Home Forças Aéreas USAF registra queda de acidentes/incidentes Classe A no ano de 2019

USAF registra queda de acidentes/incidentes Classe A no ano de 2019

3044
18

Destaque para a queda de uma aeronave não tripulada secreta

Um bombardeiro B-1B Lancer em manutenção na Base da Força Aérea de Tinker, Oklahoma, sofreu um acionamento anormal em um de seus quatro motores, causando a destruição de um rolamento de motor.

O incidente ocorrido no dia 24 de setembro de 2019 ainda está sob investigação. Mas como o rolamento, ou os materiais que suportam os eixos dos motores turbofan, foram destruídos, os custos de reparo foram altos – US$ 2 milhões apenas para consertar o motor – e colocaram fora de ação uma das aeronaves, sendo que a demanda na comunidade B-1 continua alta.

No início do ano, um veículo aéreo não tripulado não identificado, que, como o B-1, pertencia ao Comando de Material da Força Aérea, colidiu em algum lugar do mundo. Os únicos detalhes que os funcionários puderam fornecer ao Military.com foram que o drone, que caiu logo após a decolagem em 21 de maio de 2019, foi considerado um drone da classe “Grupo 4”, pesando aproximadamente 1.300 libras, na mesma categoria de tamanho que um MQ- 8B Fire Scout ou MQ-1C Grey Eagle. “Não se trata de um XQ-58A Valkyrie”, que atualmente está sendo testada no Laboratório de Pesquisa da Força Aérea da AFMC na Base da Força Aérea de Wright-Patterson , Ohio, disse o porta-voz Derek Kaufman.

Os dois casos descritos acima fazem parte de um total de 28 incidentes classificados como Classe A, ou acidentes que envolvem fatalidades, danos graves no total de US$ 2 milhões ou mais ou uma perda completa da aeronave, que a Força Aérea sofreu no ano fiscal de 2019, de acordo com dados recentemente fornecidos exclusivamente para Military.com.

Os acidentes incluíram duas mortes e seis aeronaves destruídas, disse Keith A. Wright, porta-voz do Centro de Segurança da Força Aérea, com sede na Base Aérea de Kirtland , Novo México.

A maioria dos contratempos ocorreu com a comunidade de caças furtivos F-22 Raptor – um total de seis, segundo os documentos. Dos seis, quatro dos caças de quinta geração vieram da 3ª ala na Base Conjunta Elmendorf-Richardson , no Alasca. A aeronave que sofreu o maior número de acidentes no solo foi outro jato de quinta geração, o F-35A Joint Strike Fighter , com um total de quatro percalços. Três deles foram causados ​​por detritos de objetos estranhos (FOD) que entraram no motor do F-35, de acordo com os documentos.

O número total de incidentes no ano fiscal de 2019 representa uma ligeira queda “dos 30 acidentes de aviação Classe A, 19 mortes e 12 aeronaves destruídas registradas no ano anterior”, disse Wright em um email no início deste mês. A Air Force Magazine informou pela primeira vez o declínio da taxa em novembro . No entanto, 2019 viu 17 menos mortes e metade do número de aeronaves destruídas.

A Força Aérea viu um aumento nos incidentes de aviação no ano fiscal de 2018, o que levou a várias revisões nos principais comandos e até uma “pausa de um dia” nas operações para realizar uma revisão de segurança. Os percalços de classe A da aviação tripulada aumentaram 48% no ano fiscal de 2018 a partir de 2 de maio em relação ao ano anterior , segundo dados da Força Aérea. O serviço perdeu 18 membros em 2 de maio de 2018, incluindo nove tripulações do WC-130 em um acidente fatal nos arredores de Savannah, na Geórgia.

A taxa geral de acidentes de 2019 se aproxima da do ano fiscal de 2011 “com o menor número de mortes na aviação na história da Força Aérea e o segundo menor ano de aeronaves destruídas”, disse Wright.

As taxas de acidentes na aviação classe A “terminaram um pouco acima da média de 10 anos devido a um aumento nos custos associados a danos a objetos estranhos e a tecnologias avançadas relacionadas a acidentes em novos aviões”, disse ele.

FONTE: Military.com (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

NOTA DO EDITOR: Definição da incidente Classe A pela USAF – Class A Mishap. A mishap resulting in one or more
ofthe following: 1. Direct mishap cost totaling
$2,000,000or more ($1,000,000 for mishaps occurring
beforeFY10). 2. A fatality or permanent total disability.
3.Destruction of a DoD aircraft. NOTE: A
destroyedUAV/RPA is not a Class A mishap unless the
precedingcriteria in “1” or “2” are met. Class B Mishap.
A mishapresulting in one or more of the following: 1.
Directmishap cost totaling $500,000 or more but less
than$2,000,000 ($200,000 to $1,000,000 prior to
FY10). 2.A permanent partial disability. 3.
Inpatienthospitalization of three or more personnel.
Does notcount or include individuals hospitalized
forobservation, diagnostic, or administrative purposes
thatwere treated and released.

