Desfile de Tejas, à moda indiana

    294
    15

    Curiosa foto de desfile militar apresentando o modelo biposto do caça leve indiano, batizado de Tejas Trainer, via Ministério da Defesa da Índia. A imagem é de 23 de janeiro do ano passado, tirada no ” Republic Day Parade-2011″, em Nova Déli.

    Subscribe
    Notify of
    guest
    15 Comentários
    oldest
    newest most voted
    Inline Feedbacks
    View all comments
    Giordani RS
    8 anos atrás

    Curiosa? Tá parecendo a festa da uva em Caxias do Sul!!!

    Três cabides subalares nessa asinha? As vantagens de uma asa em delta…

    Os indianos conseguiram, de certa forma, solucionar um dos defeitos dos caças pequenos, que é o trem de pouso totalmente na fuselagem, ao contrário do F-5, que ao se apoiar nas asas, matou uma estação…

    Giordani RS
    8 anos atrás

    Perfect! You win!

    São vantagens e desvantagens. Os técnicos da Northrop queimaram as sombrancelhas, mas conseguiram um ótimo resultado no trem do Hornet…herança do N-102 Fang…herança de como não fazer! Hehehe…

    Penso que o maior absurdo(e porquê não, erro de projeto?) foi o trem do BAC Lightining. Simplesmente matou toda e qualquer capacidade de carga subalar…depois no final de carreira é que inventaram aquelas gambiarras…

    Mas para o Tejas usar todos os pilones, só quando o céu estiver livre de inimigos, assim como o F(orevis)-5…

    Antonio M
    Antonio M
    8 anos atrás

    Se formos de Rafale, é assim que ele participará dos desfiles de 7 de setembro …..

    Mauricio R.
    Mauricio R.
    8 anos atrás

    “…e mais as estações laterais da fuselagem do estilo do Mirage 2000.”

    Opinião pessoal, eu diria que essas posições são reminicentes do Phantom, uma vez que são conformativas, as do M-2000 usam pilones.

    “…é que ele não tem trilhos nas pontas das asas, espaço que é ocupado por equipamentos de guerra eletrônica.”

    Esses pods nas ptas das asas do Typhoon, não teriam a mesma função que as “cenouras do Kuchemann”, nas asas do bombardeiro Victor???
    Ah, trilhos nas ptas das asa, geram spikes e portanto dão retorno de radar.
    Ainda mais c/ aquele Mica, inútil e decrépito lá.

    Mauricio R.
    Mauricio R.
    8 anos atrás

    O trem de pouso do BAC Lightning recolhendo p/ fora, eliminava a ocorrência de flutter nas ptas das asas, pois tornava-a mais “grossa”.

    Ricardo Cascaldi
    8 anos atrás

    Parece que temos um míssil torto no segundo pilone desse brinquedo. Só impressão ou é verdade? 😀

    Clésio Luiz
    Clésio Luiz
    8 anos atrás

    O Lightning é, para mim, um dos piores casos de “packaging” em um caça. Basta dizer que, tendo basicamente os mesmos pesos, dimensões e potência dos motores que o Phantom, o Lightning tem apenas metade do alcance e um quarto da carga de armamento do rival americano. A seu favor ele é um pouco melhor em aceleração e tem visibilidade melhor para trás, e só.

    Marcos
    Marcos
    8 anos atrás

    Olhando a imagem dá para entender o motivo de terem escolhido o Rafale: o alopramento é geral.

    Eu teria vergonha de ter feito isso.

    joseboscojr
    joseboscojr
    8 anos atrás

    Joãozinho 30 foi o engenheiro chefe.

    Giordani RS
    8 anos atrás

    “I win o escambau! Pode continuar a conversa!”

    Insert Coin…
    1P!

    Mas é interessante notar, que o Harrier, mesmo diminuto, possui mais estações subalares que o A-4 e o F-5!

    Sobre o flutter, só se elimina ele com pesinhos…um chumbinho aqui…um chumbinho ali…
    O Typhoon era bonito com a asa delta recurvada, tipo concorde…
    A Boeing é que descobriu(não sei quem descobriu, mas foi a boeing que introduziu essa forma) que os motores pendurados ajudam no anti-flutter…

    Ivan
    Ivan
    8 anos atrás

    Nunão, “…a possibilidade do Typhoon eventualmente poder cumprir alguns tipos de missão ar-ar sem qualquer míssil ou tanque externo sob as asas, apenas os quatro semi-embutidos nas quatro estações da fuselagem…” Com essa configuração o Typhoon teria o RCS próximo daquele que é indicado nas publicações, algo em torno de 0,75 como Rafales e Gripens. Interessante observar que só assim as aeronaves de geração inferior a 5ª preservam o RCS anunciado. Entretanto uma questão interessante nesta sua ‘simulação’ é a limitação de combustível, pois internamente o Typhoon transporta apenas 5.600 litros (algo em torno de 4,5 toneladas). Uma solução poderia… Read more »