Home Aviação de Caça Primeiro voo do caça ‘stealth’ chinês J-20 completa oito anos

Primeiro voo do caça ‘stealth’ chinês J-20 completa oito anos

3475
26

O primeiro voo do protótipo do caça stealth chinês Chengdu  J-20 ocorreu no dia 11 de janeiro de 2011 (11-1-11). O voo coincidiu com a visita do Secretário de Defesa dos EUA Robert Gates ao país.

Diversos fóruns e sites de aviação repercutiram o voo de estreia do primeiro caça de quinta geração chinês J-20, alguns fóruns chegaram a ficar fora do ar, por conta do grande número de acessos.

Nos debates acalorados nos fóruns internacionais, discutiu-se se o J-20 igualava ou supera o PAK FA russo, a razão dos chineses terem adotado canards em seu avião, qual o grau de furtividade alcançado etc.

O Poder Aéreo, desde seu início em agosto de 2008, vinha publicando posts sobre a aviação militar chinesa, alertando para o fato da sua rápida evolução. Os descrentes achavam que o J-20 era apenas um mock-up, até que ele voou.

De 2011 para cá o J-20 diversas notícias e imagens que publicamos atestam a evolução do projeto.

O programa de desenvolvimento J-XX (Chengdu J-20) foi iniciado no final dos anos 90. Uma proposta da Chengdu Aerospace Corporation, designada Projeto 718, ganhou o endosso da PLAAF (Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China) após uma competição de 2008 contra uma proposta de Shenyang que tinha tamanho maior do que o do J-20.

Em 2009, um oficial sênior da PLAAF revelou que o primeiro voo era esperado para 2010-11, com uma data de entrada de serviço em 2019. Em 22 de dezembro de 2010, o primeiro protótipo J-20 passou por testes de taxiamento de alta velocidade fora do Instituto de Design de Aeronaves de Chengdu. Três meses depois, o primeiro protótipo J-20 fez seu primeiro voo em Chengdu.

Várias mudanças foram feitas nos protótipos do J-20, incluindo novos materiais ​​de baixa observação e revestimento stealth, bem como estabilizadores verticais redesenhados em 2014. Analistas observaram novos equipamentos e dispositivos para operações multifunção, como pods de designação integrados para munição guia de precisão e seis sensores infravermelhos passivos adicionais também podem ser vistos ao redor da aeronave. Em dezembro de 2015, a versão inicial da baixa cadência de produção (LRIP) do J-20 havia sido detectada por um observador militar.

A mídia estatal chinesa informou em outubro de 2017 que o projeto do J-20 havia sido finalizado e que ele estava pronto para a produção em massa e pronto para o combate.

Eletrônica embarcada

Informações oficiais sobre o tipo de radar que o J-20 usa não foram liberadas para o público. Alguns analistas acreditavam que o J-20 usa o radar ativo de varredura eletrônica (AESA) tipo 1475 (KLJ-5) com 1.856 módulos de transmissão/recepção, mas informações mais recentes revelaram que este radar é projetado para versões atualizadas do caça J-11D. Outros analistas apontam que, com base na seção transversal do nariz do J-20, usando dados conhecidos do módulo de transmissão/recepção no radar AESA do caça J-16, o J-20 tem espaço para um radar com 2.000-2.200 módulos de transmissão/recepção.

Protótipos após o avião numeral “2011” e modelos de produção apresentam seção de nariz revisada com sistema de mira eletro-ótica/infra-vermelho e um conjunto avançado de comunicações no topo da aeronave que permite datalink com outras plataformas amigas ​​em serviço, como drones de alerta antecipado. Seis sensores eletro-óticos chamados de Sistema de Abertura Distribuída semelhante ao EODAS podem fornecer cobertura de 360 ​​graus para piloto com sistema de fusão de sensores que combina o sinal de radar com a imagem IR para proporcionar melhor consciência situacional.

