Home Aviação de Caça Suecos dão adeus ao Gripen A/B

Suecos dão adeus ao Gripen A/B

533
17

Modelos de um e dois lugares da primeira geração do caça ainda voavam em unidade de treinamento, que se despediu da versão A/B na semana passada com um voo natalino e pintura especial comemorativa

Na foto do alto, o chefe da segunda divisão da Ala F7 da Força Aérea Sueca, major Stefan Rexling, deixa a cabine de um caça Gripen A (JAS 39 A) pela última vez. A aeronave recebeu uma pintura inédita para o Gripen, em comemoração a este último voo que foi realizado na quinta-feira passada, 13 de dezembro.

Essa última surtida em Gripen A/B foi coordenada para coincidir com o tradicional “voo de Natal”, em que as aeronaves se exibem numa formação de árvore natalina, acendendo seus faróis para que o pessoal em terra veja a “árvore” brilhando. Neste ano, a formação sobrevoou sete localidades.

A Ala F7 foi a primeira a receber o JAS 39 Gripen, em 1996, e torna-se a última a voar a versão inicial A/B, encerrando uma era. Porém, nada vai mudar realmente na função dessa unidade de treinamento de pilotos, dado que ela já vinha se reequipando com os modelos JAS 39 C/D desde 2010. A única diferença é que os novos pilotos de Gripen (lembrando que estrangeiros também recebem treinamento na unidade) iniciarão seus voos no caça diretamente nos modelos C e D.

Na foto abaixo, pode-se ver detalhes do padrão especial de pintura aplicado à aeronave voada pelo chefe da segunda divisão da Ala F7. A camuflagem remete ao antecessor do Gripen tanto na Força Aérea Sueca quanto na linha de montagem da Saab, o Viggen. Para saber mais sobre o desenvolvimento de ambos, clique nos três últimos links da lista abaixo, que também trazem belíssimas imagens deste padrão de pintura no Viggen.

FONTE / FOTOS: Forças Armadas da Suécia (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em sueco)

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Guilherme Poggio
Editor
7 anos atrás

Muio legal a ideia da pintura comemorativa nas cores do Viggen

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Oh-how…
Gripen A/B…ripen A/B…ipen A/B…pen A/B…en A/B…n A/B…A/B…F A/B…

A camuflagem do Viggen era simplesmente sensacional!

Nick
Nick
7 anos atrás

Em que estado eles estão? 🙂

[]’s

Edgar
Admin
7 anos atrás

Pois é em Nick, se o preço ajudar, poderia ser uma boa em 😀

jacubao
jacubao
7 anos atrás

Olha o tampão aí geennnteeee… ;-P

Almeida
Almeida
7 anos atrás

Esse aí é finalista do FX-3…

Observador
Observador
7 anos atrás

Taí o novo tampão para a FAB…

Justin Case
Justin Case
7 anos atrás

Amigos,

Aviões descartados por não terem mais capacidade de cumprir missão?
Não, obrigado.
Tampax nunca mais!
Abraços,

Justin

Observador
Observador
7 anos atrás

Justin Case disse:
20 de dezembro de 2012 às 17:12

Com este governinho?!

Esquece.

Por este pessoal, a FAB que se vire e, se quiser, que compre algum caça usado com sua própria verba, ou só vai ter os F-5 a partir do ano que vem.

Daglian
Daglian
7 anos atrás

De fato, valeriam a pena os Gripen A/B? Quero dizer, estes seriam a bastante para a FAB ou representariam um salto de qualidade considerável em relação ao F-5EM? Penso que ao menos o Gripen C/D seria necessário.

Sobre esta história de Tampão ou não… bem, tendo em vista que o GF demora para finalizar o FX-2, para não dizer que nunca o fará, penso que para a FAB é Tampax ou nada. Nestas condições, prefiro Tampax, o que está longe do ideal, mas ao menos é melhor que F-5EM.

Justin Case
Justin Case
7 anos atrás

Amigos, É óbvio que esses tampões que estão sendo cogitados são mais capazes do que as aeronaves que temos hoje. O problema é que, se o Brasil comprar qualquer coisa dessas, isso significa matar a possibilidade de contratar um F-X pelos próximos dez anos. O Governo vai achar que o problema “imediato” está resolvido. Que a necessidade para os próximos cinco (?) anos estará atendida… Deixará F-X para o próximo mandato ou, talvez, para quando “o dinheiro estiver sobrando”. Tem que ser F-X ou continuar com o que já temos. Comprar resto dos outros é fria. É só minha opinião,… Read more »

Vader
7 anos atrás

Esses A/B podem ser convertidos ao padrão C/D? Se sim, sabe-se qual o estado deles? Quantas horas de vôo tiveram? Qual seu custo de manutenção? E o mais importante, que armas opera e a que custo? Creio que caberia a análise pela FAB. Dada a precariedade de nossa defesa aérea, com uma dúzia de Mirage-2000C no “pó da rabiola”, desarmados e desdentados, e dado que não virá FX algum, esses caças poderiam cobrir o rombo quase que imediatamente. Não é o ideal, mas dado o PIBinho e seus efeitos na cabeça da “gestora”, pode servir.

Giordani
Giordani
7 anos atrás

A eterna protelação do FX chegou ao absurdo de que nem tampax resolve mais. Explico. F-16 como tampax só se for para receber F-16 novos. F-18 Legacy de tampax só se for para receber outro Legacy. O que não faz nenhum sentido! Gripen? Só se for para receber gripens novos e por aí vai…
Eu não consigo imginar uma opção viável de tampax na atualidade…

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

“Eu não consigo imginar uma opção viável de tampax na atualidade…”

Qntos Typhoon Tranche 1 estão precisando descartar, na Europa???

Giordani,

Obrigado pela chance de fazer uma propaganda básica, do meu avião.

Mayuan
Mayuan
7 anos atrás

Onde estão os legacy hornets? Não poderíamos alugar um esquadrão enquanto a Boeing não nos entrega os novos? Não seria um bom tampão sem com isso implicar em perdermos o FX e ficarmos com duas linhas?

Luis
Luis
7 anos atrás

São 53 Typhoon ingleses e 28 italianos. Fora os alemães e espanhóis. Sobre quem quer vender o que, são outros 500. Outra boa alternativa são os Gripen C/D dos estoques suecos. Tem hora de voo bem mais barata do que os EF2000.

Giordani
Giordani
7 anos atrás

Amigos,
Torno a repetir. O tampax deverá estar obrigatoriamente ligado ao F-X.

Mauricio R,
Typhoon-1 de tampax? Qual seria o F-X então? Tranche 3? F-35?

Bom, já que tu fez propaganda do teu, vou fazer do meu. 😉

F-X: Su-35

Mas como nada acontecerá…NADA…
De tampax, Su-30 retirado direto dos esquadrões.