Home Aviação de Caça Conheça as armas do caça Saab Gripen E/F da FAB

Conheça as armas do caça Saab Gripen E/F da FAB

29151
109

As armas e pods compatíveis com o caça Saab Gripen E, mas a FAB só adquiriu uma parte até agora. Clique no poster para ampliar

Noticiamos em 9 de agosto de 2015 que a Força Aérea Brasileira pagará US$ 245,325 milhões (cerca de R$ 869 milhões) por 70 mísseis e bombas israelenses de alta tecnologia, e 14 pods de reconhecimento e designação de alvos para aeronaves, que serão empregados nos novos caças Gripen, de acordo com documentos obtidos pelo G1 através da Lei de Acesso à Informação.

Segundo matéria publicada no G1, as armas e equipamentos adquiridos são os seguintes:

  • Míssil A-Darter: 10 unidades operacionais e 8, para treinamento
  • Míssil Iris-T: 10 unidades operacionais e 20, para treinamento
  • Bomba guiada Spice 1000: 20 kits de unidades operacionais
  • Bomba guiada Spice 250: 30 unidades
  • Pod Reccelite 2: 4 unidades
  • Pod Litening G4: 10 unidades

É bom lembrar que essa lista de armas é uma compra inicial e que posteriormente a FAB deverá adquirir mais armas, além de um novo míssil ar-ar BVR, como o AIM-120 AMRAAM ou o MBDA Meteor, para substituir o Rafael Derby.

O Brasil assinou um contrato de SEK39,3 bilhões (US$ 5,4 bilhões) para adquirir 36 caças Gripen E/F do Programa F-X2, em outubro de 2014, tendo selecionado o caça sueco em dezembro de 2013.

O caça Gripen E voou pela primeira vez no dia 15 de junho de 2017, e deverá começar a ser entregue em 2019, atingindo a IOC em 2021.

109
Deixe um comentário

avatar
109 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
47 Comment authors
pedroPaulojose luiz espositoJ.SilvaJT8D Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Matheus Ugraita
Visitante
Matheus Ugraita

Como sempre a quantidade é de dar medo…

André Luiz.'.
Visitante
André Luiz.'.

O Gripen E já é certificado para TODAS essas armas?! Estou vendo no desenho até aquele míssil Taurus KEPD 350, que a Força Aérea Sul-coreana (RKAF) acabou de testar com seus F-15K !…

Jorge F.
Visitante
Jorge F.

O Brasil é autorizado pelo DOD a possuir AIM-120?
O METEOR será aberto para exportação ao Brasil?
O A-DARTER saiu do papel?

Bosco
Visitante
Bosco

Isso é uma previsão muito otimista. Logicamente nem todas essas armas serão homologados no caça.
Algumas ainda sequer existem, como por exemplo o míssil Spear e o A-Darter.

João Bosco
Visitante
João Bosco

Uma ave de rapina sem as garras…. isto não é muito bom, a quantidade é muito aquém.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Se vier todos esses armamentos será uma maravilha.

Zago
Visitante
Zago

Acredito que por ter validade, o restante do armamento vai sendo comprado gradativamente.

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

Essa sorte de armamentos e equipamentos é o que o caça é capaz de receber e operar.
O A-Darter está em fase final de homologação, certamente já deve vir no Gripen E da FAB.
Míssil BVR será o Meteor. Já foi anunciado.
Não podemos esquecer o MAR-1 e do MANSUP.
Um bom pod de guerra eletrônica – a FAB já usa um de fabricação israelense – creio que seja suficiente.
O Brasil também fabrica um kit de bomba planadora guiada.
Não precisamos de muito mais.
Não adianta a turma da uruca pagar migué.

Almeida
Visitante
Almeida

20 mísseis WVR é mto pouco pra 36 caças, e menos ainda pra abrir uma linha de produção do A-Darter. Espero que os BVR venham em outra compra, breve.

Walfrido Strobel
Visitante

Almeida, mísseis tem validade, não adianta comprar muitos no início da implantação do avião para vencerem no estoque.
.
Gente, é claro que o Brasil nunca vai operar todo este armamento, isso é só uma mostra do que estará disponível para o avião no futuro.

Matheus
Visitante
Matheus

Bosco

O A-Darter já passa/passou por testes na áfrica do sul.

