Home Aviação de Ataque USAF precisa de mais 74 esquadrões de combate para enfrentar China e...

USAF precisa de mais 74 esquadrões de combate para enfrentar China e Rússia

8849
75
F-15E Strike Eagles realizando um "Elephant Walk"
F-15E Strike Eagles realizando um “Elephant Walk”

WASHINGTON – Autoridades da Força Aérea dos EUA disseram que o serviço deve crescer dramaticamente até 2025, incluindo a adição de dezenas de esquadrões de combate e 40.000 aviadores para enfrentar as crescentes ameaças representadas pela China e pela Rússia.

A secretária da Força Aérea, Heather Wilson, e o general David Goldfein, chefe de gabinete, disseram que precisariam desenvolver estimativas de custos antes de apresentarem seu plano ao Congresso. Analistas militares disseram que as novas forças podem custar mais de US$ 30 bilhões por ano.

Wilson e Goldfein delinearam a iniciativa, intitulada “A Força Aérea que Precisamos”, no Pentágono, no dia 17 de setembro.

O plano é baseado na estratégia de defesa do presidente Donald Trump, na avaliação da força militar dos adversários e na capacidade da USAF de enfrentá-los, disseram Wilson e Goldfein. A Estratégia de Defesa Nacional de 2018, lançada em janeiro, pede ao Pentágono que defenda a pátria, mantenha as armas nucleares, derrote a China ou a Rússia, lide com ameaças como Irã e Coreia do Norte e continue a combater extremistas.

“O mais estressante de todos esses casos é a China”, disse Wilson.

Ela observou que a China lançou um porta-aviões, realizou missões de bombardeio de longo alcance que podem chegar aos EUA e militarizou as ilhas artificiais no Mar do Sul da China. A Rússia realizou seu maior exercício militar em quatro décadas, envolvendo 300 mil soldados, disse Wilson.

O plano da USAF prevê ameaças à segurança nacional dos EUA aumentando por cinco anos, a partir de 2025. Ele pede que os gastos comecem agora a atendê-los.

A principal das recomendações é adicionar 74 esquadrões de combate ao grupo atual de 312 esquadrões, um aumento de quase 24%. O esquadrão é a unidade básica de combate da Força Aérea. Um esquadrão de caça pode conter de 18 a 24 aeronaves.

Caças F-35A da USAF
Caças F-35A da USAF

 

Os bombardeiros representam a necessidade mais crítica, disse Wilson: A USAF tem nove esquadrões e precisa de mais cinco. Precisamos adicionar 14 esquadrões de reabastecimento para os 40 que temos, disse ela.

Essas aeronaves precisarão de pilotos, mantenedores e outras equipes de apoio. Ela e Goldfein estimaram que as fileiras dos membros da USAF e das reservas da Força Aérea precisariam crescer para 717.000 aviadores, um aumento de 40.000.

“A Força Aérea é pequena demais para o que a nação nos pede”, disse Wilson. “Temos 312 esquadrões hoje. Nossa análise diz que precisamos de 386.”

Wilson e Goldfein se recusaram a estimar o custo do plano, sugerindo que ele é acessível. “Não é banhado a ouro”, disse ela.

Analistas disseram que acrescentar aviões e pilotos necessários para operá-los é uma proposta cara.

Os custos para 40 mil militares somariam cerca de US$ 5,2 bilhões por ano, disse Todd Harrison, especialista em orçamento militar do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. A USAF gasta cerca de US$ 53 bilhões anualmente em operações, treinamento e recrutamento, disse Harrison. Um aumento de 24% nos esquadrões aumentaria esse custo em US$ 13 bilhões, disse ele.

A total requerido para voar os novos aviões de guerra e pagar os aviadores chegaria a US$ 18 bilhões, disse ele. Isso não inclui o custo de comprar as novas aeronaves.

“Eu não poderia nem arriscar um palpite sobre isso sem conhecer a mistura de aeronaves envolvidas”, disse Harrison.

Com base em um aumento de 20% na solicitação atual de orçamento pela Força Aérea, Loren Thompson, consultor do setor de defesa e analista militar do Instituto Lexington, estimou que o serviço precisaria de US$ 30 bilhões adicionais por ano.

Com a inflação, isso elevaria o orçamento da Força Aérea para além de US$ 200 bilhões até 2030, disse ele. Isso é mais do que os 175 bilhões de dólares que os chineses gastam com seu exército, marinha e força aérea, disse Thompson.

