Especialistas apontam o Gripen como o caça que a Ucrânia precisa para enfrentar a Rússia

Constantine Atlamazoglou

O melhor jato para a Ucrânia é o Gripen, um caça multirole de 4.5ª geração construído pela sueca Saab e que é “de longe o candidato mais adequado em termos de requisitos operacionais”, de acordo com Justin Bronk, Nick Reynolds e Jack Watling, da o Royal United Services Institute, um think tank britânico.

A Ucrânia precisa de um caça com mísseis que ofereçam “o maior alcance efetivo possível sob condições de lançamento subsônico de baixa altitude” para contornar as defesas aéreas russas , incluindo seu sistema de mísseis S-400, que pode atingir jatos ucranianos em altitudes mais altas, os três especialistas disseram em um relatório recente.

O Gripen pode transportar o míssil ar-ar Meteor, que é eficaz nessas condições graças ao seu design ramjet e tem um alcance de 100 km , permitindo que seja disparado de distâncias mais seguras. O jato também pode ser equipado com mísseis antinavio.

O Gripen possui um conjunto de recursos de guerra eletrônica projetados especificamente para reduzir a eficácia dos radares usados ​​pelos jatos e sistemas de mísseis terra-ar da Rússia.

Além disso, como as pistas de pouso e bases aéreas ucranianas permanecem sob ameaça de mísseis russos de longo alcance, Kiev precisa de um jato que possa operar a partir de pistas de pouso mais curtas e rudimentares e de bases aéreas básicas com equipes de terra menores, a fim de minimizar o risco de os jatos serem detectados e destruído no chão.

O Gripen foi “projetado desde o início para facilitar a manutenção” e para operar em aeródromos secundários ou improvisados, segundo o relatório, que observou que o Gripen pode ser reabastecido, “rearmado e receber manutenção básica por equipes de apenas seis militares usando dois veículos em pequenas bases aéreas ou rodovias em tempo frio.”

Apenas um membro dessa tripulação precisa ser altamente treinado, o que aliviaria a pressão sobre a já sobrecarregada força aérea da Ucrânia, enquanto a maioria dos caças americanos requer extenso equipamento de apoio terrestre, que “seria difícil de construir sem ser observado e atingido” pelos russos, acrescenta o relatório .

O custo operacional do Gripen – incluindo combustível, reparos e manutenção e pessoal – também é menor do que o dos F-16, F-18E/F e F-35 fabricados nos Estados Unidos; o Rafale de fabricação francesa; e o Eurofighter, de projeto europeu, de acordo com um artigo produzido para um estudo encomendado pela Saab.

O JAS 39 Gripen da Saab foi projetado em grande parte com a Rússia em mente. O jato de 4,5ª geração pode atingir Mach 2 e pode supercruise, mantendo velocidades supersônicas sem depender de um pós-combustor.

Embora o jato nunca tenha visto combate, ele teve um desempenho muito bom em exercícios contra aeronaves de 4ª geração que estão no mesmo nível dos jatos da Rússia.

No entanto, não foi adotado por muitos países. Além da Suécia — que usa apenas o Gripen — os principais operadores do jato são África do Sul, Brasil e Tailândia. Outros países, incluindo Índia e Indonésia, também estão considerando o jato.

O inimigo do jato parece ser o F-35 da Lockheed Martin, um caça de quinta geração. O Gripen da Saab não é tão avançado quanto o F-35, pois carece de furtividade e outras capacidades, mas o CEO da empresa disse que a influência geopolítica dos EUA também cria um campo de jogo desigual quando se trata de competição internacional de jatos de combate.

O Gripen perdeu licitações para o F-35 na Dinamarca, Noruega, Finlândia – todos vizinhos da Suécia – e Polônia. Também perdeu várias licitações para o F-16 da Lockheed, um caça de quarta geração amplamente utilizado em todo o mundo.

Apesar das licitações fracassadas, o jato sueco é bem visto pelos especialistas em aviação por ser altamente capaz, relativamente fácil de usar e barato.

O fracasso da força aérea russa em alcançar o domínio aéreo na Ucrânia a tornou mais cautelosa, concentrando-se em ataques com mísseis de longo alcance e principalmente mantendo suas aeronaves em território amigo.

Portanto, “alguns caças ocidentais modernos com mísseis de longo alcance capazes de enfrentar os russos em termos tecnicamente iguais ou mesmo superiores provavelmente teriam um efeito de dissuasão desproporcional”, diz o relatório RUSI.

Kiev mostrou interesse no caça sueco. Em uma entrevista em outubro, o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, disse estar “certo” de que a aquisição de “jatos de combate como F-16, F-15 ou Gripen da Suécia também será possível” no futuro.

