Home Aviação de Caça Em detalhes, a audiência na CRE sobre F-X2 e a escolha do...

Em detalhes, a audiência na CRE sobre F-X2 e a escolha do Gripen

477
59

Saito na CRE - captação 2 da imagem da TV Senado - Forças de Defesa

Os principais pontos falados na audiência estão detalhados aqui, no Poder Aéreo. Leia e comente!

DestaqueNesta quinta-feira, 27 de fevereiro, o Poder Aéreo assistiu atentamente à audiência pública da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), na qual o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Juniti Saito, falou sobre a escolha do caça sueco Gripen para reequipar a Força Aérea Brasileira, dentro do programa F-X2. Também participou da audiência, realizada no Senado, o presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), brigadeiro do ar José Augusto Crepaldi Affonso, que fez uma apresentação inicial e também responde às perguntas dos senadores.

Segue abaixo nossa descrição detalhada de como foi a audiência, que começou às 10h07 e terminou às 12h06.

Apresentação do presidente da COPAC

Antes mesmo da apresentação do brigadeiro Crepaldi, o comandante Saito ressaltou que a intenção é assinar o contrato do Gripen com a Saab até o final do ano. Em seguida, o presidente da COPAC fez uma apresentação sobre o histórico e o andamento do programa F-X2, destacando inicialmente a importância de se ter aeronaves desenvolvidas e fabricadas no Brasil. Um exemplo, que segundo o brigadeiro foi voado em algum momento por todos os oficiais generais da FAB na ativa, é o Aerotec T-23 Uirapuru, ao qual se seguiu diversas aeronaves, fazendo com que hoje um piloto de caça da Força Aérea faça cada passo de sua instrução, da primária à especializada, em aeronaves desenvolvidas e fabricadas no país: T-25, T-27 e A-29. Destacou também que a presidente da República também voa em um avião desenvolvido e fabricado no Brasil, e que tudo isso é resultado de anos de investimento e planejamento de longo prazo.

Crepaldi na CRE - captação da imagem da TV Senado - Forças de Defesa

Crepaldi em seguida relembrou que, na Estratégia Nacional de Defesa (END), um ponto básico é que o Brasil é um país pacífico por tradição e convicção, mas que, para ocupar seu lugar no mundo, deve estar preparado para defender-se não só de agressões, mas também das ameaças. Ao mesmo tempo, para um país que tem diversas outras prioridades sociais e econômicas, passando frequentemente por restrições orçamentárias, é fundamental se fazer a análise do tempo de vida de um meio destinado à sua defesa. O estudo do ciclo de vida de aeronaves é, assim, um ponto fundamental do F-X2, sendo que aeronaves de combate costumam operar por cerca de 30 anos, mas o Brasil frequentemente leva esse tempo para 40 ou 50 anos, com modernizações e extensões da vida útil.

Sobre o histórico dos últimos anos do F-X2, o presidente da COPAC lembrou que, desde 2008, uma diretriz do comandante da Aeronáutica estabeleceu que o novo caça deveria substituir no curto prazo o Mirage 2000, e no longo prazo o F-5EM e o A-1M, padronizando a Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira. Destacou também que foi em 5 de janeiro de 2010 que o Relatório Final do F-X2 foi entregue pela Aeronáutica ao Ministério da Defesa.

Audiência F-X2 e escolha Gripen na CRE - tela capturada apresentação COPAC

O programa envolveu a avaliação de 1.200 requisitos, divididos nas seguintes áreas: técnica-operacional, logística, industrial, comercial e contrapartidas. Para cada uma dessas áreas, foi feita uma análise de risco. Um ponto importante a se destacar na questão técnica operacional, é que foram estabelecidos os seguintes requisitos mínimos de autonomia para os novos caças: raio de ação de 300 milhas náuticas (cerca de 540km) para missões ar-ar e de 500 milhas náuticas (aproximadamente 900km) para missões ar-solo. Crepaldi afirmou que o Gripen cumpriu esse requisito, assim como os outros dois concorrentes finalistas.

Os pontos fortes da proposta do Gripen

Audiência F-X2 e escolha Gripen na CRE - tela capturada apresentação COPAC - pontos fortes

O presidente da COPAC também resumiu os pontos fortes do Gripen de nova geração, caça selecionado no programa F-X2:

  • Lançamento de mísseis com sensores em modo passsivo
  • Reduzida quantidade de equipe de apoio e mão-de-obra
  • Melhor operação desdobrada
  • Motor com menor custo operacional e melhor mantenabilidade e confiabilidade
  • Menor impacto de implantação na infraestrutura da FAB
  • Participação do país na certificação da aeronave durante o desenvolvimento
  • Potencial industrial da empresa
  • Menor risco contratual
  • Menor custo operacional
  • Montagem no Brasil

Audiência F-X2 e escolha Gripen na CRE - tela capturada apresentação COPAC - projetos de capacitação

Audiência F-X2 e escolha Gripen na CRE - tela capturada apresentação COPAC - áreas de interesse de transferência de tecno

Para a seleção do vencedor, dois pontos foram considerados fundamentais: um é a transferência de tecnologia, que visa capacitar a indústria nacional com tecnologias para um caça de quinta geração. A própria indústria foi solicitada a mostrar quais tecnologias ainda não dominadas (lembrando que o país já domina várias tecnologias aeronáuticas importantes) deveriam ser solicitadas, ou seja, foi a partir das demandas das indústrias, num processo coordenado pela FAB, que se estabeleceu quais tecnologias seriam fundamentais para capacitar o país para o desenvolvimento de um caça de quinta geração. As telas apresentadas com os pontos principais dos projetos de capacitação oferecidos pela Saab e as demandas da indústria nacional visando a capacitação para o caça de quinta geração estão acima.

