Home Marinha do Brasil Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica realiza voo no AF-1A da Marinha

Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica realiza voo no AF-1A da Marinha

9250
164

Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica no AF-1

No dia 26 de fevereiro, o Comandante em Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, recebeu, no Complexo Aeronaval de São Pedro da Aldeia, a visita do Tenente-Brigadeiro do Ar Hélio Paes de Barros Júnior, Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica.e do COMEMCH.

Após breves apresentações sobre a Força Aeronaval e sobre o Esquadrão VF-1, pelos Contra-Almirante Sérgio Nathan Marinho Goldstein, Comandante da Força Aeronaval, e Capitão de Fragata (FN) Alexandre Vasconcelos Tonini, Comandante do Esquadrão VF-1, respectivamente, o Tenente- Brigadeiro do Ar Paes de Barros participou de um voo de adestramento de formatura básica e tática nas áreas de exercício utilizadas pelo VF-1, com as aeronaves N-1001 e N-1021.

O evento, além de ter permitido uma profícua troca de ideias, contribuiu para o estreitamento dos laços entre a Marinha do Brasil e a Força Aérea Brasileira.

FONTE: Marinha do Brasil

Subscribe
Notify of
guest
164 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Galeao
Galeao
4 anos atrás

Beirando o “controverso”. A reportagem do nosso velho, reformado A4 com a propaganda – LM – See how we are engeneering a better tomorrow!

sds
GC

Ocidental Sincero
Ocidental Sincero
4 anos atrás

Simplesmente uma aeronave formidável…….!! …….para a década de 60…………

Gustavo
Gustavo
4 anos atrás

Bom dia a todos! Quantos A-4 temos em condiçoes operacionais agora e prontos pra combate? E quantos estao parados? So de curiosidade!!!!

Alexandre Samir Maziz
4 anos atrás

Boa pergunta Gustavo ao todo sei quem compramos 23 , mas operacionais e aptos para combate ai não sei , achei bacana essa pintura que a marinha coloca em seus A-4 , mais bonita do que a usada nos caças da FAB .

Ederson Joner
4 anos atrás

Combate Gustavo? Não se pode dizer que os VF-1 da MB estão prontos para combate, nem um se quer!
Podemos dizer até que nem a FAB tem algo para entrar no teatro de combate moderno, afinal, o que temos de novo?
H60, os helis franceses, e o GTE!

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
4 anos atrás

A MB só vai modernizar 12 A-4, dos 23 adquiridos.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
4 anos atrás

Alexandre, quanto às fotos que você pediu, das CRUZEX, tenho que procurar num CD que possuo. Mas não acho que vá acrescentar nada aqui. Vai parecer mais promoção pessoal. Foram duas em Natal, 2004 e 2008, e uma em Anapolis, 2006.

Roberto Dias
Roberto Dias
4 anos atrás

Esta nova pintura dos A-4 é bem simples, toda cinza, a antiga era dois tons de cinza azulado claro. Na minha opinião, acho a antiga pintura dois tons dos t-27 e A-1 a mais bonita de todas, azul escuro com cinza.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
4 anos atrás

A compra desse avião,só seria válida,se o mesmo tivesse sido voado,desde a compra sem interrupção,até os ossos. E hoje, sendo tirado, para a substituição do meio, por novos.Nesse lenga lenga, 2050 não terá acabado a modernização, ficando para o próximo século. É como se os cara tivesse,tirando foto na década de 60 sentado num biplano da primeira guerra.

lucas
lucas
4 anos atrás

Acho que seria muito interessante uma reportagem comparativa de aeronaves embarcadas sendo usadas pelo mundo! O que estao desenvolvendo! sou so um curioso que gosto de acompanhar as materias da triologia

Barao Vermelho
Barao Vermelho
4 anos atrás

Só foi modernizado uma aeronave, as restantes estão paradas por falta de verba.

