terça-feira, junho 22, 2021

Gripen para o Brasil

Mega negócio da Índia: 83 caças Tejas autorizados para a Força Aérea

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

LCA Tejas

O ministro da Defesa, Rajnath Singh, em postagens no Twitter, descreveu-o como o ‘maior acordo de aquisição de defesa autóctone’ e disse que ‘será revolucionário para a autossuficiência na fabricação de defesa indiana’

Aprovando a maior aquisição de defesa autóctone como parte das medidas para fortalecer as forças armadas indianas em meio a um impasse com a China na Linha de Controle Real e tensões com o Paquistão sobre sua infraestrutura de terror, o Comitê de Gabinete de Segurança (CCS) deu sinal verde no dia 13 de janeiro a um acordo no valor de quase Rs 48.000 crore (US$ 7 bilhões) para a aquisição de 83 aeronaves de combate leve Tejas para a Força Aérea Indiana.

Projetado pela Agência de Desenvolvimento Aeronáutico do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa, os caças leves multifuncionais Tejas Mk-1A serão fabricados pela estatal Hindustan Aeronautics Limited (HAL). Será uma melhoria em relação à versão Mk-1. A IAF adquiriu 40 unidades da variante anterior em duas negociações – 20 eram aeronaves padrão de Capacidade Operacional Inicial (16 monopostos e quatro bipostos), enquanto os próximos 20 eram aeronaves padrão de Capacidade Operacional Final.

LCA Tejas

A encomenda do Tejas Mk-1A, liberada em março passado pelo Conselho de Aquisição de Defesa, foi aprovada pelo CCS em reunião presidida pelo primeiro-ministro Narendra Modi.

O ministro da Defesa, Rajnath Singh, em postagens no Twitter, descreveu-o como o “maior acordo de aquisição de defesa autóctone” e disse que “será revolucionário para a autossuficiência na fabricação de defesa indiana”.

Ele disse que “o LCA-Tejas será a espinha dorsal da frota de caças da IAF nos próximos anos” e “incorpora um grande número de novas tecnologias, muitas das quais nunca foram experimentadas na Índia”. O conteúdo autóctone da aeronave, disse ele, é de 50 por cento e será aumentado para 60 por cento.

Em um comunicado, o Ministério da Defesa disse que o CCS aprovou a aquisição de 73 aeronaves de caça LCA Tejas Mk-1A e 10 aeronaves de treinamento LCA Tejas Mk-1 a um custo de Rs 45.696 crore, juntamente com projeto e desenvolvimento de de infraestrutura no valor de Rs 1.202 crore.

Cockpit do LCA Tejas biposto
Cockpit do LCA Tejas biposto

A HAL já montou instalações de manufatura da segunda linha em suas divisões de Nasik e Bengaluru, disse Singh, acrescentando que “equipada com a infraestrutura aumentada, a HAL direcionará a produção do LCA-Mk1A para entregas oportunas à IAF”.

A decisão, disse ele, “expandirá consideravelmente o atual ecossistema do LCA e ajudará na criação de novas oportunidades de emprego”.

“A HAL segue um modelo de integrador de sistema no programa LCA Mk1A e atua como uma organização guarda-chuva, promovendo capacidades de fabricação e design com a indústria privada”, disse ele.

Agradecendo ao primeiro-ministro pela “decisão histórica”, Singh disse que o “programa LCA Tejas atuará como um catalisador para transformar o ecossistema de manufatura aeroespacial indiano em um ecossistema vibrante e autossustentável”.

Enquanto as 20 aeronaves Mk-1 IOC formaram o Esquadrão 45 em Sulur, em Tamil Nadu, a primeira aeronave FOC foi entregue à IAF em maio passado, como parte do Esquadrão 18, também em Sulur.

A variante Mk-1A de 73 aviões formará quatro esquadrões da IAF, junto com reservas e aeronaves adicionais.

O Ministério da Defesa disse que a variante Mk-1A “é uma aeronave de combate moderna de geração 4+ projetada, desenvolvida e fabricada de forma autóctone”, equipada com componentes essenciais, como um radar Active Electronically Scanned Array (AESA), Mísseis Beyond Visual Range (BVR), suíte Electronic Warfare (EW) e capacidade de reabastecimento ar-ar (AAR).

O LCA, disse o ministério, “seria uma plataforma potente para atender aos requisitos operacionais da Força Aérea Indiana”.

O CCS, disse ele, “também aprovou o desenvolvimento de infraestrutura pela IAF no âmbito do projeto para permitir-lhes lidar com reparos ou serviços em seu depósito de base, de modo que o tempo de resposta fosse reduzido para sistemas de missão crítica e levaria a uma maior disponibilidade de aeronaves para exploração operacional”.

LCA Tejas MK1

R Madhavan, presidente e diretor administrativo da HAL, em um comunicado, disse que “a taxa de produção para este pedido adicional da IAF está sendo aumentada pela HAL de 8 para 16 aeronaves por ano por meio da criação de novas instalações de última geração em Bengaluru”.

“O Tejas teria o nível de nacionalização mais alto em comparação a qualquer programa dessa escala com produção local progressiva de tecnologias críticas, tornando a Índia uma nação tecnologicamente autossuficiente”, disse ele.

O LCA será fundamental para manter a força da frota de caças da IAF. Embora a IAF tenha uma força autorizada de 42 esquadrões, ela tem apenas 30 esquadrões no momento. Com o avião MiG-21 sendo descontinuado até 2024, a IAF está construindo sua força de esqudrões.

Além dos 36 Rafale voando da França em lotes, a IAF também obteve autorização do governo para a compra de novas aeronaves de caça, incluindo 21 MiG-29 e 12 Su-30MKI, e atualização das 59 aeronaves MIG-29 existentes.

Isso foi aprovado em julho passado pelo Conselho de Aquisição de Defesa como parte de um pacote de Rs 38.900 crore. O Conselho citou “a situação atual” – uma referência ao impasse com a China em Ladakh – e a “necessidade de fortalecer” as forças armadas “para a defesa de nossas fronteiras”.

FONTE: The Indian Express

- Advertisement -

164 Comments

Subscribe
Notify of
guest
164 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fernando Turatti

Um só contrato da Índia vai render mais caças do que todas as encomendas de gripens para o Brasil(que como todos sabem, provavelmente ficarão em 36, afinal, tem muita aposentadoria pra pagar).

