Home Aviação de Ataque Qual é melhor, o F-5E Tiger II ou o MiG-21?

Qual é melhor, o F-5E Tiger II ou o MiG-21?

15717
141

Por Tom Cooper

Houve inúmeras discussões sobre esta questão e, provavelmente, pelo menos, tantas respostas. Mais de 15.000 desses dois caças baratos, leves, simples de manter e operar foram produzidos e, com o passar do tempo, serviram em mais de 60 diferentes forças aéreas – algumas das quais operaram as duas aeronaves.

A história usual é que eles nunca se encontraram em combate e, portanto, a questão final sobre sua superioridade mútua permanece sem resposta. Mas na verdade, eles se encontraram – e não apenas uma vez. De fato, suas primeiras batalhas foram decisivas no resultado de um conflito há muito esquecido sobre o Chifre da África.

Em meados da década de 1970, a Etiópia mergulhou no caos político. Um golpe militar removeu o imperador Heile Selassie, um aliado próximo dos Estados Unidos, em 1974. Uma sangrenta luta pelo poder se desenrolou entre diferentes facções através de Addis Ababa pelos três anos seguintes.

O descontentamento maciço e as insurreições de baixa escala nos estados federais etíopes da Eritreia, Ogaden e Tigray eclodiram em guerras totais e os insurgentes avançaram rapidamente. A Etiópia parecia estar em estado de dissolução, seu aparato militar e de segurança em desordem e incapaz de manter a soberania do país.

Esse foi o momento em que o governo da Somália – dirigido pelo major-general Siad Barre – viu uma oportunidade de realizar seu próprio objetivo político – a liberação de todos os “territórios somalis ocupados ilegalmente”. Predominantemente povoada por somalis étnicos, Ogaden tornou-se um alvo primário.

O plano de guerra da Somália era relativamente simples e baseado na avaliação – compartilhada por conselheiros soviéticos sediados na Somália – de que o Exército Etíope entraria em colapso rapidamente sob pressão.

Após extensos preparativos e a mobilização de todo o exército, a Somália invadiu em 13 de julho de 1977, suas forças terrestres apoiadas por um total de 25 jatos MiG-17 e 29 MiG-21, todos pilotos treinados na antiga União Soviética.

Sucessos iniciais confirmaram as avaliações pré-guerra. Em duas semanas, unidades mecanizadas do Exército Somali invadiram a guarnição etíope em Gode, abateram um F-5E da Etiópia com um míssil SA-7 do Graal, bombardearam o campo de pouso de Harar e destruíram um Douglas DC-3 pertencente à Ethiopian Airlines. Um par de MiG-17 abateu um transporte Douglas C-47 da Força Aérea Etíope.

Pilotos treinados nos EUA do 5º Esquadrão, Força Aérea da Etiópia, ao lado de um F-5. De pé, da esquerda para a direita – Fikur Maru, Ashenafi Gebre Tsadik, Belay Teklehaimnot, Techane Mesfin, Berhanu Wubneh e Techale Zewdie. Ajoelhando-se, da esquerda para a direita – Girma Workagexehu, Estifanos Mekonnen, Addis Tedla e Ambachew Wube. Quase todos voaram em missões de combate durante a guerra de Ogaden, e vários deles derrubraram MiGs. Foto via autor

Em meio ao caos – e porque a Etiópia e a Somália romperam suas relações diplomáticas no início de 1977 – o governo de Addis Ababa demorou a entender o que estava acontecendo em Ogaden.

Os militares anunciaram mobilização geral, mas ela levou semanas para ser concluída. As poucas unidades do exército implantadas em Ogaden se viram isoladas e bem atrás das linhas inimigas. Essa foi a razão pela qual o C-47 solitário foi abatido pelos MiGs da Somália.

No entanto, a Força Aérea Etíope foi tudo menos neutralizada. Criada com ajuda britânica e sueca nas décadas de 1940 e 1950, essa força recebeu apoio abundante dos EUA desde a década de 1960. Era uma força militar pequena, mas de elite, composta por pessoal escolhido e cuidadosamente e intensamente treinado – em casa e no exterior.

Mas não estava equipada com dezenas de aeronaves brilhantes. Sua peça central era cerca de uma dúzia de F-86 Sabres norte-americanos e Northrop F-5A Freedom Fighters. Em 1974, as relações Etiópia-EUA eram boas o suficiente para Addis Ababa solicitar a entrega dos caças McDonnell Douglas F-4 Phantom, mas Washington ofereceu 16 Northrop F-5E Tiger IIs, armados com mísseis ar-ar AIM-9 Sidewinder e apoiados por dois radares terrestres Westinghouse AN/TPS-43D.

Devido a distúrbios e violações dos direitos humanos no país, apenas oito Tigers foram entregues em 1976. No entanto, contrariamente às expectativas somalis e soviéticas, os seus pilotos não ficaram ociosos durante os meses anteriores à invasão somali.

Na sequência de relatórios de inteligência sobre o acúmulo da Somália ao longo da fronteira, a Força Aérea realizou uma série de exercícios intensivos de combate aéreo. Um dos radares TPS-43 estava posicionado no alto da Passagem Karamara e os F-5E começaram a voar em patrulhas aéreas de combate. O combate aéreo entre os F-5E da Etiópia e os MiG-21s somalis era, portanto, inevitável.