FONTE: US Today

75 COMMENTS

  1. Os caras enfrentam é a Rússia e China juntas…. Kkkkkkk… Bem que poderiam nos ajudar com uns 10 esquadrões, uns dois porta aviões cheios de f 35 para podermos ajuda los a cuidar do atlântico sul…

  2. Enfrentar não quer dizer ganhar ou vencer e sim fazer frente, lembrando que no momento mísseis Hiper sônicos russos fariam a diferença entre quantidade e qualidade.

  3. 74 esquadrões de combate, de 18 a 24 aeronaves cada. Numa média de 21 aeronaves, isso dá 1554 aeronaves. Se chutarmos 100 milhões por caça, bota então US$ 155 bilhões. Acrescentando os 18 bilhões de infra estrutura, sai a bagatela de 173.000.000.000,00 de doletas. E o armamento nem foi mencionado.

    • E considerando que bombardeiros e reabastecedores passam tranquilamente de 100 milhões por unidade, e alguns modelos de caças mais caros, isso daí pode passar dos 250 bilhões facinho.

    • Mas a flutuação aqui é por questões políticas, antes das eleições pode inundar o mercado com o dólar que aqui vai continuar com essa flutuação! Dependendo de quem ganhar pode até piorar…

      • Isso que falei é a longo prazo e no mercado mundial, não só Brasil.
        Se eles ficarem doidão e querer bater em todo mundo junto e não conter os gastos pra isso pode ser que aconteça como aconteceu com a guerra do Iraque, aonde gastaram uma fortuna e despencou o dólar no mundo todo.

        Mais ou menos isso:
        https://mises.org.br/Article.aspx?id=2190

      • O Problema é os EUA quebrar de vez, arrecadar menos impostos gastando cada vez mais… a sua situação ta ficando insustentável e isso não é uma receita boa, em 2008 a gente não sofreu tanto porque a economia do Brasil estava forte e crescendo, hoje… se os EUA quebrar, ele vai levar a china junto e ai meu amigo… eu não gosto nem de pensar porque vai ser difícil viver em qualquer lugar no mundo

  4. Nação séria é outra coisa, simplesmente implacáveis.

    Sem dúvidas nós (povo brasileiro) deveríamos nos espelhar na postura firme e convicta que os EUA possuem, se estão no topo é porque merecem estar, fazem as escolhas necessárias, lutam e se empenham para manter o que conquistaram.

    Se não são politicamente corretos, ao menos se preocupam com sua nação…

  5. Balela “derrotar” duas potências nucleares, só mais uma desculpa para mamar e sustentar o bulimico aparato militar e os que gravitam ao redor. Ate parece que orçamento para a defesa é pequeno. Realmente um exemplo de Estado mínimo e não beligerante rsrs

  6. E viva o lobby da indústria de armas, querem assaltar o contribuinte americano.
    Quem quiser que acredite na ameaça dos chineses e russos.

  7. Quanta bobagem do Comando Militar Americano.
    Uma baita tolice criada para gerar paranioa no povo americano so para arranjar mais recursos para a USAF.

    Uma guerra entre EUA, Russia e China vai ser decidida em ataque nuclear e nao em combate aereo.

      • Luiz Antonio

        Exatamente.
        M.A.D. – Destruiçao Mutua Assegurada.
        Por isso essa conversa de aumento de esquadroes da USAF é so para gerar paranoia coletiva no povo americano.

        Guerra entre EUA, Russia e China nao é guerra, é extinçao.

    • Vc não pode desconsiderar a outra hipótese, essa de que somente será de um jeito é por si só um pensamento derrotista, não se pode definir o futuro, mas sim definir cenário, spectrums.

      • Augusto L

        No lugar de pensamento “derrotista” a frase certa seria Derrota Absoluta para todos.
        Uma guerra entre potencias nucleares significa Extinçao Total, igual nos filmes da decada de 80: Jogos de Guerra e Day After.

        • Você ainda não entendeu.
          Não existe só a possibilidade de uma guerra nuclear, não necessariamente será uma guerra nuclear, você que está afirmando que será, desconsiderando as outras hipóteses, isso é um pensamento derrotista, vc afirma o que vai acontecer, num cenário que nem é hoje, o mais provável, ao invés, de falar que uma confrontação entre as potencias pode levar a uma guerra nuclear mas não necessariamente.
          Não vivemos num mundo onde as armas nucleares serão usadas no primeiro ataque.
          Uma possível derrota americana, chinesa ou russa, não que dizer que Irão usar suas armas nucleares.

  8. Putz vejo um monte de gente defendendo americanos, querendo que formemos alianças militares… Quantos já conversaram com refugiados sírios para saber o que houve com uma nação tão próspera? E o Vietnã? E Cuba? Assim como os Russos no Afeganistão. Os verdadeiros extraterrestres chupins de recursos naturais, que destroem a civilização que os possui, á estão entre nós. Fiquemos quietos e em paz.

