sexta-feira, setembro 24, 2021

Gripen para o Brasil

Força Aérea dos EUA alerta o novo CEO da Boeing sobre o KC-46

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

KC-46A Pegasus reabastece F-35A

O principal oficial militar da Força Aérea dos EUA enviou ao novo CEO da Boeing Co. um lembrete direto de que o infeliz jato de passageiros 737 MAX não é o único projeto problemático que ele tem que salvar.

Também há o fracasso da empresa em fornecer um avião-tanque pronto para combate, nove anos depois que a Boeing venceu uma competição pelo projeto de US$ 44 bilhões.

“Exigimos sua atenção e foco melhorado no avião-tanque KC-46”, alertou o general David Goldfein, chefe do estado-maior da Força Aérea, em uma carta quatro dias antes de Dave Calhoun assumir o cargo de diretor executivo da empresa. “A Força Aérea continua aceitando entregas de um avião-tanque incapaz de cumprir sua missão operacional primária.”

A Calhoun foi incumbida a tarefa de recuperar uma empresa que está sofrendo com  acidentes do MAX que mataram 346 pessoas e resultaram no aterramento de seu jato mais vendido, desvalorizaram suas ações e levantaram questões sobre seu compromisso com a segurança.

“Como um dos seus maiores clientes militares, também confiamos em uma relação de confiança e segruança não apenas nos produtos da Boeing”, mas também no esforço de manutenção de longo prazo necessário para equipamentos que “nossos combatentes exigem”, disse Goldfein em carta de 9 de janeiro, disponibilizada à Bloomberg News.

FONTE: Bloomberg News

- Advertisement -

94 Comments

Subscribe
Notify of
guest
94 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tomcat

A Boeing tomando chumbo de todo lado. O estranho é o que DoD americano não tem esse mesmo rigor com outra aeronave problemática (e que está também na foto acima) e principalmente seu fabricante…

Clésio Luiz

De fato Tomcat. O problema é que o contrato do F-35 foi coisa de pai para filho, legalmente a USAF está praticamente de mãos atadas. Já o contrato da Boeing foi feito como se deveria, com o fabricante ficando responsável financeiramente por qualquer ***da que acontecer com o programa do KC-46. Aliás, também o foi o programa do F-14, que quase levou a Grumman à falência, sendo salva pelo contrato para o Irã. Até onde entendi, todas as aeronaves militares americanas nos anos 1970 tinham um contrato baseado em atingir metas. Não atingiu, nada de grana. Aparentemente foi uma reação… Read more »

Antonio Palhares

Isto é para ficar bem na fita por causa do outro contrato problemático com o concorrente da Boeing. Chega uma hora que tem que prestar contas. Parece que a lei de Murphy está batendo na porta da Boeing.

Gustavo

Se o DoD fechar o cerco contra o Bug citado, essa ação iria minar as vendas e cooperações internacionais, entre outros recursos, que mantem a zebra… o que é ruim iria ficar ainda pior. Então é conveniente que não se bata ainda mais no bug.

Bueno

Uma paulada que abre um brecha pra cair o preço do F-15EX kkkk

Chuck Norris Do Paraguai

A MB/FAB não o terá. Pode ir “tirando o cavalinho” da chuva”.

Silvano

O Gripen naval não deve ser produzido.

MB vai é mesmo de Hornet e Super Hornet mais na frente. Pode anotar.

Space Jockey

sonha

Saldanha da Gama

2.

Grozelha Vitaminada Milani

Tem tanto distritos e capitanias navai para espetar 12 F-18 depois de 2030?

João Moro

O que tem haver o gripen naval com o comentário inicial?

Grozelha Vitaminada Milani

Ótima venda. Serão 12 F-18 em final de vida útil e 3 sucatas estáticas para retirada de peças.

Não dou 5 anos para serem as sereias aladas rainhas do hangar.

Se nem o pai EUA Air Force e Navy fizeram as atualizações, nós é que vamos fazer gambiarras ???

Faz me rir … F-18 na MB é piada pronta

Bueno

Referi ao contrato do governo dos EUA.
Sem contar os contratos de modernização do F/A-18 e o programa T-X … muita grana…$$
Quem ganha em volume $ de contrato com o governo dos EUA, Boeing ou Lockheed ?

