Home UAS Airbus, Dassault Aviation e Leonardo apresentam o MALE RPAS

Airbus, Dassault Aviation e Leonardo apresentam o MALE RPAS

5681
20
MALE RPAS

Em 26 de abril de 2018, o primeiro modelo em escala real da aeronave pilotada remotamente de longa duração (MALE RPAS) foi revelado durante uma cerimônia realizada em 2018 no ILA Berlin Air Show, que abriu suas portas no aeroporto de Schönefeld

  • Revelação do modelo em escala real no ILA Berlin Air Show 2018.
  • Programa promove o desenvolvimento de alta tecnologia na Europa.
  • Otimiza a situação orçamentária através do compartilhamento de financiamento para pesquisa e desenvolvimento.

Berlim 26 de abril de 2018 – O primeiro modelo em escala real da aeronave pilotada remotamente de média altitude (MALE RPAS) foi apresentado hoje durante uma cerimônia realizada no ILA Berlin Air Show 2018, que abriu suas portas no aeroporto de Schönefeld.

A cerimônia de revelação, liderada por Dirk Hoke, Airbus Defence e Chief Executive Officer (CEO), Eric Trappier, Dassault Aviation Chairman e CEO e Lucio Valerio Cioffi, Diretor da Divisão de Aeronaves da Leonardo, confirma o compromisso dos quatro Estados europeus e parceiros industriais em desenvolver conjuntamente uma solução soberana para a defesa e a segurança europeias.

O desvelamento do modelo de escala completa e o compromisso reafirmado surge após um estudo de definição de quase dois anos lançado em setembro de 2016 pelas quatro nações participantes Alemanha, França, Itália e Espanha e segue a Declaração de Intenção para trabalhar em conjunto sobre um sistema aéreo MALE europeu assinada pelos países em maio de 2015.

“Enquanto ainda há muito trabalho pela frente, este modelo de escala completa representa um primeiro marco do que a Europa pode alcançar em um setor de alta tecnologia se agregar sua força industrial e know-how”, disse Dirk Hoke, CEO da Airbus Defense. e espaço. “Os MALE RPAS se tornarão parte integrante na garantia da soberania da Europa no futuro. Este programa é ideal para atender aos requisitos de capacidade urgente das forças armadas da Europa. Essa parceria inovadora também facilita a situação orçamentária restrita dos países por meio da coleta inteligente de fundos de pesquisa e desenvolvimento” e acrescentou.

“O desvelamento de hoje reflete a dedicação total de nossas empresas à soberania europeia de defesa e segurança. A cooperação e a alta tecnologia legitimam a liderança da indústria europeia e garantem a autonomia estratégica da Europa ”, declarou Eric Trappier, presidente e CEO da Dassault Aviation. Programas inovadores, através de parcerias eficientes, servirão a competitividade europeia e oferecerão novas alternativas à aquisição de produtos não europeus. A Dassault Aviation reafirma seu total apoio à Airbus Defence and Space como líder de programa dos MALE RPAS.”

“As tecnologias não tripuladas e suas aplicações representam um dos principais fundamentos tecnológicos para a futura evolução das indústrias de defesa europeias”, disse Lucio Valerio Cioffi, diretor administrativo da Divisão de Aeronaves de Leonardo. “Os MALE RPAS europeus são orientados para fomentar o desenvolvimento de tecnologias de ponta e contribuirão para manter as competências essenciais e o emprego na Europa, proporcionando às Forças Armadas um sistema operacional de alto desempenho e soberania”, acrescentou.

MALE RPAS

SOBRE O PROGRAMA DO MALE RPAS
Primeiro sistema aéreo não-tripulado projetado para voo em espaço aéreo não-segregado, suas características incluirão modularidade de missão para superioridade operacional em inteligência, vigilância e reconhecimento, tanto em área ampla como em teatro.

