Home Noticiário Internacional Rafales indianos deverão empregar armas russas, além das francesas

Rafales indianos deverão empregar armas russas, além das francesas

227
32

Rafale - foto Dassault

Assunto pode ser uma das complicações que estão impedindo a conclusão do contrato do Rafale na Índia, segundo reportagem da AIN Online

A empresa russa Tactical Missile Corporation está negociando com a Dassault Aviation o possível uso de seus mísseis nos jatos de combate Rafale, que foram selecionados pela Força Aérea Indiana (IAF). A empresa, cuja sigla russa é TRV, disse a jornalistas presentes na semana passada no Maks Airshow em Moscou que a IAF tem grandes estoques de armas russas, o que leva o seu interesse em adaptá-las no avião de guerra francês. Embora o Rafale tenha sido declarado o vencedor da competição MMRCA da Índia em janeiro de 2012, um contrato de empresa francesa ainda não foi assinado.

A Dassault não respondeu ao pedido de AIN para comentar o assunto.

No RFP para o MMRCA, a Índia estipulou que os 18 primeiros aviões sejam entregues com um conjunto completo de armas integradas. Acredita-se que eles serão entregues com mísseis MBDA, como a AAM Mica, o Scalp ASM e o Exocet. Mas o RFP também fala em integrar “armas adicionais de escolha do IAF, conforme necessário.”

Rafale com 3 tanques de 2000 litros 2 SCALP e 4 Mica - foto Dassault - Fox Three-14

Parece provável que a IAF e a TRV estejam mirando futuros upgrades para o Rafale. Mas o assunto poderia ser mais uma complicação que está impedindo a conclusão do negócio. As outras complicações incluem a alocação de responsabilidade entre parceiros da equipe como MBDA, Thales e Sagem, e parceiros industriais na Índia, incluindo o papel a ser desempenhado pela estatal Hindustan Aeronautics Ltd (HAL), e os termos precisos das licenças de produção a ser concedido para a Índia. O CEO da Dassault, Eric Trappier, descreveu as negociações como “uma tarefa difícil” em junho passado, mas, no entanto, ele prevê uma conclusão bem-sucedida até o final deste ano.

Há vários casos anteriores de armas russas sendo adaptadas em aviões de guerra franceses. Por exemplo, os Mirage F1EQ da Força Aérea Iraquiana realizaram missões com munições inteligentes Kh-29L e os Mirage F1 da Força Aérea da África do Sul empregaram mísseis ar-ar R-73E de curto alcance.

FONTE: AIN Online (tradução e edição do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

FOTOS: Dassault

VEJA TAMBÉM:

32 COMMENTS

  1. Bom…. se a integração de armas russas constava do RFP…. deveria ser contemplada da proposta do fabricante francês…. e ai nada a reclamar.

    Se não…. ai realmente os indus terão que pagar…. e pagarão caro…. inclusive aos russos, pelas informações necessárias a tal integração.

    Sds.

  2. Baschera

    De fato!
    Qualquer integração de armas tem um custo altíssimo e é essa uma das vantagens dos F-18 em relação aos seus concorrentes no FX-2.

  3. Marcos,

    Acho que você quis dizer uma das maiores vantagens do Gripen não?

    O Gripen além das armas americanas e suecas, podem ser integrados com armas israelenses, francesas e sul africanas.

  4. Sim, é verdade. O A-Darter, que será o míssil ar-ar de combate aproximado padrão da FAB, foi desenvolvido justamente no Gripen.
    Qualquer integração de arma não-americana (inclusive os A-Darter) nos Super Hornet poderia se tornar problemática, inclusive pela recusa dos americanos de fornecer os códigos-fonte, mesmo para os aliados mais próximos.
    Os únicos que tem conseguido integrar armamentos próprios em aviões americanos com sucesso são os israelenses, que tem uma colaboração muito próxima com o Pentágono, que até adquire alguns armamentos israelenses, como o míssil Popeye. Os australianos integraram o míssil inglês ASRAAM nos F-18, mas esse míssil foi desenvolvido em parceria com os EUA.

  5. Weber, boa tarde.

    Você deve estar se referindo ao Gripen C/D, não é?
    Se o Gripen NG vai ter nova configuração de asa, de painéis, de radar, de aviônica, vai ter que fazer tudo de novo.
    Provavelmente, a única vantagem vai ser que já terá conhecimento das características das armas.
    Abraço,

    Justin

  6. Esta nós vamos ter que assistir de cadeira, sentados e confortáveis, o mundo plug and play dando as mãos e tentando integrar um software Francês a um Hardware Russo, e para fechar com chave de ouro em uma empresa Indiana. La garantia de los trabahos no soy jo…..

