quarta-feira, abril 14, 2021

Gripen para o Brasil

VÍDEO – A História do Caça F-5 – Parte 22

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

REVO

No ano de 1975, enquanto a aviação de caça da FAB, a Força Aérea Brasileira, recebia seus jatos F-5, a aviação de transporte reforçou sua frota de Hercules com duas importantes aquisições: chegaram dois aviões do tipo KC-130H Hercules, capazes de realizar tanto missões de transporte quando de reabastecimento em voo. Conforme mencionado em vídeos anteriores, os caças F-5 da FAB só foram equipados com sonda de reabastecimento quando já se encontravam no país.

Em maio de 1976 foi realizado o primeiro curso de Reabastecimento em Voo (também conhecido como REVO) no Brasil. O então tenente-coronel Baptista, na época comandante do 1º Grupo de Aviação de Caça, foi acompanhado pelo major Johns, instrutor da USAF, a Força Aérea dos Estados Unidos, na primeira missão de reabastecimento ocorrida em 4 de maio daquele ano.

O conhecimento e a experiência também foram repassados para o Esquadrão Pampa, que realizou a primeira missão REVO no ano seguinte. A partir daquele instante o REVO passou a fazer parte do currículo de todos os pilotos de F-5.

Em 1986 a FAB adquiriu quatro aviões comerciais Boeing 707 que pertenciam à companhia aérea VARIG. Os quatro foram transformados em aeronaves de transporte e reabastecimento em voo. No entanto, o Esquadrão Pampa deixou de realizar missões REVO poucos anos depois. Em 1989 a unidade passou a ser equipada apenas com aeronaves que pertenciam anteriormente à USAF e não possuíam sonda de reabastecimento.

ARMAMENTO

Além dos canhões orgânicos dos caças F-5, a FAB adquiriu um leque de armas variado para eles. Em sua maioria eram armamentos convencionais e não guiados para emprego ar-superfície.

As bombas de emprego geral eram da série Mk.80 como as Mk.82, 83 e 84. Também foram adquiridas bombas MK.82 com cauda frenada por aletas, denominadas “Snakeye”, e bombas incendiárias do tipo “napalm”, semelhantes àquelas empregadas pelos jatos F-5C no Vietnã. Para exercícios, o F-5 empregava bombas do tipo BDU-33 e dispensadores SUU-20A/A.

Os foguetes de aletas dobráveis de 70mm, que podiam ser lançados de casulos com sete ou dezenove foguetes, foram outros armamentos que entraram para o inventário da FAB.
Os canhões de 20mm tinham emprego tanto ar-ar quanto ar-superfície. Já o único armamento específico para ações ar-ar, adquirido na época da introdução do F-5, foi o míssil americano AIM-9B Sidewinder. De pequeno diâmetro e pesando pouco mais de 70 quilos, podia ser levado aos pares, um em cada trilho de ponta de asa do F-5.

Esta versão inicial do Sidewinder, produzida em larga escala nos anos de 1960, ainda era largamente empregada por várias forças aéreas na década seguinte, embora já estivesse superada por novas versões em 1975. No entanto, ela representou um enorme avanço para a FAB, por disseminar nos esquadrões de caça o emprego de mísseis ar-ar, de guiagem por infravermelho e mais adequados ao combate aéreo.

Até então, os únicos jatos capazes de empregar mísseis ar-ar na FAB eram os interceptadores Mirage III, que equipavam um único esquadrão, em Anápolis. O míssil padrão do Mirage era o Matra R530, desenvolvido tanto com sistemas de guiagem por radar quanto por infravermelho.

Projetado na França numa época em que os principais alvos dos interceptadores eram os grandes bombardeiros soviéticos, o míssil R530 pesava mais do que o dobro do Sidewinder. Ainda que oferecesse maior alcance que este, devido ao tamanho e peso o R530 era instalado apenas no pilone central da fuselagem do Mirage III, um míssil por aeronave.

DISSIMILARES

A aquisição do F-5 logo após a introdução do Mirage III despertou o interesse na FAB pela criação de combates dissimilares entre ambos. A partir de 1977, tornaram-se rotina os deslocamentos de Mirage para Canoas e Santa Cruz, assim como de F-5 para Anápolis.
As duas aeronaves possuíam características distintas, mas nestes tipos de embates o F-5 levava ampla vantagem. O Tiger II era um projeto otimizado para a arena visual e sua alta manobrabilidade o tornava um caça difícil de ser abatido. Já o Mirage perdia muita energia em curva. Para que os pilotos de Anápolis tivessem algum sucesso, eles deveriam usar a velocidade e a potência do Mirage. No geral, os embates eram amplamente favoráveis ao caça norte-americano.