Tela 2

Outro ponto fundamental foi a cooperação industrial, que visa capacitar a indústria e a Força Aérea a manter os itens estratégicos da aeronave. Entre os destaques da proposta do Gripen para atender a esse ponto, estão a instalação de um centro de desenvolvimento, integração e simulação no Brasil (dentro do que se chama Gripen Design and Development Network), funcionando online, em tempo real, ao desenvolvedor na Suécia. Essa conexão se dará via Embraer, ou seja, os diversos fornecedores nacionais envolvidos no projeto farão parte da rede tendo como ponto central a Embraer.

Para a concretização de tudo isso e para a decisão pela proposta do Gripen, deu-se bastante peso ao fato desta permitir não só aprender, mas trabalhar junto no projeto da aeronave e dos sistemas necessários. Alguns pontos importantes foram destacados nesse sentido:

  • Compartilhamento da propriedade intelectual
  • Projetos de estruturas e testes
  • Desenvolvimento e produção compartilhados
  • 80% das partes estruturais serão fabricados em instalação que será criada em São Bernardo do Campo / SP, incluindo os materiais compostos. Isso compreende a fuselagem traseira, asas e portas do trem de pouso – para esses itens, o Brasil seria “sole source”, ou seja, o fornecedor único. Os componentes seriam montados não somente nas aeronaves brasileiras, mas em todos os caças Gripen a serem vendidos no mundo.
  • Haverá uma linha de montagem final no Brasil (além da linha sueca).
  • A linha de montagem brasileira atenderia a todos os clientes possíveis no acordo de marketing com a Saab: países da América do Sul e área de influência do Brasil, incluindo África.
  • Desenvolvimento de uma tela única de grande área (Large Area Display), do tipo touchscreen (que permite seleção de funções com toque na tela).
  • 97% do CLS (apoio logístico do contratante) será feito pela Aeroeletrônica (AEL), instalada no Rio Grande do Sul.

Tela 1

Andamento das negociações com a SAAB – Super Tucano, KC-390 e Erieye

Desde 20 de dezembro já estão sendo negociados pontos do contrato com o fabricante do Gripen, a sueca Saab. Há um cronograma completo de reuniões, incluindo empresas brasileiras, para que se assine o contrato na segunda quinzena de dezembro deste ano, mais especificamente, se possível, no dia  18 de dezembro de 2014. O calendário, segundo o presidente da COPAC, é apertado, porém exequível.

Alguns pontos importantes estão em discussão com a Suécia, entre eles as intenções do país em adquirir aeronaves Super Tucano e KC-390 (este com voo do protótipo previsto para outubro deste ano). Há também na mesa um compromisso da Saab de que futuros projetos envolvendo aviões equipados com radar Erieye seriam oferecidos exclusivamente com aeronaves da Embraer, como plataforma.

O debate com os senadores

Senadores Ana Amélia Suplicy e Ferraço na CRE - captação da imagem da TV Senado - Forças de Defesa

Finalizada a apresentação por volta das 10h50, os senadores começaram o debate com o comandante da Aeronáutica e o presidente da COPAC.

A lacuna até 2018

O presidente da CRE, senador Ricardo Ferraço (PMDB – ES) perguntou ao comandante Saito como será coberta a lacuna e feita a transição até que o primeiro Gripen NG seja recebido, em 2018. O tenente-brigadeiro Juniti Saito afirmou que, desde a desativação dos Mirage 2000 no final do ano passado, o caça F-5 modernizado está cumprindo a contento toda a missão de defesa aérea, mesmo sem ser o ideal. A partir da decisão pelo Gripen no programa F-X2, foram iniciadas conversas com o Ministério da Defesa da Suécia e a Força Aérea Sueca, cujo comandante esteve no Brasil e ofereceu o empréstimo de caças Gripen C/D, de geração anterior aos NG pretendidos pela FAB, para cobrir a lacuna. Ou seja, já há um compromisso da Força Aérea e do Ministério da Defesa da Suécia em  fornecer essas aeronaves, e espera-se que se possa tomar uma decisão por volta do meio deste ano.

Essas 8 a 12 aeronaves Gripen C/D operariam na FAB entre 2016 e 2020 pois, apesar das primeiras entregas do Gripen NG estarem programadas para 2018, ainda levaria dois anos para se estabelecer de forma completa um primeiro esquadrão com o novo caça. Com tudo isso – o uso do F-5M na defesa aérea e o empréstimo de caças Gripen C/D – Saito foi explícito em dizer que a FAB vai cumprir suas prerrogativas.

