domingo, maio 16, 2021

Gripen para o Brasil

KC-390 na Arábia Saudita

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

 

Ontem, dia 3 de julho, o protótipo do avião de transporte KC-390 matrícula PT-ZNJ decolou do aeródromo de Alverca (Portugal) após participar da comemorações do 65º aniversário da FAP.

A aeronave seguiu para o Oriente Médio, fazendo uma escala técnica no Egito (Aeroporto Internacional do Cairo). Pouco antes das 20h00 (horário local) o KC-390 pousou na Base Aérea Prince Sultan da Real Força Aérea Saudita (RFAS), próximo à localidade de Al Karj.

Imagem do Google Earth mostrando detalhes da Base Aérea Prince Sultan. Na imagem é possível ver aeronaves C/KC-130 estacionadas e um KC-130 taxiando. Também se destaca um E-3 AWACS.

A base Aérea de Prince Sultan é uma instalação militar de grandes proporções, contando com duas pistas de pouso/decolagem com 4.000 metros de comprimento.

Ali está baseada a 6ª Ala da RFAS que concentra as aeronaves de reabastecimento aéreo, inteligência e vigilância e controle do espaço aéreo. Os esquadrões subordinados à 6ª Ala, bem como as aeronaves que eles operam, estão listados abaixo.

  • 18º Esquadrão – Boeing E-3 Sentry (AWACS)
  • 19º Esquadrão – Beech Model 350 Super King Air e Boeing RE-3A (SIGINT)
  • 23º Esquadrão – Boeing KE-3A (REVO)
  • 24º Esquadrão – Airbus A330-203 MRTT e Airbus A330-243 MRTT (REVO)
  • 32º Esquadrão – Lockheed KC-130H Hercules (REVO)
  • 60º Esquadrão – Saab 2000 (AEW&C)

Pelas unidades listadas acima é interessante observar que a função principal da 6ª Ala não é o transporte tático com emprego de aeronaves de médio porte. Estas estão concentradas na  na Base Aérea de Prince Abdullah (que compartilha a pista do aeroporto de mesmo nome) e compõem a 8ª Ala com três esquadrões compostos por C-130 Hercules.

O fato do KC-390 ter se dirigido para uma base onde a função principal é o reabastecimento aéreo possivelmente demonstra o interesse dos sauditas numa aeronave de médio porte que faça reabastecimento aéreo como o KC-130.

____________________________________________

ATUALIZAÇÃO 16h40

Segundo as informações do site flightradar o KC-390 fez um voo entre a Base Aérea de Prince Sultan e a Base Aérea de King Kalid (distante cerca de 800 km a sudoeste da primeira) no dia de hoje e retornou às 14h30 (horário local) para a Base Aérea de Prince Sultan.

A Base Aérea de King Kalid sedia a 5ª Ala da RFAS. Ali estão baseados, dentre outras unidades, dois esquadrões de modernos caças F-15S (versão saudita do F-15E Strike Eagle) sendo um deles de treinamento e conversão operacional. Ali também foi sede, por muitos anos, de um esquadrão de caças F-5E (o 15º Esquadrão, já desativado).

- Advertisement -

42 Comments

Subscribe
Notify of
guest
42 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rafael Oliveira

Aparentemente irá pousar na King Khalid Air Base, sede da Asa 5 da RSAF e seus F-15S:

No. 6 Squadron RSAF with McDonnell Douglas F-15S Strike Eagles
No. 15 Squadron RSAF with the Northrop F-5E/F
No. 55 Squadron RSAF with F-15S Strike Eagles
No. 99 Squadron RSAF with the Eurocopter AS532M Cougar
No. 14 Squadron RSAF Detachment with the Bell 412EP

Base área próxima ao Iemen muito utilizada nos ataques dos sauditas aos “rebeldes” iemenitas.

kfir

isso sugere que o KC- 390 esta voando equipado para a função…!?