Junior

Acho melhor eles entregarem o gerenciamento do programa TX para Saab, se não é bem capaz de também dar m*rda

Grozelha Vitaminada Milani

F-18 é LIXO de RICO.

Pobre não quer porque não consegui manter.

Rico não quer porque é usado. Por sinal usado de mais.

E ainda mais, a pista de pouso e decolagem na base da MB em São Pedro da Aldeia, é muito curta. Muito boa para helicópteros. Nenhum avião cargueiro consegue operar lá com segurança.

Ótimo negócio pra quem vai vender.

Nilton Cartaxo

Não é bem assim, o Antonov An 125 Furlan, já operou diversas vezes na pista da Base Aérea de São Pedro D’Aldeia, e é o terceiro maior avião do mundo, ela tem 2350 metros, da para operar com folga jatos como o F/A 18 Hornet.

Marcelo Andrade

Nilton, voc confundiu as coisas. O AN-124 Ruslan e não o AN-225 Myria, pousou sim mas no Aeroporto de Cabo Frio, distante uns 30 ou 40 km de São Pedro. Para descarrregar os primeiros Super Pumas que vieram da França.

Grozelha Vitaminada Milani

Nilton, toda vez que entregam um Sea Hawk S-70 via C-17 Globemaster III, ele pousa em Cabo Frio – RJ.

A pista da Base Aeronaval em São Pedro da Aldeia é curta e inapropriada para médios e grandes aeronaves.

Magost

Talvez, a pista seja inapropriada, mas curta não é, medindo pelo Google Earth, ela tem 2390 metros.

João Moro

O que tem haver com o nosso MB?

Fernando "Nunão" De Martini

A matéria sobre esse assunto do F-18 está no Poder Naval, porque é relativa à MB. Não faz sentido algum discutir isso numa matéria sobre o KC-46 da USAF.

Melhor falar desse assunto lá, onde tem centenas de comentaristas falando disso:

https://www.naval.com.br/blog/2020/01/15/exclusivo-marinha-estuda-compra-de-cacas-f-a-18-hornet-por-oportunidade/

Grozelha Vitaminada Milani

Porque? Porque sou CENSURADO toda vez que escrevo que o vendedor dessas maravilhas usadas F18 Hornet é que vai ganhar uma bela grana se livrando de 15 células vocês não publicam?

Afinal, se nem os EUA, CANADÁ, FINLÂNDIA, SUÍÇA e etc conseguiram fazer atualizações e prolongar a vida útil do F-18, porque seríamos nós capazes de fazer? E se fizer, alguém mais vai se beneficiar dessa mamata.

2030 teremos 12 F-18 para espetar nos Distritos Navais e Capitanias. E 3 sobras de células doadoras de peças.

Publiquem ou não podemos ter outras ideias ou não concordar com o mesmo pensamento?

Viajou hein, Groselha? Só te sugeri pra comentar na matéria certa, porque esta é de outro assunto. Aí você vem com essa viagem de censura? A matéria que te passei o link tem 768 comentários. Só seus, são 11 comentários publicados. Cadê a censura? Ajude os dois editores do blog a manter esse um bom espaço pra debates. Se for reclamar, faça uma reclamação justa, não essa besteira de censura num assunto que você escreveu o que bem quis onze vezes, numa das matérias mais comentadas dos últimos tempos. E leia as regras do blog que lá tem item sobre… Read more »

Carlos Campos

Fizeram magia negra para Boeing

Farroupilha

O acordo de “parceria” na verdade (foi alertado aqui por uns poucos) não passava de aquisição da EMBRAER. Ou seja, houve deliberada má comunicação (intenção) com os brasileiros.
Quem planta o que quer atrai (colhe) o que não quer.

Antonio Palhares

Farroupilha.
Certamente que o plantio é livre e colheita obrigatória.

Camargoer

Olá Antônio. A colheita e cetiva mas o capinar solitário.

Valter Sales

Tem uma caveira de burro enterrada lá em Everett….

