Home Aviação de Transporte Parceria Embraer-Boeing no KC-390 é tema de nota no site da FAB

Parceria Embraer-Boeing no KC-390 é tema de nota no site da FAB

202
14

Segue abaixo a nota da Agência Força Aérea, publicada nesta terça no site da Força Aérea Brasileira

KC-390 – Novo avião de transporte da FAB tem agora parceria da Embraer com a Boeing

Criado pela Embraer a partir de um requisito operacional da Força Aérea Brasileira de um novo avião de transporte e reabastecimento em voo, o projeto do KC-390 conta agora com a participação da Boeing. As duas empresas assinaram hoje (26/6), em São Paulo (SP), um acordo de cooperação para troca de conhecimentos técnicos e avaliação conjunta de oportunidades de mercado para o KC-390.

“Este acordo reforçará a posição de destaque do KC-390 no mercado global de transporte militar”, disse Luiz Carlos Aguiar, Presidente da Embraer Defesa e Segurança. O avião já conta hoje com cerca de 60 intenções de compra do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Portugal e República Tcheca, mas a expectativa das empresas é de alcançar mais vendas. “A Boeing tem grande experiência em aeronaves militares de transporte e reabastecimento em voo, assim como profundo conhecimento de clientes potenciais para o KC-390, em especial nos mercados que não foram incluídos no nosso plano de marketing original”, completou Aguiar.

O primeiro protótipo do KC-390 deve voar em 2014, e está prevista para 2016 a entrega das primeiras unidades. O desenvolvimento do projeto foi iniciado após a assinatura do contrato com a Força Aérea Brasileira, em abril de 2009. Entre os pré-requisitos estabelecidos pela FAB está a capacidade de cumprir todas as missões realizadas hoje com aviões C-130 Hércules, como transporte de cargas, lançamento de paraquedistas, busca, reabastecimento em voo e possibilidade de operar em ambientes como a Antártica e a floresta amazônica.

O KC-390, no entanto, terá vantagens frente ao Hércules, como uma velocidade maior e sistema de controle de voo computadorizado (fly-by-wire). A cabine do avião terá os equipamentos mais modernos para modelos do tipo, incluindo Head Up Displays (HUD), o que vai permitir aos pilotos conhecer os dados de voo sem precisarem olhar para dentro da aeronave. A cabine também será compatível com o uso de óculos de visão noturna (NVG). Todos os KC-390 sairão de fábrica prontos para cumprirem também missões como reabastecedores em voo, além de eles próprios também terem sondas para serem reabastecidos por outras aeronaves. “Nosso maior objetivo é fazer um produto inovador no mercado de aeronaves de transporte militar de médio porte”, finalizou.

Já o Presidente da Boeing Defense, Space & Security, Dennis Muilenburg, reconheceu as capacidades da indústria aeronáutica brasileira e ressaltou que o acordo assinado hoje reforça a parceria já firmada com a Embraer, que envolve as áreas de aviação comercial, pesquisa, novas tecnologias e desenvolvimento de biocombustíveis para a aviação. “A Embraer é uma líder global em inovação e ambos reconhecemos o valor de trabalhar em parceria para fornecer soluções acessíveis e de alta qualidade para os nossos clientes”, afirmou. Com o acordo de hoje, as equipes da Embraer e da Boeing vão analisar juntas o mercado de aeronaves militares e buscar novas possibilidades de mercado para o KC-390. Futuramente, as empresas devem anunciar resultados desse trabalho conjunto.

Características do KC-390

  • Comprimento: 35,20m
  • Envergadura: 35,05m
  • Altura: 12,15m
  • Peso máximo de decolagem: 81 toneladas
  • Carga máxima: 23 toneladas
  • Velocidade máxima: aproximadamente 950 km/h
  • Alcance máximo com 23 toneladas de carga: 3.700 Km
  • Alcance máximo: 6.000 Km

FONTE: FAB (Agência Força Aérea)

NOTA DO EDITOR: é fato que a aeronave deve suas especificações à FAB, com a qual a Embraer tem um contrato de desenvolvimento, recebendo aportes financeiros para o projeto. Mas não é comum, na área de notícias do site da FAB (não confundir com o Notimp, que é uma seção de clippings), encontrar notícias desse tipo, ou que não sejam relacionadas diretamente a operações e unidades da própria Força. Assim, achamos digno de nota replicar aqui essa repercussão não tão comum, de modo a se analisar sob esse prisma a importância da notícia.

VEJA TAMBÉM:

14
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
WagnerMarcosTaz MirandaGilberto RezendeGrifo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Lyw
Visitante
Member
Lyw

Então pessoal, ótima notícia! Uma parceria sem sombra de dúvidas com um futuro mais que promissor, mas… Com a maior parte dos fabricantes componentes/aviônicos do KC-390 já definidos, a boeing entra com o quê?

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Lyw disse:

Com a maior parte dos fabricantes componentes/aviônicos do KC-390 já definidos, a boeing entra com o quê?

Com algo mais importante do que peça.

Como o próprio texto diz, a Boeing entra com um “profundo conhecimento de clientes potenciais para o KC-390, em especial nos mercados que não foram incluídos no nosso plano de marketing original”.