Tomcat3.7

Boa hein, os caras teem dindin e interesse e o KC-390 é cara do momento.

Space Jockey

A Arabia Saudita não nos trás boas lembranças…

Space Jockey

A Arabia Saudita não nos trás boas lembranças…’.

Tomcat3.7

Quis dizer; ” é o cara do momento”.

Walfrido Strobel

É interessante que uma Força Aérea muito bem equipada como a da Arábia Saudita não de valor a transportes de maior capacidade do que um C-130. Eles são os maiores operadores do C-130H fora dos EUA, dos 54 que tinham em 2005 ainda tem 33C-130H e 7 KC-130, mas é o seu maior transporte militar. Em 2005 pediram autorização para modernizar seus 54 C-130 entre transporte e tanker, mas não houve confirmação de que o serviço tenha sido contratado. http://www.defenseindustrydaily.com/saudi-arabia-offering-800m-to-upgrade-its-c130s-01261 Depois em 2012 estavam querendo comprar 20 C-130J e 7 KC-130J, mas só compraram 2 C-130J. http://www.dsca.mil/major-arms-sales/saudi-arabia-c-130j-30-and-kc-130j-aircraft Poderiam ser um… Read more »

Jeff

“Space Jockey 4 de julho de 2017 at 11:05
A Arabia Saudita não nos trás boas lembranças…””
.
É só não rebatizar o KC-390 com algum nome de Rei árabe.

kfir

AS INFORMAÇÕES DO Walfrido Strobel são muito relevantes

AS não esta alinhada e ou satisfeita com a LM e seu produto c 130,
adiaram compras
patrocinam um cargueiro ucraniano
vão ver como é que é o kc 390
.
.
sendo que o kc 390 faz mais missões que o c 130, no mesmo tempo…pelo mesmo preço, o problema para Arábia saudita seria talvez o consumo de combustível maior :’))
.
cheiro de venda no ar

Juarez

Está visita tem a mão amiga, porrete forte da Boeing, para tentar quebrar a perna da LM em um grande cliente de C 130.

G abraco

Jr

Strobel, quanto ao An-178 o que se tem é uma carta de intenção entre a Arábia Saudita e a Ucrânia, o contrato de compra não foi assinado ainda, aliás essa carta de intenção foi assinada há bastante tempo e até agora nada de finalizar esse acordo, os árabes são bem conhecidos em enrolar bastante antes de comprar algo (vide as fragatas que a Navantia tenta vender para a marinha Saudita e até agora nada). Parece que a prioridade dos Sauditas em relação aos Ucranianos é o AN132, esse sim, eles estão investindo pesado e já há um contrato inicial firmado… Read more »

Paulo Jorge

O KC-390 substituiria toda a frota de Hércules na Arábia Saudita, caso a Boeing estivesse à frente da aeronave lá nos EUA.
Mas como a realidade é outra, a tendência é eles optarem pelo A330 no REVO e emplacarem o a família Antonov no transporte.

Hélio

Se a Arábia Saudita optar pelo kc para revo, quantos aviões seriam adquiridos?

Antonio de Sampaio

Jr 4 de julho de 2017 at 12:56
Mesmo que tivessem comprado, ainda teríamos chance, dado a dinheirama local, mas se não assinaram nada ainda, as possibilidades são muito maiores.
A intenção seria salvo engano, uma cooperação industrial com os ucranianos, com montagem na Arábia Saudita, algo perfeitamente possível no caso do KC-390.
E convenhamos, o KC-390 e o An-178 não são aviões comparáveis, um abismo tecnológico de distância.

kfir

o an 132 nem chega perto do kc 390…
https://www.youtube.com/watch?v=QGBbXCi8OI8

Walfrido Strobel

Kfir, o AN-132 nunca teve a intenção de chegar perto do KC-390, ele é um An-32 com aviônica e motores ocidentais, tem o mesmo payload de 9 toneladas do Airbus C-295. Eu citei para mostrar o nível de parceria entre os Árabes e os Ucranianos. E não consta que eles estejam descontentes com o C-130, o que ocorre é que estão se associando a Ucranianos e chineses para instalar uma indústria local, as fábricas ocidentais não dariam esta oportunidade. Vide o UAV armado deles que é chinês. . Jr, a Arabia Saudita na época ja disse que só compra o… Read more »