Paulo Jorge
Visitante
Paulo Jorge

Essa estimativa só equipa, modicamente, um esquadrão de 12 aeronaves. Não adianta economizar em armas pensando no prazo de validade dos armamentos. É o tipo de economia que não se justifica, pois o Gripen é uma arma bastante inócua sem armas de ponta. O raciocínio de economia de palito não vale para esse tipo de compra. Basta comparar o que a Austrália e o Canadá estão pretendendo trazer junto ao SH. Se for pra voar com o Gripen liso o tempo todo e com tanque subalar, não adianta comprar outros lotes ou reclamar do equipamento. Mais importante do que desenvolver… Read more »

Kobáμca
Visitante
Kobáμca

Poxa.. nem chegou o caça e o pessoal apavorado por causa da quantidade de armamento contratado….
Eu sou leigo, mas sei que tem data de validade…
Porque botar a carroça na frente dos bois!!!
Calma coração…

Nonato
Visitante
Nonato

Por falar no Taurus, a Coreia do sul só comprou 170…
Se acaba em um dia…
Por que só testaram um e não todos os mísseis?
A Coreia do norte toda semana testa um.
Qualquer dia, um é de verdade e pega todo mundo desprevenido…
Deveriam destruir cada míssil norte coreano disparado…

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

“Por que só testaram um e não todos os mísseis?”
Porque os mísseis explodem e iria acabar o estoque.

Gustavo
Visitante
Gustavo

É. esse número é o mesmo que nada. não dá para colocar uma esquadrilha de 4 caças e 4 misseis cada, no ar com o mesmo modelo de míssil de curto alcance. Mas esse número é tão irrelevante, que nem dá para ficar preocupado. Pois é certeza que compraremos mais armas para eles até serem declarados operacionais na FAB, ou estamos descobrindo neste momento, que a FAB comprou caças para fazer passagens em desfiles e domingos aéreos.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

E tem outra, nenhuma Força Aérea divulga a sua quantidade de armamento. Isto aí é um lote inicial.

Walfrido Strobel
Visitante

Eu não entendi esta de testar todos os mísseis, me pareceu aquela piada do cara que comprou uma caixa de fósforos e testou todos.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Walfrido Strobel 15 de setembro de 2017 at 18:31

Dei uma gargalhada aqui kkkkkk…

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Jorge F. 15 de setembro de 2017 at 15:05

Segundo Presidente da COPAC em entrevista a Air Forces Monthly no ano passado, estávamos à espera de fundos para a assinatura do contrato de aquisição do Meteor.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Pessoal, essa baixa quantidade de armamento é um lote inicial e de quem tem pouca verba. Não significa que vá ficar nessa quantidade…

Juarez
Visitante
Juarez

Eu sempre o papel, o CAD e o teclado uma coisa mravilhosa, permitem os mais profundos sonhos….

g abraço

Bavaria Lion
Visitante

A quantidade de mísseis é pequena, porém adequada a operação inicial;
Não deveriam ter comprado o A-Darter e sim mais IRIS-T que é o melhor míssil WVR do mundo;
Ele é compatível com os Python 4 e Derby que a FAB tem atualmente no arsenal,
por isso, também, as quantidades serão pequenas (treinarão tiro real quando os mísseis estiverem pra se vencer);
Boa quantidade de pods, porém, boa quantidade de kits. Vamos ver se estes são melhores que os kits WIzzard (da Elbit, também israelense);

Vida longa e próspera.

Bosco
Visitante
Bosco

Estranho a ausência do MAR-1.
Vale salientar que com a capacidade atual dos radares dos caças de operar no modo SAR (radar de abertura sintética) os mísseis antirradar estão ficando meio que desnecessários. No modo SAR os radares inimigos podem ser descobertos e atacados até se desligados.
Os franceses já não fabricam e utilizam há muito tempo mísseis antirradiação. O famoso “ALARM” britânico também já era, além de não ser mais utilizado pela RAF.
Apenas os americanos e russos parece que perseveram no conceito.

teropode
Visitante

A quantidade e a qualidade dos dentes realmente faz a diferença , como foi dito ai , nao adianta comprar muito e deixar vencer a validade ,é por isso que a produçao domestica deve ser uma garantida mesmo que seja por licença , ehhhh , ninguem teme um tubarão branco banguelo , boca sem dentes é a desgraça de qualquer predador !