Fulcrum

Foi mais aquele papo de “diversity is our strength”vindo seattle

Padim Ciço da VKS

“A Força Aérea continua aceitando entregas de um avião-tanque incapaz de cumprir sua missão operacional primária.” Soco no estômago.

Willber Rodrigues

Estão “desaprendendo a fazer” avião, é?

ADRIANO MADUREIRA

Como se o negócio já não estivesse ruim,sempre aparece algo para piorar e fazer um pouco de pressão em quem já está pressionado…

Mas caso general David Goldfein,não estiver satisfeito,pode ver outras opções.

comment image

Peter nine nine

O conceito usado no kc390 aplica se para aeronaves europeias e, no meio naval, também americanas. Mas não se aplica para a USAF que usa um conceito diferente.

João Moro

Mas nada impede de trabalhar numa versão KC-390 customizado ás necessidades da USAF.

Flanker

Se for para substitur os KC-130, sim. Como uma opção ao KC-46, não!!

Peter nine nine

Para quem me está a negativar, com conceito refiro me a “método de abastecimento no ar”.

rui mendes

E qual é a diferença? Os A330, abastecem da mesma maneira que o kc46, só que são muito melhores.

marcus

Airbus A330 MRTT.

MMerlin

Olha que a curto prazo, seria uma solução que a Boeing pode dispor da manga. O problema é a diferença de carga, algo em torno de 90 toneladas de combustível para o KC-46 e 35 para o C-390.
Mas parabéns pela foto, ficou bem apropriada para o tópico.

Flanker

Só a sua colocação da diferença de carga de combustível já é a justificariva que mostra que são aeronaves diferentes, para usos e destinações diferentes.

MMerlin

O pessoal sabe que não serve como substituto Flanker. A diferença de tamanho e capacidade é mais do visível. A colocação serve apenas para especificar que é a única outra opção disponível pela Boeing.

Flanker

Isso já foi falado inúmeras vezes, mas não custa repetir: o KC-390 é de categoria diferente do KC-46, A330 MRTT, KC-767….o primeiro é um cargueiro/reabastecedor tático e os outros são estratégicos. Entendam isso!! O KC-390 poderia, se um milagre acontecesse, substituir os KC-130 dos EUA…esse sim, da mesma categoria do avião da Embraer. O novo reabastecedor dos EUA visa substituir o longevo KC-135….que opera em conjunto com o KC-130. Então, definitivamente, não existe isso de o KC-390 ser uma opção ao KC-46!!!!

Augusto L

Tanto o KC-390 quanto o A330 MRTT estariam na mesma posição do KC-46 ai.

O problema é a USAF e seus requerimentos malucos e pouca disponibilização para verbas, eles querem que a Boeing tire leite de pedra mas não estão dispostos a gastar no desenvolvimento ou mesmo em fazer uma concorrência séria onde aviões de outros países poderiam vencer, o que faria a Boring se mover.

Ai fica fácil pra Boeing, ela deita e rola, sabe que seu projeto não vai ser cancelado, mas não tira a culpa da USAF.

marcus

Aparentemente, a Austrália está satisfeita com os Airbus A330 MRTT. KC-30A na RAAF.
Atualmente na Boeing, os problemas estão superando as soluções.

Saldanha da Gama

Air force, é muito simples, troque de KC, opte pelo melhor, opte pelo 390….

jagderband#44

Colega forista, o KC 390 “Millenium” não cumpre a missão requerida pela USAF.
SDS.

Saldanha da Gama

Meu caro Jagderband… pode não cumprir todas as missões, mas com certeza cumpre um percentual acima dos 70%, custando provavelmente a metade (chute, me perdoe) e comprovadamente funciona em todos os requisitos… Abração

Gamayun

U KC-390 é um reabastecedor tátivo. O KC-46 é um reabastecedor Estratégico. Há muita diferença.

Jagderband#44

Exato

Flanker

As missões em que o KC-390 poderia substituir o KC-46, podem ser realizadas pelos KC-130 que os EUA possuem. Entendam, não tem omo substituir KC-46 com KC-390.