Estocolmo também está aumentando seu apoio a Kiev. Recentemente, anunciou um pacote de ajuda militar no valor de US$ 287 milhões, o maior até o momento, que inclui sistemas de defesa aérea.

No entanto, encontrar Gripens para a Ucrânia pode não ser fácil. A produção de novos jatos leva anos, o que significa que qualquer um enviado a Kiev provavelmente terá que vir da própria frota da Suécia ou de outros países.

Os únicos membros da OTAN que operam o jato são a República Tcheca e a Hungria, sendo que esta última mantém boas relações com a Rússia.

FONTE: Business Insider

Subscribe
Notify of
guest

41 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
H.Saito

Fornecer Gripens significa que além de doar os seus, os operadores terão de preencher o buraco, seja com aeronaves usadas, que provavelmente sairá do estoque americano, seja com reforço de aeronaves e pessoal da OTAN/EUA.

Filipe Prestes

Duvido muito que a força aérea sueca queira isso. Tá pra nascer um burro mas eles não cederão Gripens C/D, ainda mais se MS-20, para voar ainda que provisoriamente F-16. Hungria e Rep. Checa, cada um com no máximo 20 não dispõem do número para tal doação. Se ainda assim a Suécia tiver pretensão de faze-lo, terão que aumentar bastante o ritmo se produção dos seus 60 E para substituir, hipoteticamente, entre 12 e 24 Gripens C/D. Resta assim o questionamento: Caso de fato avancem com a doação/ venda/ o que quer que seja, é sensato diminuir a própria frota… Read more »

Sequim

A Suécia tem interesse em testar o Gripen contra os sistemas russos, pois como bem apontou a reportagem, o caça foi desenvolvido para enfrentar a ameaça russa. É uma grande oportunidade de avaliá-lo na prática.

Maurício.

“o caça foi desenvolvido para enfrentar a ameaça russa.”

E qual caça ocidental não foi desenvolvido para enfrentar a ameaça russa? Americanos e ingleses estão sendo muito espertos nessa questão, batem nessa tecla de que o Gripen é desenvolvido para enfrentar os caças russos, e por tabela não se envolvem diretamente, já pensou na narrativa que teriam que inventar caso um F-16 ou Eurofighter fossem abatidos por uns Su-35? Pois é! Mas a própria Saab disse que o Gripen é um “faixa preta” matador de Sukhois, agora aguenta, o momento de verificar se isso é verdade, é agora.

Jack

Boa Maurício, pq os EUA, não enviam os seus primeiros F-16V, ultra, mega da silva…tbm não deixaria de ser uma GRANDE oportunidade de marketing para provarem a grande superioridade em relação aos outros 4.5…pimenta nos dos outros é fácil.

Alecs

Pelo mesmo motivo que os Suecos não enviam os Gripens E que estão saindo de fábrica para a Suécia e Brasil. É óbvio que os EUA são o país que mais tem aeronaves, tanto operacionais quanto estocados, eu acredito que no futuro a Ucrânia vai operar muitos F-16s de segunda mão. Esses podem ser de ex usuários europeus ou mesmo aeronaves estocadas AMARG e recondicionadas. O que vocês não conseguem entender é que, para o momento atual da guerra, o Gripen é o que atende melhor os requisitos. “O Gripen foi “projetado desde o início para facilitar a manutenção” e… Read more »

Hans

Sem contar que se um ou alguns forem abatidos será uma mega propaganda negativa para o Gripen que já não vende bem.
É um risco de marketing que os suecos terão de avaliar se vale a pena.
Mas ,para a FAB foi a melhor escolha é um baita caça.

Rui Mendes

E se destruir muito do equipamento Russo mais capaz, aí é bom marketing.

Alecs

Os canhotos que comentam aqui são preguiçosos, em sua maioria, não gostam de ler. Para comentar em um site especializado em aviação, o mínimo que se espera é que o indivíduo leia a reportagem. “as pistas de pouso e bases aéreas ucranianas permanecem sob ameaça de mísseis russos de longo alcance, Kiev precisa de um jato que possa operar a partir de pistas de pouso mais curtas e rudimentares e de bases aéreas básicas com equipes de terra menores, a fim de minimizar o risco de os jatos serem detectados e destruído no chão. O Gripen foi “projetado desde o… Read more »

Maurício.

