Home Aviação de Ataque Dassault Aviation e Airbus unem forças no Future Combat Air System

Dassault Aviation e Airbus unem forças no Future Combat Air System

4221
38
Concepção em 3D do Future Combat Air System (FCAS)

BERLIM – A Dassault Aviation e a Airbus decidiram unir forças para o desenvolvimento e produção do Futuro Sistema de Combate Aéreo (Future Combat Air System – FCAS) da Europa, que deve complementar e substituir a atual geração de caças Eurofighter e Rafale entre 2035 e 2040.

A parceria, selada em Berlim por Eric Trappier, Presidente e CEO da Dassault Aviation e Dirk Hoke, Chief Executive Officer (CEO) da Airbus Defence e Space, representa um acordo industrial marcante para garantir a soberania europeia e liderança tecnológica no setor de aviação militar para o próximas décadas.

  • Acordo Landmark para desenvolver e produzir a próxima geração de aviões de combate da Europa;
  • Promove a liderança europeia de alta tecnologia no setor de aviação militar nas próximas décadas;
  • Future Combat Air System a ser desenvolvido como um sistema de sistemas, incluindo veículos aéreos não tripulados, conectividade e comunicações seguras;
  • Aviões de caça de última geração para complementar e, eventualmente, substituir a geração atual de caças Eurofighter e Rafale até 2035-2040;
  • Contrato geral de desenvolvimento a ser lançado para acompanhar o estudo e incluir os demonstradores para apoiar o FCAS planejado a partir de 2025.

Eric Trappier, Presidente e CEO da Dassault Aviation, disse: “Estamos convencidos de que, ao implantar nossa especialização conjunta, a Dassault Aviation e a Airbus podem atender melhor aos requisitos operacionais das Forças no desenvolvimento deste programa europeu de importância crítica. Ambas as empresas pretendem trabalhar juntas da maneira mais pragmática e eficiente. Nosso roteiro conjunto incluirá propostas para desenvolver demonstradores para o programa FCAS a partir de 2025.

“Estou convencido de que a soberania e a autonomia estratégica da Europa só podem e serão asseguradas através de soluções europeias independentes. A visão que a França e a Alemanha têm com a FCAS é corajosa e é um sinal importante na Europa e para ela. O programa FCAS fortalecerá os laços políticos e militares entre as nações centrais da Europa e revigorará sua indústria aeroespacial ”.

“Nunca antes a Europa esteve mais determinada a salvaguardar e fomentar sua autonomia e soberania política e industrial no setor de defesa. A Airbus e a Dassault Aviation têm absolutamente o conhecimento adequado para liderar o projeto FCAS. Ambas as empresas já estão cooperando com sucesso no programa de drone de nova geração de média altitude e longa duração da Europa ”, disse Dirk Hoke, CEO da Airbus Defence and Space.

“O FCAS leva essa cooperação bem-sucedida ao próximo nível e estamos absolutamente comprometidos em enfrentar essa desafiadora missão junto com a Dassault Aviation. O cronograma é apertado, por isso precisamos começar a trabalhar juntos imediatamente, definindo um roteiro conjunto sobre a melhor forma de atender aos requisitos e cronogramas a serem definidos pelas duas nações. É, portanto, de fundamental importância que a França e a Alemanha iniciem um estudo conjunto inicial este ano para tratar dessa tarefa.”

Encerrando 33 anos de competição corporativa em caças, os CEOs da Dassault Aviation e Airbus Defence and Space, Eric Trappier (esquerda) e Dirk Hoke, concordaram em unir forças para desenvolver a próxima geração de aeronaves de combate europeias (Foto DA)

A Dassault Aviation e a Airbus Defence and Space concordam com a importância de uma governança industrial eficiente em programas militares. Isso inclui também o envolvimento de outros atores e nações industriais importantes da defesa europeia, com base no financiamento do governo e no princípio da melhor contribuição.