Bbgb

Vantagens de nao ser cercado por potencias nucleares e disputas fronteiricas.
Mas concordo contigo que o Brasil poderia ser muito mais eficiente no uso do seu orcamento.

Pablo

Concordo contigo, porém, a muito tempo o Brasil compra equipamentos da Embraer. A-29 foram 99 unidades, kc 29 unidades, E-99, R-99 (acho que são 4 unidades cada se nao me engano) avião presidencial (acho que foram os dois que buscaram os brasileiros na china no inicio do covid), bandeirante, bandeirulha, T-27, enfim, A Fab dispoe de muitos aparelhos feitos aqui, fora as modernizacoes. Quanto ao Gripen, espero que nao fique apenas nos 36, mas independente disso, tem uma grande participação da Embraer nesse projeto tambem.

Last edited 5 meses atrás by Pablo
Flanker

5 E-99 e 3 R-99. E tu esqueceu dos 56 A-1 AMX, dos C/VC-99A, B e C, C-97, IU-50. Os VC-2 que vc citou são E-190. A FAB teve tb os já aposentados VU-9 Xingú. Tem tb alguns poucos Ipanema que servem de reboque para os planadores do clube voo a vela da AFA.

Pablo

Verdade, tinha esquecido os A-1, e obrigado pela complementação.
Outra participação recente, e na construção das Tamandarés.

Nilo

Parabens a Índia em nenhum momento não só não abandonou o projeto e contínua melhorias e ao aumento no índice de nacionalização.

Gabriel BR

A Índia será indiscutivelmente uma potência de projeção global , parabéns aos indianos pelo empreendimento.

Fabio Araujo

Finalmente vai entrar em produção!

Manock

Hmmm os caras têm uma estatal fabricante de caças… que ideia interessante.

Carlos Gallani

Sinto a dor no meu bolso so de pensar no mesmo…

nonato

Você prefere que o governo pague a uma empresa privada estrangeira?
Inclusive gordos lucros para acionistas?

Kemen

Se bem administrada, sem nomeações politicas, pode dar certo.

Last edited 5 meses atrás by Kemen
MFB

Aí que a coisa pega

Carlos Crispim

Não tem esse “Se”, pois Se todos os políticos trabalhassem em prol do país e não roubassem o Brasil seria outro. Não existe estatal bem administrada, sempre existem problemas insolúveis de planos de cargos e salários, reajustes anuais, concurso público, cursos, pós-graduação, viagens… Se existe empresa privada pra isso, não tem por que ter estatal. Além disso, a estatal pode “estar” bem administrada hoje, mas amanhã vem um presidente esquerdista, bota pra roubar e começa tudo novamente. Chega.

Last edited 5 meses atrás by Carlos Crispim
Flanker

Eu tenho pena dos caras que cuidam da logística da Força Aérea da Índia!! A quantidade de equipamentos diferentes, variantes diferentes, fornecedores diferentes…..imagina o inferno que é pra organizar tudo isso!!!

Carlos Crispim

E funciona! Esse problema de logística que vc fala é pura balela, pra isso tem setor de logística, pra cuidar exatamente disso tudo, os indianos provam é possível, se não fosse não continuariam comprando produtos de diferentes fabricantes feitos louco, só não faz quem é preguiçoso e não tem o mínimo de conhecimento, é uma ciência, quem quer ser grande e respeitado tem que pensar grande e resolver todos esses problemas que aparecem, além do mais, se vc tem equipamentos de diversas origens, se algum fizer boicote vc tem outros, isso ajuda a não ter dependência de apenas 1 fornecedor,… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Alexandre Galante
Flanker

Tudo o que você falou no seu discurso eu sei muito bem! Mas, apesar de todo o falatório, não contradisse o que eu apenas afirmei que é difícil e complexo! Eu não disse wue não dá pra ser feito! Eu nao disse que é impossivel! Eu não disse que tem que ter apenas um fornecedor! Só falei que, como eles tem muitos fornecedores e variantes de muitos equipamentos, isso gera uma quantidade muito maior na gestão disso tudo. Ponto. Nada mais que isso!

Kemen

As principais etnias do país são: indo-arianos, drávidas, mongóis e muitos outros. Os idiomas oficiais do país são apenas o hindi e o inglês, porém há uma série de linguas regionais, como o tegulu, bengali, marati, tâmil, urdu, gujaraji e outras, além de incontáveis dialétos.

Last edited 5 meses atrás by Alexandre Galante
Michel

Exatamente, colega! E digo mais, para um povo que produziu algo como o “Mahabharata” a diversidade material é mais do que bem-vinda.

Nostra

I don’t think there is a need to feel sorry.

Indian Air Force is the 1st air force in Asia to field and operate a integrated materials management online system (IMMOLS), a nationwide systems integration project addressing computerisation needs of inventory control and logistics management of the Indian Air Force (IAF).

The advanced integrated materials management online system (IMMOLS) interconnects 108 airforce bases to provide efficient materials management, assets visibility for better utilisation of resources, information triggers for mid-course correction, speedier demand process cycle, speedier procurement and repair cycles, reduction in inventory levels, improved fleet serviceability, efficient spares accounting etc.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
nonato

Online is subject to chinese hackers…

Nostra

So is every online system around the world.

Anyways IAF network runs on a IAF owned , operated 40,000+ km long close loop optical fiber network with multi layered intrusion detection systems , intrusion prevention systems , advanced encryptions etc

It is a cat and mouse game.

nonato

Isso é discurso clichê.
Quem tem 500 aviões tem que ter logística de qualquer forma.
Logística existe para isso.
Para organizar a manutenção, estoque de peças.
Você tem pena da logística de um hipermercado com uns 10 mil itens à venda?
Fornecedor do alface, da cebola, do vinho chileno, do sabonete de erva doce, do sabonete de erva doce hipoalergenico com hidratante.
O desinfetante de pinho de 500 ml, de 1 l, de 2 l?
Como saber se está faltando na prateleira ?
Como saber se tem no estoque?

Flanker

Falando apenas em aviação de caça, o que é mais simples? Administrar a logística da Força Aérea Francesa, com o Rafale e o Mirage 2000 ou a Indiana, com Su-30, Mig-21, Mig-27, Mirage 2000, Jaguar, Rafale e Tejas? Você falou em um hipermercado com 10 mil itens….muito bem, e quantos mil itens tem cada um desses 7 caças que a Índia opera? Cuidar de compra, armazenagem, quantidade de estoque, sua saida para as Unidades operadoras, sua utilização, recebimento das que peças que sofrem manutenção e reutilização, reenvio, etc….Eu falei que é impossível? Eu falei que não dá pra fazer? Eu… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Flanker
Willber Rodrigues

Numa só canetada, 83 caças produzidos localmente que serão adquiridos…

Tá vendo como é que se faz pra apoiar a própria indústria de defesa?