Washington Luis
Washington Luis
4 anos atrás

Simbolicamente, espero que a interoperacionalidade das Forças seja cada vez maior. Vislumbrar aeronaves Sea Gripen F nas cores VF-1 sendo reabastecido por KC-390 da FAB, controlado pelos E99 (talvez E-198 – Ejets E2 AWCS) no melhor estilo da guerra aeronaval de alto nível. Lições da Guerra das Malvinas, missões anti-navio HMS Sheffield.

dieter91360
dieter91360
4 anos atrás

“Lições da Guerra das Malvinas, missões anti-navio HMS Sheffield.”
Hahaha!!! Infelizmente, a realidade é que nunca chegaremos aos auges dos Argies dos anos 80. Eles, na época meteram um tremendo susto na Royal Navy! Para exemplo de como estamos, como disse o amigo acima, compramos 23 A-4 da década de 60 e empurrando com a barriga conseguimos “modernizar”… 1.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
4 anos atrás

O vetor que lançou o exocet que atingiu a nau inglesa foi um SE.

Maria Lacoste
Maria Lacoste
4 anos atrás

dieter91360 11 de março de 2016 at 10:24 Tinham o Mirage III, um avião Mach 2, superior, voava mais alto e o dobro da velocidade do subsônico Sea Harrier. Quantos ele abateram no ar? nenhum, na verdade foram massacrados no ar. Seu bombardeio só teve sucesso na primeira leva, quando pegaram os navios de desembarque na surdina, depois que os ingleses quebraram a surpresa, não conseguiram mais nada, eram tão bons que cometiam a lambança de lançarem suas bombas muito baixo sem tempo de armar a espoleta. Em terra foram varridos pelos paraquedistas. Estavam a 500 Km de casa e… Read more »

Gelson Jorge Emerim
4 anos atrás

Se a situação da MB não fosse tão ridícula esta notícia seria mais uma boa piada!
Este mundo de fantasia um dia deverá acabar e só espero que não seja de modo trágico, com o comprometimento da soberania nacional.
Acorda, Brasil!

Rodrigo Passos
4 anos atrás

Esses a-4 skyhawk são uma lenda. Assim como os F-5.Vendo-os voando nos dias de hoje, modernizados, é muito legal.Sei que não são top de linha, mas fazem o trabalho, olhando para o nosso continente.Os a-1 estão em boa compania.Espero vê-los por mais tempo…E que venha os gripen.

Mauricio R.
4 anos atrás

O restante do continente está fazendo o mesmo serviço de reforma, em aeronaves pelo menos uma geração inteira mais recente.

Fernando
Fernando
4 anos atrás

Acho que seria muito interessante uma reportagem comparativa de aeronaves embarcadas sendo usadas pelo mundo! O que estao desenvolvendo!

Lucas, vou desenvolver esse gráfico e enviar para a equipe do PA! pode editores?

Alexandre Galante
4 anos atrás

Pode sim, Fernando. Abs

Mauricio R.
4 anos atrás

OFF TOPIC…
.
…mas nem tanto!!!
.
Enquanto a MB restaura nos EUA aeronaves dignas do acervo de algum museu aeronaval, a US Navy apresenta seu programa de aeronave-revo-robot.
.
“Speaking at a defence programmes conference in Washington DC on 10 March, navy officials confirmed their “MQ-25 Stingray” will be less stealthy and more tanked-up than previously imagined and a request for proposals (RfP) for the air vehicle segment could emerge later this calendar year ahead of an evaluation and fly-off through 2017.”
.
(https://www.flightglobal.com/news/articles/us-navy-descoping-stealth-requirement-for-stingray-t-423039/)

Luiz Campos
Luiz Campos
4 anos atrás

Visita ao Aeroclube da Marinha.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
4 anos atrás

Maria Lacoste, adoro as suas porradas nestes caras que não entendem nada de aviação deste post! Muito boa, você é da área de aviação? Sabe muito!!! KKK os Argentinos deram um susto nos ingleses e só!

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
4 anos atrás

Menos, Marcelo…. Os Mirage III argentinos chegavam sobre as ilhas com 10 minutos on station, e com míssil inferior. Bom lembrar que desde a Segunda Guerra a Royal Navy não perdia navios. Nas Malvinas foram 5.

Farroupilha
Farroupilha
4 anos atrás

Vixe painho, esse é o vovô alado dixgramado da Marinha?
São 200?
Não, sum só 2 mulequi.
Ôxi! Tão brincandu né?

Luiz Campos
Luiz Campos
4 anos atrás

Apesar de reconhecer o esforço e capacidade de quem ingressa na carreira militar acho que para muitos o sentimento de frustração deve ser gigantesco.

