Home Aviação de Ataque Indonésia quer novos caças F-16 americanos e também os Su-35 russos

Indonésia quer novos caças F-16 americanos e também os Su-35 russos

4226
54
 F-16 Block 72
F-16 Block 72 nas cores da Indonésia

A Indonésia quer adquirir dois esquadrões dos novos caças F-16 dos Estados Unidos, enquanto avança com os planos de comprar o russo Sukhoi Su-35, segundo o chefe da Força Aérea da Indonésia.

Em declarações feitas à agência de notícias estatal Antara em 28 de outubro, o Air Marshal Yuyu Sutisna disse que a nação do sudeste asiático planeja enviar uma solicitação para comprar dois esquadrões dos caças Lockheed Martin F-16 Block 72 até janeiro de 2020.

Sutisna disse que a aquisição do F-16 fará parte do próximo plano estratégico de cinco anos da Indonésia, que vai de 2020 a 2024, informou Antara. O oficial fez o anúncio durante uma visita à Base Aérea Roesmin Nurjadin em Pekanbaru, capital da província de Riau, na ilha indonésia ocidental de Sumatra.

Ele não detalhou o número exato de F-16 para a Indonésia comprar, pois isso dependerá de quanto dinheiro o governo possa reservar para a aquisição, que será coletada separadamente do orçamento de defesa já alocado de US$ 7,7 bilhões.

Sustina também disse que a Indonésia ainda está perseguindo o interceptor russo Sukhoi Su-35 Flanker, embora esse esforço tenha esbarrado em vários atrasos. Os Su-35 estão sendo considerados como um substituto para os interceptores Northrop F-5E/F da Indonésia, que não estão mais em serviço.

Caças Sukhoi Su-35
Caças Sukhoi Su-35

As negociações de contrato já prolongadas com a Rússia são ainda mais complicadas pelas preocupações da Indonésia com a CAATSA, uma lei americana que pode aplicar uma variedade de sanções a indivíduos e organizações que se envolvem em “transações com os setores de inteligência ou defesa da Federação Russa”.

A Indonésia está buscando adquirir 11 caças Su-35 da Rússia e espera pagar por isso com dinheiro e troca por uma variedade de mercadorias locais.

A Força Aérea da Indonésia opera Su-27SKs e Su-30MK2s adquiridos no início desta década da Rússia. A Indonésia tem uma política de diversificar suas compras de armas para reduzir o excesso de dependência de uma única fonte de suprimento.

A nação insular também opera versões anteriores do F-16, com 18 F-16Cs monopostos e cinco F-16Ds bipostos entregues sob o programa Peace Bima Sena II. Os jatos são usados ​​pelos esquadrões 3 e 16 da Força Aérea ao lado das aeronaves F-16A/B Bloco 15, das quais oito foram adquiridas na década de 1980.

Os F-16C/Ds foram usados pela da Força Aérea dos EUA e Guarda Aérea Nacional que estavam em armazenamento e subsequentemente oferecidos à Indonésia em 2011 sob o programa de artigos de defesa em excesso dos EUA. Os engenheiros da Força Aérea da Indonésia estão atualizando localmente os F-16A/Bs com a assistência da Lockheed Martin.

Os 24 jatos foram atualizados com a instalação de um novo computador de missão modular, links de dados Link 16 e um conjunto de autoproteção sob um pacote de vendas militares estrangeiras no valor de US$ 750 milhões antes da entrega à Indonésia, embora um tenha sido destruído posteriormente em um incêndio em 2015 após sair da pista durante seu teste de decolagem.

FONTE: Defense News

54
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
43 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
30 Comment authors
Joao Moita JrFabio MayerKemenMarcelo AndradeAlmeida Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fighting_Falcon
Visitante
Fighting_Falcon

Será que Tio Sam vai autorizar essa venda com aquisição de material russo pelo país? Mesmo sendo um “simples” F-16.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues
JPC3
Visitante
JPC3

Confiabilidade deles não é das maiores…..