Componentes norte-americanos

O senador Ferraço, baseado em afirmações que circulam na mídia e atribuídas a especialistas, questionou se procede as alegações de críticos à escolha do Gripen de que boa parte dos componentes do caça não são suecos, e se isso poderia gerar embargos, principalmente por parte dos Estados Unidos quanto a motores e especialmente quanto a armamentos e códigos-fonte de origem americana, afetando o nível de independência que teríamos com o caça sueco. O comandante Saito respondeu que, hoje, ninguém fabrica 100% de um caça com componentes da indústria do próprio país. O principal item externo do Gripen é o motor, americano, mas trata-se de um item mecânico.

Os motores virão junto com os caças e serão comprados motores extra, como reserva, assim como será garantida a manutenção dos mesmos aqui. Hoje, há 4 ou 5 fabricantes de motores a jato no mundo, tecnologia para a qual se precisa de muitos anos para desenvolver e competir. O Brasil está só no primeiro passo desse desenvolvimento, ainda focado em turbinas para geração de energia. Quanto à aviônica, ela será produzida no Brasil e o código-fonte será transferido integralmente, para que o país possa integrar armamentos próprios.

Senadore Ferraço na CRE - captação da imagem da TV Senado - Forças de Defesa

O senador Ferraço insistiu no questionamento sobre 40% da aviônica do caça ser dos Estados Unidos, ao que o presidente da COPAC, brigadeiro Crepaldi, retomou a questão como um todo: pode-se integrar armamentos de vários países no Gripen, e não só americanos. Principalmente, pode-se integrar armamentos nacionais. Quanto à parte estrutural, essa é a mais fácil de se realizar o desenvolvimento e produção no Brasil. O principal objetivo é, este sim, o desenvolvimento do software. Hoje, há aviônica de procedência norte-americana no Gripen, fornecida pela Rockwell Collins, mas o objetivo é que ela seja brasileira, com foco no ciclo de vida do caça. Há garantias explícitas de que haverá transferência de tecnologia nessa área, segundo o presidente da COPAC. Ainda sobre os motores, Crepaldi reforçou que, qualquer que fosse a escolha do caça, haveria esse risco de dependência de fornecedores quanto ao motor, pois há poucos fabricantes mundiais. Por isso focou-se em garantir a sua manutenção no país.

O valor da proposta e o ‘status’ do Gripen

O presidente da CRE, senador Ricardo Ferraço, mostrou preocupação com o valor de 4,5 bilhões de dólares da proposta, se este é um limite ou se haveria risco de uma escalada de custos. O comandante Saito respondeu que o valor final é algo que se está sendo negociado, podendo ficar tanto acima quanto abaixo desse valor, quando da assinatura do contrato.

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB – SP) levantou a questão da longa duração de todo o processo, que considerou preocupante, assim como o drama da descontinuidade orçamentária poder afetar o programa. Perguntou também se 36 caças são considerados suficientes, tendo em vista muitas afirmações de que a autonomia do Gripen seria inadequada para um país continental, e se haveria dificuldade para adaptação dos pilotos, rapidamente, ao Gripen C/D que cobriria a lacuna enquanto os novos não chegassem. O senador Ferraço aproveitou para questionar se o Gripen é um projeto ou uma realidade, e se não é um caça adequado só para países pequenos, como os que atualmente operam a aeronave.

O tenente-brigadeiro do ar Juniti Saito reforçou que o caça atende aos requisitos de raio de ação estabelecidos pela FAB, assim como o fato de que os três concorrentes finalistas cumpriram esses requisitos. Para qualquer um dos caças operar em raios de ação superiores aos estabelecidos pelo programa (300 milhas náuticas para missão ar-ar e 500 milhas náuticas para missão ar-solo), é necessário reabastecimento em voo, de forma a realizar missões acima de um raio de 1.500 milhas náuticas. É por isso que a FAB está empenhada nos programas do KC-390, avião de transporte tático e reabastecimento, e do KC-X2, de transporte estratégico e reabastecimento. Quanto a este último, foi selecionada uma proposta da IAI israelense para converter jatos Boeing 767 para o reabastecimento em voo, aguardando-se autorização do governo para a assinatura do contrato. Quanto a demoras de decisão, o comandante da Aeronáutica reconheceu que em mais de uma ocasião a decisão do governo foi adiada, devido a diversas outras prioridades deste.