Wellington Góes
4 anos atrás

Espero ver mais interoperabilidade entre as forças, até que um dado momento vão parecer uma só, defendendo os interesses de um único país. Hoje a coisa parece mais no cada um por si. “Farinha pouca, meu pirão primeiro!”

ivammc
4 anos atrás

Wellington Góes 11 de março de 2016 at 16:56
“Farinha pouca, meu pirão primeiro!”

É por essa linha mesmo, meu caro Wellington Góes. A boçalidade se recicla.

glaxs7
4 anos atrás

Modernizar pra que? Esses caças são navais, a sua real vocação está na capacidade de decolar e aterrissar em plataformas navais (Navios aeródromos) e o São Paulo não vai voltar, não pelo menos dentro dos próximos 5 anos e se voltar, a modernização dos A 4 já estará defasada. Se voltar, coisa que eu duvido.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
4 anos atrás

Caro; Luiz Campos,lendo seu comentário,veio a minha mente,quê no lugar que eu trabalho,atendemos,muitos aprendizes Marinheiros.Sempre educados,levando a vida militar no seu dia a dia,Porém uma certo dia alguém falou:Oh! gente, a manhã,vai vir um grupo grande da marinha e vamos atende-los.Beleza,fui fazer meu trabalho,e fiquei surpreso com o grupo pois eram marinheiros mesmo,tinha de tudo quanto é patente,até tripulante de submarino.Fui fazendo meu trabalho, e conversando com os cara sobre nossos meios,mas eu cortava na carne mesmo,falava de tudo armamento.aonde aquele navio tava,falava pelos números,não pelo nome do navio,tipo aquele inconveniente.Chegando a cercar os caras e deixa-los sem argumentos.Quando eles… Read more »

Maria do Carmo Lacoste
Maria do Carmo Lacoste
4 anos atrás

Rinaldo Nery 11 de março de 2016 at 16:29 Os Sea Harrier tinham o mesmo problema, pois sua autonomia também é relativamente pequena, por seu um avião naval e a questão de pousos e decolagens verticais consumia bastante combustível. Autonomia do Harrier standard /carregado: 420 Km, Velocidade máxima 1.100 Km/h Autonomia do Mirage III standard /carregado: 685 Km, Velocidade máxima 2.250 km/h Na verdade nesse quesito o Sea Harrier ainda tinha desvantagem, bem como os Porta Aviões tinham que ficar distantes das ilhas para evitarem serem atacados. Na verdade esse suposto heroísmo dos argentinos nas Malvinas nunca existiu. Herói pra… Read more »

Seal
Seal
4 anos atrás

Barao Vermelho 11 de março de 2016 at 8:49 ____________A segunda aeronave estava prevista prá sair este ano. http://www.naval.com.br/blog/2015/05/28/crise-derruba-verbas-e-cronograma-do-projeto-af-1b-2a-aeronave-so-em-2016/

Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
4 anos atrás

Mas que tal! A briguinha entre a FAB e a Marinha custou caro ao bolso dos brasileiros, essa aeronave só era valida na década de 70 pra um cenário de AL. A marinha sempre alegou que a FAB não dispunha de aviões para dar suporte aéreo a seus navios, e brigou tanto que finalmente conseguiu obter 23 aeronaves na década 90, já ultrapassada para a época, imagine agora mesmo que “meramente” modernizada, de novo, ela continua perdendo o bonde da história em recauchutar esses aviões, só me falta enviar ao caldeirão do huck pro lata velha. Porque será que não… Read more »

glaxs7
4 anos atrás

Realmente não ouve um heroísmo destacável por parte dos militares argentinos. Mandaram seus conscritos pra lutar contra uma força profissional, a ARA nem saiu dos portos pra prestar apoio e os milhares de argentinos que gritavam ameaças e cantavam vitória na Plaza de Mayo enquanto Galtieri anunciava a invasão às ilhas desde uma sacada com todo seu peito inchado de orgulho, assistiram pla tv e em absoluto silencio o comunicado da rendição argentina, lido por Galtieri desde uma sala fechada. Foram 30 mil ingleses que atravessaram o Atlantico pra arrancar as Ilhas dos mais de 30 milhões de argentinos que… Read more »