    Grande abraço

  7. SE o seu objetivo e comprar um caça só para operá-lo, pague o preço de prateleira, desconsidere TODO o seu arsenal de armamentos anterior e os seus projetos de bombas e mísseis nacionais e RECOMPRE tudo de novo igual ao que a força aérea do país produtor do seu caça utiliza, É BEM FACIL e o vendedor vai te achar o cliente mais legal da praça. Não incomoda em nada…

    Deves ser um sheik árabe ou um aliado carnal bem devassado…

    SE queres comprar uma aeronave e um pacote de transferência de tecnologia uma boa forma de você REALMENTE absorver algo é utilizar seus armamento e armamentos de outros fornecedores. Vai demorar, vais gastar mais dinheiro, MAS vais aprender algumas coisas no processo.

    Tô realmente cansado destes fan boys que SÓ querem aviãozinho e todo armamento by Tio Sam….

    AINDA não entenderam NADA da vida real…

  8. Oh Gilberto, antes de tudo fan boy é a __________. E como tu não conhece, não sabe e a única coisa que sai desta _____________ideológica que é a tua mente, são __________________, penso que tu deverias parar para pensar um pouco mais antes de escrever.
    Na hora que um dos “parceiros estratégicos” Indianos for contrariado acabou a festa sai avião, sem armamento e ou vai ter armas e não vai ter avião.
    A última suruba que os Indianos resolveram fazer com Franceses e Russos quem foi resolver o imbrólio foram os Israelenses porque nem o bispo da igreja católica junto com Bill Gates incorporado conseguiu fazer aquele Frankentein funcionar, e os parceiros mandaram os Indianos se virarem, não fosse os “alcaguetas yankees”, o Su 30 Mark foderation tinha virado enfeite de base aérea.

    COMENTÁRIO EDITADO. MODERE O LINGUAJAR

    Grande abraço

  9. Nunca esqueçam a Guerra Irã x Iraque, na qual os iranianos, com os F-14, mas sem apoio, com bloqueio comercial e tudo o mais, derrubaram perto de 300 caças iraquianos, com apoio total dos russos e só foram conseguir fazer algum estrago com os F-1 franceses.

  10. O problema do teu raciocínio Gilberto é que ao que tudo indica as negociações com os indianos estão simplesmente travadas pela conhecida dificuldade de se integrar armas não francesas a um vetor gaulês, dificuldade esta que já vem de muito tempo. Basta lembrar que a integração do AIM-9D ao Mirage IIIC em Israel se deu apenas pela persistência de Iftach Spector quando era comandante do esquadrão 101.

    Por outro lado, é sabido que é muito mais fácil integrar armas de outras origens em vetores de origem norteamericana.

  11. O Rafale já tem a bomba Paveway integrada e se beneficiará se realmente se concretizar a integração do Brimstone 2.
    O que fica faltando é um bom míssil antinavio e um míssil antiradar.
    Moral da estória, o Krypton russo viria a calhar e serviria igual a uma luva ao Rafale.

    Já imaginaram?

    Mica-IR
    Mica-RF
    Meteor
    Paveway
    AASM
    Scalp
    Apache
    AS30L
    Exocet AM-39
    ASMP-A
    Krypton ARM
    Krypton ASM
    Brimstone 2

  12. Se se falarem né Bosco, se falarem, o que no Su 30 Mki foi parto de trigemeos sem anestesia, tá doendo até hoje no traseiro dos Indianos….

    Grande abraço

  13. Bosco,

    É por aí!

    Além de um antinavio e antiradar russo, seria conveniene integrar um AAV WVR como o Vympel R-73 (AA-11 Archer para a OTAN), ou algum projeto indiano semelhante.

    Nova Delhi escolheu o Rafale porque seus generais acreditam ser necessário um vetor não russo para ter uma alternativa de segurança, como aconteceu no passado, quando o Paquistão adotou seus primeiros F-16 e Moscow não tinha nada além do MiG-23 para oferecer.

    No mais, os Rafales hindus devem voar com armas francesas e, possivelmente, bombas Paveway americanas e/ou versões de produção local.

    Avião russo com mísseis russos.
    Avião francês com mísseis franceses.
    Alguma mistura onde for vantajoso, mas sem excesso.

    O que realmente importa e ninguém está falando são as armas para o LCA, o novo caça leve HAL Tejas que já está caminhando para a versão Mk2. Os turbofans são americanos da GE. Falta o resto, inclusive as armas que, por enquanto, são russas, como o canhão de 23 mm com cano duplo GSh-23.

    http://www.tejas.gov.in/specifications/weapons.html

    Em tempo:
    O Brimstone 2 é uma arma importante para um país que pode enfrentar colunas blindadas e mecanizadas na sua fronteira.

    Sds.,
    Ivan.

  14. F-18

    (ar-ar)
    Sidewinder
    Sparrow

    (superficie)
    Maverick
    Slam
    Harm
    Jsow
    Jassm

    (anti-navio)
    Harpoon
    Lrasm

    (bombas)
    Jdam
    Paveway
    MK 20/80
    CBU 78/80/87

  15. Juarez,
    Eu entendo pouco de eletrônica mas na minha ignorância eu acho que o mais difícil é a parte de integração física do armamento.
    Havendo a abertura dos códigos fontes aí que vem o trabalho braçal.
    Um abraço.