Antonio de Sampaio

O KC-390 voltou para a Base Aérea Prince Sultan. Voltou direto, da mesma forma que foi.
Não é tão perto, estimo que seja como São Paulo / Rio. Uma hora de voo, chegando a voar a 35.000 pés e a quase 900 km/h, então não é tão perto.
Esperar agora ver se realiza voos de demonstração ou vai para outros países da região.
Temos outros “parças” na área.

Cláudio Severino da Silva

Prezado Guilherme Poggio:
Talvez para a Avibras as lembranças foram as melhores possíveis. Já para a ENGESA não se pode dizer o mesmo… (Osório…)
Um abraço.
Cláudio Severino da Silva

André Bueno

Complementando o que o Poggio escreveu: são 48 Eurofighter [mais seis encomendados] e 81 Tornado

Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Royal_Saudi_Air_Force

Jr

André Bueno, na realidade os Sauditas tem 72 Eurofighter, os dois últimos foram entregues no mês passado

http://www.janes.com/article/71314/bae-systems-completes-saudi-typhoon-deliveries

jakson de Almeida

Pogio eu também me pergunto porque diabos o KC=390 não foi projetado ,também ,para o emprego da “lança” no reabastecimento.

Walfrido Strobel

Bem lembrado Guilherme Poggio, para reabastecer aviões um A330 MRTT ou um Boeing 767 Tanker dão conta dos dois sistemas REVO, mas ainda serão necessários aviões como o KC-130 e KC-390 para reabastecer helicopteros e de quebra aviões com sonda para cesto, mas com capacidade menor que o B767 e A330.
.
Não é para o Poggio, mas é uma observação como curiosidade que li outro dia em um blog, o KC-46 Pegasus é designação da USAF do Boeing 767 de reabastecimento dos EUA, os do Japão(KC-767J), Itália(KC-767A) e o convertido da Colombia(B767 MMTT) não devem ser chamados de KC-46.

Walfrido Strobel

Jackson, este sistema pode teoricamente ser instalado em um transporte militar com rampa, ja foi oferecido no passado para o C-160 e C-130, mas sem interessados. Se a FAB fosse usuária do F-16 até poderia ser pensado no caso de equipar um KC-390 com este sistema, mas mundo afora iriam preferia converter um B767 no padrão MMTT (Multi Mission Tanker Transport) oferecido pela israelense IAI que ganhou a concorrencia do Brasil. OBS: A conversão cargo Bedek para o B767 que o Brasil escolheu junto da MMTT é outra coisa que pode ser feita mesmo sem a conversão em KC. Bedek… Read more »

Walfrido Strobel

Só para deixar claro, a Bedek Aviation Group que faz parte da gigante IAI não faz só conversões, ela faz várias outras coisas que vou postar abaixo. “Bedek Aviation Group is active through the following operating divisions: Aircraft division – Handles conversions, modification, upgrading and total-maintenance packages for all types of commercial and military aircraft. Our extensive, modern facilities provide the full spectrum of maintenance and overhaul services, handling both wide- and narrow-body aircraft, 160 of them annually, including Boeing, McDonnell Douglas, Lockheed, Airbus, and others. Engines division – Total service facility for maintenance, repair overhaul, conversion and testing of… Read more »

André Bueno

Jr 4 de julho de 2017 at 18:27

Grato. A Wiki nem sempre é confiável e eu ignorei isso. Pior, nem lembrei do Jane’s!

