terça-feira, agosto 3, 2021

Gripen para o Brasil

Voa protótipo biposto PV6 do Tejas

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Tejas treinador - PV6 - primeiro voo 8nov2014 - foto via Livefist

Aeronave é a versão final do modelo biposto e incorpora todas as modificações resultantes da campanha de 2.500 horas de ensaios de voo

A versão final do modelo biposto (treinador) do jato de combate leve Tejas realizou seu primeiro voo neste sábado, 8 de novembro. O voo do exemplar denominado PV-6 é considerado um marco no programa indiano LCA (Light Combat Aircraft – avião de combate leve) desenvolvido localmente pela Índia. A informação foi divulgada pelo jornal Economic Times e pelo site Livefist.

O avião decolou às 13h36 (hora local) pilotado pelos capitães Vivart Singh e Anoop Kabadwal. Trata-se do 16º Tejas que já voou como parte do projeto que vem sendo desenvolvido há mais de duas décadas. O exemplar PV6 absorveu todas as principais modificações advindas das 2.500 horas de testes de voo do programa, sendo o seu último protótipo antes da produção em série do caça. O PV6 está equipado com um novo sistema de comunicação, radar, sensores de guerra eletrônica e sistemas de navegação para pouso automático.

O programa do LCA Tejas é o maior projeto que a Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DRDO – Defence Research and Development Organisation) trabalha, e foi iniciado em 1983. Nesse meio-tempo, o programa teve que superar inúmeros desafios, muitos deles devidos a sanções após os testes nucleares indianos de 1998. A Força Aérea Indiana encomendou 40 exemplares do LCA Tejas Mk1, e pretende adquirir uma versão mais avançada (Mk2) em desenvolvimento pela DRDO e pela empresa estatal aeronáutica HAL, para equipar cinco esquadrões adicionais.

No ano passado, o Tejas recebeu sua liberação para operação inicial (IOC) e espera-se que, nos próximos meses, receba a certificação final (FOC) para iniciar os voos operacionais.

Segundo o site Livefist, que divulgou a imagem acima, o Ministério da Defesa da Índia pronunciou-se sobre esse primeiro voo do PV6, que teve como objetivo checar a funcionalidade dos dois postos de pilotagem, similares aos da versão de produção do biposto. Todos os sistemas funcionaram como esperado durante o voo de 36 minutos de duração.

Ainda segundo o ministério, o PV6 é o segundo modelo biposto e tem capacidade de empregar todas as armas ar-ar e ar-solo requeridas pela Força Aérea Indiana para receber a FOC.

FONTES / FOTO: Economic Times e Livefist (compilação, tradução e edição do Poder Aéreo a partir de originais em inglês)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

19 Comments

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Baschera

Ta ai um programa em que quando finalmente vier a ser operacional… talvez já seja quase obsoleto, em se comparando com outros vetores.

O Tejas, salvo engano meu, começo a ser criado no início dos anos 80… e ainda não é operacional. Aliás, vai demorar um bocado ainda para ser.

Sds.

Baschera

Errata: Começou e não “começo” !

Sds.

Rinaldo Nery

Amigos, se os protótipos fizeram dois voos de 01:00h de ensaio por dia, foram 1.250 dias, ou seja, 3,42 anos voando TODOS OS DIAS.
Não foi meio demorado não?
Em outra matéria alguém havia comentado sobre a incompetência da indústria aeronáutica indiana. Começo a concordar…

Gilberto Rezende

Pô Rinaldo não esculacha os Hindus !

Divide isso aí por 16 protótipos…

Mas a notícia mostra mesmo o atraso do projeto dizendo que é claramente uma aeronave de instrução com controles duplicados nas duas posições.

Espero que nosso Gripen F seja desenvolvido como uma aeronave também de combate e não só de treinamento….

Mauricio R.

O Hawker Hunter do célebre Sir Sidney Camm, só se encontrou na versão FGA 9.
Pelo menos os caras lá toparam o desafio, por aqui a toda poderosa e intrometida Embraer fugiu da raia….

eparro

Mauricio R. 9 de novembro de 2014 at 0:39 #

Não teria sido uma bela decisão da EMBRAER em não se meter em “fria”!
De conhecer seus limites e de aguardar momentos mais oportunos.
Mesmo porque já estava num esforço, nada despresível, que é construir o KC-390.

Mauricio R.

“De conhecer seus limites e de aguardar momentos mais oportunos.
Mesmo porque já estava num esforço, nada despresível, que é construir o KC-390.”

Pois não se faça de rogada, desembarque imediatamente do F X-2.
O Brasil agradece!!!
E aproveita e leva a AEL, junto!!!

eparro

Mauricio R. 9 de novembro de 2014 at 1:02 #

Mas se não a EMBRAR quem poderia assimilar a tal TOT para executar a produção dos Grippen por aqui?

Mauricio R.

