Home Aviação de Caça Turbofan chinês WS-15 para o caça J-20 superou obstáculos tecnológicos

Turbofan chinês WS-15 para o caça J-20 superou obstáculos tecnológicos

12694
115
Imagem capturada de vídeo do turbofan WS-15
Bocal de empuxo vetorial do turbofan WS-15 aprimorado, em imagem capturada de vídeo

O terceiro lote de turbofans WS-15 da China foi entregue e apresenta desempenho melhor que o motor F135 americano usado no caça F-35, relatam fontes chinesas.

Isso significaria que a China alcançou a meta de cerca de 197 quilonewtons (44.000 lbf) de empuxo com um pós-combustor no futuro motor do caça J-20.

O Pratt & Whitney F135 é um turbofan com pós-combustão desenvolvido para o Lockheed Martin F-35 Lightning II, um caça de monomotor.

O F-135-PW-100 tem o seguinte desempenho:
– Empuxo militar de 28.000 lbf (128 kN) e 43.000 lbf (191 kN) com pós-combustor
– Relação de pressão geral: 28:1
– Relação empuxo-peso: 7.47:1 empuxo militar, 11.47:1 aumentado

O WS-15 é um motor turbofan de pós-combustão chinês projetado pelo Shenyang Aeroengine Research Institute e fabricado pela Xi’an Aero-Engine Corporation, que será usado para propulsar o Chengdu J-20, capaz de obter supercruise.

Desempenho do WS-15
– Empuxo militar: 105 kN
– Pós-combustor: 180+ kN
– Objetivo: 197 quilonewtons (44.000 lbf) com pós-combustor
– Temperatura da entrada da turbina: 1.850K
– Relação empuxo/peso: 9,7-10,87

Motor P&W F135 do F-35

Caça J-20 entrou em operação com motores provisórios

O South China Morning Post relatou em setembro de 2018 que a China teria corrigido os problemas do motor WS-15 que atrasaram a produção em massa do caça furtivo J-20.

O problema principal do WS-15 estava amplamente relacionado ao superaquecimento das palhetas nas velocidades máximas. Desde então, foram realizados testes de solo e voos de teste no motor WS-15 aprimorado.

A China precisava do WS-15 mais poderoso para produzir localmente um motor para o J-20. Anteriormente, os chineses usaram motores com pouca potência ou motores russos mais antigos. Os motores russos estavam uma geração atrás dos motores dos EUA e os chineses estavam apenas obtendo motores russos inferiores.

A China espera que os EUA desdobrem entre 200 e 300 caças F-35 na Ásia até 2025. Por isso os chineses querem ter até lá pelo menos 200 caças J-20. O país poderá produzir posteriormente 500 caças J-20B, mais do que o número futuro total de outros caças de quinta geração na Ásia-Pacífico.

Em abril de 2018, foi relatado que a Chengdu Aerospace Corporation deveria abrir uma quarta linha de produção para o caça furtivo J-20 em 2019.

A China produziu 8 protótipos e mais de 20 caças de produção inicial que usam motores provisórios.

Os protótipos eram propulsados inicialmente pelos motores WS-10 ou pelos russos AL-31F. O WS-15 levará o J-20 para um nível de desempenho mais alto e permitirá que ele alcance a tão esperada velocidade de supercruise.

O modelo LRIP (cadência de produção inicial) do J-20 é equipado com dois motores WS-10B, um modelo aprimorado baseado no motor que equipa o caça J-10.

A meta de empuxo do WS-15 em 2012 era de 180 quilonewtons (40.000 lbf).

Derivado do motor F119, o F135, produz 40.000 lbf (180 kN) de empuxo para o Lockheed Martin F-35 Lightning II.

Se o WS-15 atingir os objetivos de projeto, a velocidade de cruzeiro do J-20B será de Mach 1,8 e a velocidade máxima excederá Mach 2.2. Seriam equivalentes em desempenho ao F-22 dos EUA.

O F-22 da USAF esteve em produção por 15 anos (1996-2011), a uma taxa de aproximadamente dois aviões por mês durante o pico de produção. A China estaria cerca de 23 anos atrás da tecnologia americana de caças e motores a jato. Os chineses poderiam alcançar em 2019 o que os EUA tiveram em 1996).

A China conseguiu roubar via internet projetos das tecnologias dos F-22 e F-35. Por volta de 2030, a China poderá ter 500 caças furtivos J-20B e 100 caças J-20 e J-20A. Os EUA teriam 185 caças F22 e talvez 1.500 F-35.