No geral, o FCAS define um sistema de sistemas combinando uma ampla gama de elementos conectados e operando juntos, incluindo um caça de última geração junto com veículos aéreos não tripulados de longa duração (UAVs) de média altitude, a frota existente de aeronaves (que ainda operará) além de 2040), futuros mísseis de cruzeiro e drones voando em enxames. O sistema global será interoperável e conectado em um perímetro maior com aeronaves de missão, satélites, sistemas da OTAN e sistemas de combate terrestres e navais.

Com mais de 10.000 aeronaves militares e civis entregues em mais de 90 países no último século, a Dassault Aviation acumulou conhecimento reconhecido mundialmente no projeto, desenvolvimento, venda e suporte de todos os tipos de aeronaves, desde o caça Rafale até a família Falcon de jatos executivos e drones militares. Em 2017, a Dassault Aviation registrou receita de € 4,8 bilhões. A empresa possui 11.400 funcionários.

A Airbus é líder global em aeronáutica, espaço e serviços relacionados. Em 2017, gerou receitas reportadas de € 67 bilhões – ou € 59 bilhões atualizadas para o IFRS 15 – e empregou uma força de trabalho de cerca de 129.000. A Airbus oferece a gama mais abrangente de aviões de passageiros de 100 a mais de 600 lugares. A Airbus também é líder europeia no fornecimento de aviões-tanque, aviões de combate, transporte e missão, bem como uma das principais empresas espaciais do mundo. Em helicópteros, a Airbus fornece as soluções de helicópteros civis e militares mais eficientes do mundo.

FONTE: Declaração conjunta da Airbus-Dassault em 25 de abril de 2018

Subscribe
Notify of
guest
38 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Filipe
Victor Filipe
2 anos atrás

o Novo A400.
Demorado, caro, custando muito mais que análogos e que vai demorar pra responder as expectativas… se um Eurofigther já custa o mesmo que um F-35 eu tenho até medo de pensar no valor final desse projeto…

André Bueno
André Bueno
2 anos atrás

A Airbus é praticamente estatal. Ou já foi.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

Embora formada por capitais estatais a Airbus em si não é estatal, é uma empresa privada que tem como acionistas os referidos holdings

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

Aqui no Brasil o Estado é sócio sim de várias empresas privadas. Um exemplo é a própria EMBRAER, através do BNDESpar.

O que não dá certo, especialmente aqui no Brasil, é o Estado ser empresário pois as estatais acabam se tornando antros de aparelhamento político e corrupção. Os fatos desnudados pela Lavajato estão aí para provar.

André Gomide
André Gomide
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

kkkkkkkk… nosso liberal é latino americano. Aí o Mises não deixa.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

Mas há tem uma peculiaridade: tanto a França quanto a Alemanha (e em menor grau a Espanha) são acionistas da empresa, mas nenhum dos países tem o controle. Observe que a participação social da Alemanha e da França é exatamente igual, o que significa que nenhum dos países consegue impor sua vontade lá: sempre será uma solução de compromisso entre os acionistas, ou seja, uma solução de compromisso entre os países. O problema é quando o Estado tem o controle da empresa, porque aí a empresa acaba se tornando mais uma estrutura governamental.

Almeida
Almeida
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

Tanto pode que o BNDES é sócio de quase todo “grande empresário” brasileiro, de açougue à aço, passando por aviação e telefonia.

Mas fiquem tranquilos, é uma sociedade apenas pra dividir as dívidas entre os “empresários” e o povo.

Bruno
Bruno
Reply to  Alexandre Galante
2 anos atrás

No Brasil o estado não é sócio das empresas, os políticos que são!

Sérgio Luís
Sérgio Luís
2 anos atrás

Demoraram por demais!!
Agora a maioria dos europeus não terão a opção de escolha, e vão “morrer” no typhoon ou o Natimorto F-35!

Alex Nogueira
Alex Nogueira
Reply to  Sérgio Luís
2 anos atrás

Antes tarde do que nunca!

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Alex Nogueira
2 anos atrás

O Alex Nogueira,
Vc tem noção de tempo ter essa aeronave operacional??!!!
Tem que ler mais!

