segunda-feira, novembro 29, 2021

Gripen para o Brasil

ESPECIAL: A Força Aérea Sueca durante a Guerra Fria

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A Força Aérea Sueca (Svenska flygvapnet ou somente flygvapnet) foi criada em 1º de julho de 1926, quando as unidades de aeronaves do Exército e da Marinha da Suécia foram fundidas. Devido à escalada da tensão internacional durante a década de 1930, a Força Aérea foi reorganizada e expandida de quatro para sete esquadrões.

Segunda Guerra Mundial
Quando a Segunda Guerra Mundial estourou em 1939, uma nova expansão foi iniciada e essa expansão substancial não foi concluída até o final da guerra. Embora a Suécia nunca tenha entrado na guerra, uma grande força aérea foi considerada necessária para afastar a ameaça de invasão e resistir à pressão por meio de ameaças militares das grandes potências. Em 1945, a Força Aérea Sueca tinha mais de 800 aeronaves prontas para o combate, incluindo 15 divisões de caças.

Um grande problema para a Força Aérea Sueca durante a Segunda Guerra Mundial foi a falta de combustível. A Suécia estava cercada por países em guerra e não podia contar com petróleo importado. Em vez disso, o xisto betuminoso doméstico foi aquecido para produzir a gasolina necessária.

Cerca de 250 tripulantes foram mortos em acidentes de 1939-1945, de acordo com estatísticas que não foram divulgadas durante os anos de guerra, mas publicadas posteriormente.

Expansão durante a Guerra Fria

Saab J 29 Tunnan em produção

A Força Aérea Sueca passou por uma rápida modernização a partir de 1945. Já não era politicamente aceitável equipá-la com modelos de segunda categoria. Em vez disso, o Estado-Maior da Aeronáutica comprou o melhor que pôde encontrar no exterior, por exexemplo P-51D Mustangs, caças noturnos De Havilland Mosquito NF.19 e de Havilland Vampires, e apoiou o desenvolvimento de modelos domésticos de alto desempenho como o caça a jato Saab 29 Tunnan, lançado por volta de 1950.

No final da década de 1950, a Força Aérea Sueca introduziu o sistema de base aérea Bas 60, que girava em torno da dispersão da força de esquadrões aéreos em muitas bases aéreas de guerra em caso de conflito, a fim de tornar complicado para um oponente destruir a força aérea no solo. As pistas rodoviárias também foram introduzidas como pistas alternativas. O sistema Bas 60 foi desenvolvido posteriormente em Bas 90 durante os anos 1970 e 1980.

Formação de Saab J 29 Tunnan

Pilotos de Saab J 29 Tunnan estudam mapa antes do voo

Durante a Guerra Fria, grandes quantias de dinheiro (incluindo fundos destinados ao programa de armas nucleares da Suécia) foram gastas na Força Aérea Sueca e na produção de aviões domésticos.

Em 1957, a Suécia tinha a quarta força aérea mais poderosa do mundo, com cerca de 1.000 aviões modernos em serviço na linha de frente. Durante a década de 1950, introduziu caças como o Saab J 29 Tunnan, Saab J 32 Lansen e Saab J 35 Draken.

Formação de Saab J 32 Lansen

Pilotos de Draken após um voo de treinamento

Linha de voo de Saab J 35 Draken

Saab J 35 Draken

Em junho de 1952, a Força Aérea Sueca perdeu duas aeronaves em operações da Guerra Fria, no que ficou conhecido como o caso Catalina. Uma aeronave de inteligência de sinais Douglas DC-3 foi interceptada por caças MiG-15 soviéticos sobre o Báltico e abatida com a perda de três tripulantes e cinco técnicos civis. Um hidroavião de resgate PBY Catalina também foi abatido, a tripulação de cinco homens sendo resgatada do mar por um cargueiro.