Bocal de empuxo vetorial do turbofan WS-15 em diferentes posições

Um motor WS-15 explodiu durante testes em 2015

A China colocou em serviço o seu primeiro caça furtivo avançado antes do previsto no ano passado, usando motores provisórios, diante dos crescentes desafios de segurança na região, apurou o South China Morning Post.

Mas isso significa que suas capacidades serão severamente limitadas, afetando sua capacidade de manobra e eficiência de combustível, bem como sua furtividade em velocidades supersônicas.

Sem dizer quantas unidades estavam em operação, a Força Aérea do Exército de Libertação Popular confirmou que o J-20, o caça de quinta geração do país, havia entrado em serviço de combate.

No entanto, a aeronave está equipada com motores inferiores projetados para aviões de combate anteriores porque “problemas críticos” não haviam sido corrigidos no motor WS-15 feito sob medida e que causaram um acidente em 2015, segundo duas fontes militares independentes.

“O motor WS-15 projetado para o J-20 explodiu durante um teste de corrida em solo em 2015”, disse uma fonte, acrescentando que ninguém ficou ferido no acidente.

“A explosão indicou que o WS-15 não era confiável e, até aquele momento, não havia solução fundamental para superar esse problema … é por isso que o J-20 está usando motores WS-10B até agora.”

O WS-10B é uma versão modificada do motor WS-10 Taihang, projetado para os caças J-10 e J-11 de quarta geração do país.

A explosão foi confirmada por outra fonte próxima às forças armadas, que disse que as razões pelas quais isso aconteceu eram complicadas, sendo uma delas o controle de qualidade de suas palhetas monocristais de turbina, o componente principal de um poderoso motor turbofan.

A nova geração de palhetas monocristais de turbina projetadas para o WS-15 deveria suportar o aumento das cargas mecânicas causadas por velocidades rotacionais significativamente mais altas e temperaturas extremamente altas.

O ex-presidente da Corporação da Indústria de Aviação da China (AVIC), Lin Zuoming, disse à mídia estatal em 2017 que as pás da turbina monocristais de terceira geração da China poderiam suportar temperaturas de até 2.000 graus Celsius em motores WS-10, estendendo a vida útil de 800 horas a 1.500 horas do motor, quando comparado com àqueles que usam a geração anterior de palhetas da turbina.

WS-10
Turbofan WS-10

No entanto, a relação empuxo/peso do motor WS-10 original era de apenas 7,5, enquanto a do WS-10B alcançava cerca de 9. A relação empuxo/peso do motor turbofan WS-15 de empuxo vetorial é superior a 10 – um dos requisitos básicos para fornecer ao J-20 a capacidade de supercruise.

O supercruise permite que caças furtivos como o F-22 Raptor dos EUA voem em velocidades supersônicas sem usar pós-combustores, tornando-os mais difíceis de detectar. O F-22 é equipado com o motor a jato mais avançado do mundo, o Pratt & Whitney F119.

Mas alcançar supercruise exigiria que as palhetas monocristais da turbina do motor WS-15 lidassem com temperaturas ainda mais extremas do que aquelas alcançadas pelo WS-10.

“Técnicos chineses são capazes de produzir pás monocristais de turbina de alta qualidade quando se concentram em um único item específico”, disse a segunda fonte militar. “Mas eles ainda não tinham conseguido transformar a tecnologia avançada em um produto padrão para produção em massa. É um problema de gargalo que precisava de mais tempo para ser resolvido após inúmeras experiências e testes, com base nas experiências ocidentais”.

“O uso dos motores WS-10B é apenas um estágio temporário e conveniente do desenvolvimento do motor do J-20. No futuro, a aeronave poderá usar outro novo motor, a versão de desempenho aprimorado (IPE) do WS-10, o WS -10 IPE, até que o desenvolvimento do WS-15 seja bem-sucedido”, afirmou a primeira fonte.

“É tão embaraçoso trocar de motor para um projeto de aeronave tão importante várias vezes … apenas por causa da falta de confiabilidade dos primeiros motores WS-15. É o problema central de longa data entre as aeronaves de produção local.”

O J-20 trocou de motor três vezes. No voo inaugural da aeronave foi propulsada por dois motores russos AL-31, que são menos capazes que o WS-10B da China.