Alex Nogueira
Alex Nogueira
Reply to  Sérgio Luís
2 anos atrás

É esperar o desenvolvimento ou depender dos EUA forever, eu não deixaria a industria de aviação de caça de meu país acabar, é uma das aéreas mais tecnológicas que existe e outra, o Rafale e o Typhoon são excelentes vetores, só falta a furtividade e o F-35 ainda tem muita coisa para acertar, vai mais uns 5-10 anos para ficar 100%.

Luiz Guilherme Menezes Di Calaça
Luiz Guilherme Menezes Di Calaça
2 anos atrás

Beleza não ganha batalha, porém, no quesito design já bateu o F-35.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
2 anos atrás

EM meu ponto de vista compensa segurar as pontas no Rafale, Typhoon e Gripen. O caminho é investir em um 5º/6º geração europeu (mesmo que eventualmente use algum componente americano), sou contra depender somente dos EUA (nós brasileiros, entre outros países, precisamos ter outras opções ocidentais além dos EUA) pois já é sabido como o governo americano se comporta em relação a exportação de tecnologia.

O mundo ocidental precisa de opções variadas, principalmente devido ao fator político.

Antonio
Antonio
2 anos atrás

Acho que isso sepulta de vez as pretensões de muitas vendas de F-35 na Europa.

Ivan
Ivan
Reply to  Antonio
2 anos atrás

Antônio, . Observe os prazos. . JSF (Joint Strike Fighter) está sendo produzido, mesmo que ainda tenha problemas a corrigir. Provavelmente a versão F-35A – e talvez a B – estará totalmente operacional antes de 2020. . FCAS – Future Combat Air System deverá, segundo o texto da Airbus, “complementar e substituir a atual geração de caças Eurofighter e Rafale entre 2035 e 2040”. . São 15 (quinze) anos, mais de uma década, entre a disponibilidades dos concorrentes. Acredito que os potenciais compradores do F-35 qualquerletra Lightning II não terão tanto tempo para esperar, frente ao crescimento e sofisticações das… Read more »

Antonio
Antonio
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Acho que prazo, nesse caso, não tem muita importância. Não vislumbro nos próximos muitos anos quaisquer ameaças à França, Alemanha, Espanha e seus vizinhos. Veja que França e Inglaterra resolveram mandar quatro aviões à Síria simplesmente para poderem aparecer no cenário internacional. Não fazem nada de relevante nesse cenário há muito tempo e devem continuar assim por muitos anos. Portanto, é muito mais útil esperar dez ou quinze anos e desenvolver sua própria tecnologia que será para sempre. Sem contar os milhares de empregos que serão mantidos ou gerados nessa importante cadeira de produção. Acho essa decisão irreversível. Não há… Read more »

Antonio
Antonio
Reply to  Antonio
2 anos atrás

Digo, ‘cadeia de produção’,

Zorann
Zorann
2 anos atrás

Isto aí vai demorar demais. Se começarem agora, é uma aeronave lá pra 2030. Até lá, o F-35 já vendeu oque tinha de vender.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Zorann
2 anos atrás

2030 é logo ali. Faltam menos de 12 anos.

No mais, países mobiliados com Rafale e Typhoon, além de uma penca de nEUROn, não são países de maneira alguma indefesos. Se tem países atrasados na Europa, com certeza não são França e Alemanha.

Joli Le Chat
Joli Le Chat
2 anos atrás

Qual a chance desta aeronave ser uma repaginada do sucessor do Rafale, que a França já vem concebendo há alguns anos?

Ivan
Ivan
Reply to  Joli Le Chat
2 anos atrás

Qual aeronave ” sucessor do Rafale, que a França já vem concebendo há alguns anos”?

Joli Le Chat
Joli Le Chat
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Não sei exatamente. Talvez seja essa aí da postagem. Veja esta reportagem:
https://www.lopinion.fr/blog/secret-defense/revue-strategique-l-apres-rafale-se-fera-dans-mutuelle-dependance-135893

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Certamente estão somando os acertos e eliminando os erros do F-35 nesse projeto.