  9. 1+4+2+1.
    1 defender o solo americano.
    4 lutar em 4 guerras ao mesmo tempo.
    2 vencer duas dessas guerras de maneira rápida, mas não necessariamente decisiva.
    1 vencer uma delas de maneira decisiva e total. (China)

    Meu chute é :

    I – Conter o Irã no Iraque e na Síria, nessa última com participação direta de Israel e Turquia, enquanto destrói a capacidade do governo do Irã de atacar o tráfico marítimo no golfo pérsico e sua própria capacidade de se alto governar, Shock & Awe, nessa parte será os EUA e as monarquias árabes do golfo e provavelmente uma participação franco-britanica, é provável que a Otan e a UE mande batttlegroups para Turquia para proteger a fronteira da mesma.
    Enquanto isso na Europa, contendo uma investida russa, pré mobilização total, no Báltico, Ucrânia e a defesa dos Aegis terrestres, defesa em conjunto com a Otan.
    Na Ásia o apoio a CS nas 3 estratégias ( Kill Chain, KMPR, ABM) para conter a CN, enquanto apoia Japão e Taiwan na defesa do bastião naval no Mar da China Oriental e na defesa territorial de Taiwan, enquanto faz uma campanha de destruição nas posições chinesas no Mar do Sul da China, abrindo um flanco no bastião naval chinês ali, isso tudo será feito em conjunto com um largo bloqueio naval.

    II – Após derrotar o Irã e enguadrar a CN, será redistribuir as forças na Ásia e Europa para o golpe final na China e defender o status quo da Europa da segunda leva das forças russas, mas não necessariamente na destruição do seu governo, por causa da pararidade nuclear.
    Durante essas 2 fases os bombardeiros nucleares e os ICBM/SLBMs estarão em Defecon 3 na espera de algo da errado e o relógio bater meia-noite.

    Uma coisa importante para USAF é que sua força de bombardeiros terá que se preocupar com 2 potencias nucleares, ou seja mais alvos, do que o previsto, ao mesmo tempo, em que, se ,comete os bombardeiros também em missões convencionais, principalmente nas missões de counter-IADS.

  10. MAD. Deveriam pegar essa grana e investir no melhor “Ohio” de próxima geração possível, em qualidade e quantidade. Se hoje possuem 14, deveriam estudar possuir uns 30 dos novos e necessários. Muito mais poder e dissuasão num único Ohio do que em 20mil caças e trocentos bombardeios!! Ainda economizariam horrores.

  11. Coitado dos EUA, terão que enfrentar os Chineses e Russos sozinhos, os Esquadrões Ingleses, Franceses, Alemães, Belgas, Italianos, Canadenses, Japoneses, Koreanos irão se refugiar no Brasil.

  12. Como sempre é o EUA que quer a guerra, os outros sempre são os bonzinhos.
    É sempre a mesma coisa que ouço lá dos tempos de colégio e olha que isso era nos anos 90!

  13. Bom, entre:
    EUA e Rússia a destruição mútua é garantida !
    EUA e China eu diria que a China não tem ainda ICBM’s suficientes para tal!

  14. Tem sido noticiado o envelhecimento da frota , a demora do F35, Novas propostas para F18 ,F15 e até um novo F22, sem contar a 6º geração e os aviões tanques de 6ºG
    Esta ideia de aumentar os esquadrões não bate com a argumentação da evolução tecnologia DE reduzir homens e maquinas antigas.

  15. E pensar que Ghormley foi demitido do comnado do Pacífico Sul após fazer uma listinha bem menor…

    Mas enfim, na minha humilde opinião, a USAF está pedindo X para colher X/5. É fato que ela precisa substituir as aeronaves mais antigas, principalmente os F-15C, e os abutres já sabiam disso faz algum tempo e já estão rondando a carniça. A proposta da Boeing para o F-15X não surgiu simplesmente do nada. A idéia de vender o F-16 à Índia e mover a linha de produção para lá para liberar espaço para uma aceleração da produção do F-35 também não foi uma idéia repentina da LM.

    Por enquanto, os drones ainda não podem substituir aeronaves como F-15/F-16, mas existe a necessidade de integrar esses modelos mais antigos à rede de sensores dos F-35, e o mesmo também se aplica ao F-22.

    Acho interessante eles mencionarem a necessidade de formarem por volta de 40.000 novos pilotos, quando estão tendo dificuldades de manterem os pilotos que já estão na ativa. Li a umas semanas atrás que, se não me engano, a RAND fez um estudo entre os pilotos da USAF no qual chegaram à conclusão que o que faz os pilotos saírem da USAF era a burocracia da USAF em si.