Bezabih Petros foi o responsável pelo o histórico primeiro abate confirmado de um MiG-21 da guerra de Ogaden – e, portanto, o primeiro em combate aéreo entre F-5E Tiger II feito nos EUA e MiG-21 de fabricação soviética

O primeiro confronto ocorreu na tarde de 24 de julho de 1977, quando dois Tigers interceptaram um par de MiG-21 prestes a atacar outro veículo pesado da Etiópia. Habilmente guiado pelo controle de solo, o número dois da formação etíope, Bezabih Petros, conseguiu uma vitória verdadeiramente histórica – o primeiro abate confirmado para a Força Aérea Etíope, e a primeira vez para o F-5E em combate aéreo contra um MiG-21.

Apenas um dia depois, Lagesse Teferra conseguiu um feito especial no decorrer do que acabou por se revelar a maior batalha aérea da guerra de Ogaden. Enquanto liderava um trio de F-5E, ele interceptou uma formação de quatro MiG-21 que estava fornecendo cobertura para quatro MiG-17s.

A aparição dos Tigers etíopes fez com que dois MiG-21 da Somália – incluindo um voado pelo comandante da base aérea de Hargheisa, o coronel Mussa – colidissem. Lagesse, em seguida, abateu o terceiro com o fogo de canhão. Seus alas Bacha Hunde e Afework Kidanu acabaram com o quarto avião somali. Finalmente, Lagesse atacou os MiG-17 e derrubou dois com mísseis AIM-9.

Lagesse Tefera – piloto de F-5E etíope de maior pontuação na guerra, com um total de quatro abates confirmados – visto durante o treinamento nos Estados Unidos. Tragicamente, ele foi abatido pelas defesas aéreas somalis em 1 de setembro de 1978 e passou 10 anos em uma prisão somali. Foto via autor

Em 26 de julho, Lagesse Tefera e Bezabih Petros interceptaram um par de MiG-21 que se aproximava da base aérea etíope em Dire Dawa. Desta vez, Bezabih danificou um MiG com um Sidewinder e Lagesse finalizou com o fogo de seus canhões de 20 milímetros.

Três dias depois, Bacha Hunde marcou sua primeira – e única – vitória confirmada da guerra. Esse sucesso permitiu que os aviadores etíopes esmagassem numerosas colunas de suprimentos inimigas e, assim, contribuíssem significativamente para uma vitória durante a batalha de Dire Dawa, que encerrou o avanço da Somália em Ogaden em meados de agosto de 1977.

No decorrer deste confronto, Afework Kidanu derrubou um MiG-21 em 19 de agosto. Ashenafi Gebre Tsadik derrubou outro dois dias depois. Ashenafi e Lagesse marcaram os dois últimas abates durante o confronto final da guerra de Ogaden em 1 de setembro de 1977, destruindo outro par de MiG-21.

Com isso, a Força Aérea Somali estava praticamente terminada. Embora continuasse operando sobre Ogaden, nunca se recuperou de suas pesadas perdas. Por sua vez, tendo assegurado a superioridade aérea, os etíopes liberaram sua força aérea para conduzir uma campanha sistemática de ataques ao sistema de abastecimento da Somália.

Em menos de um mês, o Exército Somali dentro da Etiópia estava sem quase nada – munição, comida, combustível e até tanques e veículos de transporte – e incapaz de avançar. Os F-5Es etíopes ganharam assim a vitória decisiva da guerra de Ogaden – e compraram bastante tempo para políticos em Addis Ababa para assegurar apoio cubano e depois soviético, o que permitiu ao Exército Etíope lançar uma contra-ofensiva e expulsar os somalis de Ogaden no início abril de 1978.

A análise pós-guerra de todas as partes envolvidas foi clara. Não só isso, o F-5E mostrou-se superior ao MiG-21 – não em velocidade, mas certamente em manobrabilidade em baixas e médias altitudes, e em termos de autonomia e armamento.

Além disso, o treinamento fornecido aos etíopes por seus assessores americanos era de qualidade muito superior e muito mais realista do que o fornecido aos somalis por seus instrutores soviéticos.

Northrop F-5E da Etiópia embargado nos EUA e armazenado na Mc Clellan AFB em 18-09-77 – Foto: Arquivo The Northrop F-5 Enthusiast
O principal opositor do F-5E da Etiópia – um MiG-21MF somali, visto aqui abandonado no aeroporto Mogadíscio Internacional depois que este local foi ocupado por tropas americanas em 1992. Embora aproximadamente similar ao F-5E em desempenho, e mesmo superior em algum aspecto, o tipo, eventualmente, não se mostrou páreo quando operado por pilotos mais bem treinados. Coleção Claudio Toselli

*Tom Cooper (nascido em 1970) é um autor austríaco, jornalista, historiador e ilustrador com interesse na aviação militar moderna.

Após uma carreira no ramo de transportes em todo o mundo, na qual ele viajou extensivamente pela Europa e Oriente Médio e estabeleceu contatos, ele passou a escrever. Cooper estreitou seu fascínio anterior com a aviação militar pós-Segunda Guerra Mundial para se concentrar em forças aéreas menores e conflitos, sobre os quais ele coletou extensos arquivos de material. Concentrando-se na guerra aérea que anteriormente recebeu pouca atenção, ele é especialista em pesquisa investigativa sobre forças aéreas africanas e árabes pouco conhecidas, assim como a Força Aérea Iraniana. Seus primeiros trabalhos foram publicados na década de 1990 no site do ACIG (Air Combat Information Group; antigo ACIG.org, desde 2013: ACIG.info).

Cooper é autor e coautor de 30 livros, o primeiro dos quais ofereceu visões exclusivas sobre a história operacional das forças aéreas iraniana e iraquiana durante a Guerra Irã-Iraque (combatida em 1980–1988).

