segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

Combate aéreo do futuro

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Com o projeto Aerial Battle Bots, a Naval Postgraduate School pretende testar um combate aéreo entre duas forças de 50 Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP), lutando entre si em 2015. O objetivo é demonstrar como um enxame de ARP luta contra outro enxame de ARP.

Com os ARP se proliferando, eles poderão superar facilmente as atuais defesas antiaéreas voltados para atacar jatos e helicópteros. Um míssil Stinger custa US$ 40 mil e comprar 10 vezes mais não resolver. A outra opção são ARP de baixo custo para defesa.

Um ARP grande pode ser colocado fora de ação ao ser atingido em um elemento chave, mas um enxame pode perder vários membros sem ter a capacidade de realizar a missão afetada.
Os testes serão com ARP comerciais Unicorn da Procerus. O hardware será baseado em celulares com software open source. Uma versão operacional levaria pequena carga para detonar próximo do outro.

Como um controlador para cada ARP é inviável, o conceito inclui meios de automação e o controle de grupos de 10 ARP. Um ARP acompanhando outro já pode ser o suficiente para controlar um enxame.

As batalhas iniciarão com 6 x 6 ARP, com uma força atacando um alvo e a outra defendendo. O sistema de escore será por GPS com o “kill” sendo um ARP da força defensora se aproximando a certa distância de um ARP atacando. O objetivo é chegar a uma força de 50 x 50 em 2015. O estudo também inclui simulação em computadores.

- Advertisement -

4 Comments

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

A FAB vai entrar nessa dai com aviõezinhos de papel, aqueles que a gente dobra, formato Mirage 2000, sem controle, sem nada.

Giordani

No FX3 até essas pipas vão participar…

edcreek

OLá,

Falando mais serio, imagino que o futuro será esse onde, um E-3 sentry por exemplo(em dias atuais) escoltados por dois Rafales, operaria meia duzia dessas belezinhas cada um com dois misseis ar-ar de curto alcançe, o E-3 como uma especie de nave-mãe em termos Star Wars.
O futuro não me pareçe tão distante, ou fantasioso…

Abraços,

Nick

Uma antevisão da FAB? Pilotos operando pipas?? =/ Tenho uma visão parecida com a do Edcreek sobre a guerra aérea do futuro. As batalhas serão planejadas com uso misto de humanos(pilotando caças de 5ª geração) e bots(ARPs de 6ªgeração ->X-47 ). Tudo coordenado através de data-link , com grande compartilhamento de dados como os suecos fazem com seus Gripen. Além de Sat-Link. ARPs poderão disparar BVRs ordenado por um caça, que por sua vez recebe a posição de um outro ARP, dotado de sensores passivos. E generais sentados em suas poltronas, tomando um cafézinho, enquanto vêem toda a batalha real-time.… Read more »

Reportagens especiais

Visita ao National Naval Aviation Museum – parte 2

Continuando a visita à parte externa do National Naval Aviation Museum em Pensacola-FL, pudemos fotografar várias aeronaves que marcaram...
- Advertisement -
- Advertisement -