Saito e Crepaldi na CRE - captação da imagem da TV Senado - Forças de Defesa

A desativação dos caças F-5M e dos jatos de ataque A-1M

Prosseguindo na sua resposta, o comandante Saito ressaltou que a FAB possui 43 jatos de ataque A-1 e 57 caças F-5M para defesa aérea, e que eles têm tempo pela frente. O F-5 deverá ser desativado a partir de 2025 e o A-1 a partir de 2030. Por hora, serão adquiridos 36 caças Gripen, porém mais exemplares deverão substituir, no futuro, a frota de F-5 e A-1. Sobre a adaptação dos pilotos da FAB ao Gripen C/D, Saito afirmou que não vê dificuldade para a adaptação dos pilotos a essa plataforma. O usual é um ano de treinamento para isso, e a Força Aérea Sueca já ofereceu a possibilidade de dois pilotos iniciarem esse treinamento, na Suécia, a partir de agosto deste ano. Ainda a respeito dos aviões de reabastecimento em voo, o comandante Saito disse que o KC-390 e o KC-X2 deverão estar em linha quando da chegada do Gripen NG, que tem capacidade de ser reabastecido no ar.

A produção dos caças no Brasil

A senadora Ana Amélia Lemos (PP – RS) lembrou que, com a intenção de se produzir as aeronaves no Brasil, é de se esperar uma competição entre cidades do país pelas instalações de linhas de montagem, já deixando claro que deseja garantir a participação de municípios do Rio Grande do Sul. Perguntou se os primeiros caças seriam produzidos na Europa com aprendizado brasileiro ou se a produção de todos os 36 aviões seria no Brasil, questionando também se, por ser menor e monomotor, teria menos autonomia, se há expectativa de se produzir uma versão naval e para onde o caças poderia ser exportado. O senador Ferraço aproveitou para insistir na pergunta ainda não respondida, se o Gripen NG é um projeto ou uma realidade.

O comandante Juniti Saito começou pela pergunta de Ferraço, afirmando que, hoje, há um avião de prova conceitual do Gripen NG em voo, no qual houve mudança do trem de pouso da fuselagem para as asas, de forma a ocupar a antiga posição do equipamento com mais combustível. O protótipo do Gripen NG deverá voar no ano que vem, segundo Saito, que reforçou que a nova geração do Gripen é um derivativo do Gripen C/D, asim como o Super Hornet deriva do Hornet. Lembrou que chegou a voar no Gripen B (biposto de primeira geração do caça) em 1997 e que o fato do Gripen NG precisar ser desenvolvido não é encarado como um problema, e sim como uma solução. Ferraço insistiu que os operadores do Gripen são países pequenos, ao que Saito também insistiu no ponto de que  o caça foi extensamente analisado e que atende às nossas necessidades, e não há dúvidas sobre isso.

Versão para a marinha e as vantagens e desvantagens de um caça monomotor

Prosseguindo nas questões levantadas pela senadora Ana Amélia Lemos, o comandante Juniti Saito disse que a Marinha do Brasil tem interesse em desenvolver versão naval e que os suecos podem colaborar com esse desenvolvimento, complementando que a Marinha está sendo convidada para discutir esse assunto. Quanto ao fato de ser monomotor, há vantagens e desvantagens. Entre as vantagens, está o fato de tornar o avião menos detectável pelo inimigo, Entre as desvantagens, está o fato de que, em caso de perda da turbina, o piloto tem que ejetar. As vantagens em equipamentos de guerra eletrônica oferecidos pelo Gripen, por outro lado, compensam o fato de ser monomotor, segundo o comandante da Aeronáutica. Saito esclareceu também que o Gripen é um caça de geração 4,5. Caças de quinta geração só existem os Estados Unidos, hoje, com o F-22 que os americanos não vendem para ninguém e o F-35 que chegou agora está sendo oferecido internacionalmente. Russos e chineses estão desenvolvendo os seus caças de quinta geração.

Senadores Suplicy e Ferraço na CRE - captação da imagem da TV Senado - Forças de Defesa

Orçamento e pagamento após última entrega, em 2023

Quanto a preocupações levantadas pelos senadores sobre orçamento, o comandante Juniti Saito ressaltou que é fundamental haver desembolsos previsíveis, e que os pagamentos para o KC-390 têm sido regulares pois não pode atrasar, visto que concorrentes estão a caminho. O senador Aloysio Nunes relembrou que essa questão orçamentária é fundamental e que sua previsibilidade precisa ser garantida, cobrando o presidente da CRE, senador Ferraço, de agir politicamente nesse sentido.

Ferraço perguntou se procede a informação de que os pagamentos só começariam após a entrega da 36ª aeronave, ao que o comandante Saito respondeu que essa é uma questão em negociação para o contrato. A Saab ofereceu financiamento em que o pagamento só seria iniciado 6 meses após o recebimento do último caça, em 2023. Porém, isso precisa ser discutido com os ministérios da Fazenda e do Planejamento, quanto ao interesse na proposta, ou se esses ministérios preferem que os desembolsos sejam feitos periodicamente pelo tesouro.

O senador Ferraço, interrompendo um questionamento do senador Eduardo Suplicy (PT – SP)  sobre a expectativa de geração de empregos, perguntou sobre a fábrica que a SAAB pretende instalar em São Bernardo do Campo / SP, se essa diversificação seria necessária ao invés de uma concentração na Embraer, em Gavião Peixoto.

