Home Combates Aéreos Combates Aéreos: F-14 versus Su-22

Combates Aéreos: F-14 versus Su-22

2526
35

Em 1981, a VI Frota da Marinha dos EUA fazia manobras no Mediterrâneo Central. Naquela época, o coronel líbio Kadafi fazia ataques particularmente duros contra os EUA e ameaçava atacar os navios americanos que penetrassem no Golfo de Sidra, águas internacionais que a Líbia reivindicava.

O primeiro dia de manobras assistiu a muitas tentativas de aviões líbios intrusos, que foram interceptados e escoltados para fora da área de operações. Foram nada menos que 35 incidentes.

No segundo dia, dois caças Grumman F-14 Tomcat do esquadrão de caça VF-41 Black Aces, baseados no navio-aeródromo USS Nimitz, voavam numa PAC em formação de combate, afastados 3.000m um do outro, com o ala voando 2.000m mais alto.

Num dado momento, detectaram dois sinais não identificados no radar. O líder da formação avistou os estranhos a 12km de distância e virou-se imediatamente para interceptá-los.

Pouco depois, a distância entre os aviões americanos e líbios tinha diminuído para perto de 5km, quando os intrusos foram identificados visualmente com segurança como caças-bombardeiros de fabricação soviética Sukhoi Su-22 “Fitter”, da Força Aérea Líbia.

Nos segundos seguintes, os pilotos americanos viram o líder líbio disparar um míssil AA-2  “Atoll”  guiado por infravermelho contra eles. Pelas regras de engajamento, os Sukhoi passaram a ser considerados como hostis e os Tomcat ficaram livres para combater, sem pedir permissão ao comando.

Depois que o líder líbio disparou o míssil, os dois Su-22 partiram em direções diferentes para tentar evitar os F-14. Kleeman, o comandante do elemento, perseguiu o avião da esquerda e seu ala, Muczynski, atacava o da direita.

Enquanto o ala líbio subia e se inclinava para começar a girar, seu líder girava brutalmente para completar 180 graus. Kleeman tinha previsto essa manobra e colocou-se na cauda do Sukhoi, a uma distância de 1.400m, enquanto Muczynski perseguia o líder.

Kleeman travou no alvo e lançou contra ele um míssil AIM-9L Sidewinder, destruindo o Sukhoi. O piloto líbio se ejetou. Muczynski fez o mesmo poucos segundos depois, mas o paraquedas do piloto do avião que ele derrubou não abriu.

O fato de deixar um grande afastamento entre os 2 Tomcat, impediu o inimigo de avistar ambos ao mesmo tempo, contrastando bastante com a formação fechada e taticamente ineficaz dos líbios.

Embora o F-14 não tenha sido projetado para “dogfight”, o treinamento recebido pelos pilotos da Marinha na escola Top Gun os capacitou a superar o inimigo em aeronaves menores e potencialmente mais manobráveis que eles.

VF-41 - RIO Dave Venlet Cmdr Hank Kleeman Ten Muczynski e RIO Jim Anderson

VF-41 – (À esquerda) RIO Dave Venlet, Cmdr Hank Kleeman e (à direita) Ten Muczynski e RIO Jim Anderson.

BATE-PAPO ONLINE: converse com outros leitores sobre este e outros assuntos no ‘Xat’ do Poder Aéreo, clicando aqui.

Subscribe
Notify of
guest
35 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Cronista
Cronista
9 anos atrás

Creio que nem mesmo uma formação mais eficaz salvaria os Su-22 dos Tomcat ou lhes garantiria, ao menos, mais alguns minutos de vida… A diferença é muito grande: mísseis melhores, treinamento no estado de arte, ótimos radares embarcados + cobertura radar da frota… Fico me perguntando o que deu na cabeça do líder sírio para disparar um AA-2 Atoll contra um F-14???

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

O Tomcat pode não ter sido projetado para dogfight, mas com certeza esse aspecto do combate aéreo foi muito importante na sua concepção. Prova disso é que sua áera alar é comparável aos outros caças do seu tamanho, como o F-15 e o Su-27 (esse com a maior área alar de todos). Além disso, um canopi com excelente visibilidade para trás e um canhão orgânico completavam o pacote. A única coisa que não saiu como o esperado foi o motor F-401, que seria um derivado do P&W F-100 (que teve problemas por si só depois) mas teve problemas no desenvolvimento… Read more »

Vader
Vader
9 anos atrás

O piloto líbio ficou locão e apertou o botão… 🙂

No mais, esse é um dos exemplos de que o treinamento é uma das poucas coisas que pode superar o “quanto menor, mais manobrável” (by John Boyd). Pois fosse em igualdade de treinamento, armamento e motivação e os F-14 poderiam se ver em maus lençóis.