O acordo da nação sobre a configuração do veículo aéreo em meados de 2017, selecionando um sistema de propulsão bimotor turbo, fornecerá ampla energia a bordo para o sistema de missão e fornecerá redundância adequada para limitar as restrições quando operando em terrenos densamente povoados na Europa e sem restrição de espaço. Em janeiro de 2018, o MALE RPAS passou com sucesso pela Revisão de Requisitos do Sistema (SRR), que iniciou a segunda fase do estudo de definição para levar a uma Revisão de Projeto Preliminar do Sistema (SyPDR), programada para o final deste ano.

O SyPDR demonstrará a qualidade e adequação do design proposto. A “Integração do Tráfego Aéreo” e a certificação são objetivos-chave, dando aos Estados participantes total confiança de que a etapa de desenvolvimento pode ser lançada com riscos residuais aceitáveis.

Os preparativos para a próxima etapa (desenvolvimento, produção e suporte inicial em serviço) já estão em andamento. A entrada em serviço do European MALE RPAS está prevista para meados da próxima década.

MALE RPAS
MALE RPAS

SOBRE A AIRBUS
A Airbus é líder global em aeronáutica, espaço e serviços relacionados. Em 2017, gerou receitas reportadas de € 67 bilhões – ou € 59 bilhões atualizadas para o IFRS 15 – e empregou uma força de trabalho de cerca de 129.000. A Airbus oferece a gama mais abrangente de aviões de passageiros de 100 a mais de 600 lugares. A Airbus também é líder europeia no fornecimento de aviões-tanque, aviões de combate, transporte e missão, bem como uma das principais empresas espaciais do mundo. Em helicópteros, a Airbus fornece as soluções de helicópteros civis e militares mais eficientes do mundo.

SOBRE A DASSAULT AVIATION
Com mais de 10.000 aeronaves militares e civis entregues em mais de 90 países no último século, a Dassault Aviation acumulou conhecimento reconhecido mundialmente no projeto, desenvolvimento, venda e suporte de todos os tipos de aeronaves, desde o caça Rafale até a família Falcon de jatos executivos e drones militares. Esta experiência única permitiu à Dassault Aviation propor soluções operacionais inovadoras, bem como uma abordagem dinâmica e pragmática à cooperação. Graças a uma profunda compreensão das parcerias industriais, a Dassault Aviation estabeleceu uma ampla rede com outras empresas para otimizar o sucesso dos programas de hoje, mas também para contribuir para a sinergia da indústria de defesa europeia de amanhã.

SOBRE A LEONARDO
A Leonardo está entre os dez principais players globais em indústria Aeroespacial, Defesa e Segurança e a principal empresa industrial da Itália. Como uma entidade única a partir de janeiro de 2016, organizada em sete divisões de negócios (helicópteros, aeronaves, estruturas aeronáuticas, sistemas aéreos e espaciais, eletrônica de defesa terrestre e naval, sistemas de defesa, sistemas de segurança e informação), a Leonardo opera nos mercados internacionais mais competitivos. alavancando suas áreas de tecnologia e liderança de produtos. Listada na Bolsa de Valores de Milão (LDO), em 2016, a Leonardo registrou receitas consolidadas de 12 bilhões de euros e tem presença industrial significativa na Itália, no Reino Unido, nos EUA e na Polônia.

DIVULGAÇÃO: Dassault Aviation

20
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
8 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
NonatoWalfrido StrobelBardiniHMS TIRELESSHenrique de Freitas Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

De certa forma ele me lembra o CBA-123 Vector, pelo arranjo de motores fixados na traseira c/ hélices impulsoras e leme em T.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Parece maior que o P.1HH Hammerhead da Piaggio, que também adota uma configuração “pusher”. O aparelho da Piaggio é uma derivação de um turboélice executivo e já está em testes.

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

O P.1HH é derivado do P180 Avanti, mas neles os motores estão nas asas. Abs.