O comandante Saito respondeu que, em São Bernardo, deverá ser instalada uma fábrica para montar estruturas, e não para montar aeronaves. Lembrou que, nas instalações da Embraer em Gavião Peixoto, não se produz estruturas, e sim se faz a montagem final e integração de componentes nos aviões. Assim, em São Bernardo do Campo serão fabricados componentes estruturais e a Embraer irá receber esses componentes para a montagem dos caças em Gavião Peixoto.

Quanto à previsão de geração de empregos, o comandante da Aeronáutica estimou em 2.000 a 3.000 empregos diretos, além de cerca de 22.000 indiretos.

Suplicy solicitou uma comparação do valor do programa do Gripen em relação ao orçamento da Aeronáutica, e quanto isso representaria em desembolso anual, no caso do financiamento oferecido. O comandante Saito respondeu que seriam desembolsados 500 milhões de dólares por ano ao longo dos 9 anos de pagamento, e que esses pagamentos representariam menos de 10% do orçamento anual da Aeronáutica.

Os diferenciais da transferência de tecnologia

Já nas considerações finais, o senador Ferraço perguntou o que, dentro da oferta de transferência de tecnologia da Saab, foi um fator decisivo, que os outros concorrentes não ofereceram. O presidente da COPAC, brigadeiro Crepaldi, relembrou a filosofia do domínio tecnológico mostrada na apresentação inicial, ressaltando a vantagem do desenvolvimento conjunto e a garantia da propriedade intelectual, como pontos fortes da proposta do Gripen. Outros foram o acesso aos códigos-fonte, incluindo dados de desenvolvimento das versões anteriores do caça. Crepaldi ressaltou que as outras ofertas também eram muito boas e que cumpriram os requisitos da FAB, mas que não poderia dar detalhes a respeito, pois isso poderia interferir em concorrências que os concorrentes não selecionados realizam em outros países.

Saito na CRE - captação da imagem da TV Senado - Forças de Defesa

Ferraço insistiu, porém, na questão dos códigos-fonte, se poderia ser dada uma resposta objetiva à questão de quem ofereceu a melhor proposta nesse sentido, ao que Crepaldi respondeu que a Boeing e a Dassault, mesmo cumprindo os requisitos, não ofereceram o mesmo nível de acesso aos códigos-fonte que a  Saab ofereceu.

Por fim, o senador Ferraço levantou a questão das compensações (off sets) oferecidos pela Saab, recebendo do comandante Saito a resposta de que, dentro do que pode falar, há  compensações que representam 170% do valor do contrato.

Respondendo a um novo questionamento de Ferraço sobre os critérios para se distribuir essas compensações, o brigadeiro Crepaldi informou que, conforme portaria do Ministério da Defesa, as compras de material de defesa no exterior devem, obrigatoriamente, ser acompanhadas de compensações tecnológicas, industriais e comerciais. A FAB focou na compensação tecnológica e industrial, conforme os critérios mostrados na apresentação do início da audiência. O brigadeiro informou também que essas compensações são regidas por um contrato separado, administrativo. Este inclui sanções em caso de não cumprimento, e vem sendo aplicado há anos pela Aeronáutica.

E assim chegou ao final a audiência, por volta das 12h06 desta quinta-feira, conforme as anotações que fizemos ao longo de sua transmissão. Há diversos pontos interessantes para discutir, muitos deles já levantados como dúvidas em diversas ocasiões pelos leitores do Poder Aéreo, que agora podem ser respondidos e, principalmente, servir para novas questões. Ao debate!

Atualização: para assistir a vídeo de 32 minutos disponibilizado pela TV Senado, compreendendo a íntegra da apresentação inicial feita pelo brigadeiro Crepaldi da Copac, clique aqui.

59
Deixe um comentário

avatar
54 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
19 Comment authors
Mauricio R.MayuanLywLywNick Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
rogeriol
Visitante
rogeriol

Ufa!
Boas noticias, os F-5M não começarão a baixa em 2017 e sim em 2025.
Assim teremos em 2023, 57 F-5M + 43 A-1M e 36 NG = 136 caças dignos por um breve tempo mas teremos.
E também ficou bem explicado que a main contractor é a Embraer e a AKAER de São Bernardo fabricara as estruturas tão somente.
E contrato já com data provável, 18 de dezembro de 2014, o que alentador também.
E por fim, Gripen C/D para junho e Super Tucano e KC-390 para Suécia em tramite.
Boas novas.

Marcos
Visitante
Marcos

“O F-5 deverá ser desativado a partir de 2025 e o A-1 a partir de 2030.”

Para mim isso é novidade. A programação original era de que a desativação dos F-5 se iniciaria em 2017. Se for verdadeira a informação, para 2025, um dos F-5, s.n. 000001, terá 51 anos quando de sua desativação.

phacsantos
Visitante
phacsantos

Marcar reunião com os presidentes anteriores pra perguntar porque não tinha sido decidido ainda o F-X e o FX-2 nenhum senador/deputado foi né?

Pra encher o saco depois de algo que parece estar dando certo todo mundo sabe….