E para se ter treinamento é preciso voar. E para voar, é preciso que o caça sejá viável economicamente para a força aérea que o utiliza.

Sds.

Luiz Padilha
Luiz Padilha
9 anos atrás

Vamos combinar que nem em exercícios nos EUA, os “inimigos” são inocentes assim.
Fácil demais. Os caras praticamente deram as costas e disseram: Manda ver!
Pows! Suicidas, isso sim!

Marcelo
Marcelo
9 anos atrás

essas ilustrações e fotos são dos fascículos Aviões de Guerra da década de 80, fiz a coleção toda, está encadernada. Foi aí que comecei a gostar da aviação e assuntos de defesa!
Abraços.

MA
MA
9 anos atrás

Su-22 tampouco era uma aeronave projetada para dogfight e ainda possuíam a desvantagem de não possuir radar abordo. Qualquer que fosse a formação dos elementos não havia chance, foi uma ação precipitada em minha opnião.

Nick
Nick
9 anos atrás

Os Libios voando em formação na mesma escola dos Argentinos em 82…. Deviam roubar alguns manuais de instrução dos pilotos de F-16 da USAF …. 😀

[]’s

Baschera
Baschera
9 anos atrás

Bom lembrar do F-14……. tenho um em escala montado no escritório.
Quanto ao combate no golfo de sidra, realmente os líbios foram ovelhas na frente do lobo.

Sds.

Cronista
Cronista
9 anos atrás

Vader disse em 15 de agosto de 2010 às 8:36: “E para se ter treinamento é preciso voar. E para voar, é preciso que o caça sejá viável economicamente para a força aérea que o utiliza.”

Cruel Vader, muito cruel…….

Esdras
Esdras
9 anos atrás

Pedaços da história que nossos amigos do blog nos presenteiam.
Parabéns aos amigos da trilogia.

Ivan
Ivan
9 anos atrás

Baschera, Aqueles pilotos líbios foram tolos… O Jogo que eles, Muammar al-Gaddafi e o Departamento de Estado Americano, estavam jogando era de provocação, para ver quem piscava primeiro. A US Navy sabia jogar o jogo, a Al-Quwwat al-Jawwiyya al-Libiyya (Aeronáutica Militar da Líbia) não. Ao menos aqueles 2 (dois) pilotos não sabiam mesmo. O melhor qua Líbia podia ter feito era mandar um par de Mirage V, cada um com um par de mísseis IR e apenas um tanque do combustível externo central (o que reduz pouco a agilidade), com a missão de “brincar” com os F-14 Tomcat. Mas era… Read more »

quatzy
quatzy
9 anos atrás

Isso é história ameriana. Quero ouvir outro lado também.

General
General
9 anos atrás

Os pilotos da US NAVY são excelentes, só perdem para os pilotos da melhor força aérea do mundo(FAB)

ATTILA LUIZ UGGERI
Reply to  General
1 ano atrás

Os Brasileiros estão em terceiro lugar, vamos a lista:

1º Israelenses
2º Americanos
3º Brasileiros

Raptor
Raptor
9 anos atrás

Complementando… Existe um problema em relação aos VANT’s autônomos (uma espécie de MAD contemporâneo)… Por segurança, acredito por consenso de todos (incluso China) não permitir sua utilização armada e mesmo para vigilância, para não ter problemas com o “ghost in the Machine” (a capacidade de processamento irá ultrapassar o equivalente ao cérebro humano em algum momento da década de 30). A única alternativa que sobrou para veículos “sem tripulantes” seria a da categoria dos sem tripulantes porém, pilotados, os UAV’s (vídeo game, não combina com o espírito da guerra) em minha opinião. Ou seja, o elemento humano, ainda será essencial… Read more »

Raptor
Raptor
9 anos atrás

vídeo game = matar sem riscos = VANT’s armados.

Raptor
Raptor
9 anos atrás

Esquecendo… letra traduzida da música: http://letras.terra.com.br/motorhead/1323100/traducao.html

Billy-s
Billy-s
9 anos atrás

Vária vezes vi os F5 ou A1 em Canoas voando em formações de 2 ou 3 “cerradíssimas”. O radar daquela época teria como distinguir este truque? e o radar atual? Semelhança com TOP GUN?

ditongo
ditongo
9 anos atrás

Acredito totalmente nas capacidades de combate dos pilotos americanos, pela sua alta carga horária de treinamento. Mas sinceramente os pilotos líbios cometeram o mais básico dos erros,
da aviação de caça: dá as costas ao inimigo, tolinhos!