A Rússia se recusou a exportar seus motores mais avançados para a China porque eles são a tecnologia principal de sua indústria de aviação. Isso levou a China a desenvolver uma alternativa autóctone, o WS-15, como parte de seu esforço para produzir uma das aeronaves de combate mais avançadas do mundo.

WS-10 Taihang visto de outro ângulo

A China investiu US$ 23,7 bilhões no desenvolvimento do WS-15

Pequim intensificou o desenvolvimento dos sofisticados motores a jato desde a virada do século, com pelo menos 150 bilhões de yuans (US$ 23,7 bilhões) investidos entre 2010 e 2015, informaram militares em 2016.

A Aero Engine, estatal, empresa formada em agosto de 2016 por meio da fusão de 24 subsidiárias da AVIC com cerca de 10.000 funcionários, liderou o desenvolvimento e a produção da China de motores de aeronaves e turbinas a gás nos últimos anos. Uma das ex-subsidiárias da AVIC, Shenyang Aeroengine Research Institute, desenvolveu o WS-10 e WS-15.

A China Central Television se vangloriou em 2017 de que o desempenho do WS-15 se equipara ao do F119, com um documentário exibido em maio, alegando que os motores do WS-15 seriam amplamente utilizados no J-20 até 2020.

Isso tornaria a China o terceiro país a ter um caça de quinta geração – depois dos EUA e da Rússia. Justin Bronk, pesquisador especializado em poder aéreo no Royal United Services Institute, disse ao site Business Insider que o design do J-20 proporciona “maior alcance, mais capacidade interna de combustível e maior capacidade de armas internas” do que seus colegas americanos, o F-22 e o F-35, e isso significava que representava uma ameaça real para as forças americanas no Pacífico.

No entanto, analistas militares disseram que era muito cedo para tais prognósticos, porque o motor WS-15 em desenvolvimento ainda não era tão sofisticado quanto o F119, que tinha uma vida útil de mais de 4.000 horas.

O protótipo do primeiro caça de quinta geração da Rússia, o Su-57, foi ao ar pela primeira vez em janeiro de 2010, mas em seu voo com o novo motor Izdelie 30, especialmente projetado para ele, só ocorreu em 2018. O novo motor permitirá que o Su-57 atinja a velocidade de supercruise e voe consistentemente a 2.242 km/h, mas ainda passa por muitos testes, com o site Russia Beyond informando que não seria montado no Su-57 antes 2019 ou 2020.

O projeto do motor WS-15 da China começou nos anos 90, com o primeiro protótipo entregue em 2004 e o primeiro teste de solo realizado em 2015, disse Antony Wong Dong, um observador militar de Macau.

“A China levou 11 anos para testar o WS-15 após a criação do protótipo”, disse Wong. “É muito comum levar de três a oito anos para um maior desenvolvimento.

“E ainda é uma conquista significativa para a China desenvolver o WS-10B como um paliativo para o J-20. A base de tecnologia avançada para motores de aeronaves da China era muito fraca porque sua pesquisa e desenvolvimento começaram várias décadas depois dos seus parceiros ocidentais.”

As americanas Pratt & Whitney e General Electric passaram mais de 12 anos desenvolvendo protótipos do motor F119 na década de 1980, seguidos por outros 14 anos de testes após o voo inaugural do motor, instalado em um F-22, em setembro de 1997.

Os EUA também começaram a desenvolver o F-35, um caça multifunções furtivo monoposto, monomotor e para qualquer clima nos anos 90, com o primeiro esquadrão – usando os motores Pratt & Whitney F135, um derivado do F119, alcançando a capacidade operacional inicial (IOC) em 2016.

Instalações de fabricação de componentes do WS-15

FONTE: South China Morning Post, Next Big Future e fóruns militares chineses

115 COMMENTS

  1. Clássico texto hegeliano, otimista no início, crítico no meio e a síntese ao final realmente proveitosa.
    A pergunta é: tais gastos mitares chineses serão mantidos em uma eventual saída do gado-alfa da presidência dos EUA? Afinal, a única ameaça à soberania chinesa é naval – no meu entendimento de boteco, as rotas de comércio no Pacífico.
    Ademais, a China está realmente interessada em paridade tecnológica militar com os EUA? Ou apenas manter um custo-benefício russo, uma certa distância controlada? Até porque, contrariamente aos russos, a China não convive com ameaças de invasão estadunidense (ainda acho que o Trump nos salvou de uma guerra russo-americana, como a bruxa democrata insinuava).