Rodrigo M
Rodrigo M
2 anos atrás

Interessante é que todos os esboços que vi até agora, aparentemente são bipostos.
Com a qualidade alemã e a beleza das linhas Dassault, será um super-caça.

Almeida
Almeida
Reply to  Rodrigo M
2 anos atrás

Grande parte dos Eurofighters e Rafales são bipostos, especialmente para missões de interdição e ataque. É meio que a doutrina deles. Vem desde os Mirage 2000D e Tornado IDS.

Rodrigo M
Rodrigo M
Reply to  Almeida
2 anos atrás

Sim Almeida, mas em se tratando de caça de 5°G seria o primeiro.
Nem os americanos tem, por isso minha observação.
E o projeto do SU-57 biposto russo-indiano (FGFA) parece que vai mal das pernas.
É outra concepção, inteligência artificial, consciência situacional incomparável etc..
Não se compara a um caça 4.5G, talvez por isso dispense um segundo tripulante.

Almeida
Almeida
Reply to  Rodrigo M
2 anos atrás

Certamente, pelo andar da carruagem, seria o primeiro 5a geração biposto.

Mas a doutrina da USAF é bem diferente da européia, vetores capazes de penetrar eles mesmos a zona de perigo. Já os europeus querem uma plataforma para controlar UCAVs (nEUROn) e mísseis cruise inteligentes. Vide o vídeo promocional. Enquanto o piloto se concentra no seu próprio caça, o segundo tripulante provavelmente controlará o “ala”.

Juvenal Santos
Juvenal Santos
2 anos atrás

Se a Dassault entrou no negócio vai melar com certeza, eles sempre entram e depois saem, são mestres em enrolação, pelo jeito não vai dar em nada, ou melhor, os alemães podem se consideram sozinhos nessa.

Jean Jardino
Jean Jardino
Reply to  Juvenal Santos
2 anos atrás

Assinaram o contrato hoje, o problemas nao sao os franceses, sao os ingleses, e como os ingleses estao fora desse projeto, alemaes e franceses se entendem muito bem.

MadMax
MadMax
2 anos atrás

Quanto tempo o pessoal da mídia especializada tem estimado para o desenvolvimento do SU-57

Almeida
Almeida
2 anos atrás

Engraçado é que todos esses novos projetos, F-35, Su-57, J-20 e agora esse FCAS, prometem essa integração total em rede como o grande diferencial deles.

Enquanto isso o Gripen já tem isso desde as versões A/B da década de 1990…

BRArmy
BRArmy
2 anos atrás

Se estão começando atrasados, porque não partem para um de 6a geração então ? Daí sim recuperariam o espaço e tempo perdido. Caso contrario, quando esse avião ficar pronto já estará ultrapassado

Marcelo
Marcelo
2 anos atrás

No minha opinião, a Airbus e a Dassault não terão condições de, cada uma, tocar um projeto desse porte! Vejam o que os americanos estão gastando para desenvolverem o F-35 e o que gastaram no F-22. Os franceses e alemães, sozinhos, não tem dinheiro pra isso. Precisarão juntar forças se quiserem sobreviver nesse mercado cada vez mais difícil. Vejam que Rafale e Typhoon não foram tão bem sucedidos nas exportações então, se cada uma gastar os tubos em seus próprios aviões, o risco é de que um deles, ou mesmo os dois, não vendam muito. Então, o jeito é se… Read more »

Justin Case
Justin Case
2 anos atrás

Amigos,
Outra parceria estabelecida na Europa – drone de média altitude e grande autonomia (MALE):
https://www.dassault-aviation.com/fr/groupe/presse/press-kits/airbus-dassault-aviation-leonardo-reaffirment-engagement-total-envers-premier-programme-de-drone-male-100-europeen/
Abraços,
Justin

Mauro
Mauro
2 anos atrás

“Dassault Aviation e Airbus unem forças”. Coitados dos pagadores de impostos. rsrsrs