Home Aviação de Transporte C-130J do Armée de l’Air voa primeira missão logística ao Mali

C-130J do Armée de l’Air voa primeira missão logística ao Mali

1882
12
C-130J do Exército do Ar francês

Apenas três meses após sua introdução na Base Aérea 123 em Orléans, o primeiro C-130J decolou em 20 de março para N’Djamena, depois Niamey, para sua primeira missão logística de curto prazo fora da França metropolitana, em apoio à Operação Barkhane.

A missão é garantir o transporte de cargas e passageiros no contexto de um chamado experimento de “síntese”, conduzido em conjunto pelo Centro de Especialistas em Aviação Militar (CEAM), o Esquadrão de Transporte 2/61 “Franche-Comte” e o C-130 Aeronautical Technical Support Squadron (ESTA).

Destina-se a permitir a validação de uma capacidade logística inicial: a implementação da aeronave em missões logísticas reais, que inclui também a preparação técnica da aeronave e sua possível manutenção (o C-130 ESTA foi reorganizado para apoiar o C-130J, além do C-130H), mas também a preparação do pessoal (os pilotos e mecânicos encarregados do C-130J foram treinados na Força Aérea dos EUA).

Em todas as etapas desta missão na Faixa Subsaariana, o C-130J estava próximo de sua carga máxima (18,7 toneladas). Para fins de comparação, sob condições equivalentes de voo, o C-130J tem uma capacidade de transporte três vezes maior que o C-160 Transall (15 t comparado com 5-6 toneladas).

A missão de devolução estava marcada para o dia 22 de março. Tão logo os resultados deste teste tenham sido explorados, o C-130J será capaz de apoiar operações externas o mais rápido possível por meio de rotações logísticas. Ensaios táticos poderão então começar.

A compra de quatro C-130Js pela França em 2015, cuja primeira aeronave foi entregue em 22 de dezembro de 2017, visa fortalecer, a curto prazo, a capacidade de transporte aéreo militar “médio”, também fornecida pelos C-160 e C-130H.

FONTE: Armée de l’Air

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

Mal chegou e já na labuta! Hercules is a Hercules…

Mark
Mark
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Muito obrigado, agora não tenho o que comentar. Roubou minhas palavras kkkk

Walfrido Strobel
2 anos atrás

Uma boa opção para não ter que usar os A400M onde puder ser usada uma aeronave menor.

Walfrido Strobel
2 anos atrás

Paralelamente ao recebimento dos novos C-130J a França está modernizando os 14 C-130H com a Rockwell Collins.
. https://www.rockwellcollins.com/Data/News/2017-Cal-Yr/GS/20170911-French-C130.aspx
E contratou a Marshall inglesa para dar manutenção nível parque.
. https://www.airforce-technology.com/news/marshall-provide-engineering-services-french-c-130h-fleet/

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
2 anos atrás

Os franceses poderiam estar voando o carrinho de mão KC-390 se a compra do Rafale tivesse se efetivado.
Azar o deles que terão que voar o vetusto Hércules e sorte nossa que ficamos com o bom custo-benefício do Gripen.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

Azar o deles e sorte a nossa?! Rafa, sugiro rever seus conceitos sobre aviação militar.

Grande abraço!!!

Delmo Almeida
Delmo Almeida
2 anos atrás

Os franceses costumam testar os brinquedos novos nos cenários de emprego real, mas de baixo risco. O Rafale F1 sobrevoando o Afeganistão assim que entrou em serviço, o A400M estourando a caixa de transmissão e fazendo viagens importantes…
O Atlas dos franceses também tá, finalmente, entregando bons resultados. Acabaram de fazer a entrega de 26 toneladas de combustível (carga cretina) em uma base avançada do exército no Mali.Tambem disseram que a incorporação do avião número 14 foi adiantada porque vários problemas estão sendo resolvidos.

Wagner
Wagner
2 anos atrás

Pessoal, boa noite!

Estive cá matutando, quando me veio à mente que talvez não tenha sido uma boa jogada de MKT ter chegado pondo banca em cima do Hércules… Pô, o avião é incrível! Quem opera, mas nao tem grana para comprar um novo, ou reforma o que tem ou compra um “usado semi-novo” e continua de Hércules. Quem opera, mas tem grana so para manter voando, nao vai ter grana para comprar o KCTao também. E quem tem grana e consegue comprar os C130J zerinho, não vai comprar o KC nem a pau.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Wagner
2 anos atrás

Eu concordo! O KC-390 certamente um avião incrível (seria interessante ouvir as impressões do Walfrido e do Cel Rinaldo sobre o avião da EMBRAER) mas fazer marketing em cima da suposta obsolescência do C-130 é um erro grosseiro. Penso que para algumas missões o Hércules ainda é insubstituível. Por exemplo, poderia o KC-390 executar uma missão como o resgate em Entebbe, que exigiu um pouso preciso em uma distância curta?

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

HMS, na página do youtube do Justin Case tem um pouso do KC-390 no Campo de Marte. Teria que verificar as distâncias de pouso curto das aeronaves para comparar. Quanto ao marketing, qualquer Força Aérea que use o Hércules certamente perguntará para Embraer os motivos que ela teria para trocar o “certo” pelo “duvidoso”, então a comparação é inevitável. E não acredito que o marketing seja apenas em cima da obsolescência do C-130. Aliás, acredito que o foco seja as maiores capacidades de carga e velocidade e os custos de aquisição, manutenção e operação. Infelizmente, só isso é não é… Read more »

Jorge F
Jorge F
2 anos atrás

Ainda bem que o resto do mundo civilizado caiu no golpe de investir em tecnologias ainda não disponíveis (F35) e se amarraram na logística do C130 com ramificações em todo o mundo e não enchergaram as vantagens de operar Gripen e KC390… Se não fossem tolos e seguissem o exemplo Brasileiro, Chileno, Português e Árabe, teriam agora uma aeronave superior de transporte… E de forma análoga, seguindo o exemplo dos Suecos, Checos, e outras importantes ex repúblicas soviéticas poderiam dar um salto tecnológico, conosco, e ter o Gripen figurando como seu vetor de defesa aérea… Tenho muita fé nos projetos… Read more »

Walfrido Strobel
2 anos atrás

Interessante foi a RAF colocar a venda os 10 C-130J mais curtos, ficando com os 15 C-130J-30 mais longos.
O motivo foi o recebimento dos A-400M que chegarão a 22 unidades, a USAF quer comprar 1 para sua esquadrilha de demonstração, para substituir o Fat Albert, seu velho C-130, o setor operacional da USAF declarou não poder liberar um de seus C-130J pela necessidade destes aviões.
Os C-130J da RAF tem quase 20 anos e foram bem usados, começaram a ser recebidos em agosto de 1998, mas ainda tem muito a voar e tem sonda para REVO.