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Bosco & Juárez.
Python e Derby, o resto é ilusão.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Esqueci, o F 39 terá canhão ?

Bosco
Visitante
Bosco

Terá!
27 mm.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Carlos Alberto Soares 15 de setembro de 2017 at 20:32.
.

Em princípio o NG terá o Canhão BK27, de 27 mm da Rheinmetall Oberndorf, o qual é um dos melhores canhões automáticos para aeronaves que existe. Mas acho que poderá mudar o calibre quando o Gripen NG for nacionalizado porque a CBC não fabrica esse tipo de cartucho 27mm.

Bavaria Lion
Visitante

Ivanmc

O DEFA 30mm não cabe. Vão ter que aprender a fabricar o obuz. Afora que instalar o DEFA seria uma perda operacional, uma vez que o Mauser (que projetou) é o melhor canhão instalado em caças (os EUA o cogitaram para a orquinha, mas como sempre a dobradinha Lockheed/General Dynamics se mostrou infalível).

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Bavaria Lion 15 de setembro de 2017 at 22:01.
.
É isso aí. Com certeza será mantido o Mauser BK-27 mm.

Flanker
Visitante
Flanker

Torço muito para que o F-39 seja operado na FAB de maneira a utilizar todas suas potencialidades. E isso, para uma aeronave de combate, em qualquer lugar do mundo, deve ser, no final das contas, capacitando-o a operar armas modernas, para todas as possibilidades de uso. Mísseis BVR, WVR, ar-superfície, antinavio, anti-radiação, bombas guiadas e de vários outros ripos, como anti-pistas e clusters, casulos de reconhecimento, de designação de alvos e de interferência eletrônica. Historicamente, a FAB sempre sub-armou suas aeronaves de combate. O Mirage III é um exemplo. Foi adquirido com somente um tipo de míssil ar-ar, o verusto… Read more »

marcio alves
Visitante

Faz tempo que não se tem notícias das bombas inteligentes SMKB 82/83 e do sistema Friuli de planeio e guiamento para bombas mk-82 e se iram fazer parte do sistema de armas do Gripen

Bosco
Visitante
Bosco

Avisa pro desenhista que ficou faltando ele colocar a Spice 250 que corre o boato que já adquirimos ela.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Bosco 15 de setembro de 2017 at 20:37
Terá!
27 mm.
__________________________-

Ufa, ainda bem …. O GDA agradece.
__________________________

Flanker 15 de setembro de 2017 at 23:21
Guarde suas vontades, serão somente desejos, Phyton e Derby nas melhores versões.
Teremos uma tremenda Ferrari …. 4 cilindros. rsrs
__________________________

Voltemos a quando eu defendia coisas bem mais baratas mas para nosso TO tava bom.
__________________________

Como é quê é Juárez ?
Ter não sig ………………………..

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Me refiro as armas e não ao GE, por sinal ótimo.

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

quase 20 anos atrás eu já lia sobre o A Darter em revistas, inclusive dando a entender que estava quase pronto… custo a crer que ainda não esteja operacional.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Kkkkkkkk

Desculpem, mas é hilário lê certas afirmações como se fossem algo real. Rsrsrs

Isso é real.
http://www.aereo.jor.br/2017/09/15/integracao-de-armas-no-saab-gripen-jas-39c/

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Acho que o A-Darter vai ser só lenda de internet mesmo, pois como já estamos cansados de saber, tudo que depende de nosso sistema de governo e dos nossos governantes está fadado a ser um desastre.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Carlos Alberto Soares 15 de setembro de 2017 at 20:28

Aquela relação de armas compradas pela FAB que havia sido divulgada pelo O Globo foi vazada pelo Ministério Público que estava (e ainda está) passando o pente fino nos contratos relacionados ao Gripen em virtude das suspeitas de irregularidade.