Adriano Madureira

E com certeza poderia ser entregue até mais rápido, pois de acordo com o CEO da Embraer, a empresa tem capacidade de produzir 12 KC390 por ano…

Flanker

Eita teimosia! Isso é que é não querer entender conceitos de tático e estratégico e suas diferenças…..

Camargoer

Olá Saldanha, como o aviao da Boeing também não cumpre a missão, então tanto faz comprar um ou outro. Melhor para nós que eles comprem o KC390.

Fernando "Nunão" De Martini

O comentário tem humor inteligente mas a lógica é outra. O KC-46 não cumpre a missão de reabastecedor e transporte estratégico da USAF, hoje, porque está com problemas passíveis de resolução (a briga é a demora em resolver e as responsabilidades). Já o KC-390 não cumpre a missão de reabastecedor e transporte estratégico da USAF nem hoje nem amanhã, porque não foi projetado para ser um reabastecedor e transporte estratégico, e sim para ser um ótimo avião de transporte tático com capacidade de emprego como reabastecedor. Eventualmente o KC-390 poderá cumprir missão de caráter estratégico, dentro de seus limites e… Read more »

Antoniokings

Alguém pode encomendar a extrema-unção da Boeing?
E parece que descobriram mais uma falha no 737-MAX.

Hélio

O mais chocante é ver que esse projeto custou nada mais, nada menos de 44 bilhões de dólares. Como esse valor se justifica?

Ricardo Bigliazzi

“A última estimativa do escritório da Força Aérea que executa o programa de reabastecedor aéreo KC-46A especifica o custo total de desenvolvimento em 5,85 bilhões dólares. A Força Aérea planeja gastar 52 bilhões de dólares para desenvolver e comprar 179 novos aviões de reabastecimento para substituir a sua frota de antigos KC-135, que são usados ​​para reabastecer caças e outros aviões durante em voo.”

Fonte “Pode Aéreo”… esse blog

Flanker

Esse valor seria Para rodo o projeto, incluindo todas as aeronaves. Nào quer dizer que foram gastos 44 bi até agora…

Matheus

O KC-390 é um vetor tático, Pessoal. O KC-46 é um vetor de reabastecimento/transporte estratégico. Ou seja, longas distâncias essa concorrência da USAF quem ganhou na verdade foi a Airbus/Northrop com o A330MRTT então denominado na época como KC-45. Bom ver como o mundo da voltas. A Boeing fez birra e acabou emplacando seu avião se a USAF tivesse seguido sua decisão hoje estaria voando um excelente vetor que é o A330MRTT sem dor de cabeça alguma. Aliás, o MRTT supera em tudo o avião da Boeing. Sds

Peter nine nine

O 390 não é um vector tactico

EduardoSP

Ele consegue decolar dos EUA e chegar ao oriente médio sem reabastecimento? Não, então é tático para os americanos.

rui mendes

É sim, qual é a tua dúvida?

João Moro

Parece que a BOEING fez a Join Venture com a EMBRAER para poder equilibrar-se financeiramente pois tem alguns produtos ruins que dificilmente terão boa saída.

Foxtrot

Olha o fiasco que a Embraer se meteu!
A Bombardier cancelou sua “parceria” com a Airbus por problemas parecidos.
Será que teremos a mesma coragem dos Canadenses ?

sagaz

A embraer, empresa privada pertencente a um grupo de sócios em sua maioria há muito tempo estrangeiros estão submetidos a inúmeros riscos. Não entendo onde eu entro nesse raciocínio de “nós”. Abç

Hélio

A Embraer é a segunda maior tomadora de empréstimos do BNDES, com 40 bilhões durante do governo petista, perde só para a Odebrecht, fora que recebe todo tipo de incentivo público, como o famoso bolsa jatinho e amplo apoio técnico da FAB.
Quem sustenta a Embraer somos nós, meu querido, os pagadores de impostos. No dia em que a Embraer parar de sugar o sangue o brasileiro o seu argumento terá fundamento.

