segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

Fusão EADS-BAE é um teste de lealdade para a Europa

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

O audacioso projeto de fundir a controladora da Airbus, European Aeronautic Defence & Space Co. e a gigante britânica dos equipamentos de defesa BAE Systems PLC está se configurando como muitos outros projetos pan-euro-peus arrojados: um teste da disposição de cada país de subordinar seus próprios interesses em prol do continente como um todo.

Desta vez, a disputa é entre criar uma grande potência industrial mundial ou preservar os empregos de cada país, em meio à pior crise econômica da Europa em décadas.

Os defensores da proposta dizem que a fusão das duas empresas, formando o maior grupo aeroespacial e de defesa do mundo, em receita, criaria um campeão na Europa, mais reforçado para competir contra as americanas Boeing e Lockheed Martin Corp. Eles também argumentam que integrar as divisões de defesa e de aviação civil das duas empresas ajudaria a compensar as oscilações do mercado, elevar a qualidade tecnológica do grupo e preservar postos de trabalho em toda a Europa.

Uma gigante europeia da defesa também poderia incentivar as forças armadas da região a cooperar mais e aumentar a eficiência em seus contratos militares. A Agência Europeia de Defesa, responsável pela política militar da UE, tem tido sucesso apenas limitado nas tentativas de unificar aquisições dentro do bloco.

“O benefício de um mercado menos fragmentado é óbvio”, disse recentemente o diretor-presidente da AED, Claude-France Arnould, sem comentar sobre os méritos da proposta Eads-BAE.

Mas para alcançar esses objetivos é preciso, em primeiro lugar, que os políticos da Grã-Bretanha, França e Alemanha deem uma demonstração de confiança. Eles precisam ceder sua autoridade atual a uma entidade pan-europeia que pode não compartilhar suas prioridades nacionais.

O diretor-presidente da BAE, Ian King, e seu colega na Eads, Tom Enders, argumentaram que o acordo proposto é benéfico para a Europa. “Ambas as empresas estão convictas de que é a coisa certa a fazer para […] os países envolvidos”, disse Enders na segunda-feira.

Mas os políticos ainda não estão convencidos, em especial em Berlim. Autoridades alemãs dizem que os benefícios da fusão para a base industrial alemã não são atraentes o suficiente para que o país ceda sua atual posição de predomínio.

A principal preocupação dos políticos não é a lógica financeira do negócio, embora alguns também questionem esse aspecto. O grande problema é a necessidade de haver paridade com a França no grupo combinado.

Hoje, a França detém 15% da Eads, através de um consórcio que controla a empresa e inclui o grupo francês de mídia Lagardère SCA e a montadora alemã Daimler AG. Autoridades francesas já disseram que não vão vender suas ações da Eads, que seriam equivalentes a 9% da nova empresa. A Alemanha não tem ações da Eads, mas exerce uma influência significativa sobre as decisões da Daimler quanto à sua participação.

Autoridades alemãs dizem que estão preocupadas porque os políticos franceses costumam envolver-se em questões administrativas internas de empresas francesas a fim de promover seus interesses nacionais. Já em Berlim o medo é que, se a Alemanha não conseguir contrabalançar a influência francesa, o trabalho da Airbus que agora se realiza na Alemanha pode acabar se transferindo para outros lugares.

A Eads agora emprega cerca de 48.000 pessoas em cada país, dos quais mais da metade trabalha na Airbus. Fornecedores locais em ambos os países empregam outras dezenas de milhares de trabalhadores.

Uma autoridade alemã familiarizada com as negociações disse que a questão principal para a chanceler Angela Merkel e seu círculo interno é “de que modo essa fusão afetaria a indústria alemã e, em particular, como afetaria as empresas alemãs de médio porte”, que fornecem muitas peças importantes para o setor aeroespacial.

A Eads e a BAE tentaram aplacar as preocupações nacionais propondo dar aos governos britânico, francês e alemão ações especiais da nova empresa, com direito de veto sobre eventuais ofertas de aquisição e atividades polêmicas, tais como programas de armas nucleares. Mas os políticos alemães acham que a proposta não tem garantias suficientes.

O presidente francês François Hollande e o primeiro-ministro britânico David Cameron não comentaram sobre a proposta, mas pessoas familiarizadas com as negociações disseram que seus respectivos governos são mais favoráveis do que o círculo de assessores de Merkel.

Enders disse que ele e King precisam que os governos indiquem se o negócio parece possível até quarta-feira, prazo fixado pelos reguladores britânicos do mercado de valores mobiliários para apresentação de uma proposta formal.

FONTE: Valor Econômico, via Notimp (reportagem de Daniel Michaels  –  The Wall Street Journal)

FOTOS: BAE Systems e EADS (exemplos de programas com parceiros internacionais das empresas)

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Tá faltando o pitaco dos americanos, afinal quase metade dos negócios da BAe, são provenientes dos EUA. E algumas aquisições da empresa britânica na América, em especial a do Sanders Lab especializado em guerra eletrônica, somente foram possíveis devido ao particularíssimo relacionamento anglo-americano. Que inexiste em relação a Europa continental, em especial qndo a França está envolvida. Então mto burros os britânicos, se toparem essa arapuca. Além de não ganharem nada de substancial em troca, ainda possibilatarão a EADS seu maior desejo: Acesso pleno ao mercado de defesa americano Algo que a empresa européia persegue insistentemente, mas que por meios… Read more »

Mauricio R.

Oooobbbaaaa!!!

(http://www.defensenews.com/article/20121010/DEFREG01/310100001/EADS-BAE-merger-talks-break-down?odyssey=mod|breaking|text|FRONTPAGE)

A arapuca foi pro brejo e os anglo-americanos estão livres das politicagens rasteiras francesas e da excessiva ou até mesmo calculada, “indecisão” alemã.

Reportagens especiais

Visita ao National Naval Aviation Museum – última parte

Na última parte da reportagem da nossa visita ao National Naval Aviation Museum, publicamos as fotos do pavilhão que abriga...
- Advertisement -
- Advertisement -