Home defesa antiaérea Venha ‘voar’ num QF-16 enquanto ele serve de alvo para míssil

Venha ‘voar’ num QF-16 enquanto ele serve de alvo para míssil

771
4

Neste vídeo divulgado pela Boeing na terça-feira, 26 de agosto, câmeras mostram o interior da cabine vazia de um QF-16, que iniciou suas missões como alvo aéreo para validar um míssil terra-ar. Você pode até imaginar como seria estar voando naquele assento, com um míssil se aproximando, mas não espere nenhuma explosão: basta que o míssil atinja determinadas coordenadas em relação ao alvo, sem destruí-lo, para que os sistemas embarcados do QF-16 validem o disparo como correto, podendo trazer todos os dados para terra e ser reutilizado como alvo numa nova missão.

QF-16 em voo - cabine vazia - cena vídeo Boeing

O QF-16 é um programa em que a Boeing restaura e transforma caças F-16 retirados de serviço em alvos aéreos remotamente pilotados, o que anteriormente era feito em jatos F-4 Phantom da época da Guerra do Vietnã, transformados em alvos QF-4. Diferentemente dos velhos QF-4, os novos QF-16 proporcionam alvos com desempenho semelhante aos caças atuais. A Boeing já realizou a transformação para QF-16 em seis caças F-16 aposentados e estocados na Base Aérea de Davis Monthan, no Arizona.

No vídeo, o piloto Michael Macwilliam, que voou caças F-16 em toda a sua carreira, desde 1985, faz a checagem de pista, sobe à cabine e prepara a aeronave para decolagem. Após deixar o QF-16, este decola sozinho para uma missão de alvo aéreo para mísseis terra-ar, com câmeras internas (e outras em terra) acompanhando o voo. Segundo Macwilliam, o QF-16 “é um alvo aéreo de quarta geração. O F-16 é muito mais manobrável. Ele pode dar aos nossos clientes um alvo aéreo que tem muito mais capacidades.”

QF-16 decolando - foto BoeingO primeiro QF-16 voou em 19 de setembro do ano passado, quando dois pilotos de teste da USAF (Força Aérea dos EUA) controlaram a aeronave a partir de uma estação em terra, numa missão que incluiu uma série de manobras, voo supersônico, volta à base e pouso, sem que um piloto estivesse na cabine. O passo seguinte seria utilizar o QF-16 como alvo aéreo em testes de mísseis terra-ar, o que é mostrado neste vídeo.

O engenheiro-chefe do programa, Paul Cejas, esclarece que o QF-16 é projetado para coletar dados e devolvê-los ao lançador: “A missão do QF-16 é realmente atuar como um alvo e validar sistemas de armas. Assim, temos um sistema de ranqueamento de pontaria no avião, e seu trabalho é nos dizer basicamente o quão perto o míssil chegou, e qual a sua trajetória.”

QF-16 com míssil atingindo coordenadas próximas - foto BoeingA estação de terra estabelece as coordenadas para o míssil. A partir daí, utilizando seu sistema embarcado, o QF-16 valida se o míssil atingiu ou não essas coordenadas, detectando a distância e a velocidade do mesmo. Se os dados conferem, a missão é considerada um “abate”.

Além de missões como a mostrada no vídeo, para testes de mísseis terra-ar, segundo a Boeing o QF-16 também vai ajudar pilotos de caça a aprimorar suas habilidades de combate, engajando o alvo aéreo.

FONTE / FOTOS / VÍDEO: Boeing (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de originais em inglês)

VEJA TAMBÉM:

 

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Matheus
Victor Matheus
5 anos atrás

Queria saber quais baterias antiaéreas seriam essas, parecem ser mísseis de curto alcance…
Abraços!

Mauricio Silva
Mauricio Silva
5 anos atrás

Humm…

Um aparelho desses poderia operar como um VANT numa missão sobre território hostil. Sem dúvidas que seriam necessárias mais mudanças, mas é o caso de “ressuscitar” um avião já aposentado. Poderia ser mais uma arma no arsenal americano. E que preservaria a integridade do piloto.
SDS.

Iväny Junior
5 anos atrás

Até agora, todos os QF-4 e QF-16 que eu vi estão em ótimas condições. Sem as famosas rachaduras de fuselagem. Da pra ver o HUD funcionando perfeitamente.
Uma pena ver isso e saber que a gente tá dando duro pra manter os F-5 voando.
Não sei o que é pior, neste caso. Saber que mesmo que nos “doassem” 56 F-16A/C a gente não teria como operar todos, ou, vê-los sendo destruídos (não foi o caso do vídeo).

Carlos
5 anos atrás

Nossos QF, vejam como os velhinhos estão abandonados:

http://www.youtube.com/watch?v=p5IpAzx19Lc