Sistema de mira eletro-ótica/infra-vermelho abaixo do nariz do J-20, semelhante ao do F-35

A combinação de um pod de designação integrado com sistema de rastreamento óptico passivo esférico é considerado similar ao conceito de design da suíte aviônica do Lockheed Martin F-35. A Star Science and Technology de Pequim desenvolveu o sistema de mira eletro-óptico EOTS-86 e Sistema de Abertura Distribuída Eletro-Óptico para o J-20 e potencialmente outros caças da PLAAF para detectar e interceptar aeronaves furtivas.

A aeronave possui um glass cockpit, com dois monitores de cristal líquido (LCD) coloridos principais, lado a lado, três monitores auxiliares menores e um visor holográfico de grande angular (HUD). Um sistema de mira montado no capacete também foi apresentado no Zhuhai Airshow. O capacete é capaz de fornecer assistência pontual e ajudar o piloto a utilizar as informações de gerenciamento de batalha de forma mais eficiente.

Motor WS-15 em uma tela capturada de vídeo
Motor WS-15 em uma tela capturada de vídeo

Motores

Os J-20 LRIP estão equipados com dois motores WS-10B, um modelo melhorado baseado no motor do caça J-10, com planos no futuro para usar o motor WS-15.

Acredita-se que a futura versão de produção do J-20 seja propulsada pelo WS-15, um motor turbofan que atualmente está completando o desenvolvimento. De acordo com o Global Security, o núcleo do motor, composto de compressores de alta pressão, a câmara de combustão e turbinas de alta pressão foram testadas com sucesso em 2005. Uma imagem do núcleo apareceu no Air Show de Zhuhai em 2006.

A aeronave foi equipada também a partir do final de 2018 com uma sonda retrátil de reabastecimento embutida no lado direito do cockpit.

Armamento

O compartimento de armas principal é capaz de abrigar mísseis ar-ar (AAM) de curto e longo alcance (PL-9, PL-12C/D e PL-15 – PL-21), enquanto os dois compartimentos de armas laterais menores atrás do entradas de ar são destinadas a AAMs de curto alcance (PL-10). Essas baias laterais permitem o fechamento das portas do compartimento antes de disparar o míssil, permitindo que o míssil seja disparado no menor tempo possível, além de aumentar a furtividade.

Enquanto o caça normalmente carrega armas internamente, as asas incluem quatro pontos duros para estender o alcance transportando tanques auxiliares de combustível. No entanto, assim como o F-22, é improvável que o J-20 carregue tanques de combustível em missões de combate devido à sua vulnerabilidade em tal configuração, portanto, essa configuração permanece valiosa para operações em tempo de paz.

O caça é capaz de transportar quatro AAMs de médio/longo alcance na baia principal e um míssil de curto alcance, um em cada compartimento lateral da aeronave. Um arranjo escalonado com seis PL-15 é possível dependendo dos tirlhos lançadores para mísseis montados no futuro.

Caça J-20
Chengdu J-20

Furtividade

Analistas notaram que o nariz e o canopy do J-20 usam um design stealth semelhante ao ao F-22, resultando em um desempenho de assinatura semelhante em um design maduro na área frontal, enquanto os motores do avião podem expor a aeronave ao radar. Um protótipo foi equipado com motores WS-10G dotados com diferentes bocais com bordas recortadas e revestimento para maior furtividade.

Outros levantaram dúvidas sobre o uso de canards em um design pouco observável, afirmando que os canards garantiriam a detecção de radar e um comprometimento de stealth. No entanto, canards e baixa observabilidade não são projetos mutuamente exclusivos pois a seção transversal do radar pode ser ainda mais reduzida, controlando a deflexão do canard através do software de controle de voo.

A diverterless supersonic inlet (DSI) do J-20 permite que uma aeronave alcance Mach 2.0 com uma entrada mais simples do que a tradicionalmente necessária, e melhora o desempenho furtivo eliminando reflexos de radar dos motores. Os analistas notaram que a DSI do J-20 reduz a necessidade de aplicação de materiais absorventes de radar.

