segunda-feira, maio 23, 2022

Gripen para o Brasil

Executivo da Boeing fala do F-X2 e do KC-390 após parceria com Embraer

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Boeing exalta virtudes da parceria no Brasil e além

Segundo matéria da Jane’s publicada na sexta-feira, dia 13 de junho, a Boeing espera que seus rivais sigam o modelo de parceria aplicado ao seu recente laço com a brasileira Embraer, que visa expandir o mercado para o avião de transporte militar KC-390 desta última.

A Boeing não tem “nenhuma ideia pré-concebida sobre quanto” o mercado do KC-390 poderia se expandir e espera encarar novos desenvolvimentos conjuntos com a empresa “numa base projeto-a-projeto, como disse Chris Raymond, vice-presidente executivo de desenvolvimento de negócios e de estratégia para a divisão de Defesa, Espaço e Segurança da Boeing (Boeing Defense, Space and Security).

Devido aos orçamentos de defesa mais apertados e às pressões sobre o financiamento de pesquisa e desenvolvimento, “nesse ambiente, haverá abertura com todas as empresas… para colaborar”, disse Raymond. A empresa já aplicou essa sua estratégia de parceria para trabalhar com a Coreia do Sul, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Reino Unido.

A Boeing e a Embraer fizeram um amplo acordo de colaboração aeroespacial em abril, que foi seguido por um compromisso em junho para que ambas trabalhassem juntas no desenvolvimento e comercialização do KC-390 da Embraer.

Houve “sempre muita discussão” na Boeing sobre trabalhos potenciais com a Embraer, mas “na realidade era um acordo comercial e de defesa”, disse Raymond.  Colaborações futuras serão numa base projeto-a-projeto, acrescentou o executivo.

Ainda segundo Raymond, “o acesso ao mercado é sempre uma das razões pelas quais você procura fazer parcerias com as pessoas. Nós concordamos em combinar nossos conhecimentos e ver se poderíamos mudar a visão de mercado” de potenciais clientes do KC-390. “O Brasil é um lugar onde queremos estar por bastante tempo. Nós sempre tivemos respeito mútuo (pela Embraer); nós não temos competido diretamente devido às nossas linhas de produto”, acrescentou.

Mas e os interesses da Boeing no F-x2?

Algumas das atividades da Boeing com a Embraer “são evidentemente conectadas” à disputa brasileira do F-X2, na qual o F/A-18E/F Super Hornet da Boeing é um competidor, mas Raymond disse que esse seria sempre o caso, de qualquer forma, porque ” a Embraer  está compelida a ser envolvida”  com qualquer empresa que ganhe o contrato, devido à sua importante posição no setor aeroespacial brasileiro.

O Super Hornet está competindo com o Dassault Rafale e com o Saab JAS 39 Gripen NG por um contrato que tem o valor estimado de 12,6 bilhões de dólares (de acordo com as estimativas da IHS Jane’s). Com a decisão do F-X2 bem longe de ser algo certo, Raymond foi incisivo em apontar que um investimento de defesa dessa magnitude é sempre sobre o produto “mas muito mais do que isso”, envolvendo geopolítica e participação industrial.

Ele não quis falar se a Boeing estava trabalhando com quaisquer outros acordos de participação industrial ligados à proposta do F-X2, dizendo apenas que “as propostas foram feitas, e o governo fará sua avaliação.” Porém, o executivo confirmou comentários anteriores de ambas as empresas sobre ao futuro da parceria não depender da competição dos caças. “Um pouco disso é sobre o F-X2, um pouco não é… A colaboração vai continuar. ”

FONTE: Jane’s (reportagem de Matthew Bell)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

3 Comments

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JapaMan

Venderam a alma ao Diabo, agora ja era! desse jeito nunca vamos deixar de ser o que somos.

Mauricio R.

Apesar de considerar que esse KC-390, está mais p/ CBA 123 do que p/ os ERJ, pelo menos a parceria c/ a Boeing é mais assertiva do que o a atuação francesa.

Marcos

E os russos já se preparam para o FX-3. Vão oferecer T-50.

Últimas Notícias

O dramático apoio aéreo ucraniano aos combatentes em Mariupol

O comandante do Regimento Azov, Andriy Biletskyi, observou o heroísmo excepcional das tripulações dos helicópteros, que entregaram reforços, armas,...
- Advertisement -
- Advertisement -