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Por que em 90% das notícias de aquisições pelo mundo, poucos países consideram o Saab Gripen, no mesmo nível de caças norte-americanos e russos?
O Gripen NG merece respeito !

Marcos10
Visitante
Marcos10

Não se trata de qualidade da aeronave, antes se trata de política.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Politica e financiamento.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Eu pessoalmente não o considero no mesmo nível.
Pessoalmente acho que é um projecto atrasado, com tecnologias que podiam facilmente ser incorporados em plataformas já existentes. Sim porque, tirando um eventual baixo RCS o gripen como plataforma é só mais um 4G, mas “ligeiro”… Um F16 sueco com baixa assinatura e eventualmente com maior agilidade… Se bem que com menos potência, segundo sei, e com apetrechos mais chiques…
Como plataforma em si, não vejo onde o Gripen seja assim tão revolucionário como os seus congéneres foram e/ou são.

Augusto L
Visitante
Augusto L

E aonde as plataformas 4,5 g americanas ou russas foram revolucionarias ?

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Augusto, vou me abster de lhe responder, por motivos que concerteza para a maioria serão óbvios.

MMerlin
Visitante
MMerlin

O Gripen é um bom caça Peter.
O grande diferencial nas negociações referentes ao contrato, comparando com as demais fabricantes, foi, sem dúvida alguma, o ToT.
Não vejo aqui tantas pessoas enaltecendo o Gripen como ocorre com os J-20 e Su-57.
Sinceramente, tamanho ajuda, mas se fosse documento, a picada de um cobra coral não faria tanto estrago. Resumindo, a eletrônica tem compensado bastante alguns parâmetros que antes faziam a diferença.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

E eu concordo plenamente Merlin, nunca disse que o sueco era mau avião, pelo contrário, continuo no entanto a afirmar o que disse.

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

O Grippen é um bom avião, para um país com muito pouca grana como o Brasil, país que precisa urgentemente substituir os antigos e cansados F-5. Pelo menos podemos dizer que partindo do que existe no país nesse momento, o Grippen representará um salto gigantesco no patamar da aviação de caças da FAB. E sejamos sensíveis, não podemos nem pensar em comparar a FAB com a USAF ou a Força Aérea Russa.
O que quero ver é a aquisição de pelo menos 120 unidades no total, pois ficar só em 36 não dá.

Kemen
Visitante
Kemen

Peter – Na minha opinião o Gripen E como plataforma tem vantagens sobre o F-16, tem melhor manobrabilidade, razão de subida, altura máxima que pode operar, é equivalente em velocidade máxima, é mais econômico, tem radar com maior angulo de visão, pousa e alça vôo em espaços mais curtose outras. Para uma Força Aérea escolher entre F-16 e Gripen E, varios outros fatores podem decidir uma compra, tal como politica externa, financiamento obtido, tecnologia já operada, equilibrio estratégico da área, custos operacionais, preço, transferêncioa de tecnologia, restrições varias, alianças militares, armas integradas, equipamentos oferecidos e outras mais. No caso de… Read more »

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Kemen, eu próprio disse que o Gripen é mais apetrechado que o F16 e, por isso, aparentemente melhor. Também eu próprio disse que o sueco também é mais ágil. Aliás, tirando um ou dois pontos mais discutíveis, concordo plenamente consigo, no entanto, o que disse em nada contraria o seu comentário, pelo contrário, até se complementam, e vice versa. A única coisa que disse é que não vejo muito sentido no avião como plataforma em si, teria sido espantoso, como plataforma, se tivesse sido lançado ao mesmo tempo que o F16, por exemplo. Aí sim, estaríamos a falar de um… Read more »

Lucianno
Visitante
Lucianno

Se o gripen fosse tudo isso mesmo que os “especialistas” brasileiros acham que é seria considerado. Você acha mesmo que todos os outros países do mundo tem somente bobos e leigos comprando caças?

PACRF
Visitante
PACRF

Compra de material bélico se fundamenta em três pilares: política, política e grana.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Vcs falam como se comprar aviões de combate fosse como ir no supermercado comprar cerveja… Vc escolhe e compra.
Política nunca entra nessas conversas né ?