Suas principais obras são duas séries: ‘African MiGs’ (dois volumes) e ‘Arab MiGs’ (seis volumes). O primeiro examinou o histórico de desenvolvimento e serviço de 23 forças aéreas na África Subsaariana; a última, a história operacional das principais forças aéreas árabes em guerras com Israel no período de 1955 a 1973.

Cooper publicou quase 1.000 artigos em imprensa especializada e on-line, incluindo revistas como Air & Space Smithsonian, AirEnthusiast, Air Force Magazine, AirForces Monthly, Air Combat, AirPower, Combat Aicraft, Le Fana de l’Aviation, Fliegerrevue e Fliegerrevue Extra, Flight Jornal, International Air Power Review, Iranian Aviation Review, Jane’s Defense Weekly, Modern War, SDI, Truppendienst, WarIsBoring.com e World Air Power Journal.

FONTE: War is Boring

141
Deixe um comentário

avatar
41 Comment threads
100 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
68 Comment authors
Mauro OliveiraDr. TelêmacoDiogoHermesECosta Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Isso comprova como os F5II eram de fato uma boa e barata opção para os países de menor poder aquisitivo! Hoje temos algum caça bom e barato feito o F5II? Os FA50 e os M-346FA seriam os equivalentes aos F5II do século 21?

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

O M-346 perde muito em velocidade, acho que os FA-50 são uma boa opção barata de fato. Do lado oriental temos os JF-17 até mais baratos.
O tamanho das forças aéreas diminuindo provavelmente acabou com a viabilidade de projetos como o F-5.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

acredito que o equivalente seria um Gripen pelado, sem o sistema EW do NG e o radar PESA

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

o Gripen está na categoria do F-16, é um caça de primeira linha leve e barato, mas nem de longe chega a ser o “baratão da alegria” que era o F-5 ou mesmo o MiG-21 que eram troco de pão.
Aliás, faz falta hoje aquela pegada privada da indústria, como o próprio F-5 que foi desenvolvido sem o governo, que só ajudou a vender ele fazendo propaganda.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

olha acredito que vc entendeu errado, o Gripen que eu coloco como barato não chega perto do NG nem perto do Block 60 do F16

Denis
Visitante
Denis

Verdade, mas com tecnologias tão avançadas, não tem mais como fazer um baratão da alegria, a menos que caia a qualidade. Daqui pra frente, não vai mais existir o avião barato, somente o menos caro.

Wellington Rossi Kramer
Visitante
Wellington Rossi Kramer

Gripen pelado não existe.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

MIG-21 foi (e ainda é) um ícone da aviação militar.
O F-5?
Bem, o F-5 foi o F-5.
E só.

Chris
Visitante
Chris

Vc nao cansa de mostrar que nem é imparcial, né?! Heheh

Tinha que ser vc pra contrariar até a história.

paddy mayne
Visitante
paddy mayne

Robin Olds no rádio para seu ala: “abati mais um ícone, háháháháhá”.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Hahahahahah
Vc realmente não leu a matéria.
Os F-5 varreram os MiG-21….
Os F-5 com pilotos formados pelos EUA e os MiG-21 com pilotos formados pelos soviéticos…

Wagner
Visitante
Wagner

Inacreditável! Cheguei à conclusão que esse cara só pode estar de zoação. Não é possível que acredite no que escreve.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Vc está querendo insinuar que o F-5 era superior ao MIG-21?
É isso?
Nem que seja assiim, bem de longe?
Fala sério!

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Kings o problema não foi o MIG-21 ser inferior, o problema é a qualidade do treinamento que os pilotos Somalis não possuíam.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Se essa história for realmente verdade, é evidente que foi isso, pois não há como comparar o mítico MIG-21 com o F-5.

Flanker
Visitante
Flanker

Por que não há essa possibilidade de comparação? Desenvolva o raciocínio….sem torcida e sem frases ou palavras de exaltação, como “mítico”, por exemplo. Diga, com base em dados de desempenho das aeronaves em si, o motivo de não haver comparação entre esses dois caças…

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Ele está e ele só continua porque a galera aqui do fórum comprou a onda de negativar o cara em tudo. Se fosse ostracizado, pararia, mas a turma insiste em alimentar.

Wagner
Visitante
Wagner

Isso aí. Vamos parar de alimentar o troll.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Isso aqui é um local de debate e não o Clube do Bolinha.

Flanker
Visitante
Flanker

Então debata, ao contrário de apenas fazer torcida e propaganda ideológica! Você ficou contrariado porque o artigo mostrou que o F-5E foi superior ao Mig-21 no conflito citado. Mas, vindo de quem disse que o Mig-21 é superior ao F-16, só porque conseguiu um suposto abate, não é surpresa….aí mostra sua total incapacidade de debater e total desconhecimento técnico acerca do assunto….você só faz torcida e propaganda, sem embasamento técnico algum.

MMerlin
Visitante
MMerlin

Sou a favor do abandono ao uso do deslike.
Espero que a tendência do Instagram, em não exibir mais o número de likes, também seja seguido por mais ferramentas de comunicação.
A alienação de curtidas é um dos mais novos males da humanidade. No caso aqui da trilogia, tira o foco principal que é o compartilhamento de informações.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Pelo número de países que ainda usam o F5 podemos ver que foi um sucesso! E suas versões modernizadas como no caso do Chile e do Brasil ainda dão para o gasto!

Denis
Visitante
Denis

Que é isso, Kings? O F-5 é incontestável nesta questão. Veja quantas forças aéreas importantes ainda hoje operam o F-5.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Do mesmo jeito que o MIG-21 ainda é utilizado até hoje também.
E ainda teve um produção quase dez vezes maior.