Subscribe
Notify of
guest
18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
José
José
4 meses atrás

Os acidentes classe A são os superiores a $1mi ou $2mi?

José
José
Reply to  Guilherme Poggio
4 meses atrás

Obrigado pela resposta.
Mais uma pergunta
Procurei mas não encontrei nada sobre o assunto
Nesse acidente classe A é calculado somente peças ou mão de obra e tempo parado em hangar?
FAB divulga algo semelhante?
Desculpa tantas perguntas
Pesquisei mas não achei respostas

nonato
nonato
Reply to  José
4 meses atrás

Até 2010, era um milhão.
Acho que se refere aos gastos com o conserto. Não imagino que contabilizem “perdas ” econômicas relativas ao tempo que ficou fora de operação.

JuggerBR
JuggerBR
4 meses atrás

Complicado que precisam prestar contas dos acidentes sem abrir mão do sigilo de aeronaves ‘secretas’.
As perdas de F-22 parecem preocupantes, quantos dos 187 produzidos ainda estão em serviço?

José
José
4 meses atrás

Uma pergunta pra vcs
USAF ficando apenas com bombardeios subsonicos não teria uma desvantagem?
B2, b52,b21 não teriam uma resposta rápida
Mesmo tendo uma vantagem menos visível no caso de uma reação rápida
Não sei se é verdade mas li que o Tu-160 consegue voar por 3 horas em velocidade acima de 2000km/Jr
É verdade?

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  José
4 meses atrás

Prezado José. Os últimos 20 anos demonstram que a USAF é a Rainha dos Ares (e não dos Hangares ou de Desfiles Aéreos) em matéria de emprego de bombardeiros estratégicos.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  José
4 meses atrás

Não posso afirmar com certeza sobre os Tu-160, mas acho que manter essa velocidade por três horas é algo um tanto difícil. Vou ter que tentar pesquisar sobre isso. Também não acredito que ter bombardeiros subsônicos apenas seja uma desvantagem, até porque os B-52 não irão mais entrar em espaço aéreo contestado, lançando seus armamentos à distância, os B-2 e B-21 usarão de suas capacidades Stealth e os B-1B usavam de sua velocidade supersônica apenas durante a corrida para o ataque em si para tentarem evitar interceptações e tornar a vida das baterias de SAM mais difíceis. Não usando sua… Read more »

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  José
4 meses atrás

Uma pena que pessoas negativem o comentário do José, que vem humildemente tirar uma dúvida com os demais colegas. Isso desestimula os demais a fazer perguntas. Eu achei a válido o questionamento, embora ache que o tempo dos “mach 2 bomber” tenha passado. Saudades do B-58 Hustler, mas as coisas mudam. O conceito agora é chegar de mansinho, fazer o estrago e vazar. Ou disparar tudo de longe. E no caso dos EUA, ter bases em tudo quanto é canto: Diego Garcia, Fairford, Guam…

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  paddy mayne
4 meses atrás

Negativaram o sonho de um rapaz que deseja entrar para a academia da força aérea, rapaz este que estuda se dedica, ao contrário da maioria da juventude, eu disse maioria e não a totalidade. Padyy esta observação de maioria e totalidade não foi pra você não, ok? abração

Agnelo
Agnelo
4 meses atrás

Quem boa, atira e treina está sujeito à acidentes.
Interessante saber em termos de porcentagem.
É interessante ver também os acidentes q poderiam ser evitados, como os FOD nos motores.
Sds

nonato
nonato
Reply to  Agnelo
4 meses atrás

Por falar em FOD, não entendo como uma ave pode danificar uma turbina a jato.
Apenas a título de exercício de imaginação, bem que poderiam criar um mecanismo em que a ave que entrar no motor, saia na cabine como um suculento filé grelhado.
😋

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  nonato
4 meses atrás

Deve ser delicioso filé de urubu mal passado…..

Tiger 777
Tiger 777
4 meses atrás

Este drone, é aquele espacial???
Fico pensando no que eles fazem no espaço e não nos contam…

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Tiger 777
4 meses atrás

Não, o espacial é o X-37, e recebe a designação de “espaçonvae robótica”. Mas o que faz lá em cima é ultrasecreto. Chega a ficar mais de um ano por lá, fazendo seus “esquemas”.

Jmgboston
Jmgboston
4 meses atrás

Li sobre o acidente do Hercules na Georgia. Ele estava indo para o Arizona para ser descomissionado. Pelo que vi ouve relaxamento da manutenção em Porto Rico e durante o acidente ao menos 3 membros da tripulação agiram erradamente, o quê poderia ter evitado as mortes.

Jmgboston
Jmgboston
4 meses atrás

Fonte, Airforcetimes, 13 de novembro de 2018.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
4 meses atrás

OFF – A Airbus fez uma proposta para a Colômbia de 15 Eurofighter Tranche 3 sendo 12 monoplace e 3 biplace.

https://www.infodefensa.com/latam/2020/02/22/noticia-airbus-ofrece-eurofighter-tranche-colombia.html?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook