Home Aviação de Caça F-X2: Reuters dá como certa a escolha do Super Hornet pelo Brasil

F-X2: Reuters dá como certa a escolha do Super Hornet pelo Brasil

1024
588

Fontes ouvidas pela agência de notícias com sede em Londres disseram que o anúncio ocorrerá antes de outubro

Dave Gregorio

vinheta-clipping-aereoO Brasil está perto de fechar com a fabricante de aeronaves norte-americana Boeing a compra de caças F/A-18 Super Hornet em uma das disputas mais cobiçadas do mundo após o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, visitar autoridades do governo brasileiro em Brasília e sanar dúvidas, segundo fontes da agência Reuters.

Biden se encontrou com a presidente brasileira Dilma Rousseff na sexta-feira passada e assegurou-a de que o Congresso dos EUA provavelmente respeitará o acordo de transferência de tecnologia sensível ao Brasil, parte do negócio, informaram três fontes que estiveram presentes ao encontro.

O acordo envolve a compra de 36 caças por um valor próximo de US$4 bilhões, com possíveis aquisições posteriores que podem elevar o valor do contrato com o tempo. Isto representaria um grande prêmio para as empresas de defesa norte-americanas num momento em que os EUA e muitos países europeus estão enxugando os orçamentos de defesa.

A presidente Rousseff ainda não tomou a sua decisão final, e o momento do anúncio ainda não está claro, segundo dito pelas fontes.

Mas comentários da presidente para Biden e outros acontecimentos recentes sugerem a preferência pela Boeing, sendo que uma decisão deve ser anunciada antes da visita de estado que Dilma fará à Casa Branca para se encontrar com o presidente dos EUA, Barack Obama, em outubro.

“Se for a Boeing, Biden merece muito dos créditos por isso” disse uma autoridade brasileira.

A principal desconfiança de Dilma em relação à proposta norte-americana sempre foi a possibilidade do Congresso dos EUA vetar a transferência de tecnologia em função de preocupação com relação à segurança nacional. O Brasil possui relações cordiais com os Estados Unidos, mas irritou alguns congressistas nos últimos anos por meio de suas interações com o Irã, a Venezuela e outros países que antagonizam com Washington.

Dilma, uma militante pragmática da esquerda, disse que a tecnologia é até mesmo mais importante que os próprios jatos porque o negócio pode impulsionar as indústrias de defesa do Brasil, como a Embraer.

No encontro da última sexta-feira, Dilma primeiramente levantou suas dúvidas em relação ao acordo de transferência de tecnologia, disseram as fontes.

051028-N-5884M-007

Biden não fez promessas sobre o que o Congresso fará. Mas ele disse, do alto das suas três décadas de experiência no Senado, para tratar ponto a ponto as preocupações.

Fator “SEQUESTRATION”?

Segundo o relato de algumas autoridades, Biden explicou que os senadores democratas nunca estiveram contra as vendas estratégicas do governo Obama, enquanto que muitos dos Republicados, encabeçados pelo senador John McCain do Arizona, mostraram disposição em apoiar a negociação com o Brasil.

Biden disse que a redução do orçamento de defesa dos EUA pode reduzir qualquer tentativa de oposição ao negócio no Congresso em um acordo que auxiliará a indústria de defesa dos EUA.

Ele também citou exemplos de bloqueios feitos pelo Congresso em acordos de defesa com países situados em regiões estrategicamente difíceis como o Oriente Médio, mas não com áreas pacíficas e predominantemente democráticas como a América do Sul.

Antes que a conversa mudasse de rumo, Dilma agradeceu Biden por fornecer fortes argumentos para usar a favor da Boeing, disseram duas fontes.

Perguntado sobre a questão, um funcionário da Casa Branca disse: “Nós não nos manifestaremos sobre conversas privadas, mas no aspecto geral os EUA apoiam fortemente a proposta da Boeing.”

O programa F-X2 anda fragilizado pela sua longa demora.

O Brasil inicialmente procurava um substituto para os caças Mirage na década de 1990, e o antecessor de Dilma declarou publicamente em 2009 que ele escolheria a Dassault.

No entanto, por uma série de razões, desde problemas orçamentários até ciclos eleitorais, o governo adiou a decisão sucessivamente. Executivos da companhia, alguns deles tentando convencer o Brasil por mais de uma década, diziam de forma jocosa que o Brasil não tinha intenção nenhuma de comprar caças.

