O Viper B-Course consiste em 328 horas de aulas acadêmicas (“ground school”), 52,5 horas de simuladores e 84,3 horas de voo em sessenta e duas surtidas.

O curso dura 168 dias de treinamento, ou seja, sete meses na Base Aérea Luke (*). Durante o curso, os alunos do Viper lançam quarenta e cinco bombas de treino, seis bombas de 500 libras, uma JDAM e uma GBU-12 e também disparam 6.560 tiros de 20mm.

Antes de ingressar no curso, os alunos do Viper frequentam o programa de triagem de voo da USAF, conhecido como Treinamento Especializado de Piloto de Graduação (SUPT), Introdução aos Fundamentos de Caça (IFF), treinamento fisiológico e de sobrevivência e a temida centrífuga. Em cada etapa do treinamento, o aluno deve se destacar para passar para a próxima fase.

O programa de triagem de voo é um curso em aeronaves civis leves que visa eliminar aqueles sem aptidão para voar. SUPT é um programa de um ano dividido em duas partes: treinamento primário no Raytheon T-6 Texan II e treinamento avançado para aqueles selecionados para caças no Northrop T-38C Talon. Depois de pilotar o treinador supersônico, os alunos ganham suas “asas” (“brevê”). Em seguida, os alunos pilotam o AT-38 no curso IFF de três meses para aprender o básico das táticas de caça. Antes de chegar a Luke para o Viper B-Course, os alunos concluem a escola de sobrevivência e a câmara de altitude, e também devem manter a consciência enquanto puxam 9 g por quinze segundos na centrífuga.

O primeiro mês do Viper B-Course consiste quase inteiramente em treinamento acadêmico de sistemas de aeronaves e procedimentos de emergência, mas os cursos acadêmicos duram todo o período do Viper B-Course . Os alunos também voam em simuladores de alta fidelidade antes de realizar a missão na aeronave. Os alunos voam suas primeiras cinco missões no F-16D de dois lugares, com um piloto instrutor no banco de trás, antes de seu primeiro solo no Viper. Os alunos devem passar pela primeira etapa para demonstrar sua habilidade de pilotar o Viper: a verificação de instrumento/qualificação. Neste ponto, porém, eles estão apenas começando a aprender a pilotar a aeronave.

As fases de manejo avançado e ar-ar consistem em manobras básicas de caça um contra um (BFM), manobras de combate aéreo dois contra um (ACM), interceptações táticas (TI) e contra-ataque defensivo (DCA). Também estão incluídas nesta fase as primeiras missões de reabastecimento aéreo dos alunos. Em seguida, os alunos do Viper passam para o treinamento ar-solo. A fase ar-solo inclui ataque básico de superfície, onde os alunos lançam bombas “burras” (não guiadas) e armas “inteligentes”. Os alunos também trabalham com controladores aéreos avançados (FACs) em missões de apoio aéreo aproximado (CAS), em altitudes baixas e médias. Além disso, os alunos do Viper aprendem a usar óculos de visão noturna (NVGs). Por muitos anos, o NVG pertencia a um curso complementar, mas Luke agora incorpora os NVGs no Viper B-Course.

A parte final do Viper B-Course  é sobre táticas de ataque ar-superfície, onde os alunos exploram as capacidades multifuncionais do Viper e demonstram tudo o que aprenderam nos sete meses anteriores. Após a conclusão bem-sucedida desta fase, os graduados ganham o título de “Viper Driver”.

(*) O texto foi escrito originalmente pelo tenente-coronel da reserva da USAF Robert Renner no ano de 2011 para o livro “Viper Force”. Desde então o programa sofreu algumas mudanças. O tempo do curso foi aumentado e o número de horas de “ground school”, simulador e de voo sofreu mudanças pontuais. Na época em que o texto foi escrito a base para treinar novos pilotos de F-16 era Luke AFB, no estado do Arizona. Atualmente os pilotos são treinados em Holloman AFB, no Novo México.

Subscribe
Notify of
guest

46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Minuteman

Quais pilotos a FAB vai mandar para esse treinamento?

Pilotos de F-5/AMX ou que já tem o curso de Gripen?

No futuro esse curso poderia ser ministrado no Brasil no futuro?

Last edited 1 mês atrás by Minuteman
Fernando "Nunão" De Martini

Se essa cogitada aquisição de F-16 vingar, serão mandados pilotos de F-5M e A-1M dos esquadrões que vão desativar essas aeronaves.

