Home Aviação de Caça Mirage 2000 C/B continua o trabalho de conversão para a primeira linha...

Mirage 2000 C/B continua o trabalho de conversão para a primeira linha francesa

346
9

Mirage 2000C esq Ile de France na Corsega - foto Força Aérea Francesa

Aproveitando, mostramos aqui um pouco mais de informações sobre os esquadrões de caça franceses, suas aeronaves e a progressão operacional dos pilotos, enquanto o Rafale vai aos poucos reequipando as unidades de caça

Na terça-feira, 27 de maio, a Força Aérea Francesa noticiou a realização de campanha de tiro na Base Aérea de Solenzara (ilha da Córsega, no Mediterrâneo), por parte do Esquadrão de Caça 2/5 Île-de-France.

O esquadrão tem como missão principal a “transformação”, ou conversão operacional para a primeira linha, de pilotos formados nos treinadores a jato Alphajet para o Mirage 2000. Como missão secundária, ajuda a compor o sistema de defesa aérea da França.

Para a campanha de tiro em Solenzara, o Île-de-France  desdobrou três  Mirage 2000 B  nove Mirage 2000 C, juntamente com 25 pilotos e uma centena de mecânicos. Entre os dias 12 e 23 de maio, os pilotos cumpriram as missões de qualificação para disparo de canhões no modo ar-ar (contra alvos rebocados) e ar-solo, com canhões e bombas (estas últimas de queda livre, pois a aeronave não emprega armamento “inteligente”), no campo de tiro de Diane.

A unidade é a última da Força Aérea Francesa inteiramente equipada com as versões C e B do Mirage 2000, praticamente iguais aos que equiparam o 1º GDA da FAB (Força Aérea Brasileira) entre 2006 e 2013 – vale lembrar que foi dos excedentes dos estoques franceses e da dotação do Île-de-France que vieram os exemplares da FAB. Nos últimos anos, esquadrões operacionais que eram equipados com essas duas versões iniciais do caça foram desativados, como o Cambrésis e o Picardie. O velho Mirage F1 também vem sendo desativado nos últimos tempos, restando hoje apenas o Esquadrão Savoie (de reconhecimento) cuja desativação oficial está prevista para 13 de junho.

Mirage 2000C esq Ile de France na Corsega - foto 2 Força Aérea Francesa

O modelo C é a versão básica de defesa aérea introduzida na década de 1980, equipada com o radar RDI de varredura mecânica (pulso-doppler) e hoje limitada a mísseis ar-ar de curto alcance (infravermelho) Magic II, dada a desativação dos antigos mísseis semi-ativos Super 530. Já o modelo B é o biposto de treinamento do Mirage 2000 C (as maiores diferenças são a eliminação dos canhões e a menor capacidade de combustível, devido ao segundo assento).

Após o curso de conversão para o Mirage 2000, os pilotos podem seguir para outras unidades equipadas com versões mais modernas e especializadas do jato. Um é  o Esquadrão Cigognes, único inteiramente equipado com o Mirage 2000-5 (antigos Mirage 2000C modernizados há cerca de 15 anos com radar RDY, compatível com os mísseis Mica, também com novos computadores de missão e painel com maior número de telas em relação aos instrumentos analógicos).  Outros são os cinco esquadrões equipados com as duas versões especializadas de ataque, dois deles com o Mirage 2000 N (que pode empregar mísseis com ogiva nuclear, além de armamento convencional e equipa os esquadrões La Fayette e Limousin) e três com o Mirage 2000 D (a última produzida para a Força Aérea Francesa, com sistemas mais modernos que a N, e que equipa os esquadrões Navarre, Champagne e Ardennes). Os pilotos também podem seguir para o Esquadrão Corse de ultramar, baseado no Dijibouti, que tem uma força mista de Mirage 2000 C e Mirage 2000 D.

Posteriormente, os caçadores franceses podem realizar o curso de conversão para o Rafale e voar num dos três esquadrões operacionais equipados com o caça até o momento: Provence, Gascogne e Normandie-Nièmen. Há também o Côte d’Argent, de provas e experimentações, equipado com alguns exemplares de cada um dos tipos acima.