Relação de longa duração

No entanto, existem razões diveersas para a presidente Dilma anunciar a decisão sobre os caças antes do final desse ano, quando a Boeing deverá ser declarada a vencedora.

Militares brasileiros tem dito sistematicamente que manter os caças Mirage será difícil após o final desse ano. Nesse meio tempo, a sensibilidade de anunciar o gasto de milhões de dólares durante um período econômico de retração poderia levar Dilma a anunciar a decisão antes de 2014, quando ela enfrentará a reeleição.

Dilma lançou o acordo como uma parte crucial do alinhamento do Brasil nas décadas que virão – uma mensagem que ela repetiu para Biden na sexta-feira.

Apesar de desafiar as vontades de Washington em questões como a da Síria, Dilma tem procura estreitar relações com os EUA. Ela recebeu um fluxo constante de secretários de gabinete e senadores, e aceitou o convite de Obama para uma visita de Estado, a primeira de um líder brasileiro em 20 anos.

Pelo seu lado, os EUA, pela primeira vez na história da USAF, escolheu a Embraer em fevereiro para o fornecimento de 20 aviões de ataque leve – um negócio que muito brasileiros viram como fundamental para a escolha do F/A-18.

A Boeing também aprofundou seu relacionamento com a Embraer em tempos recentes.

Enquanto isso, o governo brasileiro tem sido menos feliz com os outros finalistas do programa F-X2. O recente acordo com a França para a construção de submarinos resultou em menor número de transferências de tecnologia que o esperado, disse uma autoridade.

França e Suécia se opuseram ao candidato do Brasil para liderar a Organização Mundial do Comércio, que ganhou o cargo no mês passado. Os Estados Unidos também apoiaram um candidato diferente, mas foram mais contidos em seu apoio, na visão de Brasil.

“Notamos estas coisas, e eles são todos os fatores que influenciam a decisão (jatos)”, disse uma brasileira. “Trata-se de muito dinheiro, e queremos escolher o parceiro certo.

FONTE/FOTOS:
Reuters (tradução e edição do Poder Aéreo a partir do original em inglês)/USN

NOTA DO EDITOR 1: selecionamos belas imagens (na nossa opinião) para este ‘post’. Elas estão em altíssima resolução. Clique nas imagens para ampliar.

NOTA DO EDITOR 2: título original “Brazil closer to Boeing on jets deal after Biden visit”

COLABOROU: Roberto Bozzo

Lembrando a proposta da Boeing para a FAB:

(Lembrando que a lista abaixo foi obtida a partir da notificação do Pentágono ao Congresso dos EUA. O conteúdo muito provavelmente foi modificado para melhor nas revisões posteriores)

superhornet-cut

  • Fornecimento de 28 F/A-18E Super Hornet e 8 F/A-18F Super Hornet, 72 F414-GE-400 motores instalados, peças de reposição e armas por US$ 7 bilhões.
  • 4 motores F414-GE-400 para reposição
  • 36 radares AN/APG-79
  • 36 canhões M61A2 20mm
  • 36 RWR AN/ALR-67(V)
  • 144 lançadores LAU-127
  • 44 Joint Helmet Mounted Cueing Systems (JHMCS)
  • 28 mísseis AIM-120C-7 AMRAAM
  • 28 AIM-9M SIDEWINDER
  • 60 GBU-31/32 Joint Direct Attack Munitions (JDAM)
  • 36 AGM-154 Joint Standoff Weapons (JSOW)
  • 10 AGM-88B HARM Missiles
  • 36 Pods AN/ASQ-228 (V2) Advanced Targeting Forward-Looking Infrared (ATFLIR)
  • 36 AN/ALQ-214 Radio Frequency Countermeasures.
  • 40 AN/ALE-47 Electronic Warfare Countermeasures Systems
  • 112 decoys rebocados AN/ALE-50

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
588 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Edgar
Admin
7 anos atrás

Que o Criador tenha piedade de nossas almas e efetive a primeira frase deste texto.

Antonio M
Antonio M
7 anos atrás

Puxa, ozamericanu malvadu imperialista vão fornecer esse caças para nós?!?!?!

E como vai ficar a parceria estratégica CARACU com a França ?!?!?!

Brincadeiras a parte, eu ainda gostaria de um hi-low F18 + Gripen ……

aldoghisolfi
aldoghisolfi
7 anos atrás

Como diria o Abelardo, o ceguinho lá de Bagé: “só vendo!”

Adriano Bucholz
7 anos atrás

Amém ! !