No papel de defesa aérea, a Força Aérea Sueca também operou mísseis terra-ar. O Svea Air Corps (F 8) operou a aeronave a jato Havilland J-28B Vampire em 1949, sendo substituída em 1953 por Saab J 29 Tunnan e em 1957 por caças J 34 Hunter.

Em 1961, o F 8 foi transferido para a função de defesa contra mísseis, tornando-se o centro de treinamento técnico da força aérea para usar os novos sistemas RB-68 Bloodhound em 2 esquadrões até 1974.

RB-68 Bloodhound
RB-68 Bloodhound

Essas unidades suecas também operaram o sistema de mísseis RB-68 (1 esquadrão cada):

  • Scania Wing, também F 10 Ängelholm
  • Kalmar Wing, também F 12 Kalmar,
  • Bråvalla Wing, também F 13 Norrköping
  • Blekinge Wing, também F 17 Kallinge,

Número de mortos durante a Guerra Fria
Na era da Guerra Fria, mais de 600 pilotos de caça suecos morreram em acidentes durante exercícios e treinamento em tempos de paz no período de 1945 a 1991. Na era 1950-60, o currículo de treinamento de voo era deficiente e os regimes de treinamento eram muito arriscados e alguns tipos de aeronaves tinham falhas de projeto. Na década de 1950, cerca de 21 pilotos morreram anualmente.

Na década de 1960, o número médio de mortos era de 13 por ano, o que significava que a Suécia tinha uma taxa de mortalidade seis vezes maior por 100.000 horas de voo em comparação com os Estados Unidos.

Na década de 1960, a segurança de voo começou a ser considerada, não devido ao número de mortos, mas porque as aeronaves estavam ficando cada vez mais caras. Em outubro de 1960, um caça Lansen colidiu com uma casa de fazenda e matou 7 pessoas. Na década de 1970, o número de mortos foi reduzido para 6–7 por ano. Nos anos seguintes, continuou a cair e, a partir de 1996, nenhum acidente fatal foi registrado.

Congo 1961-1964

Saab J 29 Tunnan voando sobre o Congo

A Força Aérea Sueca viu o combate como parte da missão de manutenção da paz das Nações Unidas ONUC durante a Crise do Congo em 1961 a 1964. Ela estabeleceu uma ala aérea separada, F 22, equipada com uma dúzia de Saab 29 Tunnans, que teve um bom desempenho sob condições difíceis condições na África Central. Os adversários separatistas possuíam apenas um pequeno número de aeronaves com baixa capacidade de combate, como os treinadores Fouga Magister.

1990 – reestruturação
Com o fim da Guerra Fria, as Forças Armadas suecas passaram por um processo de reestruturação massivo. Durante esse tempo, várias bases aéreas foram consideradas desnecessárias e fechadas com caças como o Saab 37 Viggen sendo aposentados prematuramente.

Em 1994, a Força Aérea Sueca tinha mais de 400 caças, em 2005 o número havia caído para menos de 150.

Saab A 37 Viggen saindo de um base subterrânea

Saab 37 Viggen

Saab 37 Viggen acompanha e fotografa um Tupolev Tu-22

Um J 37 Viggen encontra um SR-71 Blackbird no corredor aéreo internacional através do Mar Báltico entre Öland e Gotland. Pintura de Stefan Löfgren

Bases da Força Aérea Sueca durante a Guerra Fria – Norte e Sul

Bases da Força Aérea Sueca em 2021

FONTE: Wikipedia / FOTOS: Força Aérea Sueca

- Advertisement -

35 Comments

Subscribe
Notify of
guest
35 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Adriano Madureira

O draken me lembra o Mirage,houve alguma inspiração no francês?
comment image

Clésio Luiz

Eu diria que não, porque foram desenvolvidos ao mesmo tempo. Pessoalmente eu vejo o Draken (aerodinamicamente) mais próximo do Douglas F4D Skyray do que do Mirage.