      • Preste atenção, camarada!
        Só se eu tivesse múltiplas personalidades, visto que o estilo de escrita é totalmente diferente do meu.
        Em que pese os excelentes comentários do Nilton Reis Jr.

    • a Bruxa Democrata uma vez disse que a Guerra com a China é inevitável, fora que queriam tirar o Putin do poder, como ela fez com Muamar por exemplo, Hosni, e quase conseguiu com o Assad.

    • Russia x EUA nunca vão entrar em guerra… Sabem que seria o fim do mundo. O “respeito” demonstrado na Síria deixou isso evidente (Um até avisa o outro sobre o que irá fazer).

      China… Muito menos… É dependente demais do ocidente, pra suas exportações e nem se atreveu a responder o ataque a Huawei.

      Na verdade… Só tem um povo no mundo que não tem medo da morte… Os muçulmanos. Que esses terroristas nunca coloquem as mãos numa arma nuclear. Pois estes sim, são os únicos loucos do mundo que podem apertar o botão… Essa guerra sim, é que a precisa continuar.

  2. Impressionante! A China merece respeito pelo esforço de redução do gap em relação aos EUA, mas eu tenho minhas dúvidas sobre se terá sucesso, o que faço baseado em opinião pessoal. Não se pode – ou ao menos até hoje ninguém conseguiu – disputar e vencer em todas as arenas.

      • Mentira. O Brasil não é capaz mesmo se os americanos entregassem os projetos do F22 e F35. Não tem capacidade industrial ou mão de obra pra isso . Não inventa. A Europa que conhece muito bem os caças americanos também tão muito longe de fazerem algo parecido. Vc tem uma mania feia de mostrar sua inveja da china .

      • Conversa para boi dormir, ainda que os americanos entregassem nas nossas mãos o projeto do f-35 não ia dar em nada, ia acontecer o de sempre, nos temos o projeto, mas nunca teríamos dinheiro para por em pratica, é sempre a mesma velha desculpa. Aliás o que aconteceu com o MAR-1 hein? Nem a mer*a de um míssil que é bem mais simples conseguimos fazer, que dirá um motor moderno de um caça de 5 geração, portanto, me poupe, se poupe e nos poupe dessa conversinha fiada

  3. Dois comentários apenas:
    1) Ao motor chinês ser melhor que o do americano. (ou qualquer outro): Ahå!
    2) O Brasil deveria ser a China. Mas a preguiça…

  4. O maior “mérito” nessa empreitada não seria dos engenheiros Chineses, mas seguindo esta ordem, “dólares”, espionagem, apoio intelectual Russo e Ucraniano… Não é atoa que estão comprando a Motor Sich..

  5. O grande diferencial da china é que ela não se propõe a exportar seu sistema de governo, logo não precisa bancar a policial do mundo.Não vai ser exatamente uma corrida justa e ao meu ver os resultados são imprevisíveis.
    Dizer que os chineses dependem dos avanços ocidentais é puro preconceito, começar a andar de pé é sempre complicado, mas uma vez desenvolvida a capacidade, não há quem consiga parar. A china já está andando faz tempo….

    • Nem sequer há corrida. A China declara sua fé inabalável no comércio mundial há pelo menos 20 anos, e guerras vão contra isso tudo.
      A incógnita na equação é os EUA. Vão seguir no bully pelo orgulho do Destino Manifesto ameaçado, ou vão relaxar e deixar a China tomar a dianteira – apenas NOMINAL – da economia mundial?
      Para o nosso azar, ao final das contas tudo se resume ao humor do eleitorado estadunidense, se uma guerra com a China massagear o ego do redneck médio estamos fritos.

    • tu leu a última reunião do PCC? eles querem ser potência dominate do Mundo, exportar sua cultura e forma de governo pelo mundo. deixa de achismo e foca no que o Partido Disse.

  6. Se o F-135 teve problemas com superaquecimento, eu não duvido que o WS-15 também possa apresentar o mesmo. A temperatura que as pás devem chegar para entregar esse empuxo deve ser absurdamente alta, se for comparada com os motores de caças da 4ª geração.