E quem disse que a Embraer tem a capacidade e a competência p/ assimilar a tal da ToT do Gripen???
Pq já vimos esse filme no F-5, no A-4 e no A-1, a Embraer se enrola sózinha e aí ficamos dependendo dos bons préstimos de Tio Jacob.
E ele cobra caro.
Por outro lado a SBTA, joint-venture da SAAB c/ a INBRA, irá fabricar as estruturas do Gripen, então não é nem um pouco impossível que essa mesma empresa faça a integração de sistemas das células montadas aqui no Brasil.
A Embraer não faz falta a esse projeto, nunca fez.

eparro

Mauricio R. 9 de novembro de 2014 at 1:27 # Se a EMBRAER não tem como assimilar a TOT sem a ajuda do “tio Jacob”, você acredita que a INBRA teria? Você acredita mesmo que a INBRA teria capacidade e competência para assimilar a TOT do Gripen e sem os bons préstimos de mais ninguém. Fabricar estruturas é uma coisa mas integrar todos os sistemas das células de um avião, “inovador” para o conhecimento detido atualmente, deve ser muito diferente, mais custoso e mais demorado, pois partiria do “zero”, digamos assim. Desculpe a insistência no tema, mas sou absolutamente leigo… Read more »

Nick

Não foi falta de recursos. Esse Tejas está lembrando o F-35.

🙂

[]’s

Aldo Ghisolfi

“Pq já vimos esse filme no F-5, no A-4 e no A-1, a Embraer se enrola sózinha e aí ficamos dependendo dos bons préstimos de Tio Jacob”.

E a continuada insistência, intere$$aria a quem? Existe essa possibilidade?

Mauricio R.

“Você acredita mesmo que a INBRA teria capacidade e competência para assimilar a TOT do Gripen e sem os bons préstimos de mais ninguém.” A SAAB que crioua a tecnologia que permitiu a concepção do Gripen, é sócia da Inbra na SBTA, não há ninguém mais adequado em assistir a ToT, que o próprio detentor da tecnologia usada. “Fabricar estruturas é uma coisa mas… Interessante pois há matéria aqui no AEREO, em que a Inbra está contratando profissionais p/ passarem de 18 a 24 meses na Suécia assimilando isso. Não vejo aonde está o problema, se é que realmente no… Read more »

eparro

Mauricio R. 9 de novembro de 2014 at 10:04 #

Agradeço os esclarecimentos e a paciência.

Oganza

Caros Colegas pra mim a SAAB está se demonstrando muuuuito inteligente e está, já a algum tempo, costurando muuuito direitinho os seus parceiros no Brasil quando percebeu como estava planejada politicamente a tal ToT do FX-2. No “edital” estava escrito ToT para a industria brasileira e não para uma empresa específica rsrsrs. Então ela se antecipou e começou a fazer as parcerias antes do resultado do certame colocando sobre sua política e sua agenda algumas empresas chave. Foi o caso da Akaer, a primeira de todas, que foi contratada para o projeto das estruturas e testes de tenções. Agora é… Read more »

eparro

Oganza 9 de novembro de 2014 at 13:35 #

Bem interessante essa sua linha de raciocínio.
Mas como diria o Mané: “Mas seo Oganza, já combinaram isso com a EMBRAER”?

Oganza

eparro,

Só para pensar:

O que se tem para combinar? Nada.

O que ela pode fazer para se opor a isso? Nada

Mas por que? Por que essa divisão/ordem de trabalho não é achismo e muito menos fantasia, é um fato.

Essa é a divisão de trabalho que está no contrato já assinado e divulgado as 4 ventos, inclusive aki no PA.

Eu apenas os coloquei em perspectiva.

Depois eu mando a conta 🙂 Grande Abraço.

Mauricio R.

Oganza,

O raciocínio é legal, mas não vejo nenhum dos 2 finados turbohelices da SAAB, ressucitando em condições de brigarem por mercado, contra os ATR e Q-400; novos e usados.
A SAAB vai precisar de um ac novo e mto melhor, se quiser entrar nessa briga.
Tb concordo que não há necessidade alguma, de combinar coisa alguma c/ a Embraer, é chegar chegando e entrar.

Oganza

Pois é Mauricio,

eu só não sei o quão finado estão tais turbohelices, acho que nunca foi declarado seu óbito… rsrs.

De qualquer forma, é uma maneira não da SAAB preparar sua lojinha, mas do SAAB Group colocar seus produtos no mercado da doméstico brasileiro e da AL.

Gostaria muito de ver esse caldeirão mais apimentado.

Grande Abraço.

Últimas Notícias

Pilotos russos usaram receptores GPS feitos nos EUA durante missões de combate na Síria

Pilotos militares russos usaram receptores comerciais GPS de navegação por satélite durante suas operações de combate na Síria, de...
- Advertisement -
- Advertisement -