Fernando Turatti

Pra apoiar a própria indústria igual a Índia basta que a gente tenha militares menos sem vergonha.
Na Índia a aposentadoria militar começa em 50% para 20-25 anos de serviço, 60% de 26-30 e, finalmente, 75% para 31-35 anos.
Aqui a gente diz ser 100%… Mas não, é mais de 100%, afinal, sobe-se um posto ao se aposentar e recebe-se o soldo integral.

pangloss

Caro Fernando Turatti, Há um bom tempo, havia essa promoção automática quando o militar era transferido para a reserva. Na prática, se alguém ia para a reserva como Capitão de Mar e Guerra, passava a ser Contra Almirante, com todas as vantagens aí abrangidas. E, para alguns casos (ex-combatentes da FEB, e creio que alguns outros casos), a promoção era de dois postos. O General Golbery do Couto e Silva, por exemplo, chegou a Coronel, na ativa, e só alcançou o generalato na reserva (era General de Divisão, nessa condição). Mais recentemente, caiu a promoção, e restou apenas a percepção… Read more »

Fernando Turatti

Pangloss, grato pela explicação. Achei que ainda recebiam promoção, uma vez que a polícia militar continua com tal penduricalho.

GFC_RJ

Caro Pangloss, Ainda tem a questão hoje que há o vínculo contributivo. CREIO hoje que está em 14%. Portanto, a paridade acaba que é abatida um valorzinho a ponto de contribuição. No entanto, núcleo do argumento do amigo Turatti não é de forma alguma invalidado. A questão da não paridade em outras forças continuam existindo, isto é, o benefício ser proporcional ao tempo de serviço. Nos EUA, os de carreira parece que são 2% por tempo de serviço ao ir pra reserva. Portanto, 40 anos de serviço 80%, 30 anos 60%… Em adição… As viúvas recebem 70% da pensão do… Read more »

Flanker

A promoção após coronel é general de brigada. Depois vem general de divisão e finalmente,general de exército.

pangloss

Obrigado, Flanker, mas eu conheço a sequência. O caso do Golbery, que eu mencionei, é um daqueles em que incidia a promoção para dois postos acima do posto final alcançado na ativa. Ele era Coronel, subiu dois postos e, desse modo, chegou a General de Divisão (sem ter sido General de Brigada, portanto).

Flanker

Ah, é? Dois postos? Barbaridade!!

Carlos Crispim

Não caiu não.

pangloss

Caiu, sim.

Edson

Mas a conta vai ser paga ainda por uns 40 anos.

pangloss

Depende. Se, no final da vida, o militar casar com uma mulher 50 anos mais jovem (ah, o amor… sempre o amor!), isso pode perdurar ainda mais.

Heinz Guderian

Esse negócio de subir de posto depois que aposenta acabou, apenas as policias que continuam assim, mas isso vai de cada estado, acabou também das filhas receberem pensões automáticas. Se não me engano o exército em um futuro próximo quer mais militares temporários, vão diminuir as vagas para concursos. Li em algum site sobre, se eu achar posto aqui.

nonato

Uma boa ideia que, em parte, já existe.
Pelo menos na área da saúde.
No máximo 8 anos de atividade.
Uma ótima saída.
E soldado das forças armadas fica até os 50 anos?

Flanker

Não existe soldado de carreira. Como soldado, ele pode ficar por um período de alguns anos e depois sai.

Carlos Crispim

Acabou a promoção sim, mas não a percepção do soldo superior, eles se aposentam com salário SUPERIOR ao da ativa SIM, é tudo cortina de fumaça, continua a mesma ptaria de antes. Filhas solteiras recebem pensão HOJE SIM, mesmo depois da lei (1999) SE o militar tiver contribuído até antes da vigência da lei. É o direito adquirido antes de ter adquirido, coisa que os civis não tem, direito adquirido só no momento da aposentadoria, não existe expectativa.

Rinaldo Nery

Não me aposentei com salário superior ao da ativa. Não posta m…

Pablo

Se tu olhar o arsenal de aeronaves da Fab, vai ver que a diversidade e quantidade de avioes da Embraer é bem grande. Só do A-29, na época, foram comprados 99 unidades, agora 29 kc. Sem contar as modernizacoes feitas por eles para a Fab e marinha.

Last edited 5 meses atrás by Pablo
glasquis 7

Com este incremento na produção, este caça, pode se tornar viável pra muitas nações.

Nações como o Equador, e até a própria Colômbia que já iniciou o processo de aposentadoria da sua frota.

Um caça 4+ com Radar AESA e capacidade BVR. Deve ser relativamente barato de operar.

Regis Athayde

Seria adequado para a Argentina, já que se parece muito com os Mirage.

Carlito

Há um número considerável de componentes de origem britânica neste aparelho. Certamente uma eventual venda à Argentina seria facilmente embargada.

man

ich components are british, radar is israeli and engine is american – the rest is indian

glasquis 7

Pensei nisso e por isso não mencionei a Argentina

glasquis 7

sim mas lembre que a Índia já foi colônia inglesa e os laços entre ambas nações devem dificultar as negociações.

Nostra

Argentina is a very huge country , it’s better they buy a medium weight category aircraft with longer range like Gripen E ( if single engine ) or heavy weight category long range twin engined like Su35 / mig35.

Later when long range medium weight category single engined LCA MK2 becomes available , if they want they can decide to buy .

LCA MK1A is not suitable for Argentina in my opinion.

India cannot offer geopolitical advantage to Argentina for next 15 years , but buying Russian or Chinese aircraft , Argentina will get some geopolitical advantage

glasquis 7

O alcance se resolve com o probe. O problema está em que é de fabricação inglesa.

Teropode

Acredito que o TEJAS será muito útil como um caça ” complementar” , se de fato ele tiver um custo de operação inferior aos demais SU-30 e Rafales .Há muitos cenários de operações no vasto território indiano , COIN e CAS se encaixam no perfil operacional do TEJAS , deixando as ameaças externas por conta do Rafale e SU-30 , também há a possibilidade de emprego em camadas , caso haja um conflito de média proporções .