  7. O ocidente deu de mão beijada todo conhecimento que os chinos precisavam, construíram centenas de milhares de fábricas na China para maximizar o lucros aproveitando a mão-de-obra escrava, mas era óbvio que eles estavam absorverndo o conhecimento por baixo dos panos, nem precisou espionar, receberam tudo de graça, o governo tirava cópia de tudo e dava para as universidades e centro de pesquisa, depois, graças à educação comunista de primera qualidade (lá não tem maconha, performances de peladões, balbúrdias, sujeira e imundices dos centros acadêmicos, simplesmente quem não estuda e tira boas notas vai preso ou é condenado a passar o resto da vida numa colheita no campo), hoje eles estão fazendo tudo por conta própria e competindo com os capitalistas.

    • Perfeito comentário do Sr. augusto Mota. quem não estuda ou trabalha vai para colheita de campo . Nada de imundície, balbúrdias, “carrossel com dedo no…”e outras aberrações que temos de conviver para minha e nossa infelicidade. centro acadêmicos cheirando a fezes e vômitos, drogas A VONTADE. Não! Aqui em Bruzundanga é a terra da liberdade de expressão, democracia que desejam destruir. Há mais de quarenta anos ouço isso. compare Brasil e China há trinta anos. O atraso, a roubalheira, ganância, corrupção, esquisitices serão nossa ruína.

    • Eles fabricam motores aeronáuticos a mais de 60 anos. Claro que eram cópias de projetos soviéticos, mas com o passar do tempo adquiriam tecnologia ocidental, como as RR Spey usadas no JH-7. E agora, depois de muito dinheiro, chegaramam algo similar aos americanos. Embora muitos se recusem a acreditar, certamente não foi algo que aconteceu da noite para o dia.

      E muitos ainda tem na cabeça esse mito da tecnologia ocidental inalcançável, coisa que os soviéticos jogaram por terra com as AL-31 e R-33, equivalentes às F100 e F404 americanos. O desempenho das aeronaves que as utilizam jogam por terra qualquer dúvida da capacidade das mesmas.

      • Exatamente o bocal serrilhado aumenta a área de contato com as ondas sonora gerando sua desaceleração causando significativa redução do estrondo.
        Está tecnologia foi desenvolvida para aeronaves cívil pousar em aeroportos em grande centros urbanos.
        O barulho é formado no encontro do ar exterior que está em uma velocidade x se chocando com o fluxo de ar do escape do jato que está em velocidade muito superior x.n, como pode notar o serrilhado irá permitir um choque gradual entre estes dois fluxo de ar.
        Reduzindo o barulho.

        Tecnicamente tem mais coisa mas a visão global é está.
        Abraço.

    • Não coleguinha. “Motor a jato” é uma expressão genérica similar à “motor à reação”. A diferença que existe é entre turbofans e turbojatos, mas ambos podem ser considerados “motores a jato”

      • Não coleguinha, vc tá falando a msm coisa, mas turbofan não é um motor a jato puro, não é de reação. É semelhante ao turbo hélice, a turbina tem o papel de gerar o giro, mas em de ser para hélice vai para um conjunto de hélices dentro de uma carenagem, isso é o fan qua dá o nome ao motor. O motor chinês é um turbojato ao jato puro se preferir.

  8. Ao invés de ficar zoando os chineses com bobagens do tipo “solta pecinha”, devíamos aprender com eles que não há atalhos nem espertezas que substituam o trabalho duro e a disciplina. Parabéns a eles

    • Neste pais nunca se tem recursos para desenvolver a tecnologia ou indústria nacional…sempre colocam empecilhos e criam justificativas para que aqui nada ande para frente…pois o intento por trás disso é nos manter no clientelismo…nenhum pais vai nos ajudar a nos desenvolvermos e sermos uma futura potencial rival…é muito melhor sugar todas as riquezas não renováveis as quais são essenciais para o futuro…vamos parar com essa mística de que os países querem ajudar os outros…não a amizade entre nações…existe interesse e deveria haver respeito, coisa que não se tem mais graças a imposição dos países desenvolvidos sobre os subdesenvolvidos...