  16. Marcos,
    Você não colocou o Amraam na sua lista.
    A lista do F-18 fica melhor assim:
    ar-ar:
    Sidewinder
    Sparrow
    Amraam
    AIM-9X
    ASRAAM

    anti-navio:
    Maverick F
    Harpoon
    Slam-Er
    JSOW-C1

    Anti-radar:
    HARM

    Mísseis cruise:
    SLAM-ER
    JASSM

    Míssil ar-sup tático:
    Maverick E, G, K
    AARGM

    Bombas guiadas:
    JDAM
    LJDAM
    JDAM-ER
    Paveway II, III
    E-Paveway
    JSOW A
    JSOW C

    Foguete guiado:
    APKWS

    Míssil Despistador:
    TALD
    ITALD
    MALD

    Futuro:
    LRASM
    JAGM
    SDB II

  17. Juarezmartinez disse:
    15 de setembro de 2013 às 21:40

    Leio muitas publicações e sites sobre defesa e nunca ouvi falar que os Su-30 MKI indianos tiveram problemas de integração entre franceses e russos. Aliás, li recentemente na Air Forces Monthly que os Mig-29K russos encomendados para o Kuznetsov irão manter a mira de capacete francesa da Thales Top-Sight, ou seja o relacionamento França-Rússia não me parece ruim não. Temos também o contrato dos porta-helicópteros e os tanques russos T-90 usam miras infravermelhas francesas…se o que você escreveu é verdade, você poderia citar a fonte?
    Abraços.

  18. Alternativa para os indianos:

    Aguardar a compra pelo Brasil dos Rafale, pois a nossa aquisição é com ToT irrestrita, e fazer um acordo Brasil e Índia, aquele famoso acordo Leste Oeste (embora a Índia esteja no Norte). Dai integra-se tudo.

  19. Os Indianos precisaram mostrar os disparos, por que se mostrarem apenas as armas nos pilones, não vale.
    Não basta os franceses passarem os codigos, os russos também precisam fazer isso, agora se vão, não acredito!!!
    Cartuchos russos no canhão, é o máximo que vão conseguir!!! kkk

  20. arcelo disse:
    16 de setembro de 2013 às 9:04

    Juarezmartinez disse:
    15 de setembro de 2013 às 21:40

    Leio muitas publicações e sites sobre defesa e nunca ouvi falar que os Su-30 MKI indianos tiveram problemas de integração entre franceses e russos.

    Meu amigo, o próprio oficial indiano que esteve por aqui a uns 5 anos comentou de boca cheia, só conseguiram rodar porque os israelenses fizeram a integração.

    Aliás, li recentemente na Air Forces Monthly que os Mig-29K russos encomendados para o Kuznetsov irão manter a mira de capacete francesa da Thales Top-Sight, ou seja o relacionamento França-Rússia não me parece ruim não.

    Desculpe vão manter, como vão manter se não construiram os aviões ainda, ou te referes as células Indianas?

    Temos também o contrato dos porta-helicópteros

    Mas Marcelo, o Mistral russo virão com sistemas de controle Franceses, me parece que os russos vão instalar tão somenbte um sistema de defesa de ponto, não perece uma comparação adequada.

    e os tanques russos T-90 usam miras infravermelhas francesas…

    tu te referes aos T 90 operados pelos Indianos??? Uma mira infravermelha, um sistema autônomo,bom isto não tem problema realmente.

    se o que você escreveu é verdade, você poderia citar a fonte?

    Sim, um oficial da IAF que ficou 15 dias por aqui, a propósito, segundo o dito cujo a disponibilidade de aeronaves de procedência Russa tem caído muit nos últimos anos e não foi a toa que Tio Sam foi privilegiado com contratos de C 130 J(mais seis agora), C 17, CH47, AH 64, e os europeus com Rafale, KC 330 e etc…..
    Abraços.

    Grande abraço

    Leia mais (Read More): Rafales indianos deverão empregar armas russas, além das francesas | Poder Aéreo – Informação e Discussão sobre Aviação Militar e Civil

  21. Juarezmartinez disse:
    16 de setembro de 2013 às 19:06

    “Desculpe vão manter, como vão manter se não construiram os aviões ainda, ou te referes as células Indianas?”

    Sim, vão manter. Algumas células russas de Mig-29K já estão construídas sim; e treinando no Vikramadatya inclusive.

    “tu te referes aos T 90 operados pelos Indianos??? Uma mira infravermelha, um sistema autônomo,bom isto não tem problema realmente.”

    aos operados pelos indianos e algumas unidades operadas pelos russos também!

    Abraços.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here