    Se fosse apenas pela pilotagem das máquinas fantásticas, eles ficariam numa boa, com os mesmos soldos que recebem, mas terem que obrigatoriamente passarem turnos de serviço em trabalhos atrás de uma mesa ou fazendo alguma outra coisa não relacionada à vôos para apenas avançarem suas carreiras, os está fazendo desistir, pois enxergam muita inutilidade nesse tipo de trabalho. Chegaram à recomendar a abertura de quadros de ‘Warrant Officers’ (como os que já existem no US. Army) que se concentrariam apenas em voar, deixando o trabalho burocrático pesado apenas para o carreirista que almeja algum dia ganhar uma estrela. Uma decisão sobre esse assunto ainda não foi tomada, ou pelo menos ainda não fiquei sabendo de qualquer definição.

    Agora como irão reter os pilotos atuais e ainda conseguir recrutar mais 40.000, é outro papo. Antigamente quando a USAF precisava de mais pilotos, ela simplesmente abaixava o nível mínimo de qualificação para que um novo piloto se formasse e quando o enviava para o esquadrão operacional, havia na ficha do piloto uma anotação que dizia algo como ‘precisa de mais treino disso ou daquilo’ e ponto final. Espero que já tenham desistido disso.

    • Boa observação ! O futuro parece ser mesmo o de drones.
      Acredito que uma força de Drones fara o papel que os F-16 fazem hj, serão o Low da Usaf.

    • Os EUA não conseguiram dar conta nem do Vietnã e você acha que podem vencer a Rússia e a China juntos? tudo bem, sei que tudo que vc escreveu é piada, mas é de mal gosto. Mesmo assim eu ri.

      • É uma crítica interessante 100nick-Elã, mas você tem que se perguntar uma coisa: Como se faz uma campanha de bombardeio estratégico quando o país inimigo não tem indústrias? Foi um problema também enfrentado na Coréia e por causa disso que houve muitos pedidos para bombardeio da China naquele momento.

        Já uma sociedade altamente industrializada, é outro papo. É bom notar que a Guerra Aérea sobre o Vietnã do Norte foi totalmente diferente da Guerra Terrestre no Vietnã do Sul, e seu período mais efetivo, com as menores restrições políticas, foi justamente quando o Vietnã decidiu usar de tropas convencionais, que necessitavam de fluxo constante de suprimentos de material bélico para poderem manter suas operações e isso tudo foi destruído na operação Freedom Train, que foi imediatamente seguida pela Libenacker I. Demoraram ainda dois anos para acumularem material bélico novamente para poderem avançar sobre o Sul e só conseguiram porque não havia mais apoio americano.

        C’est la vie 😉

    • Esse dilema vôo versus atividade administrativa existe em qualquer Força Aérea. Não vejo nenhuma fórmula ou fácil solução. Uma Força Aérea precisa funcionar de maneira eficaz, e todas são bem complexas. Acho temerário um oficial tomar decisões críticas que afetarão Unidades Aéreas, sem nunca ter passado por uma ou sentado em um cockpit. Nos meus 30 anos de FAB vi essa história inúmeras vezes. Ninguém nunca encontrou uma solução. A USAF já possui, nas UAE, algumas funções desempenhadas por não aviadores (pessoal, inteligência, manutenção ). Dá pra copiar? Sim, claro. É o que a FAB pretende fazer (com décadas de atraso) com os oficiais temporários. Pode existir o aviador temporário? Lá sim. Aqui, ainda, não há essa necessidade.
      O oficial general precisa ter a visão do todo, além de ter passado por vários setores da Força. Acredito, salvo melhor juízo, que só o aviador tem essa visão. Melhor que os demais.

  16. Mas calma….Trumph vai criar a 4° força…com Jedi’s, Chubakas e Millenium Falcun’s…
    Kkkkk
    E nós um parto pra ter 36 Gripens…
    Tragédia de um país que é gerido por comédias empodeirados por palhaços que arrotam mortadela achando que comem peru!
    E assim a banda toca!

    • F-35 e F-22 não estarão nesta lista….

      A resposta será mais do mesmo….F18SH, F-16 e F15….mas estão entrando numa arapuca….pois já estão meio cansados frente aos modelos que estão surgindo….acho que investirão nesta formula….F-35 no que for possivel, mas complementando-se com estes acima por bom tempo…

      Num cenario global assim, o F-39 ficará bem posicionado….haverá este vacuo e janela….e ele encaixa bem….

    • Eu concordo que é preocupante e nas guerras mundiais os EUA emitiam bônus para sustentar economicamente o esforço de guerra. Agora eles estão lutando com base no “cartão de crédito”, em endividamento.

