Home Noticiário Internacional Tejas pronto para o combate, só em 2015

Tejas pronto para o combate, só em 2015

219
15

Segundo o jornal indiano “The Times of India”, numa época em que os Estados Unidos estão desenvolvendo bombardeiros hipersônicos capazes de voar 20 vezes mais rápidos que a velecidade do som, o avião de combate leve indiano Tejas, desenvolvido em grande parte no próprio país, não estará “pronto para ir à batalha” antes de 2015.

Fontes do Ministério da Defesa Indiano disseram que o Tejas, que já acumulou perto de 2.000 horas em voos de teste em sua saga de quase 30 anos de desenovolvimento, só estará capaz de ser reabastecido em voo, disparar armas, foguetes e mísseis BVR (além do alcance visual) por volta de 2015, no mínimo. Isso se dará quando o pequeno caça monomotor receber sua liberação final de operação (final operational clearance – FOC). Essa revisão sugere que o caça vai ultrapassar mais um prazo final em seu complicado desenvolvimento que vem desde 1983, quando começou a ser concebido como um substituto ao MiG-21.

Até o momento, o Tejas apenas atingiu sua liberação inicial de operação I ( initial operational clearance-I – IOC-I), que certifica sua capacidade de voo. Segundo uma fonte do jornal, “o IOC-II, que também inclui integração de algumas armas como bombas guiadas a laser, foi empurrado para dezembro de 2012. Mas, agora, somente será possível por volta de julho de 2013, após aproximadamente 200 surtidas a mais. A FOC virá apenas dois anos depois disso.”

Mais do que o custo de Rs 25.0o0 crores do programa, que inclui uma versão naval e outra de treinamento, assim como o fracassado motor Kaveri, o que se sobressai é o tempo gasto para o desenvolvimento, mostrando como não se deve fazer em projetos fundamentais de defesa. É certo que não seria fácil desenvolver um caça supersônico com comandos fly-by-wire a partir do zero, mas esse projeto estrategicamente crítico poderia ter sido gerenciado muito melhor.

Os primeiros esquadrões de Tejas na configuração IOC-II serão operados na Base de Sulur, em Tamil Nadu, sendo que os 20 primeiros caças receberão motores norte-americanos GE-404 engines.Outros seis esquadrões (cada um com 16 a 18 aeronaves) do modelo Mark II serão equipados com motores mais potentes do mesmo fabricante, os GE F-414 engines. O contrato para aquisição de 99 motores desta última versão num acordo de 822 milhões de dólares deverá ser assinado em breve, com possíveis encomendas adicionais no futuro.

O número de esquadrões de caça na Força Aérea Indiana deverá cair para 31 nos próximos 3 a 4 anos, com a desativação de caças MiG, o que vai impactar bastante sua capacidade antes que novas incorporações compensem as baixas. Projeções indicam que o número de 45 esquadrões considerados necessários só será atingido em 2032.

FONTE: The Times of India (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Livefist e MoD India

VEJA TAMBÉM:

15
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
IvanMauricio R.VaderedcreekFernando "Nunão" De Martini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Tadeu Mendes
Visitante
Member
Tadeu Mendes

Nenhum jetfighter esta pronto para o combate, se nao ainda passou pelo combate.

Sem um batismo de fogo, propiciado em um TO, nao se pode fazer tal afirmacao, pois tal afirmacao nao passa de um wishful thinking.

Entre um SH e um Rafale, a distancia e bem grande.

O SH esta pronto para o combate, porque ja combateu (de verdade).

O Rafale nao combateu. somente despejou bombas em alvos cujo espaco aereo ja estava devidamente purgado contra dogfight, Triple As. e SAMs.

Marcelo
Visitante
Member
Marcelo

gostaria de saber em qual TO o SH realizou dogfight, e operou contra AAA e SAMs antes de serem purgadas…

Tadeu Mendes
Visitante
Member
Tadeu Mendes

Marcelo,

Foi no Iraque. Naquela epoca Bagda foi purgada. Todos os sistemas de defesa aerea da cidade foram praticamente destruidos, e parte desse ataque estrategico foi feito pelos Super Hornets.