Aqueles armamentos e quantidade é verdadeiro. A FAB não vai ficar só de Derby e Python IV. Aliás, esses armamentos têm previsão de serem integrados ao Gripen. A FAB comprou e está em processo de aquisição de armamento muito melhor.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Antonio de Sampaio 15 de setembro de 2017 at 15:48

Quando a Friulli foi comprada pelo Grupo Magnaghi (em 2015 salvo engano) este não teve interesse no projeto da FP82 (a “bomba planadora ao qual vc se referiu”) e por isso o projeto permanece com o antigo dono, que pela última notícia que eu tive, ele ainda não havia criado outro negócio relacionado a Defesa ou vendido.
Ou seja, esse projeto está parado. E pior: fora de mãos que poderiam conduzi-lo.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Alex Nogueira 16 de setembro de 2017 at 0:37

Nogueira,

Em abril foi iniciado o processo de certficação do míssil, que é a última fase para ser considerado pronto.
fonte: http://www.fab.mil.br/noticias/mostra/29399/LAAD%202017%20%E2%80%93%20M%C3%ADssil%20A-Darter%20entra%20na%20fase%20de%20ensaios%20de%20certifica%C3%A7%C3%A3o

Vancley
Visitante
Vancley

Aeronave em desenvolvimento, caso um cliente compre 200 peças de mísseis e bombas guiadas, se alguns não se mostrarem eficientes, ELES devolvem a grana e pegam os produtos de volta? Apartir da entrega da primeira aeronave,no período de um ano, quantas unidades serão entregues? Caso a FAB esteja com 8 caças no período de um ano, essa quantidade de armas seria suficiente para um treinamento de 100 a 150 hr de um caçador? Até onde a FAB terá condições de introduzir armas de FAB nacional, já que terá o código fonte?

Bosco
Visitante
Bosco

Manuel Flávio,
Outros mísseis foram considerados prontos e até consta do catálogo do “fabricante” mas simplesmente não existe. Por exemplo, o FOG-MPM. Em Pindorama tudo é possível meu caro, até esse A-Darter não virar nada ou simplesmente ser só dos sul africanos.

Bosco
Visitante
Bosco

Eu pessoalmente duvido da compra dessas armas em estado da arte promovida pela FAB. Seria uma ingenuidade comprar armas para um caça que sequer existe e sequer se sabe se serão integradas a ele. Todo mundo acompanha a via crucis que é homologar armas ao F-35 e não creio que seja mais fácil no Gripen E. Dizer que elas possam ser homologadas no Gripen C que automaticamente estariam aptas a operar no E não creio ser razoável. É preciso primeiro o caça estar voando para que as armas sem integradas a ele e até agora sabemos que não está e… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

E achar que de repente a FAB irá adquirir e operar armas stand-off do nível da Spice 1000 e 250 pra mim é muito otimismo. Já vi esse filme e a gente morre no final. Sem falar que nada justifica essa aquisição do ponto de vista do nosso “teatro de operações”. Nâo é porque teremos no futuro um caça de 4,5ªG que de repente iremos operar armas stand-off de 100 km de alcance. Acho que a arma ar-sup guiada básica do F-39 Gripen será a bomba guiada a laser Lizard. O resto, só acredito vendo! No mais, ainda acho que… Read more »

Michel Lineker
Visitante
Michel Lineker

Eu queria ver a FAB com Meteor e RBS15. Além de mais E-99s.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Manuel Flávio 16 de setembro de 2017 at 5:56
Obrigado pelo link, ontem quando escrevi meu comentário estava me sentindo “deprê” e acabei deixando o pessimismo tomar conta de minhas palavras… do fundo do coração espero que esse projeto se torne operacional o quanto antes e que continue se desenvolvendo, pois assim como todos aqui também quero ver nosso país melhor (em todas as áreas ) do que está agora. Obrigado!

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Pois é Bosco, não faz sentido buscar armamentos que não condizem com nossa realidade. Spices 1000 e 250, Meteor, A-Darter e o 27mm já estariam de bom tamanho pra nós!! Quem sabe uns RBS-15, se a FAB optar por assumir também essa função de ataque a alvos navais…

Sem fantasias meus caros! Nossos adversários estão na América Latina, não na Rússia, EUA, Inglaterra…. Forte abraço a todos

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

O F-39 poderá usar o que a FAB quiser, pois os suecos testam armas de várias origens e todas são passíveis de integração.
.
Os Python-5 são testados e provados, os Derby não. Assim como o Osório, quando quem faz não usa a clientela fica ressabiada.
.
Com tantos países avançando no conceito de aeronaves 5G, fica-se na dúvida se 108 caças 4G serão muitos ou poucos. Na verdade o problema é do orçamento. Em um orçamento decente caberiam 108 Gripens e, oh sonho, 24 F-35C com alcance estendido dedicados para ataque para assombrar os pesadelos de vizinhos lusófobos.