Last edited 5 meses atrás by Teropode
Nostra

Yes you are correct . In IAF su30 and mig21 bisons operated as teams . Su30 would fly higher up and use it’s longer range sensors to detect targets and pass it on to the bisons over datalink . The bisons will maintain radar silence and would out flank and fly in low undetected ( due to small visual and radar signature ) to catch up the targets in the given coordinates at near BVR range or enter into a merge with WVR due to its jack rabbit acceleration. If the targets tried to escape the su30 would engage them… Read more »

Nostra

Here info on LCA mk1a net centric operations capabilities

9218501_471544680625821cb7317b_jpeg4b3ec77fc97bc47d6dc06d972c1423ee.jpeg
Glasquis 7

Isso considerando nações que tenham capacidade econômica pra ter ele como caça complementar mas, Se consideramos nações pequenas, como Equador, serviria como vetor principal.

Teropode

Sim , apenas foquei na utilização dele pela Índia , para nosso cenário ele se encaixa bem .

Kemen

Com componentes britanicos, esquece.

sub urbano

Boa noite, Glasquis.

Não creio que o Tejas seja tão barato. A construção dele é cheia de ligas metálicas exóticas de titânio e até alumínio-lítio, bem como polímeros de alta resistência. Os projetistas indianos foram bem ousados na engenharia de materiais usada no projeto.

glasquis 7

Sem dúvida mas, como disse antes, o incremento na produção, e nisso me refiro especificamente ao aumento na escala de produção, deve ajudar a derrubar os custos. Depois de tudo, enquanto mais caças sejam vendidos, mais unidades pra ratear os custos de desenvolvimento.

Teropode

Sem contar o ganho de aprendizado , não duvide que estes ganhos serão utilizados na indústria aeroespacial , civil e até mesmo no desenvolvimento do 5g nacional , é isto que o Brasil deveria fazer , para um incauto estes gastos são perda de tempo , mas se observarmos com atenção o TEJAS é muito mais que uma plataforma de combate ,ele é uma FACULDADE , um multiplicador de idéias e sonhos , nós no Brasil não alcançamos este entendimento , eu acho !

Nostra

First official release of pic of twin engined carrier operated TEDBF for navy by DRDO today.

Most probably a IAF variant might be there , though not confirmed officially till now .

Er9cpntU0AEzLsM.jpeg
Glasquis 7

Isso tem uma cara de Typhoon

Nostra

Delta winged with coupled carnards like typhoon.

Nostra

Though from a top view there seems to be less similarity

Er9L_2BVEAEJJmG.jpeg
Teropode

Sim é o caminho natural da evolução tecnológica , nação que ignora isto está condenada a ser uma fazenda .

Glasquis 7

lembro que o pessoal aqui no forum menosprezava tanto ele.

Kemen

Primeiro vão produzir para a India e a Colombia já teve ofertas de outras aeronaves, não poderiam esperar, entretanto acho que teriam algo mais próximo dos seus Kfir que são modernizados.

glasquis 7

Os Kfir já estão sendo desativados. Esta semana foram 3 de uma vez.

Kemen

To sabendo, obrigado.

Teropode

Que bom , o TEJAS é um belo caça e terá dentes nacionais , espero ver a versão naval de cabine dupla complementar os F18SH no

Nostra

comment image

Defensor da liberdade

Parabéns aos indianos, foco, determinação e motivação são as chaves para a conquista.

Michel

Isso é defesa levada a sério!

Pablo

Concordo, porém, tu deve levar em consideração a grande necessidade que a Índia tem em se preocupar com sua defesa, de um lado o Paquistão, do outro a China, e ambos estão se aproximando cada vez mais. A Índia não pode deixar para depois, já que as ameaças são reais e atuais!

sergio ribamar ferreira

Aqui continuaremos como “o pinga pinga” de aquisição de gripens para formar o número de 36 aeronaves e sem previsão para segundo lote. Uma dor , uma tristeza vendo dinheiro de nós contribuintes sendo usado de maneira tão pífia para formar uma Força que necessita de aeronaves e outros milhares de equipamentos. Nossa indústria de defesa que governos anteriores e o atual g não estimula tende , sim a ficar para trás em demais segmentos. Parabéns à Índia com todos os problemas leva Defesa a sério

nonato

Pois é. O governo atual está com dinheiro sobrando né…
Covid, auxílio emergencial.
Se coquetéis de 4 milhões tem gente que critica imagine 30 bilhões em equipamentos de defesa…

Tiger 777

Tem notícias de quais mísseis ar ar o Tejas usará???

Nostra

WVR –

1.R73
2.ASRAAM
3.PYTHON 5
4.ASTRA MK1 UT

BVR –

1.I DERBY
2.I DERBY ER
3.ASTRA MK1
4.R77 ( intended )

Future AAMs like ASTRA MK2 & ASTRA MK2 will be integrated when available.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Rui Chapéu

Really all of it?

You have russian, israeli, american and national missiles in the same platform???

Good for you!

Nostra

Yes,

Indian , Israeli , Russian , European ( ASRAAM ) missiles only.

No American missiles .

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Rui Chapéu

Right! I made a mistake, i thought it was de AMRAMM.

Great for you!

Nostra

Manned , unmanned combat teaming between LCA and HAL wingman
comment image

Pic from HAL test pilot

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Rui Chapéu

HAL wingman….

This is new for me…

You guys are not playing while work!

Nice job!

Nostra

There is also unmanned / optionally manned LCA program.

1st stage – Network enabled unmanned LCA to be used as a wingman with control from the crew of the escort manned aircraft.

2nd stage – Autonomous AI controlled unmanned LCA with optional human control.

Currently status is experimental.

However elements of the above system is being incorporated for artificial intelligence enabled ” optimally manned ” cockpit of LCA MK2.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Kemen

Tejas MK1-A figther will use the same R-77 datalink to control the Derby ER ?

Nostra

Don’t know

Kemen

Thanks.

Teropode

Nem precisam dos mísseis americanos , estão bem servidos com os mísseis nacionais , russos e Israelenses .

Kemen

Tejas MK1-A figther will use the same R-77 datalink to control the Derby ER ?

Wich helmet is used by pilots in Tejas Mk1 figther?