Nick
Visitante
Member
Nick

Fora que a Boeing pode dar uns “pitacos” no projeto, afinal a experiência do fabricante do C-17 não pode ser desperdiçada.. 😉

[]’s

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

A Boeing além de consertar os problemas desta aeronave, que o governo federal queria que a EADS consertasse, vai tb arrumar o plano de negócios desse projeto.
Senão, do jeito que está, não vende.

Corsario137
Visitante
Corsario137

Pois é Maurício, a Boeing agora tá fazendo caridade.

Consertam projetos de aeronaves e planos de negócios, assim, gratuitamente. Afinal a Embraer e seus milhares de engenheiros, a grande maioria formada pelo ITA, jamais conseguiria sozinha produzir tal aeronave.

Agora,se vender o mérito será da Boeing né? É a justificativa que você achou pra não se trair nas suas previsões furadas.

É realmente patética a sua insistente tentativa de desqualificar a aeronave e seu fabricante.

Grifo
Visitante
Grifo

Mas não é comum, na área de notícias do site da FAB (não confundir com o Notimp, que é uma seção de clippings), encontrar notícias desse tipo, ou que não sejam relacionadas diretamente a operações e unidades da própria Força. Caro Nunão, o principal motivo para uma nota destas estar no site da própria FAB é o fato do acordo ter sido assinado independente de qualquer escolha do programa FX-2. Claro que ninguém é ingênuo aqui e sabe bem que a Boeing está mirando também no FX-2. Mas para a FAB, é certamente digno de nota que o seu principal… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Corsario137,

Patético é vc pretender cuidar daquilo que eu escrevo.
Cuida do teu, que eu cuído meu.

Gilberto Rezende
Visitante
Member
Gilberto Rezende

A parte que a Boeing pode cuidar para o KC-390 é bem clara…

Venda para os EUA e os aliados preferenciais americanos tipo Israel, Canadá, Arábia Saudita, Inglaterra, Austrália, Coréia do Sul e Japão…

Países que por motivos óbvios não fazem parte do plano de mercado da Embraer, mas são países em que a Boeing tem conhecimento e MUITA influência comercial e política…

Taz Miranda
Visitante
Taz Miranda

Caro Gilberto Rezende.

Concordo plenamente. Como transportador médio tático, o KC 390 cairá como uma luva para alguns desses países citados por ti.

E venhamos e convenhamos, apesar de ter as especificações da FAB e a cara da Embraer, este projeto sempre teve um “jeito” da Boeing.

Também concordo com o Grifo; para a FAB é muito bom ver que seu programa pode se tornar referência no mundo, algo que aconteceu (mais ou menos) com o ALX.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Caro Mauricio R:

A aeronave não tem problemas para a Boeing consertar. A aeronave sequer está pronta. Há dificuldades? Sem dúvida. A Embraer enfrentou dificuldades para projetar o Bandeirante, Brasilia, Tucano, AMX, ERJ-145, E-jets e agora enfrenta dificuldades com o Legacy 500 e provavelmente enfrentará dificuldades em arranjar soluções no KC-390. A própria Boeing enfrentou dificuldades com o B-787. Cada aeronave nova, cada tecnologia nova é um novo desafio. A vinda da Boeing para o projeto, sem dúvida, irá facilitar os arranjos e soluções, dado que a Boeing vem com forte experiência de seu Globemaster III.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“Venda para os EUA e os aliados preferenciais americanos tipo Israel, Canadá, Arábia Saudita, Inglaterra, Austrália, Coréia do Sul e Japão…” Nenhum dos países citados, está no momento procurando por aeronaves novas, justamente na faixa de mercado do C-130J. Alguns destes ou já o adquiriram, ou estão adquirirndo o A-400M, ou então estão reformando seus C-130 legados, ou ainda adquirindo aeronaves em outras faixas de mercado. Cito alguns exemplos: Venda para os EUA (adquirindo C-130J e C-17A; desativou C-130E, reformando C-130H e C-5A/B) e os aliados preferenciais americanos tipo Israel (reformando C-130E/H e adquirindo C-130J), Canadá (adquiriu C-130J), Arábia Saudita,… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“A aeronave não tem problemas para a Boeing consertar.”

Marcos disse:
27 de junho de 2012 às 12:01

Marcos,

Guarde isto p/ vc, pois já foi objeto de nota aqui no blog, qndo foi aventada a possível intervenção do Governo Federal, na administração da Embraer.
Se vc não sabia, não procurou saber, trate de faze-lo e procure se informar melhor.
Segue o link e boa leitura:

“Rejeitou ajuda dos franceses da EADS para resolver um problema de projeto da porta traseira do KC…”

(http://www.aereo.jor.br/2012/04/27/intervencao-branca-na-embraer/)

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Para quem se lembra deste link:

(http://www.aerospacecluster-brasil.com.br/Downloads/III%20Workshop%20KC-390/Copac.pdf)

A página 42 deve recordar algumas tristes ilusões.

Wagner
Visitante

Fica a critério do leitor julgar esse programa FX-2/3. A meu ver há um descaso impressionante com o espaço aéreo brasileiro e a FAB encontra-se orfã ou mesmo lesada em seu direito de defesa do país. Caso haja uma invasão de nosso espaço aéreo, a FAB seria a ultima a ser responsabilizada, pois, se tornou refém da burocracia política e não obteve o aval para negociar um vetor tecnologicamente avançado. Há urgência em se chegar a um consenso e mudar esse horizonte.