Motor do Gripen é o mais seguro do mundo: ultrapassa as 150 mil horas de voo sem acidentes

Segundo comunicado da Volvo Aero, as aeronaves Gripen já voaram um total de mais de 150.000 horas sem uma única falha ou incidente no motor. Esta é uma marca única entre as Forças Aéreas do mundo.

A equipe de testes da Saab manteve um estreito acompanhamento de cada hora de voo do Gripen, desde o seu voo inaugural. Monitoramento semelhante foi realizado pela Força Aérea Sueca e pelos clientes do Gripen na Hungria, República Checa, na Grã-Bretanha e na África do Sul.

Na Volvo Aero, a empresa pode orgulhosamente afirmar que as primeiras 150.000 horas de voo foram atingidas sem uma única falha de motor ou incidente. Este é o resultado de uma forma de trabalho muito concentrada e dinâmica, em estreita cooperação com a Administração de Material de Defesa sueca (FMV) e da Força Aérea Sueca.

“Acredito que este será um recorde difícil de bater em uma aeronave monomotor”, diz Rune Hyrefeldt, Gerente de Programa de Gerenciamento Militar da Volvo Aero.

O Gripen é movido pelo motor RM12, baseado na General Electric F404 e adaptado pela Volvo Aero e engenheiros da GE em 1980, para atender às exigências do Gripen. Desde então, a Volvo Aero tem trabalhado continuamente para reduzir o custo de propriedade e aumentar a segurança:

  • Entre outras coisas, a empresa desenvolveu um sistema de controle digital FADEC para o motor, que otimiza a operação, possibilita a redução do consumo de combustível e é usado para diagnóstico de falhas.
  • A Volvo Aero criou uma entrada de ar nova para o RM12, que levou à redução de custos e maior confiabilidade. Anteriormente, o motor precisava ser vistoriado a cada 50 horas de vôo. Agora, essa inspeção é realizada durante a manutenção de rotina.
  • A Volvo Aero também criou um novo tipo de detentor de chamas, que reduz significativamente os custos operacionais e aumenta a confiabilidade. O novo detentor não precisa ser substituído tão rapidamente quanto seu antecessor e pode ser trocado com muito mais rapidez e economia.
  • As primeiras 150.000 horas de voo com o RM12 mostraram que o motor atende com conforto à FMV e às exigências da Força Aérea Sueca, em termos de custo operacional, confiabilidade e capacidade operacional”, diz Rune Hyrefeldt.
  • A Volvo Aero assinou recentemente um contrato com a FMV  cobrindo a manutenção, fornecimento de peças de reposição e suporte ao produto na RM12 para o Gripen da Suécia, Hungria e República Checa. Um contrato de suporte do produto para o RM12 também foi assinado com a África do Sul, no Outono passado.

Sten Tolgfors, Ministro da Defesa sueco, vai visitar a Volvo Aero amanhã (23.03) para participar na celebração deste importante marco para o RM12.

Subscribe
Notify of
guest

4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roberto F Santana

Sempre que leio sobre esse motor, sinto saudades do F-20.

Antonio M

Era assim que eu imagianva TT.

MAs não agora, teria de ter iniciado quando iniciou a Embraer e nã poderia ter sido interronpido.

Não desenvolveram o motor do zero mas, o fabricam sob licensa e ainda aperfeiçoam.

Estaria bom demais.

Qto a lembrança do F20, se tal desenvolvimento fosse contínuio, houvessem verbas e laços mais fortes com os EUA, teriamos aproveitado a parceria que havia entre Northrop e Embraer quando fabricou partes do F5, e quem sabe teríamos conseguido fabricar o F20 por aqui.

JapaMan

Posso estar falando o maior absurdo do mundo! podem me criticar, mas não consigo entender, todo mundo consegue desenvolver seus motores, seus caças, (digo isso pois em muitos lugares como é o caso do irã, sabemos que não são os mais modernos mas são nacionais) e aqui não conseguimos? a china, o irã, suécia, coréia, índia, áfrica do sul, israel, porque aqui não conseguiríamos? temos capacidade, gente competente, acho que falta um pouco de vontade, tudo aqui sempre é mais devagar, nosso programa espacial é um exemplo bem claro disso, nosso sub-nuc, a mesma coisa, sei que não é fácil,… Read more »

Vader

JapaMan disse:
22 de março de 2011 às 23:31

Caro JapaMan, “não conseguimos” ou “não queremos”?

Me parece que a segunda seja mais acertada…

Sds.