É dito que todos os caças sem cauda surgidos no pós-guerra, tem sua origem em estudos alemães capturados pelos aliados. Na teoria os Suecos eram neutros durante a guerra fria, mas hoje se sabe que na verdade eles receberam muita ajuda direta e indiretamente dos países da OTAN. Afinal, convinha ter alguém forte no norte da Europa, para não permitir que os soviéticos repetissem o passeio da Alemanha por lá, no início da 2ªGM.

Marcos Cooper

Sem chance. O Draken voou primeiro. A configuração alar dele,um duplo-delta,é criação da SAAB e não tem correlação com o delta clássico da Dassault.
Historicamente falando,o Draken foi o primeiro supersônico europeu. E o segundo do ocidente,atrás do North American F-100 Super Sabre.

Clésio Luiz

Marcos, acho que o primeiro supersônico europeu foi o Dassault Super Mystère.

JT8D

O Draken deve ter sido um dos primeiros caças europeu a superar Mach 2, juntamente com o Mirage e o Lightening inglês

Last edited 1 mês atrás by JT8D
Clésio Luiz

Ele foi o último dessa primeira leva, pois as primeiras versões do Draken eram limitadas à Mach 1,8, mesmo tendo um motor mais potente que o Mirage IIIC. Só quando os suecos desenvolveram um pós-combustor melhor que o original da RR (que era limitado pelo EE Lighting), ele atingiu Mach 2, mas isso foi em 1965, meia década depois dos outros.

Tutu

Não, são contemporâneos, o Draken inclusive concorreu contra o Mirage III e o English Electric Lightning na concorrência da FAB no início dos anos 60.

Funcionário da Petrobras

70 né?

Marcos Cooper

Final dos anos 60. O Draken nem participou da concorrência,apesar do interesse da FAB e o Lightning chegou a ser escolhido pelo governo numa transação que envolvia troca de mercadorias(algodão? ??) com a Inglaterra.
Concorrência foi aberta mais tarde,e então vencida pelo M-lll.

Carlos Miguez - BH

Fico imaginando se o J-29 Tunnan tivesse sido comprado no lugar do Gloster Meteor …

Teropode

O vídeo mostra de maneira clara a ação do reverso sendo acionado , o piloto sofre um tranco e a aeronave para rapidinho , show demais , o Viggen eh de fato a obra prima da SAAB , ainda hoje seria um adversário indigesto .( Tenho 3 🤭🤭🤭😂😂😂😂) Será que o Viggen eh mantido na reserva ? Ficaria cara moderniza-los ? Um terço deles foram tirados de serviço muito novos , não voaram nem 1/3 do planejado , saíram novinhos …..

Last edited 1 mês atrás by Teropode
Antunes 1980

Hoje o Gripen NG é o caça 4++ mais capaz do mundo.
Acredito que ele ganhe pelo menos 1 das 5 disputas em questão.

Suiça, Colômbia, Canadá, Finlândia e Índia.

Ten Murphy

Excelente matéria. Parabéns e muito obrigado.

FERNANDO MACHADO LEMOS

Não seria uma opção para o Brasil na década de 80 adquirir esses Drakens, considerando a negativa dos EUA em nos vender novos aviões?

Rafael

Fernando, o Draken teve um fator muito forte para limitar seu sucesso comercial e a própria capacidade de defender a Suécia: Stig Wennerström.

Esse homem, um coronel sueco, foi um agente soviético. Ele entregou muitas informações sobre o sistema sueco de defesa como um todo, mas algumas fontes alegam que ele comprometeu o Draken de forma irremediável. É até estranho imaginar um único homem ter acesso a tantas informações.

No final não ficou dez anos preso.

Ps: um estrago desses acho que só se repetiria com Adolf Georgievich Tolkachev.

Juarez

Excelente artigo ! Esse padrão de pintura em tons de verde é sensacional.

EduardoSP

Muito boa matéria.
E pensar que já se passaram 30 anos do fim da URSS e da guerra fria.