      investir na indústria e tecnologia nacional traz a independência tecnológica além do desenvolvimento econômico para o pais…seja na construção de aviões ou de um submarino nuclear toda a cadeia produtiva se integra…empresas nacionais recebem e geram tecnologia e formam mão de obra especializada…tal processo gera conhecimentos e técnicas transferíveis a outros setores…

      o fomento da indústria nacional traz a geração de empregos e o desenvolvimento do know-how e da capacitação da nossa mão de obra profissional…todos os países sérios priorizam e investem em sua indústria…enquanto que no nosso existe uma completa falta de apoio e amparo…a indústria nacional tem que ser fomentada para que mais empresas nacionais surjam e criem concorrência entre si e assim a nossa indústria se desenvolva e se torne competitiva…temos que estimular a concorrência com nossa própria indústria e não a de fora…

      o problema é que aqui no braziu a maior parte dos brazileiros não são patriotas e nacionalistas…não defendem a necessidade de termos empresas nacionais mas defendem as internacionais...não investimos em educação, ciência e tecnologia…e muito menos ainda na nossa indústria…ao contrario dos países desenvolvidos…só investimos em estádios de futebol e carnaval…porque aqui como na decadente república romana o que importa é pão e circo…

      • Temos bons profissionais que por não ter campo de trabalho aqui no nosso pais, foram trabalhar la fora. E isso vem com o tempo, após termos uma industria aeronáutica civil de ponta, com excelentes profissionais a vendemos para a Boeing, aja quem entenda! Sobrou a Embraer militar, precisamos “dar mais asas” a essa empresa dar incentivos se necessario, que tudo não pare no KC-390 e no Gripen.

        • Olha os salários no Brasil, mais especificamente na EMBRAER que você vai entender o porque das coisas não irem para frente no Brasil.

      • Até para copiar é preciso competência. Não basta obter as informações técnicas de como produzir algo para conseguir fazer de fato. A coisa mais fácil que existe é desmerecer o trabalho alheio. Mas está feito, aceitem que dói menos

  9. É sempre assim: “segundo a nossa fonte” superamos os americanos nisso, superamos os americanos naquilo…por que apenas não divulga o patamar atingido com os seus dados técnicos e deixa para a opinião pública avaliar? A China já mostrou que realmente é capaz mas esse complexo de inferioridade já encheu o saco.

  10. A europa com seus players como Inglaterra, França, Alemanha, entre outros, e até a Suécia estão sendo rapidamente ultrapassados pela China, enquanto os europeus estão apresentando os seus mockup do que será o substituto de seus delta-canards, a China já apresenta protótipos voando de caça de quinta geração, enquanto vemos uma certa euforia da Suécia com a apresentação do NG, a China já mostra ao mundo, dois de quinta geração, espero que a Europa não faça como um certo país, gigante por natureza, e deitado em berço esplêndido.

  11. Pelo que dá entender é que resolveram o problema das turbinas e vão substituir as antigas principalmente nos caças J-20 que já estão voando. É pai… É sombrio e nebuloso o que vou escrever aqui mas o futuro do mundo parece estar subordinado ao império chinês. A não ser que o mundo ocidental acorde e se movimente agora enquanto há tempo.

  12. A vida útil do WS15 ainda é baixa, é possivel que continuem sempre aprimorando seu motor. Parabéns aos chineses, o equilibrio militar tecnológico entre os grandes é bom para o mundo, para que ninguém se atreva a apertar primeiro o “gatilho” achando que um pode acabar com o outro sem ter resposta.

    • Ou, ainda melhor, poderia indicar uma bibliografia moderna ( a última que li tinha que preencher uma ficha e aguardar a entrega na mesa de leitura da Mário de Andrade…) a respeito destes motores?

      Muchas Gracias

  13. De pouco em pouco a maior parte dos obstáculos tecnológicos chineses serão superados. Por ano, saem das universidades chinesas 4 milhões e meio de graduados em ciência, tecnologia, engenharia e matemática, somados (STEM). Um verdadeiro exército de mentes qualificadas e capazes de enfrentar imensos desafios.

    Somente conhecendo o país o seu povo para ter uma compreensão mais acurada deste significado. A cada semana recebemos múltiplas notícias do desenvolvimento militar chinês aqui na Trilogia. A China está passando por uma transformação incrível e irreversível.

  14. Ué tempos atras compraram o SU 35 para dar uma “zoiada” nos motores, patinavam até uns meses atras com relação a confiabilidade do motor, agora já é superior ao norte americano.
    Enfim…

  15. 70 j20 e, agora, com o motor definitivo pronto, contra a meia dúzia de su57 e mais dois anos, pelo menos, para terem o motor pronto….

    E tem gente achando que os chineses se alinhariam aos russos…o que os russos teriam a oferecer aos chineses?