Guizmo
Guizmo
7 anos atrás

Sempre fui a favor de outros aviões, ao invés dos 3 concorrentes, PORÉM, acima de tudo espero que haja a compra, de qualquer um! Se for mesmo o Hornet, melhor ainda – o mais capaz dos 3.

Realmente as razões que apontam o texto são convincentes, como os vetos francês e sueco ao brasileiro na OMC e as reduções de investimentos militares das FA dos EUA – precisando assim de novos mercados.

Além disso, tem os Super-Tucanos vendidos……Sei lá, só sei que vou estourar champagne (ou melhor, Coca-Cola), se isso se confirmar

Guizmo
Guizmo
7 anos atrás

O Vader deve ter infartado

maxi47
maxi47
7 anos atrás

Novela à parte, não se houve mais moviementação do lobby da França( será que mais uma vez eles se entregaram? kkkkkk ) enfim , agora o governo americano tá jogando pesado,aguardermos as cenas do Próximo capitulo, que promete e muito!

Vader
7 anos atrás

Habemus papam! 🙂 O Corsário estava certo! 🙂 Senhores, ACABOU O FX2. Falta apenas o anúncio oficial. A reportagem da Reuters é simplesmente espetacular. Uma AULA de jornalismo que deveria ser copiada e ensinada nas redações da imprensa brasileira. Primeiro, por deixar claro que TRÊS fontes brasileiras confirmaram a preferência pelo Super Hornet e o anúncio próximo. Segundo, por deixar evidenciado que essa história de congresso americano “vetando” algo em um época de recessão em que as empresas americanas estão desesperadas por vender, ainda mais com o governo democrata e a oposição republicana aprovando a venda e o acordo, não… Read more »

Edgar
Admin
7 anos atrás

Será que os americanos vão estourar champagnes genuínos em homenagem a certos concorrentes derrotados? 😀 hehehehehhe

edurval
edurval
7 anos atrás

Agora Vai!!!!! 🙂

ou não : (

Adriano Bucholz
7 anos atrás

Só o Vader mesmo………….Deve ter caído da cadeira de felicidade…… kkkkkkkkkkkk
Mas que bela escolha, agora sim damos um belo passo a frente……..

Nick
Nick
7 anos atrás

Sinceramente, só vou acreditar quando houver um anúncio oficial.

Mas achei algumas palavras estranhas como “US$7 bilhões”(não era menos?) e “provavelmente” vai ter ToT. 🙂

Por outro lado, temos uma revelação importante de que a ToT dos Submarinos não indo bem.

[]’s

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
7 anos atrás

Assino embaixo Vader! Você disse tudo….

L.D.K.
7 anos atrás

Muito obrigado!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
7 anos atrás

Edgar:

Vai ser espumante produzido em Napa Valley, quem sabe até da vinícola do George Lucas em homenagem ao Vader…rs!

Vader
7 anos atrás

Obaaaa!!! Que venha a PaTrulha, kkkk…

Fábiio Mayer
Fábiio Mayer
7 anos atrás

Só vou acreditar quando o primeiro deles pousar com o bolachão da FAB, numa base aérea brasileira.

Mas pela primeira vez em mutos anos acompanhando esta “saga”, me pareceu que os argumentos da reportagem foram corretos, tais como a oposição de França e Suécia ao pleito brasileiro na OMC.

Ademar do L. L. V. Nova
7 anos atrás

A França perdeu ao não apoiar o Lula!

A Dilma sabe que os EUA é que mandam no CS da ONU e o SH é o melhor dos três finalistas!
Testado em combate a fio à vários anos!
Se for possível a integralização de armamentos, ótima escolha!

Ainda torço e acredito que os SU-35 virão!

A6MZero
A6MZero
7 anos atrás

Há anos espero que a FAB tenha um caça de verdade, espero que saia o anuncio para que isso seja verdade.

No mais F/A-18E-F > que o resto!

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Gostei daquela parte do Elefante das Profundezas, o Terror dos Sete Mares. Entubaram a Marinha. Bem feito!!! Não há nada que “ele” tenha tocado que dê certo.

Quanto aos F-18… ver para crer.

