segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

VÍDEO EXCLUSIVO: A história do caça F-5 – parte 5

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Depois da USAF e da NASA o T-38 foi adquirido pela República Federal da Alemanha. A Lutfwaffe encomendou 46 T-38 juntamente com 47 T-37 para treinamento básico. Assim que essas aeronaves deixavam a fábrica da Northrop elas eram enviadas para a Base Aérea de Sheppard, estado do Texas, onde se encontrava a unidade de treinamento de jatos da Lufwaffe.

Jovens pilotos alemães indicados para o curso de jatos permaneciam por 53 semanas em Sheppard. Além de instrução teórica eles voavam 132 horas no T-37 e em seguida outras 130 horas no T-38. Ao final do curso os pilotos seguiam para a Base Aérea de Luke, no Arizona, para o curso do F-104 Starfighter, ou voltavam para a Alemanha para voar o Fiat G-91.

As aeronaves alemãs eram todas pintadas com as marcações da USAF. Elas foram integradas ao inventário da Unidade de Treinamento da USAF e não havia aeronaves exclusivas.

Em 1969 a Marinha dos Estados Unidos selecionou o T-38 para a sua escola de formação de pilotos de testes. Cinco aeronaves foram adquiridas para uso no Centro Naval de Testes Aeronáuticos da Patuxent River (Maryland).

Portugal, Coreia do Sul, Taiwan e Turquia também receberam jatos de treinamento T-38, mas estes eram todos usados e provenientes do inventário da USAF. Destes, somente a Turquia continua a utilizar o jato até hoje.

Alguns T-38A da USAF foram modificados para o padrão AT-38B. Eles podiam empregar determinados armamentos a partir de uma única estação sob a fuselagem. As aeronaves eram empregadas para a prática de lançamento de bombas, foguetes ou disparos de armas de tubo.
Para permanecerem em atividade no século XXI os T-38A sobreviventes da USAF foram submetidos a um programa de modernização. Os aviões receberam reforços estruturais, painel com novos aviônicos e substituição de determinados componentes dos motores. Até que o seu substituto esteja totalmente operacional, o Talon continuará a formar pilotos de jatos pela década de 2020 e em breve completará 60 anos de atividade.

Na década passada a Turkish Aerospace iniciou o processo de modernização dos T-38 da Força Aérea Turca com novos aviônicos. O primeiro exemplar do T-38 ARI foi entregue em 2012. Estes aviões serão eventualmente substituídos no futuro por um jato de projeto local chamado Hurjet.

- Advertisement -

7 Comments

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz

Uma das modificações que o T-38 sofreu ao longos das décadas de serviço, foi uma nova tomada de ar, mais eficiente, que foi desenvolvida pela NASA.

Last edited 6 meses atrás by Clésio Luiz
Wagner

Projeto bom é assim. Quase todas as aeronaves contemporaneas a ele ja foram substituidas 2 ou mais vezes e o Forever ainda continua muito útil!

André Sávio Craveiro Bueno

Aeronave muito elegante, além de robusta e de fácil manutenção. Esses dois últimos atributos contribuem muito para a quantidade ainda em voo [T-38 + versões F-5]. E essa quantidade em voo mantém o fluxo de sobressalentes.
Sobre esta última questão, a saída dos T-38 da USAF deverá causar um belo golpe mas está ainda distante no horizonte.

Ivanmc

Muito bom o vídeo! Parece os documentários do Discovery, os quais eram ótimos antigamente.
Estou aguardando a parte que deverá falar sobre o F-5G. Se for possível, é claro.

Marcos Cooper

e sobre os F-5C/D da USAF do Skoshi Tiger!

nonato

Reportagens especiais

Na década de 80, o jato binacional AMX era destaque nas revistas aeronáuticas

O avião de ataque AMX, projeto ítalo-brasileiro produzido pelas empresas Aeritalia, Aermacchi e Embraer foi muito badalado pelas revistas...
- Advertisement -
- Advertisement -