Luiz Trindade

A Guerra Fria atual agora é com a China.

Luiz Trindade

Com todo respeito ao Gripen mas o Viggen é simplesmente lindo! Incomparável! Espetacular!

Rodrigo M

O bicho é imponente demais.. Força bruta.

Luiz Trindade

Fantástico!

JT8D

Incomparável eu não diria, porque tem o Draken

Luiz Trindade

Com todo respeito que o Draken merece mas sou mais o Viggen!

Vendéen

Bonjour le brésil, Artigo muito bom que resume muito bem as diferentes etapas da evolução histórica dos caças da Força Aérea Sueca. Após a dissolução do Pacto de Varsóvia (1991), como muitos países europeus, a Suécia desarmou drasticamente e, portanto, seus gastos militares caíram drasticamente. Sua força aérea, portanto, tem um formato vinculado a este evento e também, como em muitos países, seus investimentos são dificultados por um grande aumento no preço de aeronaves de combate cada vez mais sofisticadas (o preço muitas vezes é um fator muito limitador. Rs). Resultado: um pequeno número de aviões implica no fechamento permanente… Read more »

Joli Le Chat

Bonjour M. Vendéen, votre commentaire a très bien complementé l’article, nous permetant d’avoir un petit peu plus de contexte sur la realité de la situation suède et européene depuis le Pacte de Varsovie.

Joli Le Chat

SAAB também fazia os motores de seus aviões? Ou sempre importaram os motores?

JT8D

Sempre importaram, mas produziram localmente sob licença, em alguns casos.
Importante entender que esse foi um dos motivos do sucesso da indústria aeronáutica sueca. Eles se concentraram naquilo em que eram muito bons e não tentaram reinventar a roda. Fica o exemplo para os que acham que o Brasil deveria gastar recursos que nem temos para desenvolver motores aeronáuticos, uma viagem total

Last edited 1 mês atrás by JT8D
Cristiano GR

Tanto o Draken como Viggen são lindos aviões e devem ter sido ótimos aviões em suas épocas.
Na foto do Viggen em meio a floresta de pinheiros ficou comprovada a eficiência e a necessidade desse padrão de camuflagem .
Belas fotos, muito boa reportagem.

Leandro Costa

Linda pintura do Viggen indo ao encontro do Blackbird. Me lembra outra pintura igualmente linda de um BAC Lightning interceptando o Concorde.

José Carlos David

Um país admirável e respeitado…dá inveja!

JT8D

Não foi barato o preço que pagaram, vide as baixas de pilotos ao longo da Guerra Fria

Rinaldo Nery

Em 2008 estive em Gothenbürgh, a convite da SAAB, e tive a oportunidade de visitar uma Base Aérea construída dentro de um morro, a 30m abaixo do nível do solo, em 1954. Fantástica. Hoje é um museu. Mas tudo ainda funciona.

Varg

“Em 1957, a Suécia tinha a quarta força aérea mais poderosa do mundo, com cerca de 1.000 aviões modernos em serviço na linha de frente.” 

Obviamente que EUA e URSS eram os dois primeiros do ranking, mas alguém tem informações de quem era a terceira força aérea mais poderosa à época? UK? China? França?

Alexandre Galante
Last edited 1 mês atrás by Alexandre Galante
Rommelqe

Impressionante a quantidade de bases aéreas ao longo do período de guerra fria.
A qualidade dos combatentes e dos equipamentos suecos é inquestionável. Notar que o desenvolvimento dos aviões foi realizado de forma precursora e, diria, com menos recursos do que, por exemplo, os franceses, cuja evolução de projeto dependeu muito mais de ajuda de terceiros.

Últimas Notícias

Rússia testa caça MiG-31 com sistema ‘fly-by-wire’

Moscou, 26 de novembro./TASS/. A atualização dos caças-interceptadores de alta altitude MiG-31 aumentará a eficiência de suas missões, em...
- Advertisement -
- Advertisement -