Em maio de 2018, o Comandante da Força Aérea Indiana B.S. Dhanoa afirmou que os caças Su-30MKI puderam detectar o J-20 a “vários quilômetros de distância” em meio a relatos de mídias indianas de que o J-20 seria indetectável.

O analista Justin Bronk, do Royal United Services Institute, observou que os chineses possivelmente voam o J-20 com refletores de radar em tempo de paz para fins de segurança e treinamento.

O cilindro que aparece no ventre da aeronave é conhecido como “Luneburg lens”, destinado a aumentar o eco no radar durante os voos de testes, para alertar o cntrole de tráfego aéreo

26
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
18 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
20 Comment authors
MgtowkevinbuenuuJmgbostonAntoniokingsDenis Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ivan
Visitante
Ivan

O primeiro e principal objetivo do caça chinês Chengdu J-20 será atacar e destruir toda a infraestrutura aerotransportada de uma força aérea adversária, abatendo aviões AWACS, AEW, REVO, JStars e qualquer outra aeronave de coleta de informações, sinais e/ou comunicações, bem como postos de comando. . As forças aéreas com treinamento ocidental – Made in USA – aprenderam a lutar com maciço apoio aéreo, longe das bases e com visão de profundidade. Isto será negado pelos Chengdu J-20 na Ásia-Pacífico. Isto será negado pelos Sukhoi Su-57 na Eurásia. . Pouco importa se os J-20 – ou os Su-57 – serão… Read more »

Rui chapéu
Visitante
Rui chapéu

Tudo bem.
Só resta os americanos concordarem em serem atacados sem ter uma tática de proteção a esses alvos.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Pelo o que eu li. o objetivo chinês é: Guerra longe de seu território.
Por isso vem se reforçando no sentido de construir ilhas artificiais fortificadas, bem como quer igualar o número de porta-aviões e aumentar muito a quantidade de aviões.
Tamanha concentração de forças se dará na Região do Pacífico o que tornará essa região intransponível para qualquer força atacante.

J-20
Visitante
J-20

Excuse me, sir… Can I shoot down your AWACS plane, please?
Foi o que deu para entender a partir do seu comentário

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Também acredito nesse modus operandi, mas não descarto que as forças do ocidente já não tenham algum Às nas mangas.

Penso que num cenário de conflito iminente os bombardeiros B-2 atacariam sorrateiramente as principais bases chinesas com armamentos de ultra-longo alcance e deixariam as forças inimigas bastante debilitadas.

Paulo
Visitante
Paulo

Só falta combinar isto com os ianques.

paulo
Visitante
paulo

Estou com dor no cotovelo. Kkk

André
Visitante
André

Vejo três grandes SE’s. Se a Rússia e a China se alinharem em uma possível guerra.; Se os EUA e a OTAN foram os agressores e estiverem tentando invadir a Rússia e a China; se não, Rússia e China não têm condições de projetar poder muito longe de suas fronteiras. EUA só via mísseis de longo alcance. Se a Rússia conseguir finalizar o desenvolvimento do su57 e o produzir em números razoáveis; baseado na festejada notícia de que a sukoi conseguiu desenvolver o canopy e incrível encomenda inicial de 12 unidades, se isso acontecer, acredito que os EUA já estarão… Read more »

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Alguém me explica o porque o Ocidente iria perder tempo em atacar a China e a Russia??? Alguém acredita que o resto dos Países não sabem que atacar porções continentais de terras invariavelmente acarretam em conflitos colossais e economicamente inviáveis nos dias de hoje? Alguém acha que o resto do Mundo não sabe o que o “General Inverno” é capaz de fazer nas estepes Russas (apenas como exemplo)? Hoje em dia não se fabricam mais M4s, ou PzKw III, que eram fabricados as centenas por mês, qualquer grande pais fabricam tanquinhos muito maiores e muito mais sofisticados numa cadencia de… Read more »

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Agora, concordo com vc. Comentário positivado.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Me explica uma coisa, Você acha que os AWACS e REVOS sobrevoarão as zonas IADS Chinesas?

Não menospreze a inteligência das forças aéreas do resto do Mundo, esse pessoal vem “jogando o jogo” nos últimos quarenta anos.

Nem em um “quarto e cozinha” como são os céus da Síria os Russos conseguiram dominar os céus da região, Você sinceramente acha que a China teria tanta liberdade assim para atacar o resto do Mundo?

Mgtow
Visitante
Mgtow

Perfeita análise meu caro

carcara_br
Visitante
carcara_br

Excelente matéria… Acredito que o J-20 será um avião icônico, lembrado por muitas décadas, símbolo da transformação das forças militares chinesa.

Lewandowski
Visitante
Lewandowski

Os China só desenvolveram o J20 graças ao maciço roubo de informações do F35… Nem a posição do EOTS eles tivera a dignidade de alterar (nem o formato!). Isso é claro e evidente não somente aí, mas no formato do nariz, entradas de ar etc. Quando a coisa depende única e exclusivamebte deles (caso, por exemplo, do motor) a negócio empaca. Por isso digo: ainda precisam andar meio mundo pra chegar perto dos EUA. Ufanismos a parte, em 1991 o F117 já fazia ataques dentro do Iraque sem qualquer problema, enquanto a China desenvolvia versões do Mig-21… Evoluíram? Com certeza,… Read more »

paulo
Visitante
paulo

Falou a pessoa do país cuja a força aérea só tem F-5.

Sagaz
Visitante
Sagaz

E vc é o que? Chinês?

paulo
Visitante
paulo

Eu sou do país dos forevis five, que sonha com o gripinho e acorda cheio de impostos. #Aceita que dói menos kkk

Mgtow
Visitante
Mgtow

E daí? Os yankes se apoderaram de boa parte dos projetos nazista.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

É, eu lembro na época aqui no Aéreo alguns iluminados dizendo que era avião de papel…

kevinbuenuu
Visitante

São os Especialistas de Teclado, ainda há muitos por aí.

Gustavo
Visitante
Gustavo

“Os descrentes achavam que o J-20 era apenas um mock-up, até que ele voou.”
Exato!
O mundo dormiu no ponto e, quando se deram conta, a China já tinha uma marinha gigante, capaz e uma força aérea que se modernizou e está entre as 10 mais modernas e capazes do planeta e em poucos anos estará entre as 3 maiores e melhores.
Os chineses agradecem os acéfalos da turma do “solta pecinha”.

Denis
Visitante
Denis

Concordo, Gustavo. Acredito que o primeiro passo para a derrota é subestimar o oponente.

Gustavo
Visitante
Gustavo

Com toda certeza!

Cabeça Fraca
Visitante
Cabeça Fraca

“As invenções são, sobretudo, o resultado de um trabalho teimoso”

Santos Dumont

André
Visitante
André

Parabéns aos chineses. Fizeram a lição de casa e desenvolveram um belo avião.

Fizeram tudo em casa e mostraram que assim você se protege melhor de possíveis embargos do que apenas com choro.

Enquanto isso, seu antigo fornecedor noticia com grande pomposidade que conseguiu desenvolver o canopy de seu avião.

Jmgboston
Visitante
Jmgboston

Os chineses fizeram tambem algo inacreditável. Do nascimento ao primeiro vôo o avião não apresentou um único defeito de projeto ou estouro de custos. Para eles foi mais fácil fazer um caça de quinta geração sem errar nada do que nos fazermos um bolo de caixa. Parabens chineses. Alias parace que no Brasil mora a maior colônia chinesa fora da china pelos comentários que leio aqui.