Home Acidente Aeronáutico Investigação: F-22 deslizou de barriga na pista porque piloto decolou com dados...

Investigação: F-22 deslizou de barriga na pista porque piloto decolou com dados incorretos

25308
28

Uma investigação da Força Aérea dos EUA (USAF) revelou que o piloto de um caça F-22 decolou com dados incorretos e recolheu prematuramente o trem de pouso da aeronave durante um voo de treinamento em abril na NAS Fallon, Nevada, fazendo com que o F-22 deslizasse de barriga na pista até parar.

Em 13 de abril, um piloto do F-22 do 90º Esquadrão de Caça na Base Conjunta de Elmendorf-Richardson, no Alasca, decolou de Fallon para um exercício de graduação da TOPGUN. O piloto fez corrida de decolagem da aeronave – levantando o nariz – a 120 nós e, quando a aeronave indicou que as rodas estavam saindo do chão, o piloto retraiu o trem de pouso. Imediatamente após o trem de pouso se retrair, a aeronave “pousou” na pista com as portas totalmente fechadas.

O F-22 deslizou cerca de 1.987 metros até parar, com seu gancho se soltando no chão. Uma vez que o F-22 parou, o piloto saiu do cockpit e não houve danos a outras propriedades. A Força Aérea não divulgou uma estimativa de custo para os danos.

O Conselho de Investigação de Acidentes descobriu que o piloto tinha dados incorretos de decolagem e aterrissagem para as condições em Fallon – a carta de linha do piloto indicava 136 nós para rotação e 163 para decolagem completa, enquanto as condições do dia exigiam 143 nós para rotação e 164 nós para a decolagem.

A investigação também descobriu que o piloto recolheu prematuramente o trem de pouso e que o briefing do voo daquele dia era inadequado.

Além disso, a comunidade F-22 tem “excesso de confiança organizacional” no equipamento, o treinamento formal não é adequado e há uma aceitação organizacional de uma técnica incorreta de decolagem do F-22, descobriu o conselho.

O incidente foi um dos dois envolvendo Raptors de Elmendorf em cerca de uma semana. Em 6 de abril, um F-22 sofreu uma falha de motor e foi forçado a pousar em Tyndall AFB, Flórida.

FONTE: Air Force Magazine

28 COMMENTS

  1. Essa mania dos pilotos d e F-22 de recolher o trem de pouso no milissegundo que sai da pista. Deve ser uma recomendação da USAF, pois é mto corriqueiro , senao padrão, essa manobra.
    .
    Sds

    • Também já percebi isso.
      Como já comentado, não sei se é um procedimento padrão adotado pela USAF ou é feito de forma automática pelo avião, desde que programado para tal..
      De toda forma a velocidade com que é recolhido o trem de pouso em todas as decolagens chama a atenção.

  2. O problema é quanto custará este erro de calculo!Eles querem automatizar tudo!No meu entender, o recolhimento não deve ser automático!O piloto tem que ter mais autonomia sobre a aerenave!
    Abs

    • Acredito que essa automatização foi criada para cortar gastos, qualquer aerodinâmica aqui e ali pode econonir muito dinheiro, como em um carro automático, todos gostamos do prazer de trocar de marcha, porém o automático trás mais econômia e durabilidade.
      É um projeto de bilhões, acredito que com milhares de pessoas envolvidas, essa tenha sido a melhor decisão, más acredito também q deveria ter uma opção de abrir e fechar o trem de pouso manualmente.

      • ” todos gostamos do prazer de trocar de marcha, porém o automático trás mais econômia e durabilidade.” A única certeza que eu tenho neste comentário e que o cara não tem carro automático e provavelmente é um motorista com pouca experiência pra dizer que todos gostam de trocar marcha e é por isto que o manual e melhor.

        • Xesusssss. tudo errado. todos testamos carro manual, mas ele é mais econômico com certeza. Quem dirige em cidade grande sabe a dor de cabeça e aporrinhação que é trocar marcha e pisar na embreagem full time. Quanto ao avião faltou discernimento ao piloto. O bicho nem saiu do chão e já recolheu o trem de pouso? é muito videogame e pouca prática. vá treinar direito seu burro!!!

  3. Não entendo. O F-22 saiu do chão, tem superfície alar e empuxo mais que suficientes. O recolhimento do trem de pouso deveria facilitar e não causar problemas. Pela lógica não deveria acontecer.
    Com a palavra quem sabe.

    • Sim, mas no momento do recolhimento ele não estava em velocidade suficiente ainda, o trem estava sustentando o avião, se ele já estivesse no ar era outra história

    • Pelo que entendi, o avião levantou o nariz, mas ainda não tinha velocidade e, consequentemente, sustentação suficiente para a decolagem. Ao recolher o trem de pouso, o avião simplesmente sentou a parte traseira inferior sobre a pista, o atrito fez o resto….
      Já vi gente pousar sem baixar o trem (apesar dos avisos sonoros), mas nunca algo assim…. é quase infantil.

    • O trem de pouso do F-22 é escamoteável e quando as portas do trem de pouso principal se movem para o seu recolhimento há um aumento do arrasto e uma consequente queda de sustentação. A velocidade deve estar mais alta para uma decolagem mais radical. Vejam em 0:09 no vídeo abaixo o movimento dos estabilizadores horizontais móveis após a configuração trem de pouso recolhido.

  4. ‘Positive rate, gear up. ’
    É doutrina de cabine elementar e universal. O trem de pouso só deve ser recolhido com a indicação positiva do instrumento indicador de razão de subida/descida (Climb). Mesmo que em condições visuais, porque em aeronaves pesadas e grandes, é fácil ter ilusões sobre a razão de razão de subida/descida. A instrumentação também garante a ação mesmo que haja o calculo incorreto das velocidades.
    Nesses aviões existe um dispositivo no trem de pouso principal – squat switch – que manda um sinal de segurança (impedindo o recolhimento do trem de pouso), sempre que os amortecedores estão a pressão exercida sob o peso da aeronave. Na decolagem, logo que esta pressão é aliviada, o sistema está pronto para atuar e o trem de pouso pode ser recolhido até mesmo ainda com as rodas no chão.
    Segue vídeo.

  5. Se fosse na Rússia já teriam descido o porrete.
    Li em alguns artigos que cada vez mais os Estados Unidos tem dificuldade em capacitar novos pilotos.
    O déficit é grande em relação ao número de vetores disponíveis.
    Vale ressaltar que a linha do F-22 foi fechada para sempre.

  6. Todo mundo sabe que piloto geralmente tem o ego inflado, um piloto de caça então nem se fala, imagina um piloto de caça americano (que já tem o ego inflado de nascença) pilotando o caça mais capaz do mundo, a elite da elite americana, o ego inflado faz o piloto ter uma confiança extrema em suas habilidades e em seu avião, aí acontece essas barbeiragens da matéria.

  7. Alguma problema sério de qualidade está acontecendo nas FFAA americanas. tem que parar tudo e refletir sobre o que está ocorrendo e procurar corrigir os erros. Cabeças vão ter que rolar.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here