    Rússia já virou potência de segunda classe, junto com França e UK

  16. Isso é porque dizem que Russos não transferem tecnologias!
    E nós parados no projeto TAPP 5000, com excelentes laboratórios de testes, grande capacidade técnica porém sem apoio ou incentivo.
    Li certa vez que a antiga Polaris tinha conseguido replicar a turbina do 747 ( se não me falhe a memória), porém não a fabricaria porquê os testes demandam grandes investimentos.
    A turbina do 747 mesmo antiga ainda tem quando valia atual para utilização em novos projetos ou remotorização dos milhares de 747 vendidos mundo a fora.
    Triste o atraso e falta de visão desse país!

  17. Se conseguiram igualar a potência, parabéns. Não duvido que sejam capazes disso.

    Mas um motor não é apenas isso. Há outros componentes como mancais, revestimento da câmara de combustão, palhetas do compressor, ou seja, componentes que são submetidos a stress elevadíssimo, precisam ter boa durabilidade, e por isso que qualquer construtor de turbinas precisa de uma boa engenharia de materiais escorando.

    Vão solucionar todos esses problemas? Certeza. Solucionaram nesse primeiro momento? Creio que não.

    Mas é só um palpite.

  18. Novamente a onde de críticas ao modelo de desenvolvimento chinês…..é fácil falar em cópia….. fazer é outra coisa…..

    Realmente, como o próprio artigo deixa a entender, o roubo de informações ajudou a pular etapas, mas como em todo desenvolvimento, existem coisas que precisam ser vistas na prática…. E o Chineses sabem muito bem disso….. mas ao invés de fazer como muitos ocidentais que preferem comprar pronto ao invés de desenvolver, os chineses focam em pesquisa, e por isso conseguem encontrar uma solução rápido….mas como o próprio artigo diz, produzir um protótipo funcional é diferente de produção em massa…..E ao que tudo indica, este é o problema chinês atual….

    Mas eles vão superar, pois como eles já demonstraram, capacidade técnica e dinheiro para pesquisa eles têm, então tudo ao seu tempo….

  19. “A China a investiu US$ 23,7 bilhões no desenvolvimento do WS-15″…
    A questão não é essa, mas sim que eles investiram para obter conhecimento que será utilizado em muitos novos projetos futuros.
    É um pensamento obtuso achar que esse investimento todo gerou apenas um simples produto final. É muito maior que isso.
    Se foi copiado? Então foi um atalho para o resultado final, nada mais. Ganharam alguns anos e economizaram alguns bilhões.
    A China está muito próxima de obter a independência em motores a jato e entrar para um seleto e pequeno
    grupo.

  20. Superou o ocidental kkk. Essa é boa, no máximo conseguiram copiar o formato do americano. Décadas de desenvolvimento da tecnologia americana superada por um país que no máximo consegue fazer uma cópia com tecnologia roubada.

    • Os EUA roubaram tecnologia do tesla. Roubaram tecnologia nazista mas quando a. China faz isso é errado. Ninguém é bonzinho. Nesse nível todos roubam. Isso significa bilhões economizados

  21. “segundo fonte chinesa”
    Os caras literalmente querem dizer que superaram o motor da quinta geração americana antes de sequer conseguirem copiar os motores da 4ª geração russos…

  22. Citação do texto: “A China levou 11 anos para testar o WS-15 após a criação do protótipo”, disse Wong. “É muito comum levar de três a oito anos para um maior desenvolvimento”.

    Alardeia-se muito a falta de transparência dos chineses, mas parece que não é bem como dizem por aqui. Eles divulgam, sim, seus problemas, pelo menos esporadicamente.

  23. Ta bom que uma empresa aberta em 2000 está produzindo um motor turbofan que é melhor que uma empresa fundada em 1925, e que fabrica turbofans desde 1958.
    Olha, acredito que existam situações comerciais aonde isto aconteceu.
    Mas estamos falando de um motor turbofan. A chance de isto acontecer é mínima.
    Principalmente se levarmos em consideração a fonte.
    Independente, sendo melhor ou não, parabéns a Xi’an Aero-Engines pelo feito.

  24. O terceiro lote de turbofans WS-15 da China foi entregue e apresenta desempenho melhor que o motor F135 americano usado no caça F-35, relatam fontes chinesas.

    Parece verídico, afinal a China tem uma longuíssima tradição de produção dos mais modernos motores do mundo, enquanto os EUA são só um iniciante na área e precisam de motores russos para os seus F-15 já que não sabem nem construir um motor moderno. Parabéns aos chineses!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here