“as pistas de pouso e bases aéreas ucranianas permanecem sob ameaça de mísseis russos de longo alcance.” Ué! Mas os mísseis russos não acabaram em março? De acordo com vocês, os mísseis russos não tem precisão alguma, erram todos os alvos, e onde estão os sistemas de defesa aérea, que de acordo com vocês, colocaram a força aérea russa pra correr? Vocês tem que decidir qual será a narrativa de vocês, assim vocês acabam se enrolando… “Eu sou da época que os livros eram a fonte de informação. Li vários.” Pronto! Vai usar a narrativa falaciosa de que é um… Read more »

Andre

Não haveria necessidade de inventar nada, caso um F-16 fosse abatido. Essa historinha de “sempre disseram que os aviões russos não prestam” é valida apenas se considerarmos seus colegas do colégio e seus amigos da rua de cima. A Índia abateu UM F-16 com um Mig-21 e ninguém, nem do governos dos EUA, da LM, do governo do Paquistão, ou ninguém relevante precisou inventar nada. Em batalhas, perdas são sempre esperadas. Ainda bem que esse desejo de ver os Su-35 contra os Jas-39 não é compartilhado pelas lideranças russas, pois se eles tivessem tal desejo, bastaria atacar a Suécia, tendo… Read more »

Maurício.

“Não haveria necessidade de inventar nada, caso um F-16 fosse abatido.”

Tá bom, tu finge que me engana que eu finjo que acredito…rsrsrs.
Tú é o primeiro que aparece para passar panos para os problemas do F-35, esses dias até deu piti porque a trilogia estava postando muita matéria sobre os acidentes do F-35.

Rui Mendes

Os únicos detratores do F-35, são os seus inimigos e os que o gostavam de ter, mas não têm. Vai ver as capacidades do caça, pois vcs só falam dos defeitos, que irão ser corrigidos e outros nem defeito são, mas dia a dia de caças que voam muito e alguns serem utilizados como aviões de treino para novos pilotos. Vê antes o que Britânicos e Italianos, estão a fazer, para o integrar na suas forças aéreas e o que junto c os EUA, Noruega e Holanda (outras forças aéreas, chegarão em breve) fazem nos exercícios da Nato e com… Read more »

Rui Mendes

E a resposta????
A Suécia é UE, praticamente já é
NATO e ainda tem acordos especiais de defesa com os outros estados Escândinavos e Bálticos.

Allan Lemos

Nada disso, o fato da Suécia(e Finlândia) serem neutras, nunca as impediu de ter uma inclinação maior para o lado ocidental, assim como a Suíça, que apesar da neutralidade histórica, sempre foi alinhada com a NATO, inclusive escolheu o F-35 como futuro caça antes da invasão russa. O Gripen foi sim desenvolvido tendo em mente um possível enfrentamento com os caças russos, não é à toa que recebeu o apelido de “Sukhoi Killer”.

Leandro Costa

Fora que os próprios motores são americanos, etc.

Leandro Costa

Mas compravam armamento americano acidentalmente também?

JA37_Missiles.jpg
Allan Lemos

A FAB até outro dia operava o Mi-35. Você acha que o Brasil sempre esteve mais inclinado ao Ocidente ou à Rússia?

Desculpe mas seu argumento não encontra nenhuma base na realidade.

Allan Lemos

Pena que todos os especialistas em aviação militar, entusiastas sérios, pilotos e engenheiros mundo à fora tenham uma opinião oposta a da sua quanto ao Gripen ser um suposto “fracasso”.

Falcão

Guerras são baseadas em logística e dinheiro: relação custo benefício não é uma simples opção. Decisões erradas perdem guerras, Ak 47 é um grande exemplo de como se chutar a bunda da falta de conhecimrnto que o digam os americanos.

Nonato

Voce usa uma falácia (argumentação incoerente e infantil, e de forma proposital).
O maior receio da Europa ocidental foi uma invasão russa.
Por isso os suecos tiveram sempre em mente que os adversários seriam caças russos e por isso precisavam ter requisitos suficientes para fazê-lo.
Não significa que não podem enfrentar caças de outros países.
Você sabe que falou de forma falaciosa, para tentar ganhar no grito.

Rui Mendes

Isso foi a Finlândia, que embora toda para o lado Ocidental, tinha material militar dos 2 lados, incluindo algum Filandês, mas era e é toda alinhada ao Ocidente, basta pertencer há União Europeia e a Suécia igualmente, mas essa sempre teve material militar Ocidental e próprio.

Andre

Talvez você não tenha acompanhado as notícias mais recentes, mas a Suécia, assim como a Finlândia, solicitaram adesão à Otan. Além disso, os equipamentos militares suecos sempre foram “padrão” Otan, como por exemplos: – seu MBT STRV 122 é baseado no Leo 2, com mesmo canhão, e utilizando a munição padrão Otan de 120mm -Sua principal artilharia autopropulsado, o Archer, também utiliza munição padrão Otan, de 155mm, incluindo a M982 Excalibur -Seu SAM de média é o Patriot -A Suécia utiliza uma versão da Barret M82 .50 Então, apesar da Suécia sempre ter se declarado neutra, sempre foi claro que… Read more »