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Lucianno, o Gripen NG ainda está no protótipo e o as versões C e D não são mais fabricadas pela SAAB. No mais, a parte política e logística pesa, já que a Indonésia utiliza o F-16 há tempos.

MMerlin
Visitante
MMerlin

Comentário direto da linha do tempo…

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Ele tem respeito la fora, só não impõe medo.

Kemen
Visitante
Kemen

S J – Pois é… aviões russos sobrevoam a Suecia todo dia, tal como na Lituania, Letonia e Estonia, não é?

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Não sei, pergunta pra eles.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Nem nos três países nem na Suécia, amigo.
Fazer voos provocatórios sem plano de voo não é o mesmo que entrar por espaço aéreo dentro, e, quando ocorre, falamos de metros. Esses voos russos ocorrem sim na Suécia da mesma forma que nos 2 L’s e Estónia. Não falamos no entanto de invasão propriamente dita.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

F-16… que projeto!! 50 anos de reinado em sua arena de combate.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Muito provavelmente o F-16 seria para missões mais simples e menos complexas.
Por isso um avião bem menor e mais barato.
O Su-35 é o peso pesado.
O fortão da situação.

Augusto L
Visitante
Augusto L

O F-16 block 70 não é mais barato e simples que o SU-35.

JPC3
Visitante
JPC3

O custo de compra talvez não, mas a manutenção do F-16 certamente é mais fácil e a disponibilidade melhor. Não me lembro de ter visto alguém reclamando do suporte do F-16, até os da Venezuela voam.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Dos 24 originais, somete restam uns 18 na lista de batalha, sendo que apenas uns 5 ou 8 ainda voam! Ou voavam!!

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Bateram todos em retirada quando o Paquistão mostrou os dentes.

Marcos10
Visitante
Marcos10

Ahã! Indonesios fazendo aprendizado com os indianos.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Na verdade os indianos poderiam fazer melhor do que simplesmente comprar caças, é um país com capacidade de produção interna, só não faz por incompetência mesmo. O que ocorre neste caso indonésio é uma manobra clássica até bem elaborado para não ficar dependente de uma única fonte, pois na verdade neste mundo atual ou vc enfrenta o oriente ou o ocidente, e nós dois casos vc pode sofrer embargo tanto de um lado como do outro, se comprar da França ou Suécia por exemplo e amanhã tiver atrito com um país ocidental, vc sofre embargo dos dois, agora neste caso… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

A India, o Egito, e a Arabia saldita adotam esse raciocinio, Fora outros que não me lembro.

Lucianno
Visitante
Lucianno

A Arabia Saudita compra caças apenas do ocidente (USA e Reino Unido).

cerberosph
Visitante
cerberosph

funciona assim, se eles precisarem atacar um pais aliado aos ocidentais eles vão utilizar o su35, se forem atacar um pais aliado do oriente usam o f16 e ninguém pode reclamar de embargo kkk

Filipe Prestes
Visitante
Filipe Prestes

É a Índia fazendo escola…

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Por isso a Índia é uma potência militar e ninguém nunca vai falar grosso com eles como fizeram conosco dias atrás.

Salim
Visitante
Salim

O que esta meio estranho e que SU35 iria substituir os F5. Um caça pesado no lugar de um leve!?! Qual a logica nisto.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

A lógica deve ser pelo motivo de estarem negociando há certo tempo, de haver um esquadrão que está precisando dar baixa (na verdade já deu) nos seus caças, localização das bases, tudo isso combinado a uma visão do que será aquela força aérea no futuro. Não se reequipa esquadrões olhando só para o passado.

Gutex
Visitante
Gutex

Exato. Estão olhando para o futuro, e este será um HI-LOW de SU’s 27/30/35 e F-16’s dos diversos modelos. Esta história de SU 35 substituindo F5 é apenas uma questão cronológica de desativação dos esquadrões, junto com a mudança dos paradigmas da guerra aérea neste período entre a incorporação até a atual desativação dos esquadrões de f5.

Salim
Visitante
Salim

Náo e logico. O logico seria f16 no lugar f5, caças americanos teoricamente f16 evolução f5 e mais leves ( pessoal e equipamentos treinados material americano).
Tem esquadrões que operam su 27 e su30, ai seria logico colocar su35, equipamento russo, aproveita todo histórico e treinamento. Foi somente uma observação baseada no texto.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Salim,
Não planejaram colocar Su-35 no lugar dos Su-27 e 30 porque não estão dando baixa nos Su-27 e 30, que foram incorporados nos anos 2000.

O esquadrão que precisa ser reequipado voava F-5 incorporado nos anos 1980.

Foi feita uma concorrência para comprar caças para reequipar esse esquadrão e o Su-35 foi o selecionado. Enfim, a história é essa, a lógica deles foi essa. Tem várias matérias aqui que acompanharam esse assunto.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

O F-16 block 70 é uma plataforma sensacional.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

O F16 é uma plataforma sensacional…

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Não entendo como o F-16 ainda vende.
O caça é bom, mas é caro. Porque não adquirir o F-35 em vez do F-16 block 70?
AH, o F-35 é mais caro, sim, mas é muito mais poderoso. E não é tão mais caro assim, é só diminuir um pouco o número de caças, oras.
AH, mas para operar é mais caro…. também não é tanto assim.
A não ser que para alguns países os EUA neguem o F-35 e esses países se contentam com os F-16.

Lucianno
Visitante
Lucianno

O F-35 é somente para países aliados confiáveis, o que não é o caso da Indonésia.

JPC3
Visitante
JPC3

A introdução do F-35 seria bem cara, se não me engano eles já usam F-16.

Também teríamos que saber os custos de manutenção de F-16 novos, se comparamos com os da USAF que estão velhos e surrados o resultado pode ser bem diferente.

Sinceramente acho que os custos operacionais do F-35 devem mais que o dobro de um F-16 novo.

Almeida
Visitante
Almeida

Existem diversos fatores, como o político e o de operação/manutenção já citados aqui nas respostas. Mas acredito eu que a fila de entregas do F-35 já está bem longa com os pedidos firmes atuais, então uma entrega deles levaria uns bons anos e a Indonésia pode não ter tempo para isso.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Sou fã do F-16 desde o filme “Águia de aço” e o bicho é parrudo e agora na versão block 70 está fodástico mas ,minha opinião, ainda vejo o Gripen E/NG como superior em vários pontos(potência, eletrônica ,supercruise, rcs etc.) e nisso, entre os dois, eu escolheria o Gripen E .

Almeida
Visitante
Almeida

Eu ia dar like, mas na questão potência o Gripen E perde para as versões mais novas do F-16.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Tb sou fã do F-16 e acho que poderíamos ter no Brasil, mas tem gente que adora discordar e acha que o Gripen NG ainda cobre os dois tipos de missões desenvolvidos pelo F-5M e o que faziam os Mirage. Mas concordo contigo Tomcat 4.0. Também gosto muito do F-16.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Seria um sonho ter uns F-16 desses C/D para substituir os F-5M e fazer par com os Gripens… Obs: Sonhando enquanto não taxam…

JPC3
Visitante
JPC3

Por que precisaria de F-16 se já teria Gripen? Ainda mais C/D que já estão defasados.

Almeida
Visitante
Almeida

E qual seria a vantagem de operar duas aeronaves de capacidades semelhantes ao invés de comprar mais Gripens fabricados aqui mesmo?

Fabio Mayer
Visitante
Fabio Mayer

O F16 Block 70 e suas eventuais atualizações representam um novo F-5. Um avião versátil, com boas capacidades, manutenção barata em razão do número de unidades produzidas. O que vai acontecer é que na medida em que forem para o AMARG, serão vendidos para forças aéreas menores que já operam versões mais antigas, que poderão modernizá-las.

São mais 20/25 anos de mercado cativo.