Flanker
Visitante
Flanker

E por que o Mig-21 teve uma produção tão grande? Porque foi usado maciçamente pela própria URSS, ao passo que o F-5E teve poucas unidades compradas pelos EUA, que optaram por utilizar aeronaves de maior desempenho e capacidade. Se comparar apenas números de produção, não chegará a um resultado que mostre as qualidades de ambos.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Vc disse tudo.
Os EUA não utilizaram o F-5 para usar aeronaves de maior capacidade.
Provavelmente para combater os MIG-21 soviéticos.

Flanker
Visitante
Flanker

Aí que você se engana! Os EUA sempre tiveram uma outra filosofia. Os soviéticos investiam em simplicidade e quantidade, ao passo que os EUA, e outros países do ocidente, investiam, e investem, em mais tecnologia, em detrimento da grande quantidade. Um exemplo? Os motores Tumansky do Mig-21 tinham uma vida útil de quase um terço de um equivalente ocidental….nem se preocupavam em overhaul de motor…vencia, trocava todo o motor. Hoje isso mudou, mas foi assim durante muito tempo. O fato de os EUA não adotarem o F-5 em massa, se deve à filosofia de equipamento e doutrina de emprego. Não… Read more »

paddy mayne
Visitante
paddy mayne

Claro, né? Sendo derrubado toda hora, tem que ter uma linha de reposição forte.

Diogo
Visitante
Diogo

Pessoal, o Tonho Rei é incapaz de fazer uma análise crítica, ele não consegue deixar de lado o seu posicionamento ideológico, vejam que ele contradiz até a matéria que diz claramente que nesse conflito o F-5 foi superior, ele simplesmente nega os fatos e cria a sua própria narrativa.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Não é isso.
É que já tem gente ‘viajando’ na comparação entre os aviões.

Flanker
Visitante
Flanker

Volto a te desafiar: mostre, sem torcida, retórica e palavras de efeito e chavões, o motivo de não haver comparações entre esses dois caças. Só porque um é dos EUA e o outro da URSS???

THIAGO MACEDO NUNES
Visitante
THIAGO MACEDO NUNES

Sim. Gripen

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

O Gripen é de uma classe superior!

BILL27
Visitante
BILL27

JF-17 e FA-50

WILSON JOSÉ
Visitante
WILSON JOSÉ

o Antoniokings tem que voltar pra Escola e exercitar interpretação de texto…

Charles Dickens
Visitante
Charles Dickens

Para que ficar com menos? Agora que daremos a chave de nossa embaixada em Washington para os americanos, em breve o Brasil poderá ter F18, F22, F35, F16 a preços de banana, em quantidades tais que faltará espaço em nossas bases aéreas para tantos aviões. É a ilusão de que puxar o saco dos americanos gera algum benefício.

LBacelar
Visitante
LBacelar

Isso aí, bom é puxar saco de cubano e venezuelano, entregando dinheiro de mão beijada para construção de portos, metros, manutenção da riqueza dos ditadores e em troca, ganhar “médicos” que receitam paracetamol para combater hepatite.

ANDERSON DA COSTA MUNIZ
Visitante
ANDERSON DA COSTA MUNIZ

Acho que o GRIPEN cumpre bem essa função, na verdade com muita superioridade, mas com o baixo custo de manutenção e aquisição.

Sérgio Luís
Visitante
Sérgio Luís

Essas duas forças aéreas ñ servem como referência de otimização e utilização de aeronaves como estas!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

acho que justamente por serem ambas duvidosas, servem sim

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Mas as duas tiveram treinamento com os respectivos fabricantes dos aviões, se bem que pela matéria a qualidade do treinamento dos americanos foi superior a qualidade do treinamento dos soviéticos, e a qualidade do treinamento faz uma enorme diferença!

Wagner
Visitante
Wagner

Curioso que em todos os teatros de operação onde enfrentaram seus equivalentes ocidentais os MiGs levaram uma piaba. E sempre tem quem fala “ah mas não dá para comparar por causa de blabla bla e bla”. A doutrina sovietica sempre foi vencer pelos numeros e nunca pela preocupaçao com o treinamento e a vida de seus soldados e oficiais. Isso obviamente reflete no pacote de treinamento oferecido aos seus clientes.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Sim. Sim.
Na Coreia com os MIG-15.
No Vietnã com os MIG-17 aos MIGs-21.
Só derrotas.
E contra os americanos.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Na Coreia os MIG foram varridos no vietnam também.

pampapoker
Visitante
pampapoker

Com a força aérea de Israel então.

Kemen
Visitante
Kemen

A tática pesou bastante, se antecipar a algo que vai acontecer, e nos combates aéreos os israelenses mostraram que treinamento, dedicação a uma causa indiscutivel – sobrevivência, além dos caças e armas que dispunham bem mantidas e algumas superiores as do inimigo.

Kemen
Visitante
Kemen

Observação: No Vietnã do Norte os confrontos foram pesados para a USAF, mesmo contra aviões antigos.
“O Vietnã do Norte, por outro lado, usava equipamento militar russo, alguns, como o MiG-17, tremendamente rudimentares. Mesmo assim, a Força Aérea Popular do Vietnã alcançou notáveis vitórias nos combates aéreos sobre essa península do Sudeste Asiático.”
https://www.aereo.jor.br/2018/10/25/os-jatos-de-combate-no-vietna/

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Se olhar o número de vitórias os americanos tiveram mais vitórias do que derrotas nos combates aéreos!

Wagner
Visitante
Wagner

Contra dados, argumentos são quebrados..comment image

Ramsés
Visitante
Ramsés

Cheque mate!
Xings saiu da sala!

