Home Noticiário Internacional Tejas: turbulência à frente

Tejas: turbulência à frente

215
7

O caça a jato indiano Tejas, desenvolvido localmednte, finalmente foi liberado para operações. Mas, segundo reportagem divulgada pela AFP nesta quinta-feira, 20 de janeiro, analistas dizem que qualquer celebração da entrada da Índia no seleto clube de produtores de “hardware” militar é prematura.

A aprovação inicial para operação do LCA (Light Combat Aircraft – avião de combate leve) Tejas levou 26 anos. – resultado de atrasos de desenvolvimento sem fim, engasgos tecnológios e aumentos massivos de custos. Concebido inicialmente como um substituto direto para a envelhecida frota de caças MiG-21 de fabricação russa, operados pela Força Aérea Indiana (e que ganharam o apelido de “caixões voadores” devido a seu histórico de acidentes), o LCA foi saudado como um marco nas intenções da Índia em reduzir sua dependência de importações militares.

Mas, segundo a reportagem da AFP, apesar de concebido, projetado e montado na Índia, sua etiqueta de “nacional” é um tanto equivocada, dado que 40 % de seus componentes é fabricado fora do país, incluido o motor, proveniente dos EUA, e o radar.

A introdução formal do Tejas em serviço ainda vai levar dois ou três anos, e permanecem questões sobre sua real adequação. Segundo Ajey Lele, pesquisador do Instituto para Estudos de Defesa e Análises de Nova Déli, “somente após o avião ser colocado em uso pelos seus pilotos ele será fortalecido e suas limitações se tornarão claras. Os requerimentos peculiares de segurança da Índia demandam uma força aérea muito capaz, com plataformas e sistemas de armas no estado da arte. Evidentemente, o Tejas terá que atender a altas expectativas.” O especialista em aviação militar Kapil Kak afirma que “é cedo demais para estourar a champanhe”, acrescentando que a encomenda de motores para uma segunda deração do Tejas poderia se tornar uma dor de cabeça para a Índia.

Quando aceitou o certificado de liberação operacional inicial (IOC) do LCA na semana passada, o Comandante da Força Aérea Indiana, Marechar do Ar P.V. Naik, parecia pouco entusiasmado. Ele destacou que o avião era, na verdade, um “Mig-21, plus, plus”, e não um caça de quarta geração como concebido. Ele acrescentou que “há algumas áreas onde ainda é necessário trabalhar. Há aspectos que precisam ser melhorados. Nós esperamos muito tempo pelo Tejas. Não queremos uma plataforma incompleta.”

Segundo a AFP, de um orçamento inicial de 5,6 bilhões de rúpias (123 milhões de dólares), o custo do desenvolvimento do caça cresceu como uma bola de neve ao longo dos anos, chegando a 180 bilhões de rúpias. Apesar de reconhecer o histórico problemático do Tejas, o ex-chefe do estado maior da marinha, hoje à frente do “think tank” Fundação Marítima Nacional, Arun Sharma, disse que o projeto ainda assim deveria ser aplaudido por vencer enormes desafios. Um desses desafios foi a imposição de sanções, pelos Estados Unidos, como consequência dos testes nucleares realizados pela Índia em 1998, o que deixou tecnologias críticas fora de alcance e contribuiu para os atrasos.

Para John Siddharth, analista de defesa para o Sul da Ásia junto àFrost & Sullivan, a Índia teria aprendido lições proveitosas da experiência, muitas vezes dolorosa, do projeto LCA: ” A produção local ajudará as empresas a serem interdependentes em sistemas de armas, e o desenvolvimento bem-sucedido do programa Tejas certamente impulsionou as perspectivas para empresas aeroespaciais indianas.”

Em 2009, a Índia lançou seu próprio submarino nuclear, o Arihant, também sob aplausos e discursos sobre a crescente autosuficiência militar do país. Mas, assim como o LCA, o Arihant aindatem muitos anos e árduos testes pela frente, antes de ser incorporado às Forças Armadas.

Enquanto isso, a dependência da Índia em relação a produtos estrangeiros parece continuar. Em julho, deverá ser finalizada uma concorrência para a aquisição de 126 caças a jato, a um custo estimado de 12 bilhões de dólares, disputada por seis gigantes aeronáuticos globais, incluindo empresas dos EUA, França, Europa e Rússia. E, no mês passado, foi assinado um acordo com um tradicional fornecedor, a Rússia, para a produção conjunta de até 250 caças furtivos avançados, com custos estimados de 25 bilhões de dólares, segundo especialistas.

FONTE: AFP, via Google news – tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo

NOTA DO BLOG: comparar as afirmações de analistas e do Comandante da Força Aérea Indiana com as respostas da entrevista de Pinjala Siva Subramanyam, diretor da ADA, organização co-responsável pelo desenvolvimento do Tejas. A entrevista está no primeiro link da lista abaixo (lista que vale a pena consultar para entender outros aspectos do desenvolvimento do projeto).  

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DrCockroach
DrCockroach
9 anos atrás

Pois eh, o Tejas eh Light.

A proposito, Signatory atualizou os dados comparativos entre o Gripen NG e o SH aqui:

http://www.militaryphotos.net/forums/showthread.php?84527-Gripen-News-Thread&p=5417941&viewfull=1#post5417941

Comentarios, correcoes, alteracoes, sao bem-vindos, mas que incluam citacoes especializadas, numeros (os teimosos numeros) e as fontes. Bravatas ficam p/ conversa de bar.

[]s!

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Muitas vezes a opinião de analistas parecem com a de críticos de arte, de cozinha. A maior parte dos críticos de arte não pintam, não escupem; a dos críticos de cozinha não sabem fritar um ovo. Até podem conhecer padrões, a história mas “colocar a mão na massa” e fazer acontecer é outra coisa, e criticar depois é fácil. Adquirir know-how tem seus custos e riscos e é ÓBVIO que nada sai 100% dentro do esperado, somente o uso no “dia-a-dia” e sensibilidade dos pilotos é que trará mais subsídios. Se a plataforma do Tejas puder suportar as alterações para… Read more »

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

…que depois de 20 anos ou mais …

Rodrigo
Rodrigo
9 anos atrás

Ahahahah Estes gráficos, fichas, etc…. Não tem valor prático. Uma coisa são fotos de propaganda e outra é carga de combate. Veja bem as fotos do Rafale que a Dassault tira e as fotos tiradas em missões reais. É natural a SAAB inflar nros e tirar fotos com armas de ponta a ponta. TODOS OS FABRICANTES FAZEM ISTO.o Na hora do vamos ver, que precisa de alcance e manobrabilidade, vamos ver a diferença real. Não da para comparar o Gripen NG, que nem completo está para afirmarem tão categóricamente os seus dados de desempenho e carga útil, con qualquer outro… Read more »

Nick
Nick
9 anos atrás

Acredito que os Indianos tem sim de celebrar. Não chega a ser um Gripen C/D, mas o Tejas deverá gerar muitos frutos(se não já está gerando) para o futuro.

Não se aprende a projetar/fabricar um caça do dia para a noite. 20 anos é um prazo razoável. E pelas contas do custo total do programa, nem ficou tão caro assim(US$4 bilhões). Ainda mais eles produzindo 60% dos componentes do programa. Talvez o ponto fraco, foi o (até agora) mal sucedido motor do Tejas o Kaveri.

[]’s

Vader
9 anos atrás

Comparar o Tejas com o Gripen é que nem comparar o F-5 com o F-18. Simplesmente ridículo.

Francis Rosário
9 anos atrás

Esse avião pode ser bom e tudo mais na sua categoria, porém é feio pra burro.