Home Sistemas de Armas Líbia: AM-X italianos voaram mais de 500 horas na ‘Unified Protector’

Líbia: AM-X italianos voaram mais de 500 horas na ‘Unified Protector’

523
1

Segundo informe divulgado em 3 de novembro pela Força Aérea Italiana (Aeronautica Militare), no último dia 31 de outubro três de seus caça-bombardeiros AM-X* voltaram à sua base, em Istrana, após cumprirem seu período de missões no âmbito da operação ‘Unified Protector’ da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte). As aeronaves são do 51º Stormo.

A ‘Unified Protector’ foi a denominação das operações da OTAN para manutenção de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia, assim como de proteção aos civis contra forças leais ao regime deposto de Kadhafi. Com o final da operação, as aeronaves italianas foram liberadas para voltar às suas bases originais.

Os AM-X foram designados para o Grupo Tarefa Aéreo “Birgi” em 31 de março deste ano, na Base de Trapani, na Sicília, onde opera o 37° Stormo. Segundo a Força Aérea Italiana, os AM-X cumpriram mais de 500 horas de voo nessas operações, embora o informe não tenha detalhado os tipos de missões cumpridas.

Vale lembrar que, ao menos no que concerne aos caças Eurofighter Typhoon empregados pela Força Aérea Italiana na “Unified Protector”, notas anteriores diziam que a principal missão destes era a proteção das próprias instalações da OTAN – porém, as principais funções do AM-X italianos não são defensivas, mas ofensivas ou de reconhecimento. Ainda sobre o AM-X, o informe destacou que aeronaves do tipo também operam no Afeganistão desde 2009, no Grupo Tarefa “Black Cats”.

FONTE / FOTOS: Força Aérea Italiana (Aeronautica Militare)

*Foi mantida a grafia utilizada no informe da Força Aérea Italiana para denominar a aeronave.

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Grifo
Grifo
8 anos atrás

Se a AMI repetiu na Líbia o mesmo modelo de engajamento usado no Afeganistão, os AMX Ghibli devem ter sido usados para reconhecimento usando o pod Recce Lite.

Por uma série de razões a Itália manteve em “low profile” a sua participação, mas seguramente as operações não foram para proteger as instalações da OTAN 😉