Fábiio Mayer
Fábiio Mayer
7 anos atrás

Penso que o caminho natural seria mesmo a FAB optar pelo Super Hornet, em face de já operar aviões de caça americanos, o F-5. Os aviões franceses e suecos são ótimos, mas pesa contra eles a inexistência de escala, torna-os muito caros, coisa que uma força aérea ‘pobre’ como a nossa não tem como manter, por mais que eu tenha preferência pelo Gripen NG (mas eu não sou aviador, não sou técnico, não tenho como dizer que eles são melhores, apenas dar palpite). Enfim, se confirmada a notícia, o bom senso prevaleceu e oxalá se mantenha, na continuidade de aquisição… Read more »

Skynet
Skynet
7 anos atrás

Uma frase para compor o fim do comentário do Vader : “A verdade tem mania de se impor”.
Venceu a razão e não a vontate do ex-presidente da republica das banânias!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
7 anos atrás

Mas vamos deixar a PaTrulha soltar suas diatribes um pouco galera..rs!

edurval
edurval
7 anos atrás

Vader,

Bom seria se o anuncio fosse de 36 Hornets para a FAB e 24 para a Marinha.

Mais melhor não sonhar alto vai que …….

Guizmo
Guizmo
7 anos atrás

Comemorarei inclusive a suíte de armamentos, se for confirmada….Amraam e Harm…..e se não for pedir muito, poderiam ser 56 mísseis Amraam, para que cada monoplace possa levar 2 cada

markus
markus
7 anos atrás

só acredito quando o primeiro super hornet pousar em Anápolis com as cores da FAB.

maxi47
maxi47
7 anos atrás

Tenho q dizer que era fã da jaca voadora, mas com o tempo e os acordos sem vantagem competitiva para o Brasil, mudei de lado para uma plataforma que ainda estar evoluido e com muito mais garantias para a nossa FAB, com certeza quando houver a visita da Dilma ao Barak Drome Obama será feito o anuncio de acordo com o que foi dito pela Reuters , então um certo ex presidente vai ver que não manda no governo da Dilma.

Vader
7 anos atrás

“Requentando” alguns dos motivos pelos quais o Super Hornet é a melhor escolha: Um caça capaz, ágil (excelente “nose pointing”), robusto (naval) e resistente (resistente a intempéries e maresia), com grande alcance e enorme raio de combate, eletronicamente avançadíssimo, com um radar poderoso, pronto (não é um projeto), totalmente provado em combate, utilizado pela mais poderosa força aeronaval da Terra, com escala (mais de 600 aeronaves construídas, entregues e operando), com enorme suíte de armamentos excelentes ) a preços razoáveis, com espaço para evoluir e um roadmap especificado (Ultra Hornet, tanques conformais, casulo externo de armamentos stealth), barato de adquirir… Read more »

maxi47
maxi47
7 anos atrás

Por onde anda o Just in case?

Igfere
Igfere
7 anos atrás

Comecei a acompanhar o blog por causa do FX2… Estou me sentindo órfão já…rs Mas como li coisas parecidas a favor dos franceses, acho melhor esperar. Torço pela FAB.

maxi47
maxi47
7 anos atrás

E o melhor com certeza com a escolha do SH, a marinha pode deslumbrar esse caça no futuro muito próximo.

Marcos Vinicius
Marcos Vinicius
7 anos atrás

Cara AGORAAAAAA sim , mais ainda fica a desconfiança , vamos torcer , e Vader , Voce falou tudo meu caro !

Manoel Silva
Manoel Silva
7 anos atrás

Adeus Amazôniaaaaaaaaaa rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsr

Vader
7 anos atrás

edurval disse: 5 de junho de 2013 às 17:22 Edurval, no meu entendimento a distribuição deveria ser a seguinte, na hipótese de chegarmos mesmo a 120 aeronaves: FAB: Um esquadrão (de 12 aeronaves) em Manaus, um em Campo Grande, um em Anápolis, um em Santa Maria, um em Natal e um no Rio, totalizando 72 aeronaves. Mais que suficiente para manter a ponta na América do Sul por no mínimo duas décadas. O resto dos esquadrões se completa com STs, exceto um, que vai ter de operar um treinador a jato avançado/LIFT. MB: Quatro esquadrões (Canoas, SPA, Recife e Belém,… Read more »

Urutu Voador
Urutu Voador
7 anos atrás

Podemos esperar que alguns destes Vespões voem no Opalão A12 ou teremos que esperar a aquisição do novo NAe classe Rousseff?

Guizmo
Guizmo
7 anos atrás

A Marinha fatalmente irá comprar também os F-18, pois essa era a premissa do negócio: MB seguir a FAB na escolha, o que faz todo sentido do mundo.