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
4 anos atrás

Não,eu não morro de amores pelos argentinos mas falar quê os pilotos,não lutaram como heróis ele,não lutaram mesmo.Lutaram como homens.E os nossos lutaram contra os ideais fascistas,sendo quê seu,próprio país tinha de 1937 à 1945 um presidente ditador,quê tinha fechado o congresso nacional.E os EUA ameaçavam invadir até o nordeste caso o Brasil ficasse neutro,na guerra.

glaxs7
4 anos atrás

Um detalhe importante. Devemos ser justos com a FAA que foi a única força que se dedicou realmente com pessoal profissional e treinado. O que realmente foi surpreendente pros ingleses foi o Pucará que realmente era desconhecido nas suas reais capacidades. Todos os “puca” que os ingleses pegaram tiveram seus assentos ejetados pra impedir a sua utilização, dois deles foram levados pra Inglaterra onde foram utilizados pra treinamento, Hoje um deles está num museo.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
4 anos atrás

Tem mais, depois de guerra, quando voltaram,os mais abonados, conseguiram manter seu padrão de vida. Agora,os mutilados e para a maioria,foi viver de esmola,passando fome,sem emprego,loucos e participando de desfiles de sete de setembro,quê poucos dão valor.

Maria do Carmo Lacoste
Maria do Carmo Lacoste
4 anos atrás

Renato de Mello Machado 11 de março de 2016 at 18:10 Para você que não sabe, os alemães tinham um plano de chegar aos EUA via terrestre a partir de tropas enviadas da África, ou seja, atravessariam o Atlântico desembarcando no nordeste e como aqui não haveria defesa contra eles, seguiram via América Central até o território americano. Paranoia? bem, conhecendo o poder nazista isso era fichinha pra eles, e quem diz isto não sou eu, foi uma professora de história da USP. Acha que os EUA não sabiam disso também? Sobre Vargas, quando a elite brasileira do Café insistia… Read more »

Alexandre Galante
Reply to  Maria do Carmo Lacoste
4 anos atrás

Pessoal que fala mal dos pilotos argentinos nas Malvinas deveria ter mais respeito pelos jovens tenentes que morreram em combate e pelos que sobreviveram. Tive a oportunidade de conhecer dois pilotos argentinos que lutaram nas Malvinas e não foi um passeio. Os Mirage e A-4 argentinos eram obsoletos perto do Sea Harrier, que já era dotado de radar multimodo e mísseis AIM-9L all aspect. Os pilotos da Fuerza Aerea Argentina antes da guerra eram proibidos por lei de voar sobre o mar, não tinham experiência nesse tipo de missão é tiveram que cumprir as ordens. Foram heróis sim e muitos… Read more »

Kolchak
Kolchak
4 anos atrás

quanta inveja dos argentinos, eles com os A-4 atacavam as cegas, sem misseis e radar, voando ao nivel do mar evitando os sea-wolf e sea-dart, conseguiram a façanha de afundar HMS Coventry com bombas inglesas da segunda guerra. Inclusive um piloto frances condiderou a missao dos pilotos argentinos muito mais arriscada que os da segunda guerra mundial.

Space Jockey
4 anos atrás

“Vislumbrar aeronaves Sea Gripen F nas cores VF-1 sendo reabastecido por KC-390 da FAB, controlado pelos E99 (talvez E-198 – Ejets E2 AWCS)”
.
Alguem acorda o amigo aí por favor.

Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
4 anos atrás

Perdeu perdeu! Perdeu de levar um bomba nuclear nas fuça, por blefar no “pôquer”. A a tamanha arrogância do general Leopoldo Galtieri é igual a arrogância de seus patrícios. Imagina-se a Argentina estivesse ganho, eles iriam a desforra em cima de nós brasileiros, até foi bom para o Brasil na cenário AL pois a época havia uma corrida armamentista na região e estávamos, perdendo feio, com risco de invasão ao sul do país.Eles estavam melhor que a FAB mas muito abaixo dos ingleses, li em um artigo, que os próprios pilotos da RAF ou da royal navy no primeiro e… Read more »

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
4 anos atrás

Bem vamos lá,a Alemanha,queria invadir tudo até Marte se deixassem eles,invadiriam.Mas em meados de 1944,quando a FEB chegou ao T.O a Alemanha já tava liquidada,a besta fera,era só besta,querendo dar seus últimos suspiros.A analogia,quê faço entre os argentinos e brasileiros é serem frutos da irresponsabilidade de seus governantes e oportunismo.E quanto a Vargas ter feito ou não isso é mais quê a obrigação dele fazer como presidente,pois para isso quê eles são eleitos,ou por via de golpe.