Não faz nenhum sentido mandar pra curso de F-16 pilotos em que o Brasil já investiu em cursos para voar e combater no Gripen.

RenanZ

O grande problema já começa aí, Cogitarem essa aquisição sem pé nem cabeça. Como pagador de impostos eu tô P*** com isso

Gustavo

fico me perguntando a mesma coisa, a quem fab serve aos interesses da industria americana ou interesses do povo brasileiro.

Leandro Costa

A FAB não dá lucro Gustavo. O dinheiro tem que sair de algum lugar. A FAB procura meios de cumprir a missão.

Minuteman

Obrigado Nunão

Minuteman

Poggio, obrigado

O treinamento aqui, de fato seria um tema bem espinhoso

O que podemos fazer por enquanto é torcer para qual seja a decisão da FAB dê tudo certo

Orivaldo

“Durante o curso, os alunos do Viper lançam quarenta e cinco bombas de treino, seis bombas de 500 libras, uma JDAM e uma GBU-12 e também disparam 6.560 tiros de 20mm.:

Deve ser o melhor emprego do Mundo

Guacamole

Como se tornar um piloto fe F16:

1-Estude muito.
2-Vôe em um F5 por muitas horas.
3-Comece a estudar para vôar em um Gripen E.
4-Vôe em um F16 porque acabou o dinheiro para o Gripen E

Pronto. Você agora é um piloto de F16.

Fernando "Nunão" De Martini

Não.

Quem estudou para voar em Gripen E (treinando no Gripen C/D na Suécia e voltando para o Esquadrão Jaguar para voar Gripen E) voará Gripen E.

Quem eventualmente for voar F-16 (caso esse negócio saia) sairá de esquadrões de F-5M e A-1M para treinar especificamente F-16.

brutus

caro nunão a respeito da aeronaves , o f-16 e os gripen nao seria da mesma configurações , dizem por ai que as naves tem mesmo motores e paineis

Last edited 1 mês atrás by brutus
Fernando "Nunão" De Martini

Nem motores nem painéis, é tudo diferente.

Saldanha da Gama

Congressistas, que tal convocarem o ministro da defesa para esclarecer o fato ( aquisição dos F16 ) e explicar também, sobre o futuro do Grippen.

Last edited 1 mês atrás by Saldanha da Gama
Construtor

Que tal convocarem quem autorizou a modernização do Amx, mesmo sabendo do problema do motor ?

Last edited 1 mês atrás by Construtor
Saldanha da Gama

Precisamos saber, se darão continuidade ao programa fx2 e se os f16, seriam apenas para tampar a saída do A1 e F5…

Abraços

Last edited 1 mês atrás by Saldanha da Gama
Construtor

O problema não é o Fx-2, mas sim o motivo dos A-1s não durarem os vinte anos prometidos pós modernização. Isso sim deve ser bem explicado.

Saldanha da Gama

O fx-2 será problema, se for descontinuado…
Que se faça também sobre os motores…

Construtor

O motor do gripen é o GE 414. Um motor ótimo e em produção. Não tem nem comparação com o Spey do Amx fabricado pela Rolls Royce e projetado em 1964 e sem peças no mercado.. Ou seja, um lixo.

Leandro Costa

Vai ver o motor do AMX não era um problema na época.

Fernando "Nunão" De Martini

A modernização do AMX atrasou demais e acabou reduzida. Nesse meio-tempo o motor acabou virando um problema.

Leandro Costa

Pois é. A demora sempre causa algum problema.

Vitor Botafogo

Na epoca, foi oferecida novo contrato para prolongar as revisões, mas ignorou-se pois achavam que iria continuar. Com o fim do contrato italiano foi pa de cal. Nossa modernização também demorou por contingenciamento e o trem passou. Tudo foi falta de grana. Inclusive na decada de 90 e inicio dos anos 2000 ofereceram para realizar troca de motor pro mesmo do Typhoon, mas Italia e Brasil não quiseram.

Minuteman

Os congressistas já sabiam desse novo caça, ou esqueceu do slide da FAB que muitos aqui disseram ser “erro do estagiário”?

Last edited 1 mês atrás by Minuteman
Saldanha da Gama

Boa tarde, aquele slide apenas se justificou agora…Os congressitas, precisam extrair da defesa, se darão continuidade ao programa fx2 e se os f16, seriam apenas para tampar a saída do A1 e F5.
Não podemos jogar no lixo, mais um Tot milionário.
Abraços

Plinio Jr

O que temos aqui é o de sempre em nossos programas militares que dificilmente seguem o famoso, começo/meio/fim…vem corte de verbas e recursos e nada termina como planejado , FAB/EB/MB tem que se virar para fazer as coisas acontecerem. Já esticaram tudo o que podia para os F-5s em termos de operação, os problemas do A-1s idem.. se pegarem o planejamento original do FX vemos constantes mudanças, seja do programa em si ou mesmo na cadência de entregas…sabemos que isto se deve por recursos orçamentários. Ou vai de F-16 via FMS como tampão ou fica sem nada , recebendo os… Read more »

Vitor Botafogo

Fato

Vitor Botafogo

Nao vai interromper o programa Gripen
O F-16 vem pra evitar perda de capacidade e dar folego ao programa Gripen ue se arrastara.

Leandro Costa

Saldanha a aquisição dos F-16 não é uma certeza. Ainda está bem dentro do campo de possibilidade.

Saldanha da Gama

Boa tarde Leandro !!!!
Se a aquisição for para substituir o A1 e F5 versão atualizada, mantendo a quantidade de Gripen do fx2, sem problema, acho até positivo.
Abraços

Leandro Costa

Meu problema com isso não é a questão de serem os F-16 em si. São excelentes aviões. Meu problema é que se for para gastar dinheiro adquirindo F-16, peças, pagando treinamento, munições, etc., que se gaste mais comprando mais Gripens E/F.

Se eu soubesse que estamos esbanjando dinheiro e que esses F-16 operariam à lá Força Aérea Italiana, até ficaria mais palatável, mas como não temos os compromissos que os Italianos tinham, eu simplesmente não vejo sentido.

Rinaldo Nery

Façam um leasing de Gripen C/D. Há disponíveis.

Plinio Jr

Não creio que tenham disponíveis , estavam reservando 01 dúzia para a Ucrânia e mudaram de ideia , com os eventos pipocando com a Rússia do lado, não creio que venham disponibilizar estes aviões para nós .

Velame

Se estiverem disponíveis é muito mais lógico que o façam. Mas se não estiverem vamos de F16 mesmo. O F39 ainda não atingiu a FOC, as entregas estão se arrastando, a FAB precisa de uma aeronave pronta o mais rápido possível enquanto recebe e negocia um novo lote de Gripens.

Gustavo

propaganda f16 ta forte no brasil, vai ter que ser feito apelo ou baixo assinado a fab para nao comprar sucata, e valorizar e desenvolver vetores com o que ja adquiriu de tecnocologia amx, gripen.

Minuteman

Caro, não é propaganda, é a realidade.

Negacionismo não irá evitar o F-16 na FAB.

Goste ou não, essa aeronave irá fazer par com o Gripen…

O que nos resta é torcer para que dê tudo certo no futuro.

Rinaldo Nery

Sabe muito…

Minuteman

Ser realista e juntar os fatos não é saber muito nem pouco caro oficial.

Desde o ano passado era visto que e a FAB queria essa aeronave ou uma outra de tampão.

Gripen atrasado, poucos recursos, aeronaves sendo aposentadas…

Precisa ser especialista pra ver o óbvio?

Rinaldo Nery

Não tem nada de óbvio. Absolutamente. Teremos outros desdobramentos dessa história do F-16. O tempo é o senhor da razão.

Gustavo

Futuro vai ser lamentações , se aceitar essas escolhas.
Então eu digo vamos junto e bater nas redes sociais, manifesto contra essa decisão ou possível decisão.

Ricardo

Cara a gente não tem influência nenhuma em uma questão dessa, se a fab realmente quiser não será um baixo assinado que vai mudar isso.

Ricardo

E outra coisa 99% da população brasileira não está nem aí para o que acontece com as forças armadas.

Rinaldo Nery

Até Major. Tenente Coronel só for o cmt do Esquadrão.

ElBryan

Na nossa Marinha a carreira de piloto é mais longa (mesmo que voem menos horas), certo?

Rinaldo Nery

Não. Servi em São Pedro da Aldeia.

Last edited 1 mês atrás by Rinaldo Nery