Last edited 5 meses atrás by Kemen
Nostra

ELBIT DASH 4 HMDS
comment image

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

R73 firing by LCA pilot using look and shoot capability of DASH 4 HMDS.
comment image

Kemen

Good.
This is the helmet of brazilian F-39 Targos II from Elbit.

comment image

Kemen

What is the reason for not integrate the Meteor (i think it´s most capable) in the Tejas?

Nostra

Because of Israeli radar

MBDA refused

It will be easier and cheaper to integrate under development Astra mk3 ( solid fuel ducted ramjet propulsion with boron rich fuel same as in meteor ) when ready.

Tiger 777

Thanks Nostra.

Last edited 5 meses atrás by Tiger 777
Tomoko Fujinami

A Índia sempre tenta se preparar para uma guerra em duas frentes (China e Paquistão). Ainda assim, seus números atuais ainda estão aquém do necessário para esse cenário. Mas talvez seja questão de tempo para conseguir seu intento.

100nick-Elâ

India a um passo para se tornar superpotência. Se a India abandonasse a subserviência ao Ocidente, o mundo teria 4 partes principais: EUA/Ocidente, China, Rússia e India. Mas o complexo de vira-lata deles, na verdade implantado pela maravilhosa propaganda que a Inglaterra fazia na época colonial – que depois foi substituída pela propaganda made in EUA, fez um estrago muito grande na mentalidade deles, assim como na nossa. Resultado é esse: enquanto a China voa, eles só dão pulinhos.

Last edited 5 meses atrás by 100nick-Elâ
Nostra

You are saying ” India is subservient to west ” ? ( as per Google translate ) If the google translation is correct , than I will strongly disagree . India was never in the camp of the West since her independence and throughout cold war. India was the founding member of NAM ( non alignment movement ). India was one of the only very few countries not to enter any camp. USA has mostly been anti India . They sent their carrier group to attack India in 1971 . Only the threat of USSR retaliation forced them to withdraw.… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

Later during Obama rule there was few relaxation of ties mostly economical. Only during Trump rule India entered into a understanding for mutual security concerns because of China.

America ( and West ) always interfere in India’s internal affairs. Western intelligences , NGOs , proxies , media has created havoc in India countless times.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

In Davos when Gorge Soros said he will spend 1 billion dollar to bring down nationalists governments around the world , he primarily meant India. Why because a few months earlier Indian government had refused his demands , where he wanted to exploit Indian market for economic gains.

Biden adminstration is going to be very bad for India , filled with indophobic people. And lot of influence of china over Biden and democrats.

Already bad relationship between India and USA will go even worse in the rule of Biden.

Nostra

Long story short , Indian relationship with USA was always bad.

The relatively ok relationship under Trump administration was like rainfall in a desert- a exception of mere 5 years in a long 73 year period.

Best to keep in mind ” among nations there are no friends only interests ”

And India is too big and Indians are too many to be a mongrel. ( Obviously there are few Indian exceptions like leftists , liberals , Islamists , evangelists )

Last edited 5 meses atrás by Nostra
100nick-Elã

Nesse momento, a India está fazendo um jogo dúbio, mas uma hora ela terá que escolher um lado.Os EUA desejam de todas as formas jogar a India contra a China, porque esse é seu objetivo: conflito e guerra. Por outro lado, a China e a Rússia desejam comércio e paz. Infelizmente, alguns acontecimentos demonstram que a India tem se inclinado para o conflito e está tomando essa decisão errada porque a elite indiana, que é quem de fato toma as decisões, na sua maioria se enxerga como inferior ao Ocidente. Esse sentimento de inferioridade é resultado da propaganda inglesa da… Read more »

William Duarte

“Por outro lado, a China e a Rússia desejam comércio e paz. Infelizmente, alguns acontecimentos demonstram que a India tem se inclinado para o conflito e está tomando essa decisão errada porque a elite indiana…” – O que a China fez com Tibet e tenta com Tawian é paz e prosperidade? Deve ser uma invasão de flores e abraços para os irmãos de Formosa. A China nunca quis ou vai querer ter paz, ele que conquistar. No dia que ela sentir que da para bancar a apostar e baixar as cartas ela fará e sem nenhuma dó ou qualquer tipo de respeito… Read more »

100nick-Elã

Tawain é da China e ela vai tomá-la mesmo. O Dragão apenas está usando da paciência oriental para tomar a ilha rebelde no momento adequado. Tibet já é da China. Sim, China e Rússia querem comércio, enquanto o Ocidente deseja o conflito. Quantas guerras os EUA já se envolveram desde 1945? algumas, inclusive, baseadas em mentiras, como as Guerras do Golfo (as duas). Na primeira, inclusive, fizeram um teatrinho, envolvendo a filha do embaixador do Kwait de 14 anos, que simulou um falso ataque das tropas de Saddam a um hospital infantil. Vergonha. O Ocidente é o pai da mentira,… Read more »

Last edited 5 meses atrás by 100nick-Elã
Flanker

Ah, é?? Os anjinhos da china e rússia só querem paz e comércio……kkkkkkkkk …..Não seja cínico!!!

Funcionario da Comlurb

👍👍👍👍

Kemen

India was the founding member of NAM ( non alignment movement ). India was one of the only very few countries not to enter any camp.

Very inteligent position, good for India.

Foxtrot

Parabéns a Índia. Mesmo com muitas dificuldades técnicas que enfrentou, não desistiu e agora é só esperar. Daqui a pouco estará no mesmo patamar chinês, não precisará comprar caças de ninguém. O mesmo está acontecendo em outras áreas bélicas. Enquanto que no Brasil ficamos brincando de “absorver” tecnologias nós repassadas a preço de ouro e mantidas sob domínio de seus desenvolvedores. Poderiam ter comprado 2 ou 3 lotes de prontos (sem essa palhaçada de T.O.T como prévia o FX-1) de caças como Rafael, F-18, SU-35 etc, e desenvolver uma versão do AMX supersônica (coisa que a Embraer já tinha oferecido… Read more »

Frederick

Com tantos problemas e incômodos afetando o aspecto “crítico” da tecnologia no ToT e a falta de compreensão das suas implicações, não é de se admirar que foristas usualmente amaldiçoam a modalidade e perguntam-se “Se o Governo requer um equipamento de Defesa, por que simplesmente não compra?” A pergunta é extremamente pertinente e válida. Mas deve ser feita com cuidado. O principal fim de todo processo de aquisição é adquirir equipamentos e sistemas que atendam às necessidades das forças de defesa. Ponto. Ao ‘alavancar’ o processo, para obter “tecnologias críticas” por ToT, que oferecem benefícios muito limitados na autonomia da… Read more »

Foxtrot

“Como a India e outros países ensinam, autonomia vem depois de desenvolvimento. Assim, os benefícios são imensos para o desenvolvimento de tecnologia que caminharão para a autonomia. Processo longo mas factível e que estamos trilhando.” Há um contra senso aí amigo. Se o desenvolvimento factível vem de tecnologias desenvolvidas autóctones por instituições e indústrias locais, não tem como estarmos no caminho certo com essa balela de T.O.T. Até porque não se absorve tecnologias sensíveis , que por ventura não são transferiveis comprando projetos e replicando localmente pela própria empresa detentora do projeto. Veja o exemplo AEL (Espelho Elbit). Até hoje… Read more »

Frederick

É a sua opinião e é louvável que a defenda. Mas não tem muita aderência com alguns fatos que existem e, pelas suas deduções, aparentemente desconhece.