Felipe
Visitante
Felipe

Não está 100% correto ou está bem parcil. Um Tornado foi derrubado por um MiG-29 no Iraque e consta como 0-0-0

Wagner
Visitante
Wagner

O Tornado que teria sido abatido é um Tornado IDS, enquanto o grafico fala da versão ADV. O primeiro é um bombardeiro o segundo é a variante de superioridade aérea. São versoes completamente distintas e o autor considerou apenas a última (ADV).

Wagner
Visitante
Wagner

Pelo mesmo criterio nao ha o MiG 27 na lista.

paddy mayne
Visitante
paddy mayne

Fantástico. Muito interessante. Fiquei explorando tudo. E olha os F-14 iranianos, uns predadores!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Uma questão interessante: existe algum MiG-21 em operação mais interessante que os nossos F-5M? Peço que para o exercício ignorem desgastes estruturais, pensando apenas nos aviônicos e armamentos integrados.

Rudinei Basei
Visitante
Rudinei Basei

Só os Img 21 da Índia que andam abatendo os f16 do Paquistão.

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Não existe confirmação disso

Wagner
Visitante
Wagner

Kkkk. Um “abate”, que nem confirmado foi, vale pelas centenas de MiG’s 21 abatidos ao longo da historia… Essa é a lógica das viuvas vermelhas.

Flanker
Visitante
Flanker

Meu Deus!! Dai-me paciência!!

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Temos um bom avião dado a idade do projeto. Basta perguntar aos Franceses. Cansaram de apanhar em “céus brasilis” para os nossos MIKEs

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Os F-7/J-7 chineses… Foram fabricados até 2013 !!!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Aí que tá, eles tem recheio melhor do que o nosso?

Doug385
Visitante
Doug385

Nada novo sob o Sol.

Privatiza tudo
Visitante
Privatiza tudo

Bah vcs vão acabar com o fim de semana do kings. Já deve tá chorando em posição fetal na cama.

Sem zoeria boa matéria não sabia desse confronto.

Saldanha da Gama
Visitante
Saldanha da Gama

Pensei a mesma coisa, coitado do kings

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Mig-21 não serve para abater F-5.
Só serve para derrubar F-16.
E no século XXI.

Chris
Visitante
Chris

Fala daquele que perseguiu um grupo de F-16 em fuga alem de sua fronteira, atirou pelas costas, e depois foi derrubado por outro F-16 qdo houve combate real?

paddy mayne
Visitante
paddy mayne

O Mig-21 é um excelente antepasto. Os F-4/5/15 sempre se alimentam de um deles antes da refeição principal.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

F-5 na História da Aviação Mundial foi um grande …… nada.
Serei legal.
Quase nada.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Isso é praticamente verdade…
O MiG-21 fez bem mais. Tornou varios caças americanos grandes vencedores.

Wagner
Visitante
Wagner

Dá uma olhada na tabela que postei acima. Vai ver que para cada abate confirmado pelo MiG 21, mais do que o DOBRO deles foram derrubados… Enqto o F15 teve mais de una centena de abates ante nenhuma derrota, o F16 apenas uma derrota e até o F5 aparece com uma relação vitórias/derrotas superior a 1… Mas, sim, o MiG 21 é campeão! É o rei da derrota! Foi o caça a jato ainda em uso mais abatido da história contemporânea! Que continue servindo de alvo aos defensores da democracia por muito tempo! Long Live the King!

pampapoker
Visitante
pampapoker

Sem mencionar o grande problema de engenharia dele. O avião que cai por pane seca com combustível dentro

Ulisses
Visitante
Ulisses

Então os MIG-21 foram abatidos por nada? Deve ser ruim mesmo esse treco kkkkkk

pampapoker
Visitante
pampapoker

Se para classificar um avião,serve o número de abate, o MIG 25 não fez nada, pois o F5 abateu mais aviões que o poderoso Mig25 Ah só para lembrar o f 5 tem uma vitória compartilhada em cima do Mig25

Wagner
Visitante
Wagner

Aviões de caça são projetados e costruídos e operados para combate aéreo. Acredito ser justo classificá-los ante seu desempenho na função para qual foram projetados, construídos e operados.

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Não tenho conhecimento, lá na Caxemira não se confirmou nada, só boatos.

Plinio Jr
Visitante
Plinio Jr

Quantos Mig-21s sírios os f-16 israelenses abateram ?? Toninho é o cara cujo o time leva de 8 x 1 e vibra muito com o único gol feito….

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

O Tigre foi um grande caça e se um colega acha que esses episódios narrados na matéria não servem como referência sugiro ao PA fazer uma materia sobre os combates dissimilares da FAB onde os Mirage IIIBR (F 103) viviam sendo “filmados” pelos Tigers do Senta a Pia e do Quatorze.
Abraço

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

Correção: Senta a Pua (corretor maldito)

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Saiu uma materia sobre os combates simulados entre F-5 e Mirage aqui no Brasil. Acho que foi na Revista Força Aerea, foi muito boa a matéria que entrevistava os pilotos que participaram do treinamento na longinqua decada de 70. Vale a pena ler. Pode-se perceber claramente que o F-5 tinha as suas virtudes contra um interceptador Mach2 de primeira linha do inicio da decada de 70. A bem da verdade o F-5 é um projeto vencedor em seu proposito e um belissimo avião em sua categoria.

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

Eu li a matéria Revista Força Aerea. O interessante é que os “canards” do F103 foram instalados em razão desses combates dissimilares melhorando muito a manobrabilidade da aeronave.