      Isso não é um bom sinal.

    • O Japão tem + de 200 % do seu PIB em dívida a públicas e não está desmoronando.
      Aprendam economias fortes sustentam gastos públicos, não é a melhor solução, mas não irá os levar ao colapso nem a estagnação.
      A China já tem quase 60% do seu PIB em dívida a públicas e não tem nenhuma perspectiva de abaixar, ao contrário, só está aumentando.
      O Brasil que não se pode dar o luxo em ter dívidas.

      • Não é tão simples prezado Augusto. É verdade , o Japão , junto com a Alemanha são as únicas duas economias avançadas que não possuem esse problema, pois são credores fortemente ativos, é verdade o Japão possui uma dívida pública enorme, mas quem detém e sustenta esse dívida são os próprios japoneses, quase as totalidade da dívida é de propriedade nipônica, portanto é um país que se autofinancia e menos exposto a ataques especulativos. Nao só financia a própria dívida como também as dos outros, sao os principais financiadores da dívida americana junto com a China , cada um com mais de um trilhão de dólares .Deve-se também considerar a riqueza privada que a nação detém que é várias vezes superior ao PIB. Não tenho os números de cabeça, mas tenho artigos e materiais com esses dados . Só para entender , a dívida pública italiana é superior a 120% do PIB mas ao mesmo tempo possui uma riqueza privada que equivale a 5/6 o PIB da nação, sem considerar outros tantos recursos( como bens e imóveis ou até a Cassa depositi e prestiti que possui assets por um valor de 400 bilhões de Euros). A parte de dívida em mãos estrangeiras é pequena em relação ao PIB e a riqueza do país. Já se pegamos para comparação países como Espanha, Portugal, ou Grécia, a situação é trágica. No caso grego a riqueza financeira das famílias não chega nem a 56% do PIB com uma dívida em mãos estrangeiras que chegou a ser 99% do PIB. Situações diferentes e cada caso tem de ser analisado . Por exemplo Se consideramos o debt to revenue ratio americanol (ou seja, a receita do governo federal, o dinheiro com o qual a dívida deve ser honrada), os passivos são quase dez vezes mais altos. na renda. Não é tão simples assim.

    • tambem acho.

      A corrida armamentista foi um meio de exaurir a URSS.

      Mas a globalização após tantas decadas tambem cobra seu preço aos USA em maior ou menor grau. Seus projetos sempre foram superlativos tecnologicos perante os demais afim de inibir a concorrencia e exaurir os esforços concorrenciais na geopolitica. Mas todos tem limitação de folego e a dinamica das economias cobram o custo destes investimentos.

      Ainda vai demorar bastante, mas já é um problema que se vê no tunel do tempo adiante a se enfrentar…

      Alemães na WWII passaram por isto….podiam ter excelentes superlativos tecnologicos de varios equipamentos, mas a necessidade de volumes para atender tantos fronts abertos colocavam isto em cheque…

  17. O perigo pode até existir, mas, acho que este tipo de notícia é vinculada para testar a opinião publica, se colar eles gastam, se houver muita reclamação eles amenizam e deixa coisa esfriar.

  18. Outra coisa interessante e que pouca gente pode perceber é que nessa lista interessante de quantidades de esquadrões, quantos deles seriam de aeronaves de ataque leves? Quantos A-29/AT-6 seriam produzidos para a USAF mesmo? Food for thought…

    • Os americanos sempre tem em mente que podem estar com duas grandes frentes de batalha simultâneos, por exemplo, mesmo na guerra do golfo, eles tinham fôlego para uma segunda frente (como um improvável ataque Russo contra os países da OTAN). Por isto todo este gigantismo.
      Não tem sentido o Brasil planejar e montar uma força armada que possa fazer frente a todas as outras forças, se isto acontecer, é melhor mudar a diplomacia ou já ir atacando os mesmo. É o famoso, dividir para vencer.
      Os Grippen vão permitir criar uma doutrina muito mais atualizada que já temos, não sei do número, mas para mim 36 me parece um número bem acanhado mas também acho que mais de 100, um número para lá de exagerado. Chutando, de 54 a 72 vai ser o número de Grippen na FAB. Veja bem, estou chutando este número vendo o cenário atual da AL.
      No mais, de qual o pais da AL que conseguiria atacar um alvo estratégico no Brasil? Argentina, Uruguai, Paraguai e Bolívia, meio nesta ordem. Se começarem a desdobrar equipamentos para estes países, as Forças Armadas, podem atacar antes que algo grande comece.

  19. Deveriam reforçar/recriar os laços otan e com países em desenvolvimento mas parece vai p lado contrário,sem julgar quem está certo ou errado nessa questão otan.