Flanker

Em que mundo tu vives? Qual empresa aeronautica, que constrói aviões para Forças Aéreas, não vive de dinheiro público?? Vocês parecem nào querer raciocinar! Faz assim: diz pra qualquer empresa desenvolver uma aeronave militar, mas sem garantia de que vá vender. Só desenvolve, com dinheiro próprio e coloca no mercado…..quero ver que al delas vai aceitar isso!
Rudo que a FAB encomendou foi desenvolvido, fabricado e entregue . Qual o problema que você enxerga nisso?

Hélio

Exatamente, em qual lugar do mundo alguém defende que uma empresa aeronáutica, que vive de dinheiro público, não de satisfação alguma ao país com a desculpa de ser “empresa privada pertencente a um grupo de sócios em sua maioria há muito tempo estrangeiros estão submetidos a inúmeros risco”. Só na bananolândia mesmo. O pior é que o ignorante que diz isso pensa estar defendendo o “livre mercado”.

Flanker

Você está confundindo uma empresa que produz para o Estado com uma empresa DO Estado…..enquanto tu não entenderes isso, não vai adiantar discutir….

Foxtrot

O problema caro Flanker não é desenvolver com dinheiro próprio.
Se a Embraer fizesse isso com dinheiro próprio, porém com garantia de compra do estado seria outro assunto, o problema é desenvolver um avião com dinheiro público nacional, apóio da FAB sendo uma empresa pertencente a multi estrangeiras, e ainda receber o título de EED com toda a subvenção fiscal que esse título trás.
Assim não dá para engolir meu caro.
Agora que pertence a Boeing que busque dinheiro da mesmo ou do governo americano para suas empreitadas.
Meu dinheiro não é capim para dar a gringo espertalhão!

Flanker

Vocês tem uma versão completamente errada da realidade! O dinheiro público que a Embraer recebe é para produtos militares. E a divisão que produz essas aeronaves, não foi vendida. Continua como era antes. A divisão comercial, que é a que foi vendida, deverá receber dinheiro da Boeing. Produtos militares sào feitos sob encomenda e/ou para atender requisições específicas de um ou mais operadores. Não é como desenvolver um modelo de carro e colocar no mercado esperando que os consumidores adquiram. Produtos civis, com a família E-Jet da Embraer, os 7xx da Boeing, os A3xx da Airbus, etc, esses sim, são… Read more »

Hélio

De onde você tirou que o dinheiro que a Embraer recebe é para projetos militares? Muito pelo contrário. Você mostra que não conhece minimamente a situação e quer dar palpite.
A Embraer é extremamente subsidiada e recebe muitíssimo dinheiro público para atender seus interesses privados, inclusive, esses 40 bilhões não se aplicam ao mercado militar.

Flanker

Para a linha comercial? Então que seja. E para o que é que serve o BNDES? Não é para fomentar é financiar a indústria? O dinheiro foi dado de presente? Ou vai ser, e está sendo, pago? Com juros ou sem juros? Ou p BNDES, no sei entender serve para o que? Financiar obras na Venezuela? Ou na África? Se você preferir, corte-se o financiamento dado á Embraer aqui…..ela, vai buscar fora…e gerar juros e dividendos também fora. Antes da venda, a Embraer recebia esses financiamentos do mesmo modo….e nunca vi ti e outros reclamando……Você por acaso prefere que a… Read more »

Jmgboston

Foxtrot, o destino de seu dinheiro é pior ainda. Começando pelo stf, passando pelas mordomiaa dos político e finalmente a corrupção. A Boeing comprou a embrar civil, não a militar.

Hermes

Flanker, você acaba de descrever o fim da Engesa…

Fernando EMB

Cara… Vc não sabe nada né. A Bombardier não cancelou nada.

Maurício.

O tal general David Goldfein se manifestou quando a Boeing venceu o KC-X no tapetão? Se não se manifestou, agora aguenta!

Saldanha da Gama

E aproveitando a resposta do caro jagderband#44, existe, existe algum comparativo entre o kc usa e o KC BRASILEIRO(por favor, não entendam de forma dúbia)?Quem sabe se ele não se adequaria as exigências americanas, até com parte da produção no local…

Flanker

Leia sobre reabastecedores táticos e estratégicos. Aí tu vais entender que estás comparando laranjas com maçãs.

Jagderband#44

Saldanha, boa tarde. Uma comparação possível é entre o KC390 é o KC130. Fora isso não há comparação.