Abraço!

Last edited 5 meses atrás by Frederick
Foxtrot

É a sua opinião e respeito.
Porém quem aparenta não ter conhecimento é você e se contradiz em deu próprio depoimento.
Mas como sempre digo “O tempo é senhor da razão” .
Espere e verá daqui há poucos anos a FAB buscar no mercado internacional novo projeto salvador milagroso via “T.O.T” de caça 6 geração enquanto o mento estará na 8 geração, porque não aprendemos nada com o Gripen.
Assim como foi no projeto Xavantes, assim como foi no AMX .

Frederick

O EMB-326, quando fabricado sob licença da AerMacchi, capacitou a Embraer para a produção em série do EMB-110 Bandeirante, espinha dorsal para os projetos vindouros da empresa. Sem essa parceria, não teria adquirido know-how de produção serial. O programa AMX impactou imensamente a indústria aeronáutica brasileira. Trouxe capacidade de desenho, projeto e produção, capacidade para desenvolver conjuntamente tecnologias e melhoria no controle de qualidade. Além de conhecimento de integração de equipamentos eletrônicos em rede e criação de comandos FBW desenvolvidos e próprios da Embraer. A AEL mencionada nasceu do projeto AMX. O trem de pouso do KC-390 foi projetado e… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Frederick
Foxtrot

Blá blá blá e outras conversas fiadas de que a tecnologia adquirida ajudou a Embraer fazer tal avião etc. Quantos caças a Embraer desenvolveu sozinha com a tecnologia do Xavantes? Quantos caças com a tecnologia do AMX? Afinal de contas, estamos falando de tecnologia para caças. Esse papo de tecnologia ajudou a Embraer na aviação civil é mais uma balela dos militares para .justificar essa abominação denominada T.O.T que só sere para engorda o contrato de aquisição. Amigo, tecnologia não se compra ou se transfere, tecnologia se desenvolve, ainda mais em uma área tão crítica como a bélica. Você realmente… Read more »

Frederick

Retrucou com “bla,bla,bla” é porque não quer entender e nem saber.

Quanta confusão, F. Quanta confusão…

Espero mesmo que fique em paz.

Um grande abraço.

Last edited 5 meses atrás by Frederick
Foxtrot

Bom pelo jeito ou você faz parte da corporação e defende a incompetência deles nesta área, ou se beneficia de alguma forma desta instituição (FAB).
Seja qual for o motivo não vou perder meu tempo tentando te mostrar o óbvio.
Desejo o mesmo.
Fique em paz e faça valer seu soldo !

Frederick

Apelou mais uma vez, né, Foxtrot? Não pode ser contrariado que já vai no “se você não concorda comigo ou você é isso que não gosto ou aquilo que caricaturo…”. Ou vai para onomatopeias… Francamente. Mas, espera, deixa eu te ajudar aqui e talvez até a algum incauto que leia essas linhas. O tamanho do seu devaneio é esse: Blá blá blá e outras conversas fiadas de que a tecnologia adquirida ajudou a Embraer fazer tal avião etc. Essa linha não vale nada. Você só estava com raiva. Tudo bem. É um fato conhecido por todos que atuam na indústria,… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Frederick
Foxtrot

Caro Frederik, não é apelar, é dizer a verdade. Temos pontos de vistas diferentes de uma coisa óbvia. Esse papo de T.O.T no Brasil não funciona. Pode até ser que funcione em outro lugar do globo, mas aqui não. E temos inúmeras provas disto (Fragas Niterois, Submarinos Tupi, Xavantes, AMX etc etc etc). Pagamos caro para replicar localmente um produto ,e a réplica é feita pela própria empresa desenvolvedora. Te pergunto, quantas empresas de bebidas sabem a fórmula da Coca Cola? Quantas sabem os códigos fontes do Windows (sem piratear)? Quantas sabem como se fazer os micro processadores da Intel… Read more »

Frederick

AMX e Xavante não foram ToT.

Foxtrot

Por fim não me respondeu quantos caças a Embraer desenvolveu e fabricou com o T.O.T do Xavante e AMX como a Índia , China etc estão fazendo. Respondeu meus questionamentos com outro, prova de imperícia ou falta de dados concretos. Mas tudo bem, te responde 0 absoluto, pois nem o ALX conta, pois o mesmo é a evolução natural do T-27. Outra prova que tecnologia não se transferem, se desenvolve. Se a FAB tivesse comprado o projeto do T-27 (que evoluiu do T-25 Universal) com T.O.T, nem o A-29 conseguiríamos fazer sozinhos. Desculpa meu caro, mas seus argumentos não se… Read more »

Frederick

– Te respondi que a Embraer não desenvolveu um bombardeiro estratégico porque não foi provocada pela FAB/Governo Brasileiro.
– Te mostrei que adquirimos capacidade e entregamos 3 vetores de ponta, com muito do que o programa AMX nos deu.
– Xavante capacitou Embraer para produção serial pra Bandeirante e, mais tarde, T-27.
– O projeto ALX é a prova do que lhe disse que ToT não é base do desenvolvimento tecnológico brasileiro.

Creio em fatos. As acusações deixo pra você.