Kemen
Visitante
Kemen

F-5 e Mirage? Mas nem com Mirage F-1, enorme diferença. Não é a toa que a FAB tinha os Mirage em Brasilia para defesa da Capital do pais!

Saldanha da Gama
Visitante
Saldanha da Gama

Acho que muitos aqui terão uma síncope nervosa, tipo as que o Saraiva tinha…. kkkkkkkk kkkkkkkk kkkkkkk

paddy mayne
Visitante
paddy mayne

Muitos, não. Só as viúvas soviéticas de sempre.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

E pensar que que quase compramos o MIG-21 versão chinesa heim… Graças à Deus deu tempo de comprarmos o F-5 II, hoje F-5M. Se mostrou uma decisão acertadíssima. Mas vamos lá gente e me corrijam se eu tiver errado, mas o MIG-21 em mãos treinadas dá trabalho. Guerra do Vietnã que o diga…

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Se tivessemos dado toda a atenção ao MiG-21 chinês, provavelmente não estaríamos muito diferentes de hoje não.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Discordo… O F-5 tem muito mais facilidade de fazer upgrade do que o MIG-21 chinês. Fora dizer que muito provavelmente teríamos uma frota bem menor por conta de acidentes que teriam acontecido por falta de manutenção.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

e o que te levou a essa conclusão? Os MiG-21 espalhados pelo mundo tem diversos tipos de atualização, foi um modelo produzido por bem mais tempo que o F-5 e ainda deve ser mais fácil de encontrar peças. Por que supõe que a FAB seria negligente com ele se não foi com o F-5?

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Os da Índia vivem caindo

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Olha q bobagem q vc escreveu.
Os J-7 chineses foram fabricados até 2013 !! kkkk

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Ai, ai, ai… Tá bom… Vamos devagar sobre a possibilidade de ter comprado os MIG-21 chineses e tudo estar maravilhoso… Tem cada uma nesse blog…

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

E por que não estaria? Eu sequer disse que era a melhor opção, também não afirmei que seria melhor que o atual estado dos F-5, a questão de fato é: o que te leva a afirmar é acreditar que estaria pior? A FAB cuida de suas aeronaves sempre decentemente, fizemos atualizações em nossos aparelhos e treinamos bem nossos pilotos(direto os vejo voando em Uberlândia!).
Não confunda pilotos brasileiros com indianos! Não confunda nossa linha de manutenção simplificada com a salada de fruta dos mesmos. Somos uma força bem menor, mas, bem mais profissional!

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Realmente… tem cada uma nesse blog…
Veja por exemplo o que vc acaba de fazer. Onde q eu escrevi algo a respeito da, a época, a possível aquisição de Mig-21 pela FAB ?
É muita criatividade !

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

O livro do MiG-21 escrito pelo Yefin Gordon conta sobre combates simulados entre do F-5E, obtidos pelo Vietnã do Norte e enviados para a URSS. Voado pelos pilotos soviéticos, se revelou superior em dogfight perante o MiG-21, mas não lembro agora se era o Bis ou o MF. O MiG-21Bis possui vantagem de razão de subida sobre o F-5E. Provavelmente em aceleração também. Num combate entre os dois, cabe ao MiG opera fora do envelope do Tiger com ataques tipo Boom & Zoom, onde se ataca em mergulho, atira, sobe e repete. Foi assim que os Mirage III e F-4… Read more »

rdx
Visitante
rdx

Provavelmente, o F-5E foi o melhor dogfighter de 3ª geração. Os soviéticos analisaram profundamente F-5E capturados por aliados, e concluíram que os pilotos de Mig-21 e Mig-23 tinham poucas chances de sobrevivência em determinados cenários. Esse estudo foi fundamental no desenvolvimento do Mig-29.

Adriano RA
Visitante
Adriano RA

É interessante que a USAF continua a manter o F-5E nos esquadrões agressores, junto com os F-16.

Wagner
Visitante
Wagner

Em boas maos num cenario de close combat o F5 ainda é um adversário de respeito.

rdx
Visitante
rdx

Na minha opinião, o caça atual que, conceitualmente, mais se aproxima do F-5 e do Mig-21/J-7 é o JF-17.

Wilson Lobe Junior
Visitante
Wilson Lobe Junior

Leio bastante sobre aviação e acho incrível a enorme quantidade de vezes que li que “a qualificação dos pilotos foi determinante para o resultado”.

JT8D
Visitante
JT8D

Não só a qualificação dos pilotos mas também a doutrina operacional da força aérea. Os israelenses são o maior exemplo disso

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Treinamento é tudo, os americanos sabem o que é combater de verdade com aviões a jato desde a década de 50, já se vão mais de 70 anos de doutrina “a jato”

Ulisses
Visitante
Ulisses

O que alguns colegas estão esquecendo é que as vitórias descritas na matéria tiveram um componente fundamental: o “vetoramento” realizado com o auxílio do radar em terra que sempre colocou os pilotos de F-5E em posição vantajosa, permitindo que utilizassem os pontos fortes de sua aeronave sobres os do inimigo. Isso mostra que o resultado do combate aéreo não é um “super trunfo” entre os caças, mas sim uma combinação exitosa entre controle de voo, treinamento dos pilotos, capacidades da aeronave e seus sistema de armas.

jose carlos souza sub oficial da reserva remunerad
Visitante

Como controlador GCI, concordo plenamente!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

E graças a vocês, os Mirage IIIE da FAB puderam surpreender os franceses na primeira visita deles por essas bandas com o Mirage 2000.

Jorge alberto
Visitante
Jorge alberto

Muitissimo bem lembrado!!!

