Home Noticiário Internacional Ministro da Defesa da França visita a Índia com Rafale na agenda

Ministro da Defesa da França visita a Índia com Rafale na agenda

185
15

Rafale - foto F Robineau - Dassault

Fontes especulam que contrato de aquisição de 126 caças Rafale pela Índia ganhará um impulso com a visita, mas não há confirmação sobre qualquer anúncio oficial nos próximos dias

Segundo reportagem do jornal indiano Deccan Herald publicada na terça-feira, 23 de julho, o ministro da Defesa da França deverá visitar a Índia nos próximos dias, o que traz especulações de que haverá um impulso na negociação para a aquisição de 126 caças Rafale para a Força Aérea Indiana. Fontes dizem que o tão esperado acordo do Rafale está na agenda das conversas bilaterais a serem realizadas de 25 a 27 de julho  entre o ministro francês Jean Yves Le Drian e sua contraparte indiana, A K Antony.

Porém, segundo o jornal, não há confirmação sobre um anúncio ou finalização do acordo poder ocorrer por volta do final da semana.

O ministro da Defesa da França se encontrará também com o primeiro ministro da Índia, Manmohan Singh, além de membros do Comitê Parlamentar de Defesa. As informações são de que foram superadas as questões levantadas pelo fabricante do Rafale, a empresa francesa Dassault, a respeito do papel da estatal indiana de aviação HAL no contrato. Segundo as fontes do jornal, o Ministério da Defesa convenceu a Dassault de que a HAL seria o principal integrador e que não haveria mudanças nas condições originais da concorrência que levou à escolha do Rafale para negociações exclusivas.

Rafale - painel - foto A Paringaux - Dassault

Assim, deverá prosseguir o plano de que a Dassault forneça 18 aeronaves fabricadas na França na condição “fly away” (de fábrica), com a HAL fabricando os caças restantes sob licença. No mês passado, altos executivos da HAL e da Dassault se encontraram nos bastidores do Paris Air Show para discutir o projeto e resolver as diferenças.

Apesar da concorrência ter um valor estimado de 10,4 bilhões de dólares (Rs 42,000 crore), segundo a reportagem o preço deverá ser bem maior no contrato final, tornando-se o maior acordo de defesa da Índia. Estima-se que o novo valor fique entre 17 e 20 bilhões de dólares, embora não haja confirmação oficial.

O ministro da Defesa da França deverá também se dirigir à Base Aérea de Gwalior, que abriga a frota indiana de caças Mirage 2000 (também fabricados pela Dassault). Em 2011, a Índia assinou um acordo de aproximadamente 2,4 bilhões de dólares (Rs 10,900 crore) com as empresas francesas Thales e Dassault, visando a modernização dos 51 caças Mirage 2000 indianos.

Mirage 2000 Força Aérea Indiana - foto via Dassault

FONTE: Deccan Herald (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

FOTOS: Dassault

VEJA TAMBÉM:

15
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
HMS TIRELESSeduardo pereiraJonerFernando "Nunão" De MartiniGuizmo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Será que agora vai?

Vader
Visitante
Active Member

Esse cockpit do Rafale é muito bonito. Pra mim o mais bonito de todos os caças atuais, tirando o do F-35:

comment image

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Caramba Vader, quando eu clico nos comentários pra falar exatamente isto, vejo que tomastes a frente!!!

Concordamos muito nisto, mas bonito que o cockpit do Rafale só o do F-35.

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Correção: onde está escrito “mas” leia-se “mais”.

GBento
Visitante
GBento

Eu ainda acho o cockpit do Rafale mais bonito.

Ainda não me acostumei com a idéia de um caça sem HUD, apesar de saber que no F-35 ele não é necessário.

ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Lindão também o Mirage 2000 da foto.

Eu não entendi a tradução “de fábrica” para a expressão “fly away”, no texto. Ou a tradução não é para a expressão “fly away”?

Abraços,
GUPPY

Guizmo
Visitante
Member
Guizmo

Senhores, sou mais old scholl, rsrsrs
http://www.google.com.br/search?um=1&client=safari&hl=pt-BR&biw=1024&bih=672&tbm=isch&sa=1&ei=AxbwUd3LHsewyQGlv4DwDA&q=mig+21+cockpit&oq=mig+21+cockpit&gs_l=img.12..0.100376.109701.0.111006.32.26.0.2.2.6.599.2972.1j7j2j0j1j2.13.0….0…1c.1.22.img..26.6.1866.jACwnIS_Xp4#biv=i%7C6%3Bd%7CXNMTmKLq_-YTRM%3A

ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Prezado Nunão, muito obrigado. Explicação super completa.

Eu estava desejando entender melhor o termo “fly away” no contexto aqui desde o seu último parágrafo do seu também último comentário na matéria do Necas de pitibiriba (Gripen na República Tcheca: com saída do primeiro ministro Necas, contrato de ‘leasing’ deverá ser renovado, de 20/07/13):

“Lembrando também que o contrato, mesmo sendo de leasing, também incluiu compensações industriais. Cada caso é um caso, e preço do tipo “fly away” de um caça nem sempre ajuda a ter um parâmetro, e sim o histórico da aquisição.”

Abraços
GUPPY

Joner
Visitante
Joner

Precisamos muito que a Índia compre logo esses caças e os opere, para que valores de operação possam ser comparados.
Estou muito curioso para saber qual o real valor para manter esse caças fora da França.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Sobre o painel do Rafale nao ha comentarios , simplismente lindao e realmente só o do F-35 ( que parece de uma nave espacial de filme de ficçao) o supera em beleza !!

HMS TIRELESS
Visitante
Member
HMS TIRELESS

Como tudo que envolve o Rafale e o MMRCA, temos mais alguns fatos adicionais no mínimo suspeitos: http://www.thehindu.com/news/national/rafale-deal-unlikely-before-september/article4954243.ece Pelo visto existem mais fatos nebulosos envolvendo a decisão do programa MMRCA do que sonha a nossa vã filosofia. Intrigantes ainda são os questionamentos lançados pelo ex-ministro de assuntos exteriores acerca da da supressão de critérios para compras de materiais de defesa e o custo de ciclo de vida. Sobre este último, parece que dá azo à afirmação de que produtos franceses, lotados de componentes com baixa escala de produção, são mais caros de manter que seus congêneres norteamericanos. E ainda tem… Read more »