http://www.chron.com/CDA/archives/archive.mpl/2003_3669798/war-in-iraq-by-the-numbers-statistical-report-spot.html

http://articles.latimes.com/2003/apr/01/news/war-hornets1

Giordani RS
Visitante
Member

Tecer qualquer comentário sobre o desenvolvimento de aviões de caça na índia é um verdadeiro teste de futurologia. Os indianos já construíram um caça mach 2! O Marut, uma aberração de feio! Claro, eles construíram com o total suporte de técnicos alemães, mas vejam que mesmo tendo tido uma boa experiência, foi só perderem o suporte e pimba! Retrocederam para a estaca zero. Que o Tejas vai ser caríssimo e quando efetivamente entrar em operação já vai estar a caminho da obsolência(tecnológica) já sabemos. O desenvolvimento do motor “caveira” deveria servir de exemplo para um tal país que insiste na… Read more »

RA5_Vigilante
Visitante
RA5_Vigilante

Caro Tadeu “O Rafale nao combateu. somente despejou bombas em alvos cujo espaco aereo ja estava devidamente purgado contra dogfight, Triple As. e SAMs.” Não é verdade e já foi discutido aqui. O Rafale entrou antes dos Tomahawk. É só buscar o post anterior onde mostrei isso. “Foi no Iraque.” 1991 foi o ano da que destruiu a maior parte das defesas. http://en.wikipedia.org/wiki/Gulf_War Nesse ano o SH não estava em operação, e sim o Hornet, que demonstrou eficiencia, mas 1 foi derrubado por um MiG-25 (Speicher) “The U.S. Navy maintained in a 1997 document that Speicher was downed by a… Read more »

RA5_Vigilante
Visitante
RA5_Vigilante

Tadeu

Post sobre o Rafale na Libia (veja):

*ttp://www.aereo.jor.br/2012/03/19/ha-um-ano-comecavam-as-missoes-do-rafale-sobre-a-libia/

A primeira resposta estah sob moderação.

Saudaçoes

edcreek
Visitante
Member
edcreek

Olá,

Na Libia o Rafale foi ponta de lança, e pegou defesas intactas ainda, a chuva de misseis veio depois…

Não vamos desinformar….

Abraços,

Vader
Visitante
Member

Excelente comentário caro Nunão.

Tadeu Mendes
Visitante
Member
Tadeu Mendes

Caros e estimados amigos Marcelo, RA5_Vigiliante, Fernando Nunao de Martini e edcreeck; Hehehe…Nada como soltar uns decoys na galera, para ver se as baterias de defesa do Rafale estao acesas…Rsrsrsrsrsrs…. Essas discussoes sao bastante informativas, especialmente para mim que vivo no mundo dos SH. (literalmente). Claro que eu puxo a brasa para a minha sardinha provocando um debate sadio e amplo. Apesar da apologetica feita em nome dos Rafales, eu desconheco que esses jatos tenham participado em um cenario cabeludo (saturado de defesa anti-aerea) como foi o de Bagada em 2003; cenario esse em que os SH estavam presentes. (na… Read more »

RA5_Vigilante
Visitante
RA5_Vigilante

Prezado Tadeu “Hehehe…Nada como soltar uns decoys na galera, para ver se as baterias de defesa do Rafale estao acesas…Rsrsrsrsrsrs….” Faz parte do jogo, hehe. Agora, permita-me discordar de alguns fatos: “O espaco aereo sobre Bagada era um dos mais bem defendidos do mundo. Foram precisos F-117s. e B-2s. para destruir a infraestrutura C3 deles.” Sim, mas em 1991: “During the Persian Gulf War in 1991, the F-117A flew approximately 1,300 sorties and scored direct hits on 1,600 high-value targets in Iraq[1] over 6,905 flight hours.[37] Only 2.5% of the American aircraft in Iraq were F-117s, yet they struck more… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

O espaço aéreo sírio em 2012, está mais p/ aquele da ex-Iugoslávia de 1994, do que p/ o da Líbia de 2011.
A OTAN bombardeou os sérvios durante 79 dias e mal arranhou, a capacidade da defesa aérea deles.
Os militares sírios, não são os líbios.

Ivan
Visitante
Member
Ivan

Nunão,

Excelente comentário, como sempre. 😉

Amigos,

Em que pese ser divertido, enpolgante e até apaixonante o debate sobre Rafale vs Super Hornet (e eventualmente Gripen), gostaria de lembrar que o tema da matéria é O LCA indiano TEJAS e seu desenvolvimento.

Grande abraço,
Ivan, sem tempo. 🙂