Vader
7 anos atrás

Guilherme Poggio disse:
5 de junho de 2013 às 17:23

Poggio, bem que poderiam vir uns SH da Navy de aluguel já para a Copa do Mundo hein? 😉

Sds.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

outubro…

Fabio
Fabio
7 anos atrás

Primeiro parabéns para os editores e comentaristas permanentes do blog, minha leitura diária a mais de um ano. Sempre acreditei que a melhor linha de ação para a FAB, semelhante ao pensamento australiano, seria o SH e futuramente o F-35. Principalmente pela facilidade logística presente e futura, devido a grande quantidade de aviões fabricados. Além do que os EUA são o único pais do mundo que esta sempre em combate, desde pelo menos a 2 grande guerra. Se alguém sabe fabricar algo que realmente seja efetivo são eles. Não é diferente com o SH e não será com o F-35.… Read more »

Diniz
Diniz
7 anos atrás

Obrigado pela liberação dos comentários. Há mais de 30 anos acompanho aviação. Está claro que lentamente as peças da Boeing foram se mexendo no tabuleiro desde o malfadado anúncio do Rafale pelo Lula em 2009. Desde a WW2 a FAB preferiu, confiou e ficou satisfeita com equipamento americano e toda doutrina está baseada no modus operandi desses equipamentos. Por isso praticamente “vetaram” equipamento francês, ainda mais com a experiência horrenda que tiveram com a Dassault. Nesse jogo de xadrez, pelo menos para mim o cheque mate foi a venda dos Super-T para os americanos. De lá pra cá é os… Read more »

Marcos
Marcos
7 anos atrás

A Marinha vai pousar onde os SH?

E se conseguir pousar no opalão, quero ver lançá-lo com aquela catapulta velha.

Carlos Jeijó
Carlos Jeijó
7 anos atrás

Esse: Biden se encontrou com a presidente brasileira Dilma Rousseff na sexta-feira passada e assegurou-a de que o Congresso dos EUA provavelmente respeitará o acordo de transferência de tecnologia sensível ao Brasil

Que ainda me deixa com um pé atrás, fora isso, que venham os Vespões.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
7 anos atrás

O legal da proposta, é q TODO o armamento envolvido no pacote, pode ser transladado para o Brasil nos cabides dos aviões !! hahaha

Falando sério, a noticia é sensacional !! Só seria melhor se as quantidades de armamentos fossem maiores…

Victor Hugo
Victor Hugo
7 anos atrás

Hum…. Mais uma vez o Brasil erra feio , o melhor caça era e sempre foi o Su-35, Agora o Brasil escolhe o Sh? KKKKKKKKKKK ele ja esta sendo aposentado em menos de 15 anos , O brasil só vai tomar vergonha na cara quando tiver uma ameaça de verdade enquanto nossos vizinhos de Su-30, Acorda Brasil!!!! Pelo Menos escolhesse o Rafale que muito Melhor que o Sh

Nickless
Nickless
7 anos atrás

Pessoal, me tirem uma duvida…. o brasil ficara dependente dos eua no caso da escolha dos SH…. por ex… o brasil entrar em guerra ou qualquer outra coisa do tipo e usar os aviões…. o brasil vai ter controle total dos caças ou vai depender de códigos para disparar um missil por ex…. valew.

OSPI
OSPI
7 anos atrás
Ulisses
Ulisses
7 anos atrás

Finalmente esta perto do fim,anos de sofrimento,mas ao que tudo indica vai acabar da melhor forma possível.Se confirmado o fato,e tem tudo para se confirmar,o Brasil terá a melhor força aérea dentre os países latinos e no continente só ficaríamos atrás de USA e talvez Canada.

Jorge
Jorge
7 anos atrás

Até que enfim, parece que vai mesmo…

E sem dúvida é a melhor opção para a FAB e para o Brasil, vide projetos que a Boeing já começou a implantar por aqui…

Aproveitando o espaço, acompanho o blog todos os dias, ótima fonte de informação, todos os editores estão de parabéns!

Douglas Gomes
Douglas Gomes
7 anos atrás

Vai ser engraçado se lançarem aquela charge do “O fim está próximo” com, sei la, um caça F-18 voando ao fundo e o senhor segurando a placa com tal frase, olhe para o feliz piloto da FAB voando, enquanto este solta uma lágrima de alegria e de espanto ao mesmo tempo rs

Michel Lineker
Michel Lineker
7 anos atrás

Tomara que não fique só nos 120 pretendidos, que sejam pelo menos 140 em 7 esquadrões e mais um esquadrão de treinamento com o KAI T-50.

Mas será que a FAB vai querer o AIM-9M tendo o A-Darter? Melhor trocar por mais Aim-120C-7.