  20. O pensamento americano é estar 1 passo à frente, se Rússia e China se unem, não dá para contar com os Eurobambis da OTAN para fazer a própria segurança. A força aérea americana é maior que Rússia e China somadas, ocorrendo a expansão, em 2030 ela será maior do que as forças da Rússia, China, Índia, França, UK e Alemanha somadas! “Ah, mas a Rússia e a China possuem bombas atômicas”! Sim, Coreia do Norte e Paquistão também possuem! Os americanos devem saber ser impossível “vencer” uma guerra nuclear, por isso tratam de assegurar que potenciais adversários também não fiquem de pé em qualquer cenário.
    O bicho humano é estúpido e suicida, não aprendemos com experiências dolorosas como WWII ou comunismo, vamos provocar nossa extinção antes dela ocorrer por meios naturais como a evolução do sol. Não reciclamos o lixo, não reduzimos o aquecimento… acreditamos em anjos, progressão de vidas passadas, Maomé ou até que líderes políticos analfabetos e corruptos irão nos salvar. Ah! Claro! Não vamos ficar de fora, o Brasil também precisa construir bomba nuclear! Não basta ter uma população bomba? Vamos jogar em quem? Será que o nosso alvejado também não jogaria na gente?
    A vida é curta, é um privilégio estar vivo num momento que temos satélites, espectrógrafos e outros equipamentos que provam o fato encantador de sermos frutos de uma longa, linda e improvável sucessão de eventos: o oxigênio nos seus pulmões, a água que você bebe, o ferro no seu sangue, o cálcio nos seus ossos… surgiram da explosão de estrelas. Pena não darmos o valor que a vida, rara e momentânea merece!

    • Segundo o site globalfirepower que faz análises do poder militar entre vários países:

      Número de Caças/Interceptadores
      EUA = 1.962
      China = 1.125
      Rússia = 818
      China e Rússia = 1.943

      Número Aeronaves de Ataque
      EUA = 2.830
      China = 1.527
      Rússia = 1.416
      China e Rússia = 2.943

      Número de Carros de Combate (Tank)
      EUA = 5.884
      China = 7.716
      Rússia = 20.300

      Número de Submarinos:
      EUA = 66
      China = 73
      Rússia = 62

      Número de Destroyers e Fragatas:
      EUA = 75
      China = 79
      Rússia = 22

      Número de Corvetas:
      EUA = 0
      China = 39
      Rússia = 78

      Isso Hoje. A tendência é que a China ultrapasse os EUA nos próximos anos, com um ritmo de produção maior.

      • Navios inferiores. O número tanques russos é menor. E um aumento no PPC significa piora nas condições de vida da população, salário baixo ou inexistente, quando um país enriquece o PPC tende a diminuir, no mais o PPC é superestimado e não pode ser usado para achar um valor real, o que se pode fazer é pegar todos os indicadores econômicos e fazer um grande quadro por isso que o próprio FMI assim como qualquer instituição desse porte mostra todos os indicadores, qual as pessoas vão preferir e como elas vão interpretar esses dados e outra coisa.
        Uma coisa que poucos sabem é que os russos e chineses importam equipamentos para usar manafatura, sendo os russos importando até peças do produto final e produzindo algumas e montando, nisso o câmbio afeta e o PPC não serve pra nada.

        • O número de tanques na Ativa é menor para os 3, não somente para os russos.

          Os russos produzem quase 100% dos equipamentos militares para suas forças, calcular seu orçamento militar em Dólar Americano, sendo que não compram nem 1% de equipamentos em dólares, é Mascarar o potencial do verdadeiro orçamento.

          Se eu mostrar o orçamento em Rublos, também fica impossível de comparar.
          Portanto o que se aproxima mais da realidade é em Dólar Internacional através da conversão pela Paridade do Poder de Compra do Rublo, em vez do Câmbio.

          Se utilizarmos o orçamento militar em dólar americano, não conseguimos explicar como a Rússia possui orçamento similar ao francês e ao inglês e possui forças armadas muito mais numerosas em tropas E em equipamentos…

          Nós não estamos falando sobre qualidade de vida. Ai são outros indicadores. Estou falando de orçamento militar porque com U$ 600 ou U$ 700 bi da a impressão que os Estados Unidos possuem uma vantagem de 3x sobre a China e 10x sobre a Rússia.
          Apenas estou demonstrando que isso é irreal. A diferença é de cerca de 3x em relação à Rússia e de cerca de 35% em relação à China.
          E a tendência é que rapidamente a China vai acabar com essa diferença e eventualmente passará os EUA com o maior orçamento militar do planeta.
          Em Dólar Americano isso vai demorar um pouco para acontecer, mas em poder de compra acontecerá em Poucos anos.

