Home Noticiário Internacional Livro Branco de Defesa da França: Força Aérea e Marinha terão só...

Livro Branco de Defesa da França: Força Aérea e Marinha terão só 225 caças

284
16

Rafale e Mirage 2000 D - foto Armee de l'air

Caças Rafale terão que conviver mais tempo com o Mirage 2000D (foto acima) e o total de aviões de combate, somando Força Aérea Francesa e Aviação Naval, deverá ficar limitado a 225 jatos em 2020. O “Armée de l’air” terá que abrir mão de dois esquadrões, mas os principais cortes de Defesa na França afetarão o Exército Francês (Armée de Terre). Clique aqui para ler matéria completa sobre o novo Livro Branco de Defesa da França no site das Forças Terrestres.

NOTA DO EDITOR: com o número divulgado no Livro Branco, confirma-se a notícia dada pelo jornal La Tribune em março (veja matéria no alto da lista a seguir), sobre o total de encomendas do Rafale na França ficar limitado a 225 unidades (somando Força Aérea e Marinha), ao invés das 286 pretendidas inicialmente, já que o objetivo de longo prazo é padronizar todos os esquadrões de caça franceses com o Rafale.

Como a produção do Rafale para as Forças Armadas Francesas provavelmente vai se manter em 11 unidades anuais (a cadência mínima contratual) e, hoje, perto de 120 caças já foram entregues à Marinha e à Força Aérea, pode-se projetar que, mantida a taxa de entregas, por volta de 2020 o número de caças Rafale em serviço nas duas forças estará próximo a 200 unidades.

Levando em conta a baixa de aeronaves como Super Étendard (naval), Mirage 2000C, N e -5, sem falar em eventualmente alguns dos  Mirage 2000D (modelo mais novo da família Mirage 2000 em serviço na França), ainda restariam aproximadamente 25 caças deste último tipo para substituir após 2020. Isso representaria pouco menos de três anos de produção adicional, na cadência mínima de 11 Rafales por ano.

Eventualmente, a fabricação de 18 caças Rafale para a Índia, na linha de montagem francesa, poderá reduzir as entregas para a França por alguns anos, de forma a aliviar o orçamento. Com isso, levaria um pouco mais de tempo para se chegar às 225 unidades francesas.

Caças Rafale e Mirage 2000D participando de operações na Líbia - foto OTAN

VEJA TAMBÉM:

16
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
AlmeidaBascheraGaleão CumbicaHamadjrNick Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
HMS TIRELESS
Visitante
Member
HMS TIRELESS

E ainda afirmaram que se tratava de mais uma intriga do “Le Piguê” francês…..de fato, as coisas andam muito feias para a Dassault e o Rafale….

Ivan
Visitante
Member
Ivan

Como se escreve How and Low Mix em francês?

Poderia ser:
…Mélange de haute et basse…

🙂

Vader
Visitante
Member

A verdade é a seguinte: o contrato da Índia salvará a França de ter que encerrar a linha do Rafale, e a Dassault da possível bancarrota.

Os franceses deveriam acender uma vela para cada indiano que vai pagar esse mico.

Quanto à notícia já ter saído antes, nada mais do que o comum. A primeira fase é a da negação, e sempre que um esquerduxo não sabe a quem mais culpar pelo seu infortúnio, culpa a imprensa.

Quanto ao futuro, vejo a França de F-35 ou, com muita sorte, seu sucessor. Simples assim.

HMS TIRELESS
Visitante
Member
HMS TIRELESS

Não creio nisso não Vader. Apenas 18 exemplares serão construídos na França. Os demais 108 serão feitos na Índia ou os hindus mandam a Dassault passear.

joao.filho
Visitante
joao.filho

“Total de aviões de combate, somando Força Aérea Francesa e Aviação Naval, deverá ficar limitado a 225 jatos em 2020.” Só 225? Poxa, “problema” de gente grande é diferente, né? Seria maravilhoso ver o Brasil, um pais aonde cabem diversas Franças e um dos litorais mais largos do mundo com um “problema” destes. Por acaso, quantos caças de primeira linha de verdade a FAB possui?

Nick
Visitante
Member
Nick

Caro Tireless,

Apesar de serem apenas 18 a virem montados da França, nada impede o processo de “indianização” dos Rafales seja extremamente lento, ou seja componentes críticos que não serão transferidos para a Índia continuarão vindo da França e mesmo, partes estruturais.

O contrato Indiano é a salvação da lavoura, literalmente. E a Dassault ainda quer enrolar os Indianos nas ToTs… Deveriam é “doar” o projeto, ferramental e técnicos para a Índia. 🙂

[]’s

Hamadjr
Visitante
Member
Hamadjr

Se a França esta se desfazendo destas aeronaves então não seria algo incomum caso o governo brasileiro decida pelo Rafale então podemos ter parte das peças montada na Índia? ai ai ai, a coisa vai ficando cada vez mas estranha.

Vader
Visitante
Member

A França não está se desfazendo de nada, porque essas aeronaves não existem. Só foram construídos perto de 120 Rafales até hoje.

Isso aí acima são previsões…

Galeão Cumbica
Visitante
Galeão Cumbica

Ja pensou se a India no futuro ser uma operadora maior que a Franca destes vetores?

GC

Baschera
Visitante
Member
Baschera

Se havia uma previsão… então o fabricante contava com estes números e havia se planejado ante eles.

Não importa o que se diga…. como o contrato com a Índia ainda não foi assinado…. o vetor francês “desvendeu”…..

“Desvendeu” no Marrocos, nos EAU e na própria França !

Sds.

Vader
Visitante
Member

Aliás, o Rafale é o caça mais “desvendido” do mundo.

“Desvendeu”, como apontado, na França, no Marrocos, nos EAU, na Romênia, na Suíça, na Coréia do Sul, na Arábia Saudita, no Brasil, na GB, no Canadá, na Austrália, na… na… na… 🙂

Isso é o que dá contar com o ovo antes da galinha botar. Aliás a Dassault se tornou “pró” nisso. Devia virar logo de campanha publicitária:

“Dassault: contando com o ovo no fiofó do galináceo desde 1985!”

Almeida
Visitante
Almeida

A França pode ter PIB semelhante ao do Brasil e ser várias vezes menor em território, mas não se esqueçam de que ela foi uma potência colonial e imperial e por isso tem uma necessidade militar estratégica MUITO superior à nossa.

Se contar todos os países que dependem da França de alguma maneira, verão que é muito maior do que o Brasil.