Houve ate uma situacao, em q houve um “blecaute” durante a decolagem e mesmo assim, de cabeca, o controlador continuou “cantando” para os pilotos e qdo o sistema voltou… Estava correto!

Gracas ao treinamento q receberam!

O Jaguar fez bonito com o q tinham! Conseguiram ate abater uns M2000… Rs

Eh como sempre digo: “oro p melhor, trabalho o q recebo’!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Muito bem colocado Ulisses. Aliás, isso lembra também dos controladores norte-vietnamitas que contribuíram para as vitórias dos primitivos MiG-17 contra os então avançadíssimos F-105 e F-4. Vindo por baixo, invisíveis aos radares de caça de então, foram vetorados para subir por baixo e por trás das formações americanas, criando pânico e obtendo vitórias.

Planejamento e táticas ousadas transformaram o que seria um massacre em vitória.

paddy mayne
Visitante
paddy mayne

Em suma, estamos falando também de pilotos bem treinados versus nem tão bem treinados e não somente de aviões.
Lembro que uma vez Chuck Yeager participou de um dogfight simulado pilotando um F-86 contra um Mig-15 pilotado por um americano. Depois trocaram de avião. Yeager venceu os dois combates.
Minha humilde leitura dessa lição: naquela época, em aviões similares, o que fazia a diferença era a “pecinha atrás do manche”. Hoje é isso e mais toda a estrutura envolvida, awacs, etc.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Off:
Alguém mais está tendo dificuldade em acessar os outros sites da trilogia?
Aqui está redirecionando!

Augusto L
Visitante
Augusto L

Aconteceu muito, comigo ontem.
Redirecionava para URLs falsos na tentativa de implantar um malware.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Exatamente, eu desativei alguma s opções no Safari e voltou a funcionar, estranho!

Salim
Visitante
Salim

Matéria J20xF35 depois F15xF35 agora F5xMig21 estão querendo matar nos de vergonha. Ainda bem que Gripen ta chegando, demorando muito, mas ta vindo.

Delfim
Visitante
Delfim

Em https://www.aereo.jor.br/2010/10/13/vitorias-ar-ar-iranianas-1976-1981/ se acessa as vitórias dos F-5E iranianos. Há 3 vitórias contra MiG-21 iraquianos.

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

Um amigo ex Fabiano, que hoje pilota em uma empresa aérea internacional, me disse que no dogfight não tinha pra ninguém. F5 era muito bom. Mais uma preocupação para o sono do kings.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Qual é melhor, o chevette ou o Lada?

Tutu
Visitante

Eu fico com o chevette, pelo menos posso ir na padaria e comprar uma junta do cabeçote.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Só é melhor olhar a previsão do tempo antes kkkkk

JT8D
Visitante
JT8D

Principalmente após a chegada dos Gripens essa discussão se tornará tão relevante quanto uma comparação entre Spitfires x Messerschmitts

Elton
Visitante
Elton

Treinamento ,doutrina e coordenação são fatores fundamentais para uma bem sucedida campanha aérea,por exemplo os indianos mesmo com mig21 abateram os F16 paquistaneses e os iranianos que com F5 derrubaram até MIG25 iraquianos e mesmo os Sul vietnamitas com centenas de A37 e F5A/E foram incapazes de fazer CAS e BAI de maneira efetiva contra o exército norte vietnamita na ofensiva final de 1975.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

E por falar de MIG, o único MIG29 de propriedade civil, um MIG29UB que pertenceu ao Paul Allen, co-fundador da Microsoft que morreu no começo do ano, vai ser posto a venda!

Aldo Ghisolfi
Visitante

Penso que o grande diferencial é a formação dos pilotos; será que trocando os equipamentos e mantendo os mesmos pilotos, os resultados seriam os mesmos?

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

“Qual é melhor, o F-5E Tiger II ou o MiG-21?”
Esse pergunta é igual a pergunta de cinemática em física.
O objeto esta parado ou em movimento ?
Res: Depende do referencial kkkkkkk !
Mesma resposta para a pergunta inicial !

Kemen
Visitante
Kemen

Falta fazer algumas observações em relação ao conflito. No inicio a Somalia invadiu grande parte da Etiópia. A Somalia perdeu o apoio da União Soviética no conflito, ficaram sem apoio algum da União Soviética que passou a apoiar e abastecer com armas a Etiópia. Tropas cubanas (15.000) foram enviadas além do apoio da R. D. da Alemanha, Yemen, Coreia do Norte, por conclusão os MIG 21 somalis ficaram sem apoio ou armas além do pequeno estoque. Para comparar o F-5 Tiger II com o MIG 21 diria que eles são semelhantes em desempenho, com alguma vantagem para os MIG-21. Entretanto,… Read more »

Marcos Di Stephano
Visitante
Marcos Di Stephano

O F-5 E foi testado pela força aérea russa, contra o Mig – 21, existe filme no YouTube. F – 5 detonou geral.

Control
Visitante

Srs Após a IIGM, com o advento dos bombardeiros estratégicos que operavam a grande altitude surgiu uma geração de caças cuja ênfase, quanto ao desempenho, era velocidade máxima da ordem de Mach2 e velocidade de subida, ficando a capacidade de manobra em segundo plano. Muitos dos caças desenvolvidos na época, para atender tais requisitos tinham perna curta. F104 e Lightning são exemplos mais característicos, mas em tal grupo também se inserem o Mirage e o Mig29, caças velozes e capazes de subir rápido, mas menos manobráveis. Por outro lado, o F5, por não ter sido concebido para atender requisitos dos… Read more »

Lucianno
Visitante
Lucianno

O Mirage 2000 e o MIG-29 são caças de manobrabilidade excelente.