Sério…esses militares tem de ter uma paciência pra sentar ali e ficar respondendo essas perguntinhas….

Alexandre Galante
Visitante

Haja paciência… e ainda ter que ficar esclarecendo ad nauseaum sobre o raio de ação do Gripen NG, assunto já devidamente esclarecido.

Só esqueceram de falar o raio de ação do F-5 que é muito menor, e o mesmo será o principal caça da FAB por muito tempo ainda!

Iväny Junior
Visitante
Member

Era pro Saito se dignar em responder as perguntas dos patifes normalmente, mas, ao final, dizer: “O povo gostaria de saber algumas coisas de vossas excelencias”…

E perguntar com a fichinha corrida de cada um dos canceres do brasil.

phacsantos
Visitante
phacsantos

Também gostaria que o Brigadeiro tivesse dito que o $$ para o Gripen sairia do GTE, que seria desativado!

Aí os distintos iam se “alvoroçar” legal…rs

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Reitero, assisti do começo ao fim: Brigadeiro Crepaldi se expressa muito bem e com fluência na apresentação, impecável. Está claro, determinadas transferências de tecnológica que envolve principalmente componentes USA serão limitadas, assegurada o domínio da manutenção e de unidades extras em estoque no Brasil. Deverá haver outros itens que ficarão sob este model. Não há almoço grátis. Pagar após a entrega do último vetor, 6/8 meses após, trata-se de financiamento garantido pelos Suecos, mas FINANCIAMENTO, portanto sujeitos as condições internacionais, tais como Libor, variação de câmbio, etc …. o que é normal. Destaco apenas: Qual será o CET no final… Read more »

Observador
Visitante
Observador
Nautilus
Visitante
Nautilus

“Marcos 27 de fevereiro de 2014 at 16:23 # “O F-5 deverá ser desativado a partir de 2025 e o A-1 a partir de 2030.” Para mim isso é novidade. A programação original era de que a desativação dos F-5 se iniciaria em 2017. Se for verdadeira a informação, para 2025, um dos F-5, s.n. 000001, terá 51 anos quando de sua desativação.” Acho que não entenderam: 2025 é a data em que não haverá mais nenhum F-5M em uso pela FAB. A data de 2017 significa que, com entrada em serviço dos Jordanianos, a FAB poderá/deverá dar baixa nos… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Perfeito Fernando De Martini

acrescento:

“Embora não tenha dado o empréstimo como confirmado, Saito diz já ter recebido a oferta para que pilotos brasileiros treinem na “aeronave tampão”, o Gripen C/D.”

A matéria do PA está Ipsis litteris com a audiência que assistimos.

Marcos
Visitante
Marcos

Se for mesmo 2025, e levando em consideração que ainda não há um contrato assinado para o Gripen, a FAB já é a Força Aérea Argentina, ou seja, só sucata!!

joseboscojr
Visitante
Member
joseboscojr

Interessante o raio de ação para missão ar-ar exigido ser menor que o raio de ação para missões ar-ar. Teoricamente o raio de ação ar-ar deveria ser maior, já que em geral se leva menos armas (provavelmente só 4 AAMs) e se voa alto (hi-hi), enquanto em missões ar-sup se voa hi-lo-hi e além de 4 AAMs se leva o armamento ar-sup (que imagino ser de pelo menos 1 t). No caso, interceptação ao meu ver diz respeito a uma missão de interceptação específica, após um alerta, e não uma patrulha aérea de combate, que soma ao raio de ação… Read more »

joseboscojr
Visitante
Member
joseboscojr

Correção: “Interessante o raio de ação para missão ar-ar exigido ser menor que o raio de ação para missões ar-ar.”
Quis dizer:
“Interessante o raio de ação para missão ar-ar exigido ser menor que o raio de ação para missões AR-SUP.

Justin Case
Visitante

Amigos.

Eu não me contento apenas com números e check list de ATENDE ou NÃO-ATENDE. Há muitos parâmetros para avaliar um resultado operacional e muitos outros para se chegar a uma decisão.
Provavelmente os requisitos estavam subdimensionados para não eliminar as opções disponíveis no mercado e no short list.
Tenho certeza de que os métodos de avaliação da COPAC avaliam o QUANTO cada um atende e pode contribuir para o alcance do objetivo militar.
Devemos também considerar que o desempenho não é o único aspecto a ser analisado.
Avaliar um programa dessa complexidade não é apenas colocar check-mark em um formulário.
Abraços,

Justin

joseboscojr
Visitante
Member
joseboscojr

Nunão,
Eu sei que não é o tema do post, mas sem querer complicar, o que achei estranho foi a distância requerida para interceptação ser menor que o raio de ação ar-sup.
Só um detalhe!
De qualquer forma você já me esclareceu tendo tocado no detalhe que uma interceptação pode requerer velocidade supersônica.
Isso por si só já explica o porque do seu “raio” ser menor que o raio de ação da operação ar-sup.
Um abraço.

Marcos
Visitante
Marcos

Se os cortes orçamentários atingirem as atuais modernizações de aeronaves, e atingem, o senário desastroso não é para 2025, é para mais próximo.