          • Totalmente errado, 0s EUA têm cerca de 2 mil tanques na ativa com cerca de 3mil na reserva, os russos também tem o praticamente o mesmo número de tanques na ativa e cerca de uns 1000 mil na reserva, ou seja, bem longe de 20 mil tanques.
            O número de navios americanos é desatualizado e a grande quantidade de navios chineses e russos são embarcações menores, que não fazem frente aos navios da marinha americana.
            Quanto a produção você erra de novo, a Rússia assim como a China importa pra produzir, principalmente as máquinas que produzem os manufacturados, os produtos de alta tecnologia russo a maioria eles compram dos europeus para produzir como fossem, mas sempre tem uma peça ou outra que não conseguem nacionalizar, nisso o câmbio afeta. Você parece que não entende cadeia produtiva, nem os EUA produzem 100% e eu não falo só do produto final, falo do produto final, falo da cadeia produtiva.
            O PPC em si não indica o valor real, até pq em economia de baixo salário o PPC tende ser superestimado, ou seja, não se pode usar como medida REAL, para ser uma unidade REAL, como alguns usam para chegar a um orçamento real.
            Se usa o PPC em conjunto com os outros indicadores e agregados para ser uma visão como um todo e não como vc faz.
            Resumindo PPC não aborta inflação que tira o valor da moeda, o PPC não aborta como o csmbio afeta as importações, super importantes para economias como China e Rússia, isso reduz significativamente a capacidade de poder de compra, não se pode e não deve usa-lo como paramento para definir equivalência real entre 2 economias assim, de forma aleatória, sem levar em conta outros aspectos e sem contar que são economias totalmente diferentes, não dá pra definir o que tem o mesmo valor em cada uma, não contando com o câmbio.

          • Esse carinha é meio biruta. Ele acha que o método PPC é para equivaler o produto interno bruto de cada país, mas é apenas usado para medição da taxa de câmbio que é conferido pelo poder de compra relativo entre os países. Há vários defeitos usados neste método, um exemplo são as imprevisíveis oscilações no mercado mundial, por isso torna-se inválidas por diversos fatores o método PPC, existem restrições ao comércio internacional como tarifas, custos de transporte ou até mesmo a existência de informação imperfeita a respeito dos preços de cada bem em cada país como a China em que há controle de preços ou na Rússia, impostos e assim sucessivamente.

            O mais engraçado é ele usar a Rússia como gastando US$ 173 e a China gastando U$ 440 bi pelo PPC, porém o que dizer da Índia?
            A Índia pelo PPC tem um PIB equivalente a US$8,12 trilhões, seu país gasta 2,5% do PIB, pelo método PPC, os gastos militares indianos estariam em aproximadamente US$203 bi, ninguém em sã consciência diria que os indianos gastam esse valor absoluto em defesa, o que significa que o método é falível.

  21. A máquina de guerra é faminta para saciar as mais de 800 bases ao redor do planeta. Dominar o mundo não é tarefa para qualquer um. O preço é altíssimo e as empresas lockheed e boeing estão preparadas para entregar mais e mais vetores .

  22. Os Orçamentos Militares das 3 superpotências:
    EUA = U$ 609 bi
    China = U$ 228 bi
    Rússia = U$ 66 bi

    Está totalmente fora da realidade, devido à uma diferença cambial alta em relação ao real poder das moedas.

    Como os senhores sabem, o Rublo e o Yuan (moedas russa e chinesa, respectivamente), estão muito desvalorizadas em relação à moeda americana, o dólar.

    Justamente por isso esse tipo de Comparação, utilizando o Dólar Americano se mostra totalmente fora da realidade. Pelo método PPC de Paridade do Poder de Compra de cada moeda, método utilizado pelo FMI Fundo Monetário Internacional e outras instituições para comparar o PIB dos países, o poder de compra REAL do Rublo é 2,62 vezes maior do que representa o câmbio atual.
    O Yuan chinês, no mesmo método, é 1,93 vezes maior.

    Ou seja, pelo poder de compra Real de cada moeda, um comparativo mais próximo da realidade, seria os seguintes orçamentos militares:

    EUA = U$ 609 bi
    China = U$ 440 bi
    Rússia = U$ 173 bi

    Isso responde porque os EUA estão preocupados e porque fazem planos para aumentar suas frotas. Estão correndo contra o tempo.
    Segundo o mesmo FMI (Fundo Monetário Internacional), hoje o PIB chinês usando o poder de compra do Yuan é de $ 25 tri de dólares internacionais, enquanto que o PIB dos EUA são de U$ 20 tri.