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

O que adianta ter ferramenta não ter capacidade e habilidade pra uso e emprego.

André
Visitante
André

E como em todos os conflitos que se envolveram contra aviões ocidentais, os aviões soviéticos levaram uma surra. Aqui novamente a desculpe do “treinamento” é repetida. Enquanto não acontecer pelo menos um exemplo de conflito onde aviões de origem soviética abateram mais do que foram abatidos, as inquestionáveis qualidades vão ser apenas propaganda do Sputnik.

Carvalho2008
Visitante
Carvalho2008

Ambos são equivalentes. O Mig21 tem maior velocidade, taxa de subida e potência O outro maior manobrabilidade em médias e baixas altitudes (F5) . Já vi foto de F5 com uma das tubeiras destruídas por míssil e voltar para casa com o segundo motor Ambos perna curta O Mig21 e sua família é o recordista em qtde em operação no mundo só recentemente pode ter perdido para o F16 ainda nos dias de hoje. Foram mais de 12 mil construídos Continuou sendo aperfeiçoado nas mãos dos chineses na forma do F7 com uma nova asa de duplo delta a qual… Read more »

Andrigo
Visitante
Andrigo

Como sempre quando envolve aeronaves do Ocidente x Oriente, um dos grandes diferenciais é o treinamento e a doutrina! O Ocidente, na figura dos EUA, sempre foi superior na análise do TO e na criação de suas táticas, mesmo nas situações em que não tinham o melhor avião, emparelhavam na aplicação da doutrina. Vide por exemplo na Segunda Guerra no embate P51 x Me-262. No combate ar-ar em si, o P-51 naturalmente levava desvantagem pela diferença de performance, porém depois do estudo dos norte americanos, perceberam que o Me-262 ficava vulnerável quando ia pousar, logo foi onde os americanos tiraram… Read more »

Pedro
Visitante
Pedro

Tom Cooper sendo Tom Cooper, ou seja, contando historia! Não é a toa que ele é mais conhecido como “romancista” do que um historiados ou escritor levado a serio, pois quem daria credito a alguem que nunca olha o outro lado da historia, ou pior ainda, pegou os dados da Força Aerea Islamica do Ira e os considerou 100% fieis a ponto de colocar em um livro? Sobre o evento, a Guerra entre esses dois países foi em tese a primeira guerra onde a URSS e China estavam em lados opostos, e mais, logo ao apoio Soviético a Etiópia, os… Read more »

Lucianno
Visitante
Lucianno

Excelente reportagem trazida pelo Poder Aéreo!! Parabéns!!

João Moro
Visitante
João Moro

Interessantíssimo essa história. Parabéns PA!

João Moro
Visitante
João Moro

Nós temos que ter em mente que nem só o equipamento militar ganha batalhas. Existem muitos fatores que influenciam no resultado: treinamento, táticas, estratégias, comunicação, logística e até a situação climática e ambiental da luta. Alguns desses fatores foram cruciais para determinadas vitórias. Vide as batalhas das Termóphilas, Waterloo e Riachuelo como exemplo.
Sobre a notícia acima, acho válida para fazer análises sobre estes dois equipamentos, mas certamente não dá para afirmar 100% que um é melhor que o outro só com essas experiências.

rocha
Visitante
rocha

o amigo JT8-D tem razão, a qualidade dos pilotos mais a doutrina da força aérea em questão são os fatores determinantes para que um avião de combate tenha o sucesso esperado. Quando os Israelenses capturaram um Mig 21, ficaram impressionados e preocupados pois viram que em comparação ao miragem III era superior. Porém estavam enfrentando os pilotos mais bem treinados do mundo e os árabes tem sérios problemas com treino e doutrina de suas forças aéreas. Uganda tem SU27 mais se enfrentar um piloto israelense num F16 e talvez até num F5 perderia com certeza. India e Paquistão(Que tem os… Read more »

Hermes
Visitante
Hermes

Nem os turcos e nem os paquistaneses são árabes…

Renato B.
Visitante
Renato B.

Excelente matéria, gosto muito do Tom Cooper por pesquisar esses conflitos pouco discutidos e trazer esse tipo de informação. Existem vários casos desses com histórias interessantes que passam batido justamente porque foram considerados conflitos “menores”.

ECosta
Visitante
ECosta

Na era dos jatos supersônicos parece que a vitória sempre foi para os caças americanos sobre os caças Russos.

Dr. Telêmaco
Visitante
Dr. Telêmaco

Isso é bem curioso: países que anualmente já têm muitas baixas por conta da desnutrição ou inanição resolvem incrementar essas baixas fazendo uma guerra com o vizinho (tão ou mais miserável).
Taí algo que nunca consegui entender, a mente do tal “cerumano”…

JT8D
Visitante
JT8D

Geralmente essas guerras são iniciativa de governantes muito bem alimentados

rocha
Visitante
rocha

Realmente, graças ao entusiasmo me referi aos pilotos paquistaneses e turcos como àrabes, o que não o são. Na verdade queria me referir aos povos que professam o islamismo como religião oficial.. No caso seriam os pilotos mulçumanos. Claro que nem todos os paquitaneses são mulçumanos e nem todos os turcos. Porém são citados como grupo majoritário dentro do seu povo.

Mauro Oliveira
Visitante
Mauro Oliveira

O Mig-21 não era um avião ruim. O que sempre foi uma porcaria era a maneira que os soviéticos operavam esse avião e a maneira que treinavam os pilotos.

O piloto do Fishbed era completamente tolhido. vivia sob a autoridade de ferro do controlador e solo e não tinha liberdade de ação.