Marcos
Visitante
Marcos

Um teste que a FAB não fez, foi operar o Gripen Demo em ambiente amazônico por pelo menos trinta dias.

Se testaram o C-295 exaustivamente antes da compra e hoje há quem reclame, comprar um caça é um pouco mais complicado.

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

“Um teste que a FAB não fez, foi operar o Gripen Demo em ambiente amazônico por pelo menos trinta dias.”

Os tailandeses operam o gripen em ambiente semelhante à Amazônia. Seria a melhor fonte de informações sobre este tema para nós. Melhor até do que a opinião do fabricante.

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Se mais a metae a frota e F 5M estiver em condições operacionais em 205 eu troco de nome e passo a me chmar Maria Jose.

O Brig respondeu para a platéia o qu ela queria ouvir e não a realidade, infelizmente.

Grande abraço

Vader
Visitante
Member

E mais uma vez ficou comprovado que a tal “ToT irrestrita” da Dassault era uma MENTIRA francesa. Como aliás ficou provado que ToT irrestrita NÃO EXISTE! Como eu e alguns poucos sempre arirmamos aqui; mas éramos tachados de vendidos, vira-latas, etc. Nada como o tempo para estabelecer a verdade. Se a Saab, VENCEDORA no aspecto ToT, já possui restrições, e mesmo assim sua ToT foi a melhor, fica demonstrada à exaustão que os franceses MENTIRAM; e ficou igualmente demonstrado quem foram os TOLOS rafalíticos que acreditaram nessa esparrela. É assim senhores, como falo desde 2008 aqui: franceses MENTEM! E PeTralha… Read more »

Vader
Visitante
Member

Aliás, os indianos estão descobrindo isso sobre franceses e a Dassault. A duras penas…

Marcos
Visitante
Marcos

Poggio

Alguém da FAB foi à Tailândia???

Marcos
Visitante
Marcos

ToT irrestrita não existe.
Alguém gasta US$100 bi para desenvolver alguma coisa e dai vai transferir a coisa, assim… toma, é teu!!! Jamé!

Marcos
Visitante
Marcos

Entrou lá no final o KC-390 e A-29. Curiosidade: os europeus não tem lá um sobretaxa para equipamentos militares comprados fora do ambiente europeu? Aliás, não sei se a Holanda, por conta dos F-16, ou a Suiça, por conta dos F-18, estão sendo cobrados para pagarem a tal sobretaxa.

Nick
Visitante
Member
Nick

Pela descrição do PA, esses senadores foram incompetentes para fazer perguntas pertinentes ao programa FX-2, e agora Gripen NG. Em vez de ficarem preocupados com o motor americano, porque não perguntaram como seria acomodado as demandas da Suiça/Suécia/Brasil no Gripen E. O Brasil forneceria esses 80% das estruturas dos Gripen suiços? A única novidade que me parece interessante seria uma compensação pela Suécia de compras de KC-390 e Super Tucanos, além de tornar aeronaves da Embraer (quem sabe o E-190) como uma futura plataforma exclusiva para AEW usando o Erieye. E claro, a proposta do Gripen sempre foi obviamente a… Read more »

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Anotem aí: Não teremos NG operacional antes de 2020 ou 2021.

Grande abraço

Lyw
Visitante
Lyw

“Alguns pontos importantes estão em discussão com a Suécia, entre eles as intenções do país em adquirir aeronaves Super Tucano e KC-390 (este com voo do protótipo previsto para outubro deste ano). Há também na mesa um compromisso da Saab de que futuros projetos envolvendo aviões equipados com radar Erieye seriam oferecidos exclusivamente com aeronaves da Embraer, como plataforma.” Estas informações são as grandes novidades da audiência. Até então, não tinha ouvido nada a respeito por vias oficiais. Sobre a compra de Super Tucanos, não foi especificado qual o papel que a aeronave cumpriria… A força aérea sueca está pretendendo… Read more »

Lyw
Visitante
Lyw

Estas informações que citei a respeito da Força Aérea Sueca foram noticiadas em importantes véiculos internacionais de informação ano passado… Numa rápida pesquisa no google achei este link para postar aqui como fonte de informação:

http://www.bloomberg.com/news/2013-06-17/sweden-air-force-targets-c-130-upgrade-decision-in-2014.html

Antes que seja acusado de estar inventando histórias.

Lyw
Visitante
Lyw

Obrigado Nunão.

Tem razão quanto às muitas variáveis, creio que esta questão do SUper Tucano seria a mais complicada, diferente do KC-390 e das plataformas AEW&C.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Estimado Juarez Martinez

O Japa falou diretamente em 2019 ou 2020 carregando a voz em 2020.

Quanto a Maria José, faremos “una pareja”: me chamarei Maria Dilma Antonieta, quer desgraça maior que essa ?

Lord Vader

Caso veja meu único comentário no início:

estamos juntos nessa colega, confira.

Aos demais colegas:

KC e ST são possibilidades conforme o Japa afirmou, possibilidades.