TIRO AO ALVO

No início da vida operacional do F-5 na FAB, as campanhas de tiro aéreo eram realizadas com um alvo do tipo “dardo”. Um F-5 fazia o papel de aeronave rebocadora. Ele transportava o enorme e desajeitado dardo no cabide externo da asa esquerda. Sob a fuselagem, era levado um casulo que continha o cabo de aço que se estendia para rebocar o dardo. Eventualmente um tanque de combustível era transportado sob a asa direita.

No ar, a aeronave que fazia o reboque do dardo se posicionava na frente. Atrás dela, seguia uma esquadrilha de dois ou quatro caças F-5. Eles executavam um circuito ao redor do alvo, semelhante a um carrossel, e em cada passagem disparavam contra o alvo. Ao final da campanha o dardo era descartado antes do pouso e não podia ser reutilizado.
Além de ser caro, o dardo tinha montagem muito trabalhosa. Por estes motivos seu uso foi encerrado no ano de 1982. Desde então a FAB tem empregado no tiro aéreo um alvo flexível de tecido. Produzido nacionalmente e de baixo custo, este alvo aéreo pode ser descartado na lateral da pista antes do pouso e reutilizado.

- Advertisement -

22 Comments

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bueno

Muito Bom!!
Material Maravilhoso…Parabens!
Vi todo o seriado até Ep 22 – F5 🙂

Flanker

Isso. Salvo engano, ele era um dos 4 adquiridos pela FAB, mas se acidentou antes da entrega e foi substituído por outro exemplar.

Bueno

Guilherme, o FAB2462 KC-130M da foto da Materia da revista da FAB
Em perfil de voo (provavel) de teste em Portugal
16/03/2021
https://www.flightradar24.com/data/aircraft/fab2462#270f9fe0

Last edited 28 dias atrás by Bueno
Paulo Hajjar

Em 1995 eu presenciei um acidente com um F5 em Anápolis, eu estava no meu sítio próximo a base aérea e vi o caça na curta final pra pouso da pista 06L caindo. Dizem na época que foi pane seca pois não houve explosão mas nunca foi revelado os motivos.

Flanker

Isso mesmo.

Flanker

Vou dar uma pesquisada nos meus materiais e ver se encontro esse acidente e a matrícula desse F-5.

Flanker

Foi o F-5E 4868 do segundo lote, ex-agressors, que pertencia ao esquadrão Pampa. A causa foi pane seca, ao retornar de uma missão de EW. O capitão Vasconcelos ejetou em segurança.

Rinaldo Nery

É da minha turma. Brigadeiro R1, hoje.

Flanker

Ah…legal, Nery. Abraço.

Flanker

Bah…eu tenho essa revista da foto de abertura da matéria.

Ricardo luiz Galletti

Eu também

Paulo Roberto Chaves de Lima

Eu também tenho essa relíquia!!!

Rinaldo Nery

A RFA publicou uma matéria muito interessante (não me recordo da edição) sobre o primeiro curso de combate aéreo dissimilar, introduzido pelo então Cap Galleti, hoje residindo em Curitiba. Justin deve ter vivido essa época.

Justin Case

Olá.
Combate dissimilar entre F-5 e Mirage ocorreu anualmente a partir de 1977.
Luiz Nogueira Galetto era piloto de F-5 e atuou no período inicial.
Eu sou “muito novo”, pois fui Jaguar entre 1984 e 1993.
O artigo a que você se refere deve ser:
RFA 103 – Força Aérea – Revista Força Aérea
Um Aggressor Brasileiro! As Aventuras de um piloto do Pampa no nascimento do combate dissimilar na FAB. Por: Luiz Nogueira Galetto
Abraço,
Justin

Rinaldo Nery

Isso: Galetto. Obrigado pela correção. Como curiosidade, depois da implantação dos E-99, todos os combates dissimilares passaram a ser controlados pelo Guardião. Cumpri muitas missões dessas.

Anthony

Salve povo!

Offtopic: alguém tem notícias do Ozawa?( O “certinho” na escrita?

Nunca mais comentou na trilogia! Era figura frequente AQ!

Rinaldo Nery

Não faz falta…

Flanker

Concordo….

Marcelo Andrade

Eu sei de onde você tirarm essa foto. è de uma revista especial do Centro de Comunicações da Aeronáutica. Eu tinha da Biblioteca da minha escola lá em 1983. Até hoje guardo. Foi editada pela Editora Bloch, a mesma da suadosa revista manchete!!!

Flanker

Isso mesmo!!

Combates Aéreos

Análise: o Poder Aéreo nas Malvinas

A Guerra das Malvinas (ou Falklands), ocorrida em 1982 entre a Argentina e a Inglaterra, colocou em evidência a...
- Advertisement -
- Advertisement -