Espera-se que, nos próximos anos, continue a desativação do Mirage 2000 na França conforme o Rafale equipa / reequipa esquadrões. As duas unidades de Mirage 2000 N deverão ser as próximas da lista, já que o planejamento francês atual (Lei de Programação Militar e Livro Branco de Defesa) não cogita sua operação para além de 2020, quando ainda deverão estar na ativa os Mirage 2000-5 (provavelmente nos últimos anos de sua vida operacional), além do Mirage 2000D, este último dividindo as missões com o Rafale ao longo da década de 2020, caso seja modernizado.

Mirage 2000B esq Ile de France na Corsega - foto Força Aérea Francesa

Não se sabe ainda como continuará o treinamento de novos pilotos de caça e a conversão para a primeira linha quando chegar a vez de aposentar os últimos Mirage 2000 C e B, sem falar nos também veteranos treinadores Alphajet. Uma possibilidade é realizar uma mudança radical no sistema de treinamento, introduzindo turboélices suíços Pilatus PC-21, o que inclui uma divisão qualitativa nos pilotos de caça: parte capaz de cumprir todas as missões permitidas pelo Rafale e com mais horas de voo disponíveis ao longo do ano, e parte capaz de realizar apenas parte das missões, dividindo suas horas de voo anuais entre o Rafale e o PC-21, para manter a proficiência. Veja nos links abaixo matérias sobre essas mudanças em curso na Força Aérea Francesa.

Com informações e fotos da Força Aérea Francesa

VEJA TAMBÉM:

9
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Rinaldo NeryFernando "Nunão" De MartiniLywPhacsantos Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Phacsantos
Visitante
Phacsantos

Nunão,
Se entendi bem, apenas parte dos caçadores franceses usarão toda a capacidade “omnirole ” do Rafael. Uma parte (metade?) será mais especializado, correto?
Com isso, não seria mais interessante ter parte da frota de Rafales com menores capacidades (por exemplo, sem capacidade de ataque ar-mar) sendo assim mais baratos de manter também?

Paralelamente, como deve ser no Brasil?

Phacsantos
Visitante
Phacsantos

…com o Gripe!

Phacsantos
Visitante
Phacsantos

Gripen!

Lyw
Visitante
Lyw

Phacsantos 29 de maio de 2014 at 21:58

Me metendo um pouquinho nessa história Phacsantos, não vejo nenhuma razão para o fato de Rafales com menores capacidades (no sentido que você falou) serem mais baratos de manter, afinal de contas terão a maior parte dos seus componentes em comum com qualquer outro Rafale, tirando algum sensor ou software, o que não causaria impactos significativos nos custos da manutenção.

Saudações.

Phacsantos
Visitante
Phacsantos

Lyw e Nunão, muito obrigado.

Quanto ao Brasil, minha dúvida não era sobre termos versões diferentes do Gripen.
Mas sobre a qtde de horas dos pilotos.

Todos os pilotos de Gripen voarão (ou devem) 100% de suas horas no Gripen ou haverá essa mesclagem (50% Gripen e 50% ST)?

Abraços

Phacsantos
Visitante
Phacsantos

Obrigado Nunão.

Vi no outro link que serão cerca de 1/6 dos pilotos apenas também.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Esse conceito de ¨pilotos de elite¨ não existe na FAB. O que há é uma rivalidade sadia entre os Esquadrões de Caça, realçada por ocasião dos Torneios da Aviação de Caça (TAC). O caçador do A-29 é tão bom quanto será o do GRIPEN. Elocubrando, provavelmente, alguma Unidade de GRIPEN terá alguma especialização, como a missão de Reconhecimento Tático. Com poucas horas de voo é muito difícil manter boa proficiência nas missões de Defesa Aérea e de ataque ao solo ao mesmo tempo. O COMGAR/III FAe deverá encontrar uma solução para o problema. Por exemplo: embora os F-5EM façam ataque… Read more »