Home Operações Aéreas Gripen utiliza parte de sua capacidade ‘swing-role’ na Líbia

Gripen utiliza parte de sua capacidade ‘swing-role’ na Líbia

445
5

Caças estão usando cada vez mais a capacidade de mudar de missão de reconhecimento para caça numa mesma surtida

Nas últimas semanas, segundo informe das Forças Armadas da Suédia divulgado no último dia 5 de junho, a capacidade ‘swing-role’ do Gripen tem sido utilizada com mais frequência sobre a Líbia, alternando-se em voo as missões de reconhecimento e de caça.

Vale a pena, primeiramente, explicar o sentido do termo. O JAS39 Gripen foi projetado para ser um caça ‘multi-role’ e ‘swing-role’. O primeiro termo significa que um avião pode ser usado em diversos tipos de missões, como caça, ataque e reconhecimento, enquanto o sentido do segundo é que a aeronave pode mudar de tipo de missão no ar (sem estar limitado a uma única programação feita no solo)  desde que já tenha decolado com as cargas (armas e equipamentos) necessários aos tipos de missão. A mudança é realizada em voo bastando um ou mais “cliques” na interface piloto-máquina.

Após completar uma missão de reconhecimento e realizar o reabastecimento em voo, os pilotos têm sido liberados para a função de caça, ao invés de simplesmente voltar para a base na Sicília. Todos os dias, tem havido violações à zona de exclusão aérea, com helicópteros e pequenas aeronaves a hélice empregadas em missões de transporte, minagem e controle de fogo para artilharia.

Com os pods de aquisição de alvos e o radar, os Gripens suecos podem acompanhar e identificar alvos aéreos voando a velocidades e altitudes baixas. Com a combinação dos radares dos caças e das câmeras de vídeo dos pods, a identificação desses alvos é feita a longa distância, cobrindo lacunas na vigilância da coalizão.

O comandante do destacamento sueco, Stephen Wilson, afirmou: “com nossos sensores e devido ao fato que estamos sempre voando com armamento ar-ar, durante uma missão nós podemos ajudar de várias formas a manter a zona de exclusão aérea”.

Um exemplo de configuração dos caças pode ser visto na foto do alto da matéria, adequada às missões de caça e de reconhecimento (sendo que os pods de reconhecimento também auxiliam na tarefa de identificar os alvos aéreos). Nas asas, o caça está transportando dois tanques externos e dois mísseis ar-ar de médio alcance (BVR – beyond visual range – além do alcance visual) Rb 99 AMRAAM em pilones, além de dois mísseis ar-ar de curto alcance e guiagem infravermelho Rb 98 IRIS-T nos trilhos das pontas das asas.

No pilone central sob a fuselagem, vê-se um pod de reconhecimento SPK 39 V da Saab, que tem 4,6 m de comprimento, peso de 730 kg e é equipado com uma câmera Goodrich CA-270 e uma memória de 80 GB. A câmera pode se mover, de modo que o piloto fotografe um alvo lateral sem ter que voar sobre o mesmo. No pilone da fuselagem anterior, sob a cabine, é instalado um pod Litening III, fabricado pela Rafale / Zeiss, com sensores ópticos, infravermelho e iluminador laser. Na foto logo abaixo, um engenheiro de voo trabalha na unidade de memória de um pod SPK 39 V.

A importância do reconhecimento realizado por jatos, segundo o destacamento na Líbia

A principal tarefa dos caças Gripen na Líbia tem sido as operações de reconhecimento, que já somaram mais de 82.500 fotos e 300 relatórios de inteligência, o que corresponde a uma grande parte da capacidade de reconhecimento tático da coalizão.  

Segundo Wilson, “apesar de podermos saber, num determinado dia, que as defesas aéreas mais avançadas da Líbia não estejam funcionando por seus radares estarem fora de ação, isso não significa que essa será a realidade do dia seguinte. A Líbia é um país altamente militarizado, com inacreditáveis quantidades de equipamento militar estocado. Em alguns dias, pode-se ver novas unidades sendo retiradas de estoques para a reconstrução da capacidade, por isso é tão importante monitorar continuamente a situação lá embaixo.”

Segundo um dos responsáveis pela interpretação das fotos, há também um entendimento errado, do público em geral, de que as missões de reconhecimento aéreo tático, realizados na operação pelo Gripen e outras aeronaves, poderiam ser feitas por satélites.

Na verdade, satélites, UAVs (Veículos Aéreos Não Tripulados – VANTs) e aviões de reconhecimento se completam, e não se deve empregar apenas um desses sistemas. Satélites têm a vantagem de orbitar o globo, mas frequentemente passam por uma área específica apenas uma vez por dia. Se há muitos alvos na área, um deve ser priorizado. Os UAVs são ideais para cobrir uma área menor e específica por mais tempo, mas sua baixa velocidade requer muito tempo para cobrir outras áreas. Já o reconhecimento tático feito por jatos é a maneira mais rápida de cobrir alvos múltiplos em uma área maior. 

Ainda segundo um dos responsáveis pela interpretação, “com o pod de reconhecimento, nós podemos captar imagens de alta resolução sobre grandes áreas e, por meio de imagens tiradas com intervalos, podemos também utilizá-las em 3D em nossos computadores”, o que é facilitado pela tecnologia digital dos pods de reconhecimento, permitindo também uma alta qualidade de imagens e rapidez na entrega aos centros de comando.

Nas imagens abaixo, da região de Trípoli, vê-se uma grande quantidade de materiais para os sistemas de defesa aérea SA-2, SA-3, SA-6, SA-8 SA-9 e ZSU-23 / 4.

FONTE / IMAGENS: Forças Armadas da Suécia

VEJA TAMBÉM:

5
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
edcreekSoyuzRenato OliveiraAntonio M Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

Pois é…

E há quem diga que missões de reconhecimento denigrem o caça.

Mas, basta apertar um botão e pronto! Volta ser caça e não denigre mais ! rsrsrsrsrs!!!

Renato Oliveira
Visitante
Member
Renato Oliveira

Isso aí, rafaletes, o Gripen tb é multifunção. Daqui a pouco ataca alvos no solo.

Soyuz
Visitante
Member
Soyuz

Qualquer conhecedor da guerra aérea jamais desprezaria missões de reconhecimento elas são fundamentais. A primeira missão de uma força aérea é produzir alvos para sua aviação de ataque e isto quem faz são os meios de reconhecimento. Esta preocupação é tão levada a sério em forças aéreas de primeira grandeza como a USAF e a IAF, provavelmente as duas forças aéreas mais eficientes do planeta, que seus meios de reconhecimento impressionam, de UAV´s em varias categorias, passando por vetores tripulados e satélites. Reconhecimento é a base destas duas forças. No recente conflito com a Geórgia as forças armadas russas aprenderam… Read more »

edcreek
Visitante
Member
edcreek

Olá,

Soyuz é isso mesmo, não é nada demais em tirar “fotos” para marcar alvos para outras aeronaves.

Não é vergonha fazer isso, mas é claramente um serviço menor o que no fim acaba não tornando real a palavra multifuncional já que é necessario outro caça para fazer o serviço.

Multi-função só no mome, na pratica, fotografo…

Abraços,

Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

Estranho distorcer a importância das missões de reconhecimento, para denegrir o Gripen chamando-o de fotógrafo.

Se o Gripen fosse tão ruim, tão fraco assim não incomodaria tanto assim os francófilos……