    Isso ainda é o de menos. O PIOR é que a Previsão para os próximos 5 anos é um PESADELO para os EUA.
    Em 2023 (em míseros 5 anos), o PIB chinês saltará para U$ 37 tri, enquanto que os EUA passarão para ‘somente’ U$ 24 tri.

    Ou seja, a economia chinesa será 1,55 vezes a economia americana.

    Se Hoje a China já superou os EUA em construção de navios militares, com um orçamento militar menor, imaginem daqui há 5 anos…..é um pesadelo para os EUA.
    Um país que terá 1,5 vezes o PIB deles…Como competir com isso???

    • Falavam a mesma da URSS, que iria passar os americanos e aquele lenga lenga, o resultado? Os soviéticos caíram.
      Falavam a essa coisa doa japoneses, que iria passar os americanos, o resultado? Esses apenas frearam, enquanto os americanos dispararam.

      Os chineses? A mesma coisa acontecerá, só questão de tempo, Quando? Ninguém sabe,mas irão cair.

      • Totalmente diferente.
        A União Soviética era um país Socialista.
        O Japão é um país pequeno, com população quase 3x Menor que à americana.

        Já a China é um país enorme, com quase 5x a população americana, capitalista, vende para o mundo todo, etc.

        E não é promessa. A China Já é a Maior Economia do Planeta.
        É só entrar no site do FMI.
        A China igualou o PIB americano em 2013 e ULTRAPASSOU em 2014 em quase U$ 1 tri.

        Convertendo o PIB para dólar americano, a China ainda fica atrás.
        20 tri para os EUA contra 14 tri para a China. (mesmo com a moeda desvalorizada).

        A previsão do FMI para 5 anos é que os EUA saltem para U$ 24 tri e a China para U$ 21,5 tri.

        O FMI só divulga até 2023, mas da para perceber pelos números que a China cresce aproximadamente O DOBRO, portanto, mantendo a previsão do FMI, em 2028 os EUA terão cerca de U$ 28 tri e a China próximo de U$ 29 tri. Reitero, isso utilizando o câmbio.

        Claro que não sou especialista em previsões, nem mesmo o FMI faz uma previsão até 2028. Estou apenas mantendo os crescimentos previstos pelo FMI até 2023 e eu estendi até 2028.

    • Luís – E daí? Existe contrato determinando que os USA precisam ser a economia nr.1 do mundo? Por acaso UK ou França deixaram de ser relevantes por ocuparem quinto e sexto lugar na economia? Eu hein! Será que tentou ir à Disney e negaram seu visto?

      • Muito pelo contrário. Eu morei 1 ano nos EUA e tenho muitos amigos lá. Estudei economia, na sala de aula tinha um mapa colado na parede com a China destacada em vermelho e algumas informações sobre tamanho da população, e escrito no topo bem destacado:
        Will be China the next superpower?

        A matéria é sobre uma necessidade da USAF de aumentar ou não o número de caças.
        Alguns opinaram que não é necessário. Que os americanos já possuem um número superior ao da China e Rússia juntos.
        Só estou indicando que a China é muito mais do que muitos imaginam. Apenas isso. Não estou torcendo por ninguém.

  23. A Sierra Nevada precisa oferecer à USAF um avião de baixo custo de aquisição, manutenção e operação. Um avião feito pela sua parceira da América do Sul, um tal de Gripen BR. E esta é de casa com os ST já adquiridos, além de que esta parceira também é parceira da Boeing. Fica tudo em família.

  24. sim…interessante….a muito…muito tempo atras noutros espaços da web discutia isto….pois por outro lado, quantos F-35 e F-22 não realmente necessarios para varrer oposição aerea?…certamente precisam mais destes modelos….mas , hipoteticamente….uma vez varridos os front´s….um A-29 poderia assumir e a primeira linha (F-22/F-35) ser deslocada para o próximo hard front ….isto se ele ainda existir…

  25. Apenas lobby para a industria de armas. Tem que ser muito fanboy pra acreditar numa notícia dessas. Todos sabem que um dia que acontecer uma guerra entre EUA X Russia ou EUA X China ela será nucelar. Mas enquanto isso não acontece, esses países tem que dar um jeito de manter a industria de armas ativa e lucrativa.

    • Kommander
      Eu tenho a mesma opiniao.
      Noticia fabricada para aumentar a paranoia do povo norte americano em relacao a China e a Russia.
      Se houver guerra entre essas potencias ela sera nuclear e a extincao da raça humana vai estar garantida.
      Quem nao morrer no primeiro ataque vai morrer depois pela radiacao e pelo inverno nuclear.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here