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

A Piaggio retomou os testes de desenvolvimento do seu Hammerhead depois do acidente que destruiu o primeiro protótipo.
Vai seguir como uma opção mais barata de UAV com manutenção usando itens de uma aeronave civil de venda aberta livre de embargos.
. https://www.defensenews.com/air/2017/07/08/back-on-track-testing-of-piaggio-hammerhead-drones-resumes-a-year-after-crash/

Jr
Visitante
Jr

Que decepção, os próprios europeus tem conceitos mais modernos que esse, seja pela parceria francesa/britânica, via Bae/Dassault o telemos, seja por meio da Airbus que apresentou no passado a proposta do male talarion ou seja por meio da parceria de diversas empresas europeias no projeto neuron. Se bem que ele parece quase uma copia do telemos

Jean Jardino
Visitante
Jean Jardino

Neuron e talarion, sao outros tpios de drones, com outras caristeristicas e funcoes, e nao foram abandonados e pro deste. Os projetos continuam em paralelo.

Jr
Visitante
Jr
Jr
Visitante
Jr

Alias, se era para gastar dinheiro para começar um projeto do zero e apresentar isso, porque eles não pegaram o talemos que parece ser o irmão gêmeo dessa coisa e tocaram para frente junto com França e Inglaterra, pelo menos o talemos já existe e voo

http://www.airport-data.com/aircraft/photo/000959511.html

Diogo
Visitante

É tipo um global hawk?

Bueno
Visitante
Bueno

Errei novamente
esta ai — Embraer Divulga resultado 1 Trimestre 2018

https://ri.embraer.com.br/

TeoB
Visitante
TeoB

eu acho que já esta na hora de a FAB pensar em uma aeronave remotamente controlada de vigilância e ataque, com bastante autonomia e custo baixo, assim ter a possibilidade de um ter uma quantidade boa, a EMBRAER poderia criar um produto muito bom para nosso uso e quem sabe vende-lo também…

Henrique de Freitas
Visitante
Henrique de Freitas

O tamanho impressiona, talvez ate’ d +

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Esse bicho é imenso, mas me parece que o IAI HeronTP (Eitan) são melhor resolvidos.

Bardini
Visitante
Bardini

Enquanto isso, os Chineses:comment image

Jr
Visitante
Jr

Pois é, e não é só esse não, os chineses tem uma variedade impressionante de MALE. O problema dos europeus é sempre começar um projeto e logo depois ou ele é desfeito em prol de outro ou é abandonado por falta de interesse dos países sócios, gasta-se dinheiro e tempo para não se ter resultado, enquanto isso EUA, China, Israel e até a Rússia mais recentemente agradecem

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

O Wing Loong chinês ja é usado pela China, Egito, Indonesia, Kasaquistão, Nigéria, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Uzbequistão.
.comment image

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

O MALE RPAS era para ser assim, mas trocaram a motorização por turbohélices no lugar dos jatos.
. https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQqvLDonmSpOhsl6Z7f8ERJ58Q6f5cNFk0XT2T2FjYP7_3j1h1LONKvfWf5RA

Jr
Visitante
Jr

Sim, se chamava talarion, tem uma concepção artística com uma resolução melhor dele no primeiro link que postei, mas o Jardino disse que são propostas diferentes, eu particularmente duvido, assim como você eu também acho que eles desistiram dele e colocaram esse no lugar

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

O Talarion é mais curto sem a cauda em “T”, é realmente outro projeto.
. https://www.uasvision.com/wp-content/uploads/2013/01/Talarion3.jpg

Nonato
Visitante
Nonato

Não entendo essa celeuma toda. Esses vants, em tese, são todos iguais. Um avião sem piloto. Fabricar um avião não é nada do outro mundo. Talvez o que possa diferenciar é mais o grau de furtividade, a capacidade de controlar bem a aeronave e a carga paga utilizada. Por exemplo os sensores e os mísseis não tem nada a ver com o desenvolvimento do vant. Geralmente já existem e apenas são instalados. Aí criam um auê, parceria isso, parceria aquilo, investimento de bilhões… Aí a Alemanha decide alugar uns drones israelenses. Enquanto isso a China vai fabricando caladinha, sem muita… Read more »