Rui Mendes

Claro e basta ambos os países serem da União Europeia, e o Grippen de fracasso, só se for analisado pelo lado comercial, mas os Suecos sempre construíram os seus caças para serem excelentes e um demonstrador da engenharia Sueca, uma vitrine dos produtos Suecos, depois as vendas, eram um acréscimo embora a partir do Grippen isso mudou, e passou a ser para equipar o país com um excelente caça e para render comercialmente, embora não tenha vendido muito, até agora, já vendeu mais de uma centena do modelo E e dos Grippen, A,B,C e D, cerca de duas centenas, isto… Read more »

Alecs

Suécia e Finlândia pediram adesão a OTAN. Ambas nações fazem parte da União Europeia. O motor do Gripen A/B,C/D e também E/F são americanos. Procure saber sobre um submarino russo que encalhou perto da costa sueca. Está precisando ler mais amig.

JBK

A principal ameaça que consta nos simuladores de voo do Gripen, tanto na República Tcheca como na Suécia, são as aeronaves Russas. Sim! Foi desenvolvido com esse foco! Tive a oportunidade de testar algumas táticas .

Willber Rodrigues

1- se o Gripen é o caça perfeito pra Ucrania e “matador de Sukhoi”, a Ucrania deveria tê-lo comprado ANTES da invasão.
2- esses Gripens pra Ucrania sairão de onde? Quem tem, não vai se desfazer dele pra ficar doando pra Ucrania. Se forem novos, só serão entregues em dois anos, no mínimo.
3- Duvido que, no fundo, a própria SAAB/Suécia queiram isso. Vai que, por azar, esses Gripens comecem a ser abatidos por falta de treinamento/ inexperiência dos pilotos ucranianos, a imagem do caça ficará arranhada.

Boitatá

Os Gripen que a Rep. Tcheca está entregando, após fim do leasing.

Willber Rodrigues

E a Rep. Checa pode se dar ao “luxo” de ficar sem caças, pra transferir pra Ucrania?

Nemo

São 14 já bastante “rodados”. Não acredito que seja um reforço decisivo.

Saldanha da Gama

Não li sobre o caça no BRASIL.

SmokingSnake 🐍

Temos quatro no Brasil e a produção a todo vapor, podemos mandar para a Ucrânia em troca de uns F-22

olivete da silva

Sério ………….??????? Gripen para Ucrania ganhar a guerra…tá brincando…só se for para servir de tiro ao alvo….La tem caça de 5 geração….só pode ser piada…de mau gosto.

Euller

Hilário…. E eu até queria ver esse tal Grippen em combate…. Falam tanto de uma aeronave que nunca teve um batismo de fogo…. Deviam ter doado uns 2 ou 3 caças quando a Ucrânia ainda tinha pilotos treinados vivos… Quem sabe eles obtinham alguns “kills” e mostrassem que valia à pena ter esses aviões.. No entando, neste momento a Ucrânia não tem aeronaves e nem pilotos treinados… E pior… Querem que um país falido pela guerra compre aeronaves… Outra piada…. Estão é todos se borrando de medo de enfrentar o poderio aéreo russo… E isso vale pros americanos também… Uns… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Euller
Inimigo do Estado

S-400 vai derrubar igual mosca, igual o resto da força aérea ucraniana.

Ivanmc

Com certeza, esses especialistas tem razão. Teria que empregar uns 50 Gripens na Ucrânia contra a Rússia.

Marcel

50???, senao entrar com 1 centena ou seja todos os gripens c/d E nao dura nem 3 meses, ha e ainda assim perdem se for so com isso sem pilotos treinados sem pistas e toda engenharia e pais sucateados…se quiserem um bom combate tem que colocar pelo menos uns 300 F16 com apoio de uns 40 F35 senao for isso nao ganha.

Rafael

Vou roubar o diagrama do Thomas Theiner, para explicar o óbvio ululante. Só existe um modelo que atenda as necessidades da Ucrânia e que existe:

89742F18-C1EC-475D-B8FC-F10CE6694884.jpeg
Nilton L Junior

Não será preciso, a Ucrânia como era ates de 24/02/22 não vai existir mais, o que sobrou da sua força aérea vai servir.

Nonato

Questão central acerca da materia:
a Russia está usando caças para atacar a Ucrânia?
Se não está, caças são desnecessários.
Falaram que 90% dos mísseis russos são abatidos.
Otima taxa.
Mas os 10% que passam pode fazer estrago.
Por que alguns passam?
Ou essa estatística não corresponde à realidade?
Seria importante um AWACS para detectar os mísseis de cruzeiro bem antes de atingir os alvos.
Os Estados Unidos já estão fazendo isso?
Repassam em tempo real para as baterias ucranianas?

Mirão

Estão com medo de mandar caças norte americanos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk