Home ARP Jatos AMX italianos completam 8.000 horas de voo no Afeganistão

Jatos AMX italianos completam 8.000 horas de voo no Afeganistão

432
12

AMX no Afeganistão - 8000 horas - foto Força Aérea Italiana

Também foram celebradas as 12.000 horas de voo de aeronaves remotamente pilotadas Predator-A, somando 20.000 horas desses dois tipos empregados no Afeganistão pela Força Aérea Italiana

No dia 19 de dezembro, foram comemorados pela Força Aérea Italiana 20.ooo horas de voo de suas aeronaves AMX e Predator-A no Teatro de Operações Afegão, na “Joint Air Task Force” (JATF). Os jatos AMX, empregados pelo Grupo Tarefa “Black Cats” chegaram às 8.000 horas no Afeganistão, enquanto as aeronaves remotamente pilotadas (ARP) Predator-A, do Grupo Tarefa “Astore”, completaram 12.000 horas.

AMX no Afeganistão - foto Força Aérea Italiana

Os AMX operam em Herat desde 2009, com pessoal proveniente do 32° Stormo de Amendola e do 51° Stormo de Istrana, em apoio à força multinacional operando na parte ocidental do país. Já os Predator-A operam desde 2007 com pessoal do 32° Stormo di Amendola, em missões de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISF).

Outras unidades aéreas italianas que operam hoe no Afeganistão são o Grupo Tarefa “Albatros”, com aviões de transporte C-130J e YEC-27-J JEDI da 46ª Brigada Aérea de Pisa; o Grupo Tarefa “Astore”, com ARP do tipo Predator MQ1C do 32° Stormo de Amendola.

Predator no Afeganistão - 12000 horas - foto Força Aérea Italiana

Predator no Afeganistão - foto Força Aérea Italiana

FONTE / FOTOS: Força Aérea Italiana (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em italiano)

NOTA DO EDITOR: quer saber mais sobre o AMX, o que inclui sua operação em conflitos como o do Afeganistão e outros? Então adquira hoje mesmo seu exemplar da revista Forças de Defesa número 9, que traz uma matéria especial com mais de 30 páginas contando todo o desenvolvimento do jato ítalo-brasileiro, com muitas informações e fotos inéditas, desde as primeiras ideias em cada país até as versões modernizadas. Não perca! Clique na imagem abaixo para saber como comprar a sua revista.

Fordefesa 09 -Facsímile 580px

VEJA TAMBÉM:

12
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
ivanildotavaresFernando "Nunão" De MartiniFabio ASCCarlos Alberto SoaresMarcos Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcos
Visitante
Member
Marcos

Os AMX italianos provaram ao longo dos anos sua capacidade e menor custo operacional e de que a escolha da FAB foi certeira e de que a opção dos Gripen irá complementar a Força.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Caro Marcos,

sinceramente: Gostaria que os Italianos descartassem totalmente os AMX e de tanta raiva mandassem todos para o Brasil, todos mesmo …. estocados, canibalizados, operacionais e em operação …. tudo.
Eu adoro essas “abelinhas”.
Comprei a revista pela web, essa vai para a “o criado mudo” da cama, leitura obrigatória.

Fabio ASC
Visitante
Fabio ASC

Totalmente Offtopic: Cadê o Post comparando uma foto do Gripen C com o F?????

Sumiu aqui

Fabio ASC
Visitante
Fabio ASC

Valeu Nunão, obrigado.

Vc tem razão, deveria ter postado junto a outro do Gripen

🙁

ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Prezado Nunão,

Desculpe-me a pergunta, eu deveria saber, mas…

Os AMXs italianos usam a mesma turbina dos brasileiros?

Obs.: Ainda não estou com a Revista Forças de Defesa número 9.

GUPPY

ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Obrigado Nunão.

A minha curiosidade é porque eu só leio elogios em relação aos AMX italianos, suas performances no Afeganistão, antes na antiga Iugoslávia (Bósnia, Kosovo, Sérvia ?), nos desdobramentos com a própria AMI, e aqui vejo muita reclamação quanto a potência da turbina. Leio que é muito fraca para ele. Foi só isso.

ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Nunão,

Sempre que eu vejo uma matéria sobre os AMX brasileiros, lembro imediatamente de um piloto da FAB, acho que Cel Aviador, nome de guerra Bonbonato, que faleceu tragicamente em um acidente no mar, ao largo do Rio de Janeiro, pilotando justamente um AMX.
Ele sabia tudo de AMX, seus limites, e certamente contribuiria muito mais para o uso dele na FAB. Além de procedimentos poderia ate, com seus relatórios, colaborar no programa de modernização ora em curso.

ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Obrigado, Nunão. O link acrescenta muito. Bela colaboração do GLOC.