Já o 190 é certo e reto, a zób vai adota-lo como plataforma exclusiva, palavras do Saito.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares
Lyw
Visitante
Lyw

“Aos demais colegas:

KC e ST são possibilidades conforme o Japa afirmou, possibilidades.

Já o 190 é certo e reto, a zób vai adota-lo como plataforma exclusiva, palavras do Saito.”

Sim meu caro, são suposições, o que não nos impede de discutirmos tais suposições, não é mesmo?

Quanto às plataformas AEW&C, mais uma jogada de mestre da “bobinha” embraer.

Nautilus
Visitante
Nautilus

Bom, vamos por partes: • Nunão, espero que você esteja correto quanto ao período de desativação dos F-5M. • Nunão (e também Bosco): sobre os raios de combate citados pelo Brig. Crepaldi, se ele cita um raio de combate para missão ar-ar a 300 mn da Base, acredito que esta missão seja uma PAC com tempo “on station” bem alto, de uma a duas horas, pois a Saab informa o raio de combate ar-ar do NG como sendo de 700 mn (cerca de 1.300 km) com tempo “on station”de 30 min. Sobre o raio de combate em missão de ataque,… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

“Fernando De Martini
27 de fevereiro de 2014 at 23:37 #”

Vou rever o vídeo, mas foi a imagem e fala que ficou em minha mente.

Volto depois a este tema.

Obrigado.

joseboscojr
Visitante
Member
joseboscojr

De modo geral há 3 tipos básicos de missão que a grosso modo podem ser denominadas de: ‘interceptação”, proveniente de um QRA ( ALEBAS na FAB); CAP (patrulha aérea de combate) e missões de ataque (ar-sup de modo geral). Na interceptação em tempo de paz há necessidade frequente do regime supersônico e nesse caso não sei se seria viável o uso de tanques externos. Penso eu que não, principalmente se não houver a opção de tanques supersônicos. A vantagem é que nesse caso é suficiente uma reduzida quantidade de armas (em geral só o municiamento do canhão, mais 2 SRAAMs… Read more »

Nautilus
Visitante
Nautilus

“Marcos 27 de fevereiro de 2014 at 19:49 # Um teste que a FAB não fez, foi operar o Gripen Demo em ambiente amazônico por pelo menos trinta dias. Se testaram o C-295 exaustivamente antes da compra e hoje há quem reclame, comprar um caça é um pouco mais complicado.” Marcos, A FAB opera F-5M em Manaus e opera Super Tucano em Boa Vista e Porto Velho, além de – de tempos em tempos – deslocar aeronaves como o A-1 para cá. Sem o menor problema. Como disse o Poggio, o Gripen opera na Tailândia, com ambiente similar ao Amazônico.… Read more »

Nautilus
Visitante
Nautilus

Em tempo: o Gripen NG pode usar três tipos de tanques externos: o de 1.100 litros pode ser usado em regime supersônico. A velocidade de supercruzeiro, inclusive, foi obtida com esse tipo de tanque, 4 BVR e 2 WVR.

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

A FAB opera F-5M em Manaus e opera Super Tucano em Boa Vista e Porto Velho, além de – de tempos em tempos – deslocar aeronaves como o A-1 para cá. Sem o menor problema. Como disse o Poggio, o Gripen opera na Tailândia, com ambiente similar ao Amazônico. Os Gripen operam no ambiente extremamente hostil do inverno sueco. Enfim, a FAB está “careca” de operar seus aviões no ambiente amazônico, que conhece bem. Moro em Manaus e já conversei com muitos oficiais da FAB sobre esta questão. As queixas com relação ao C-295 foram feitas por oficiais que queriam… Read more »

Nautilus
Visitante
Nautilus

“Caro nautilus, há aqui uma desinformação sua, com sua a licença de devo corrigir: Os problema com o 295 no TO amazônico deve-se sim ao baixo rendimento dos motores que limitam o payloada da aeronave a 5000Kg, bem como os constantes problemas elétricos sofridos e mais ainda a péssima logísitica de pós venda da EADS, tanto é que o processo de aquisição de mais 04 aeronaves foi suspenso.” Bom , Juarez, aqui não se trata de desinformação minha, mas a não-informação… 🙂 Como eu disse, em conversa com oficiais da FAB, disseram que não havia problema com a operação dos… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Caro Juarez Martinez

Há uma afirmação recente do Cel Rinaldo Nery informando que estão confirmadas mais oito (8) C 295 Amazonas e “chegando”.

Tens a informação ?

Com a palavra os Caros Colegas.

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Acho que, enquanto a Airbus não resolver os problemas e não melhorar seu pós venda, meio dificil, mas de o convencimento téc$$$nico prevalecer, bom aí não tem quem resolva, mas que aquel avião é um bicheira braba a é…

Grande abraço

Marcos
Visitante
Marcos

O problema do Casa c-295 é sua pouca potência: 2645 HP.
Só para ver a diferença, o C-27 Spartan tem 4640 HP e o EMB 120 – Brasilia, 1800 HP.