Home Aviação Naval E pra quê serve esse seu narigão de Super Hornet, vovozinha?

E pra quê serve esse seu narigão de Super Hornet, vovozinha?

282
13

Baias de equipamentos eletrônicos do nariz do Super Hornet - foto USN

É pra plugar muitos e muitos sistemas eletrônicos!

Na imagem, um técnico de eletrônicos de aviação da Marinha dos Estados Unidos (USN) realiza manutenção em baias de sistemas eletrônicos de um caça F/A-18E Super Hornet do Esquadrão de Caças de Ataque “Eagles” (VFA 115) no hangar do navio-aeródromo de propulsão nuclear USS George Washington (CVN 73).

O técnico, com seu uniforme verde, não parece se importar com a velha história de Chapeuzinho Vermelho, que diz que um nariz avantajado pode indicar um lobo vestido de vovozinha. Se bem que um nariz desse tamanho tem a capacidade de ser perigoso, isso sim, para outros caças, pois mostra uma grande capacidade de receber sistemas aviônicos (sem falar no canhão de 20mm na sua parte superior e de um grande radome para seu radar AESA, de varredura eletrônica ativa), numa época em que boa parte do sucesso de um caça nos combates aéreos depende da alta tecnologia embarcada.

Comparando a imagem acima com estas outras abaixo, você pode dizer para que lado da foto do alto (esquerda ou direita) está apontada a ponta do grande nariz desse caça?

Super Hornet pronto para decolar, visto de frente - foto USN

Super Hornet cutaway

FOTOS: Marinha dos EUA

VEJA TAMBÉM:

13 COMMENTS

  1. Uma aeronave dessas operando no Brasil com as cores e matriculas da FAB…
    Sonho total.
    Pergunta:
    Na opinião de vocês se fosse adotados 36 caças do FX-2, sendo 30 mono e 6 biplace, 18 provavelmente ficariam na BAAN, os demais iam equpar o 1º/14º GAv ou o 1º GAVCa?

  2. Fighting Falcon,

    Parte da proposta da Boeing, que para seguir os trâmites dos EUA precisou ser publicada pela DSCA para comunicação ao Congresso daquele país, revelou que a relação de monopostos / bipostos é outra:

    28 monopostos e 8 bipostos.

    Quanto à distribuição, o mais óbvio é que fiquem 12 aeronaves nas três principais bases que abrigam caças supersônicos: Anápolis, Santa Cruz e Canoas. A ordem desse reequipamento pode tanto seguir um sistema de “o mais antigo e tradicional primeiro” (ou seja, começar por reequipar o 1ºGAVCA em Santa Cruz) ou por prioridade (1º GDA primeiro, por estar ficando sem caças) ou mesmo tempo em que já opera caças F-5M (aí seria o 1º/14º GAVCA primeiro).

    Apostaria na primeira opção, pois caso o 1º GDA acabe não sendo desativado e, ao invés disso, seja reequipado com um punhado de F-5M (meia dúzia que seja, o que eu acho que seria a opção menos traumática até para os demais esquadrões), não faria sentido, após a transição para o F-5M, reequipá-lo logo em seguida com um eventual vencedor do F-X2. Creio que nesse caso o 1º GDA iria para o final da fila.

    Deve-se lembrar que, em qualquer simulação, algum esquadrão provavelmente teria que “emprestar” pelo menos um dos seus caças novos para testes de armas e sistemas, então ao menos um deles estaria com somente 11 aviões.

    Mas são só suposições, baseadas em alguma lógica.

    Particularmente, eu preferiria alocar os 18 primeiros caças em Santa Cruz e os 18 seguintes em Canoas, deixando p 1º GDA e o 1º/4º GAV operando por mais alguns anos uns 36 F-5M remanescentes, divididos entre os dois (e já tendo nessa conta os jordanianos modernizados substituindo jatos mais “cansados”). E, anos depois, um segundo lote de 36 F-X2 garantiria o reequipamento desses esquadrões de Anápolis e Manaus, também com 18 cada.

    E passa a régua para se preocupar, no final da década de 2020 e início da de 2030, com o início da substituição dos A-1M.

    • Depende, Nunes Neto.

      Se eventualmente o 1º GDA se reequipar com F-5M, eu acho que vai pro final da fila. Afinal, não faz muito sentido um esquadrão passar por reequipamentos sucessivos com pouco tempo de diferença enquanto outros aguardam com os mesmos caças de sempre.

      Por outro lado, se for temporariamente desativado e o alerta em Anápolis ficar a cargo de caças F-5M desdobrados de outros esquadrões, aí sim ele deve permanecer no começo da fila, afinal estará sem aeronave nenhuma, apenas esperando.

      Isso se o F-X2 chegar a ser decidido algum dia, é claro.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here