Foxtrot

Cansei meu caro, creia no que quiser. Mais uma vez entra em contradições. ” T.O.T não é base do desenvolvimento tecnológico brasileiro.” Como se defende ferrenhamente o processo de T.O.T? “Xavante capacitou Embraer para produção serial pra Bandeirante e, mais tarde, T-27.” Quem capacitou a Embraer a fabricar o T-27 foi a fabricação do T-25 Universal. Inclusive o projetista do T-27, recentemente projetou o avião da Novaer Craft. Sabe quando a Embraer realmente fez alguma coisa verdadeiramente com tecnologia local? No seu tempo de estatal. Na era dos E-Jats, tudo vinha de fora. A tecnologia de Flay-bay-waire dominada pela mesma… Read more »

Frederick

Não sabe diferenciar projeto de produção. Parceria com cooperação técnica com ToT. Não sabe o básico e insiste em não querer. Não sabe sequer escrever o nome da tecnologia! Por isso essa tua realidade é de uma burrice sem tamanho. 🙂 Está aí em todas as letras. Me sinto muito envergonhado em ter te levado a sério. Um sujeito que dedica-se a escrever agressivamente e de modo gratuito para supostamente aliviar alguma frustração profissional. Estrebuche-se no chão e escreva até seus dedos sangrarem. É mais que desinformação, é delírio. Chega de bater palma pra maluco dançar. “Prefiro chamar de ‘montagem… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Frederick
Foxtrot

Na falta de argumentos parte para agressão, e eu que não gosto de ser contrariado e saio agredindo e denunciando atoa tá.
Não sei se vão postar meu último post.
Mas não vou te dar o goste descer a seu nível.
Até porquê seu nível não vale a pena descer!

Frederick

“à toa, tá”.
“Porque”.

Entusiasta Militar

Sempre gostei desse caça, mas esse contrato ta muito caro … sabemos que tem muita coisa envolvida nisso

Frederick

São dois lados muito interessantes da faceta de defesa indiana. Sua indústria nacional e o recente reforço à retórica bélica daquele país. O nível de nacionalização de seus equipamentos é a progressão lógica da busca indiana pela autossuficiência na área de Defesa, pela pesquisa e desenvolvimento. Desde a década de 1940 empenham-se nesse sentido através de parcerias científicas e industriais, criação de institutos de tecnologia, com robustos esforços orçamentários, diplomáticos e de planejamento, que perpassam por praticamente todas as áreas da tecnologia de defesa (radares, bombas, motores, siderúrgica, veículos blindados, sistema de mísseis, eletrônica, pesquisa e desenvolvimento naval, etc). Compara-los… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Frederick
nonato

Mesmo assim, andou bem mais devagar do que a China.
Se bem que a China “copiou” e colou muito…

Frederick

Sim, sim. Digamos que a Índia teve um crescimento esperado, em relação ao seu plano.

China foi totalmente fora da curva.

Marcos Borges

O Tejas parece com aqueles fuscas equipados com som digital, mas se eles quiserem uma tela gigante para seus caças o Brasil vende rapidinho.

Kemen

Muita coisa desse caça (o operacional hoje MK1) não se conhece, é possivel que não tenha fusão completa de todos os sensores que possa ter, o futuro MK1 A se conhece menos ainda, só sei que o pulse doppler sera substituido por um AESA da Elbit, isso devera introduzir melhorias.

Last edited 5 meses atrás by Kemen
Kemen

A grande força da IAF consistira nos Rafale e misseis Meteor, de acôrdo com a MBDA o Meteor tem uma larga região onde escapar dele é impossivel, Mas tal lá como cá, tem uns a favor e outros contra. Deve existir também muita influência politica externa, pois esses contratos da IAF envolvem muito dinheiro e disputas muito acirradas. Um antigo relatório da India Today citando a Força Aérea Indiana escreveu que o HAL Tejas não é suficiente para proteger os céus indianos. A resposta veio depois que o Bloco Sul pediu à IAF que desistisse de seus planos de adquirir… Read more »

Nostra

If Google translate is correct you are quoting an old report by India Today media house which inturn is quoting unnamed IAF source.

( funnily the unknown IAF source could me or even you )

Media is driven not by charity but money , whoever pays money will get the media to publish news the way they want with convenient half truths and half lies.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

IAF never said LCA MK1 / MK1A is behind Gripen E and F16V . ( Produce a verifiable official statement by named in service IAF official(s) saying so )

Because they are professionals , LCA MK1 / MK1A is a light weight category aircraft while Gripen E and F16V are both medium weight category aircrafts.

So any professional airforce will not be foolish enough to compare two different categories of aircrafts unlike ill-informed journalists and people.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

” Does buying HAL Tejas Mark 1A make sense ? ” ( As per Google translate )

Maybe not for journalists and some people, but IAF found enough sense to buy 83+40= 123 LCA MK1A.

Around 7 billion dollars is not pocket change , IAF must have found more than enough sense to spend 7 billon dollars on LCA .

Majority of that money will end up with around 500 Indian companies contributing to LCA program and further boost Indian aerospace manufacturing sector.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

Old pic below of Indian tier 1,2,3 companies involved in LCA program. It has since increased to 500 and numbers will only grow more with time ready for LCA MK2 , TEDBF , AMCA MK1 / MK2 programs including ALH , LCH , LUH , IMRH helicopters. Many of them also work for global aerospace companies Boeing , Lockheed Martin , Dassault , Airbus etc.

Technologies developed for LCA are being used in civilian sectors. Eg software tool developed for designing and analysing composite materials for LCA was acquired by Airbus for use in A380 and their other aircrafts.

ErrvlPOUwAkz9dR.jpeg
Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

You said ” However, although advertised as a local program, many of Tejas’ core systems are purchased from foreign suppliers, including an American F404 engine the same engine designed to power the Tigershark F-20 light fighter in the 1970s ” ( Google translate )

Do you know the percentage of foreign content in Swedish Gripen , South Korean FA50/KF-X , Japanese F-2/F-X etc ?

The Swedish, SK , Japanese etc are not bothered, then why should India ?

Also it seems you forgot that the 1970s F404 engine powered Gripen A/B/C/D. Volvo RM12 is nothing but license produced F404 variant.

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

The only Israeli systems are the radar and SDR.

The only British systems are the ejection seat, AAR probe and the radome ( now being produced in India )

The MFDs are developed and produced in india by a Indian french JV company.

There are no Russian electronics in LCA.

Indian AESA radar, SDR , WAD , radome , BVR missile , engine are under development and majority of them will be available for LCA MK2 except for the engine.

Tejas-1024x632.jpeg
Nostra

Gripen foreign components for your comparison.

I hope it will open your eyes and make you see your bias and prejudice.

images.jpeg
Last edited 5 meses atrás by Nostra
Kemen

“I hope it will open your eyes and make you see your bias and prejudice.”