André Bueno

jakson de Almeida 4 de julho de 2017 at 18:34

Walfrido Strobel 4 de julho de 2017 at 18:58

Lembrem-se, o KC-390 foi projetado com base nos requisitos da FAB e esses não incluíam a lança de reabastecimento.
Mas se alguma nação desejar e pagar a adaptação, tenho certeza de que a Embraer a fará. Se o projeto permitir.

Balbino Botelho

Para que a Arábia Saudita precisa de reabastecimento?
Um território pequeno.
Suas forças armadas têm caráter defensivo…

kfir

Off : Venezuela golf Gulfstream III YV-2896, da vice presidência com 9 pessoas, caiu no mar, pane hidraulica total.

Rommelqe

Numa hipotese em que o reabastecimento de helicopteros pelo KC390, usando uma das duas sondas de asa, venha a se mostrar muito dificil (somente poderemos afirmar quando estiverem executando um extenso trabalho de testes e certificação com prototipos) entendo que é possivel tambem tentar empregar um sistema de cesta posicionado na direção longitudinal da fuselagem. Essa lança que o Strobel indicou no post das 18:58 (alias, obrigado pelos posts!) tambem pode ser dotada com sistema de cesta; se bem me lembro tambem seria uma opção da IAI ou mesmo da Cobham. Como neste caso o helicoptero estaria posicionado a jusante… Read more »

Rommelqe

Agora, pensando no mercado dos caças que necessitam do sistema tipo boom, se eu fosse da Embraer desenvolveria essa opção. A Arabia Saudita, por exemplo, teria mais uma razao para comprar uns 390 KC390 B&D. Por que não?

Space Jockey

“Como não? A Avibrás exportou mais sistemas Astros II para eles do que para o nosso EB! ”

Realmente eu tinha me esquecido disso.

Antonio de Sampaio

Rommelqe 4 de julho de 2017 at 23:18 Os pilotos da FAB já informaram que a turbulência do KC-390 é menor que a do C-130, e sua estabilidade é maior por conta do fly by wire, os pilotos de Brasília já tinham notado isso, pois acompanharam o KC-390 na posição de contato Revo, e os que fizeram o contato Revo no Rio de Janeiro confirmaram isso, o avião é muito mais estável e gera menos turbulência. Os paraquedistas da FAB e do EB ao saltarem do KC-390, disseram que o salto foi muito tranquilo, que o KC-390 foi o avião… Read more »

Gonçalo Jr.

Roberto Santana 4 de julho de 2017 at 17:28
O F-5 quando foi reabastecer nele estava full flap …
.
É sobre o F-5 reabastecendo no KC-390? Se sim, o que isso significa?
=> leigo , rs

Paulo Jorge

Queria que a Embraer usasse a estadia no Oriente Médio para demonstrar as capacidades da aeronave. Nunca vi o KC390 pousando ou decolando em pistas de barro ou em lugares rústicos levemente adaptados no meio do deserto. O C-17 e o Hércules encaram tranquilamente esses cenários. Inclusive, o então grupo EADS andou queimando o KC390 ao defender que a altura das turbinas impede a aeronave de usar pistas pouco convencionais. Será mesmo?

Tio Rosenweiss

Comparação de preços! Qual o valor de um Hércules x KC? Alguém sabe?

Antonio de Sampaio

Paulo Jorge 5 de julho de 2017 at 7:22
Quando Portugal fabricar qualquer coisa mais pesada que o ar e que consiga descolar do chão, a Embraer faz estes testes e convida o Aguiar Branco para assistir, e tu vai com ele no compartimento de carga de um avião da TAP, cujo dono mora no Brasil e é naturalizado brasileiro.

Zampol

Antonio de Sampaio, por favor larga o osso: deixa Portugal em paz. É nossa porta para a Europa, só temos o que comemorar na relação Embraer/Portugal.

Jefferson M

Mandei uma mensagem, acho que está travado.

Reportagens especiais

Viggen, I’m your son!

Quando os primeiros caças Saab Viggen começaram a ser entregues à Força Aérea Sueca em 1971, já se pensava...
- Advertisement -
- Advertisement -