W.K.
4 anos atrás

Falklands?

Tremenda incompetência, arrogância e burrice da Junta Militar e dos altos oficiais em comando.

Se tivessem se preparado minimamente, a história poderia ser bem diferente…

E quanto a nossa MB. Não sei por que ainda sonham em ter um NAe se nem conseguem opera-lo. Mais inteligente seria possuir uma frota de aviões de patrulha naval (como o P-3) e alguns caças embasados em terra para missões anti-navio.

glaxs7
4 anos atrás

Alexandre Galante Não critico a FAA, mas as FFAA e a Argentina como um todo. Como você mesmo postou, os jovens tenentes, pois os experientes capitães e majores não deram uma de bobos e ficaram em terra. Hoje eles contam a história de como eles, valentes pilotos sobreviveram á guerra das Falklands pois se eles tivessem se atrevido a combater, tal vez seriam ainda Malvinas. Eu não conversei, estive em operações de resgate e vi como os conscritos foram sacrificados pra “poupar” a tropa regular. Os jovens da ARA nem sabiam como se comportar dentro dos botes salva-vidas, todos mortos… Read more »

Maria do Carmo Lacoste
Maria do Carmo Lacoste
4 anos atrás

Leopoldo Galtiere e a junta militar que governava a Argentina precisava de uma “opção de guerra” para se manter no poder, e a primeira opção de guerra de Galtiere para se manter no poder era invadir as Malvinas, mas sua segunda opção de guerra, segundo muitos, era invadir o Brasil. Disso eu já ouvi falar e muito.

Há quem goste.

glaxs7
4 anos atrás

Marcelo Silveira

Não Marcelo, o objetivo deles era o Chile, eles cantavam isso na Plaza de Mayo : tero, tero, tero, tero, Hoy le toca a los ingleses y mañana a los chilenos: (hoje é a vez dos ingleses e amanhã a dos chilenos) : https://www.youtube.com/watch?v=13OQI_I82NM

Kolchak
Kolchak
4 anos atrás

quem ficou de fora da guerra das malvinas por cólica menstrual, com a desculpa da neutralidade, nao tem moral para criticar, o chile apoiou os ingleses e o peru enviou armas aos argentinos, quem quer ser potencia nao pode ficar em cima do muro.

Space Jockey
4 anos atrás

Acho que tah faltando um pouco mais de leitura por parte DOS que estão questionando o heroísmo da AVIAÇÃO MILITAR argentina nas Malvinas…Força Aérea e Aviação Naval. procurem ler sobre a operaçao de ataque dos Super Etendard/Exocet, desde a preparaçao até o lançamento dos mísseis, sem nenhum técnico frances, acho que vão mudar de opinião. Procurem ler sobre como é voar com as ondas raspando o ventre de um A4 até a chegada no alvo para escapar dos radares…como era chegar a flotilha inglesa sendo recebidos por antiaérea e misseis Sea dart… Perguntem aos Welsh Guards ( q sobreviveram) que… Read more »

Maria do Carmo Lacoste
Maria do Carmo Lacoste
4 anos atrás

Kolchak 11 de março de 2016 at 19:35
Procure se informar, o Brasil seu muito mais apoio aos argentinos que o Peru, muito mais.
O problema é que a ignorância é a mãe de todas as besteiras, então para se criticar é preciso ter um mínimo de capacidade, não me parece que seja o caso em tela.

Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
4 anos atrás

Maria do Carmo Lacoste! Tanto é verdade que devido a corrida armamentista foi fundado em 1977/78 senão me engano o esquadrão centauro, devido a tal invasão argentina. Em 1980 o Brasil já fazia exercício militar com o Chile, aonde ocorreu o sinistro com o Cel.Fleury no hunter, e na época as relações Chile e Argentina não era nada amistosa, e o Brasil aliado do Chile mediou a situação com o Peru caso Chile e Argentina entrasse em confronto bélico em 1978. Conheço um sargento do EB que ficou de prontidão na fronteira com a Argentina devido a tal ameaça em… Read more »