combustível adicional.

A Força Aérea da África do Sul tem um requerimento para aeronave de patrulha marítima (armada) vigilância marítima (desarmada) e transporte leve / médio. O Saab 340 MSA está sendo oferecido para a segunda missão. O modelo é baseado em aeronaves Saab 340 de segunda mão (420 exemplares ainda em operação no mundo). A estratégia da empresa é adquirir, no mercado, exemplares com 20.000 ciclos de decolagens e pousos. Como o projeto da aeronave é para 90.000 ciclos, um cliente do Saab 340 MSA teria ainda 70.000 ciclos pela frente, com baixos custos operacionais.

FONTE: Engineering News (reportagem de Keith Campbell)

FOTOS: Saab e Gripen Blog

VEJA TAMBÉM:

14
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Mauricio R.shipbuildingbrVaderGilberto RezendeFernando "Nunão" De Martini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcos
Visitante
Member
Marcos

Nóis fora, né!?
Nóis fora porque nóis mais inteligenti que o resto do Mundio.
O Mundio está erradio e nóis sertio, sertio!?

asbueno
Visitante
Member
asbueno

Algumas considerações: 1. Quanto custaria o leasing de uma unidade de Gripen C/D? Se o custo benefício for razoável (e creio que é), poderiamos adquirir imediatamente uma dúzia e meia (quantidade que o Nunão sugere) para compor o GDA; 2. A substituição dos Tiger poderia ser feita do mesmo modo no médio prazo; 3. Um pouco além disso fazer o upgrade para a versão E/F; 4. Em paralelo participar ativamente do desenvolvimento do que restou a ser desenvolvido; 5. Os Gripen operam em condições de neve, portanto em clima úmido. É possível comparar essa umidade “ártica” com a umidade amazônica?… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

asbueno

Você esqueceu que aqui no Brasil descobriram (eu ainda não sei o que é) um troço chamado “estratégico”, que por conta disso subverteram a classificação do Gripen de primeiro para algum lugar na preferência.

asbueno
Visitante
Member
asbueno

Sim, Marcos, esqueci de propósito! Rssss… Realmente, a coisa não é simples, porém não é possível demandar 15 anos para uma solução! Minha ordem de preferência é Gripen E/F, SH e Rafale. Este último pelo alegado valor da hora de voo. Até a hora do tampão já passou. Só um exemplo: O UOL traz hoje a construção do estádio corintiano triplicou em 10 meses, para 385 milhões. Os valores não são os mesmos mas tudo bem, é assim mesmo? Sim, é assim mesmo porque desejam e precisam que os estádios estejam prontos. Adoro futebol mas uma copa é desnecessária para… Read more »

Alfredo Araujo
Visitante
Member
Alfredo Araujo

Q foto sensacional essa do desembarque…
Nunca tinha visto nada igual. Mto legal

asbueno
Visitante
Member
asbueno

Nunão, se os 36 FX2 vierem então a “crise” estará amainada.

Gilberto Rezende
Visitante
Member
Gilberto Rezende

O canto da sereia sueca ecoa novamente caso o plano A micar num referendo suíço…

E novamente este argumento furado de hora de voo de menos de 5.000 dólares…

Se tem um lugar que se SABE o custo REAL da hora de voo do Gripen , é a África do Sul, que não precisa de “estimativa” da Jane´s…

Não há qualquer razão lógica para um país sem vizinho ameaçador trocar a aeronave que ele ACABA de introduzir…

Vader
Visitante
Member

Gilberto Rezende disse: 17 de outubro de 2012 às 0:10 “E novamente este argumento furado de hora de voo de menos de 5.000 dólares” Furado? FURADO? Para quem não sabe, a IHS Jane´s Consulting é “apenas” a mais respeitada consultoria em inteligência e defesa do mundo. E mais: é na origem uma empresa AMERICANA, e não sueca. Leiamos de novo: “A reportagem finaliza com os dados de pesquisa independente da Jane’s, que coloca o custo de hora de voo do Gripen em 4.700 dólares (de 2012), comparados aos valores de US$ 7.700 para o Lockheed Martin F-16, US$ 11.000 para… Read more »

shipbuildingbr
Visitante
shipbuildingbr

Pelo que percebi o “naviozinhum“ que transportou esse ultimo lote (foto) chamou um pouco a atenção do pessoal. Ele se chama ARCHANGELGRACHT e pertence ao armador holandês Spliethoff (Amsterdam), um dos maiores armadores de MPCs e Heavy Lifts do planeta, um verdadeiro clássico no ramo e seus navios conseguem chamar a atenção até mesmo “em casa”, na Holanda.

Bandeira: Holanda
IMO: 8811948
Callsign: PCTG
Dimensões: 130 metros de comprimento x 19 metros de boca (largura) x 8.9 de calado.
Foi construído/Lançado ao mar em 1990 pelo estaleiro Tille Scheepsbouw
Kootstertille (Holanda)

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“A Raytheon está em crise e os chineses estão com a preferência de adquiri-la.”

Quem está em dificuldades, podendo ser adquirida pelos chineses, é a Hawker-Beechcraft

“…tem os 340 ainda em linha.”

Saiu de linha já a vários anos, p/ dar lugar ao Saab 2000, que tb já foi descontinuado.
As aeronaves sendo oferecidas, são usadas e revisadas portanto.

O Gripen operou na campanha líbia por meses, opera na África e no Sudeste asiático.
Não vejo dificuldade em operar na Amazônia.
Exceto por alguma aparição fantasmagórica da “Mad Maria”, ex-EF Madeira-Mamoré!!!

asbueno
Visitante
Member
asbueno

Valeu pelas correções Mauricio! E pelo esclarecimento.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

OFF TOPIC…

…como comentei aqui, a respeito da Hawker Beechcraft, anteriormente:

As negociações c/ os chineses estão encerradas, não haverá negócio.
As linhas de jatos executivos Hawker, serão encerradas e descartadas.
O tradicional nome “Beechcraft”, volta a ganhar proeminêcia.

(http://www.flightglobal.com/news/articles/hawker-beechcraft-breaks-off-talks-with-chinese-buyer-dumps-hawker-product-line-377809/)