Tadeu

Qual é o problema com a aeronave?

Ricardo Bigliazzi

Por favor, alguém me explica o que esse 767 é incapaz de fazer?

Coutinho

Olá Tadeu e Ricardo Bigliazzi. O KC-46 tinha um problema com a câmera do sistema de reabastecimento (a luz do sol ofuscava o operador alem do boom ser arrastado para a superficie da aeronave receptora). A Boeing também entregou aparelhos com o sistema incompleto e até com objetos estranhos (FOD) que obrigaram o aterramento das aeronaves.

https://www.aereo.jor.br/2019/03/04/usaf-suspende-entregas-de-avioes-tanque-boeing-kc-46a-ate-que-fod-seja-eliminado/

Sérgio Luís

Minha nossa se a Boeing continuar assim vai terminar arrastando pro buraco a Embraer também!!
Nunca se viu tanta “porcaria” sendo feita em um mesmo ano!
Toda uma geração de engenheiros-projetistas que só estão “criando” m…..

heitor

devolvam a EMBRAER que ela foi vendida macumbada

JuggerBR

Ressuscitem a turma que desenhou o B-52 na prancheta de madeira e lápis e os ponham pra resolver as cagadas da turminha millennial que vaga pela fabrica atualmente…

Flanker

Para aqueles que acham que pode substituir o KC-46 ou o A330MRTT pelo KC-390:

A330MRTT

VMáx – 880 km/h
VCruz – 860 km/h
Alcance (MTOW) – 14800 km
Teto – 13000 m
Carga útil – 45 ton

KC-390

VMáx – 988 km/h
VCruz – 870 km/h
Alcance (MTOW) – 2820 km
Teto – 11000 m
Carga útil – 26 ton

KC-46

VMáx – 1046 km/h
VCruz – 851 km/h
Alcance (MTOW) – 12200 km
Teto – 12200 m
Carga útil – ?* (não encontrei essa informação, mas deve ser bastante semelhanto à do A330 MRTT)

JuggerBR

Se comprar dois 390 pra cada 46 dá jogo… o problema é manter o dobro de estrutura planejada…

Flanker

Não é pela quantidade de células. É pela capacidade delas. Imagina um B-2 decolando dos EUA para atacar alvos nno Oriente Médio. Precisará de reabastecimentos. O KC-390 não tem alcance para isso. Só se colocar mais outro KC-390 para reabastecer o que irá reabastecer o B-2. Entendeu? Fora a necessidade imperiosa de projetar, desenvolver, integrar, testar, homologar e operar um sistema de reabastecimento Flying boom na célula do KC-390.

jorge domingos

CONTRATEM A EMBRAER E PRINCIPALMENTE ENGENHEIROS AERONÁUTICOS BRASILEIROS . AÍ VCS VERÃO COMO SE FAZ MUTI COM POUCO.

Sergio

…estou começando a ficar preocupado com a EMBRAER….

Sergio

…a Bombardier está querendo “picar a mula” da parceria com a Airbus por esta estar tomando prejuízos no mercado……
Será que a Boeing vai “usar” a EMBRAER como âncora ?????

Sergio

Pior que os “American” não tem para onde correr….ou finaliza o projeto do avião tanque ou fica sem um vetor decente para esta finalidade….
Melhor comprar um tal de Kc-390 Milenium…..rsrsrsrsrs

Flanker

Acho que tu não leu todos os comentários sobre as diferenças de categoria, capacidade e finalidade do KC-390 e do KC-46. Vocês toecem tanto pela aquisição do KC-390 pelos EUA? Então torçam para que quando os EUA decidirem substituir seus C-130 e KC-130 eles escolham o avião da Embraer. O KC-390 não tem tamanho, capacidade e alcance para concorrer com o KC-46 e A330MRTT (nem foi criado para isso).

Últimas Notícias

FOTOS: J-16D com novos pods de guerra/interferência eletrônica

Foram divulgadas mais fotos do Shenyang J-16D, versão de guerra eletrônica do caça multimissão J-16 da Força Aérea de...
- Advertisement -
- Advertisement -