Really?

There are only one supplier to FAB for everything of F-39 (Gripen E/F) parts aircraft, SAAB-EMBRAER.

This not include weapons, of course, the same for your Derby, R-73, R-77 and Phyton. Perhaps some components for your national missiles.

We can´t forget that there are microships, processors and several componentes, that are imported to make indian systems for Tejas figther.

Last edited 5 meses atrás by Kemen
Nostra

Why say things without no knowledge ?

Here for your viewing pleasure

ANURAG-Developed Products-2.jpg
Nostra

One of the processors
comment image

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Kemen

Parece ser o primeiro microprocessador produzido pela Shakti em 10/2018 utilizado em sistemas de baixa potência sem fio, e sistemas em rêde.

Nostra

More

ANURAG-Developed Products-1.jpg
Nostra

These are some of the processors etc , if you want more google

And now show me Swedish processors , SoC etc

Kemen

I don´t have doubts about the capacity of India to fabricate ships, but you believe that all ships of Tejas as fabricate in India?

Let me to explain something, if a country will assemble 83 figthers, it´s not possible project and manufacture maybe only 200 ships, this can be very expensive and will lost much time in the project.

Aircraft like Rafale, Eurofigther, Gripen, T-50, T-346, etc have imported ships of orher counbtries, this is ususally..

By rhe way, which company develop the Tejas Fly By Wire?

Thanks.

Last edited 5 meses atrás by Kemen
Nostra

What you mean by ” ships ” ? ( Google translate ) You first said India doesn’t have own processors , MPs , SoC , MMICs , FPGAs. I said you are wrong . Now you are asking if all processors in LCA etc are local or not . How am I supposed to know that ? There are hundreds of LRUs , avionics , multiple computers inside a aircraft , which is using all kinds of processors etc . Nobody can answer this question of yours. Component level information is restricted to subsystem / system level designer only as… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Kemen

Por que tenho de lhe mostrar processadores suecos?

Nem sei se a Suécia produz microprocessadores, provavelmente os importa.

O controlador de vôo (Fly By Wire) do Gripen C/D usa como principal o processador Motorola MC68040 e como processador de I/O e backup o TMS320C30.

A compilação do software do F.B.W. foi feita em computadores VAX.

Sobre os processadores da nossa versão do Gripen E/F ainda não tenho a informação.

Kemen

Nostra, do you think that Hal Tejas it´s more capable than Rafale sold to India ?

I Know the advantages to factory your own figther, of course.

Nostra

Seriously bro

One is to one how can a single engined light weight category aircraft be better than a twin engined medium weight category aircraft.

Trying to compare a pistol with a rifle ?

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Kemen

Oh Nostra this don´t make sence for me, i am sorry but if an aircraft with only one engine don´t be good for protect a country, why a lot of countries have a lot of then. Of course the paylod must be greather, but this isn´t all for a figther if they must carry a very good AESA radar, modern weapons and ECM. But in general the operational cost is less expensive. The time to change the engine of the Gripen is one hour. There are another advantages… Nowadays figthers with one or two engines aren´t determinant, can be necessary… Read more »

Nostra

Bro I am using Google translate which says ” Nostra, do you think that Hal Tejas it´s more capable than Rafale sold to India ? ” So I replied both are not comparable , since they belong two different categories. You didn’t ask anything regarding single engine vis a vis twin engine . In that case I would have replied Single engined aircrafts have their own advantages 1. Lower logistics chain 2. Lower turnaround time 3. Low per hour flight cost 4. Lower total life cycle costs 5. Higher availability 6. High operational tempo 7. Better suited for forward basing… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Nostra
Kemen

As forças aéreas não compram seus caças visando esses parâmetros de 60% ou 40%, isso é certo. Cada força aérea tem sua estrategia de defesa, o que você escreveu no fim é o correto. Os missei‌s convencionais tem diminuido seu pêso em razão das novas tecnologias, o mesmo com os sistemas de um caça. Ter um altissimo payload não é mais uma necessidade para guerras convencionais, e a necessidade de caças com duas turbinas para maior disponibilidade de armamento tem diminuido em algumas forças aéreas com o desenvolvimento de turbinas mais potentes. Pode ser observado por exemplo no Gripen.  7… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Kemen
Kemen

Ok, but this engine it´s not the same engine of brazilian Gripen F-39.

What is the supercruise velocity of Tejas MK1?

A´m asking you about this because there aren´t detailed information about Tejas figther.

Kemen

Esse é o turbofan do Gripen E, não o que você escreveu..

F414 GE 39E

Excelent supercruise velocity and power.

comment image

Adriano Moura

Quando a gente lê essas notícias, e a falta de manutenção da frota de transporte, a gente se dá conta que a FAB é mesmo um lixo.

JuggerBR

O biposto traseiro parece ter zero visibilidade frontal. Ele não tem controles para pilotar se necessário?

Nostra

In all operational conversion trainers ( ie derived from fighter aircrafts ) the instructor seats in the rear and he is qualified and experienced to use the available visibility to control the aircraft with the duplicate rear controls and even override the controls at the front seat where the trainee pilot works. There are one or 2 exceptions eg in mig29 conversion trainers , there is a periscope in the rear for the instructor to help in forward visibility ( another reason is mig29 lacks FBW and requires quick reaction from instructor incase the trainee looses control ) In RSS… Read more »

6333237_fbimg1511875995818_jpeg164c2aac4181e95b1a0224b9698e8318 (1).jpeg
Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nilton L Junior

Bem bem vamos esperar pra ver a novela.

Nostra

Official design configuration of twin engined TEDBF was published during a online conference by DRDO chief.

Er8tXXdUYAAR9ar.jpeg
Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

AMCA current status

Er8tVbQU0AEHIYz.jpeg
Nostra

Twin engined TEDBF , Single engined LCA MK2 , Twin engined AMCA.

Er8pgEKVkAAR5IH.jpeg
Last edited 5 meses atrás by Nostra
Nostra

LCA MK2

Er8tTwZU0AAPpuZ.jpeg
Nostra

These pics are from the slides during today’s presentation by DRDO chief.

Reportagens especiais

Fumaça 60 anos: meu nome é Hornet, Super Hornet

A foto acima foi tirada na última apresentação do Super Hornet nos 60 anos da Esquadrilha da Fumaça (EDA...
- Advertisement -
- Advertisement -