Os dois líbios deveriam ter virada à esquerda. O lider líbio raramente escaparia. O ton cat 107 seria abatido após alvejar o lider líbio. Aí o combate ficaria 1 contra 1. Aí o resultado seria imprevisivel.

Pedro
Pedro
9 anos atrás

Será q ninguem percebeu que isso é historinha americana para justificar ataque? Algum piloto no mundo, por pior que seja faria um ataque e daria as costas para o inimigo bem como seu ala se separaria? NUNCA! Alem disso o AA-2 não enganjava pelo quadrante frontal de um alvo, assim como os misseis leves de sua epoca. Ele so poderia ser disparado atacando os F-14 por tras. Isso foi a maneira de como os EUA venderam uma agressão deliberada sua contra um país terceiro. Provavelmente os pilotos americanos, conhecidos pela sua fraqueza técnica e emocional (só são fortes no cinema,… Read more »

Raptor
Raptor
9 anos atrás

“Será q ninguem percebeu que isso é historinha americana para justificar ataque?”

Pedro,

Caso houve esta decisão neste sentido, a mesma é política e não militar.

Acredito que a matéria teve o intuito de mostrar a valentia dos pilotos e seus esquadrões e não um julgamento moral sobre o caso Líbia (provavelmente mais lambança reptiliana…risos – difícil de engolir que a Líbia algum dia, foi uma ameaça real aos EUA).

Abraços.

Baschera
Baschera
9 anos atrás

Ivan disse:
15 de agosto de 2010 às 13:40

Concordo Ivan…… o M-V seria uma boa opção para a brincadeira, mas não com apenas dois vetores…. eu mandaria uns seis pelo menos ….. pilotos experientes e calculistas e depois…… pinote…..

Sds.

Madvad
Madvad
9 anos atrás

eu tenho essas coleções Aviões de Guerra encadernadas!! Muito legal!

Agora o amigo aí de cima…SU-22 mais ágil que Tomcat?

AONDEEEE?????????

Rogério
Rogério
9 anos atrás

Pedro disse:
15 de agosto de 2010 às 16:47

Se os Su-22 são mais ageis, pq eles não venceram o combate ?

Rodrigo
Rodrigo
9 anos atrás

Pedro disse:
15 de agosto de 2010 às 16:47

Os pilotos líbios são maravilhosos, mas o AAA líbio uma porcaria.

Só derrubaram um F111.

Joker
Joker
9 anos atrás

Muito bom o relato! Parabens ao blog!

Tomcat
Tomcat
9 anos atrás

Também tenho a coleção toda do “Aviões de Guerra”! Reli várias vezes essa história! 🙂

[ ]’ s

Tomcat
Tomcat
9 anos atrás

Outra coisa, me corrijam se eu estiver errado: esse não foi o primeiro combate entre caças com asas de geometria variável?

[ ]’ s

Ivan
Ivan
9 anos atrás

Os F-14 ganharam simplesmente porque são mais bonitos! HA!!!

Brincadeiras a parte, citando o Sérgio Luiz “O combate por si só foi muita estupidez do piloto líbio, pois o K-13 (Atoll) não podia engajar disparado de frente contra o alvo.”.
Pra mim isso diz tudo, não duvido nem de que o disparo possa ter sido acidental, de tão idiota que foi…

Giordani RS
Giordani RS
9 anos atrás

Eu lembro bem desse fato. Tem até um vídeo no youtube mostrando o lançamento dos sidewinder. Eu era criança na época e Mais ou menos nesse interim(aí o amigo Galante pode até postar esta matéria), O SeuReagen mandou os F-14´s interceptaram e obrigaram um 737 a pousar. Na aeronave alguns sequestradores-terroristas que haviam matando alguns americanos e italianos. O que os pilotos libios fizeram foi suicidio. Atacaram caças de Defesa da Frota numa formação de ataque “asa colada”, com mísseis de curto alcance Atoll e pelo quadrante da frente! Total falta de treinamento. Su-22 mais manobrável que o TomCat? hahahaha…brincadeira… Read more »

RoyFocker
RoyFocker
9 anos atrás

Sinceramente respeito a opinião do nosso amigo Pedro, mas dizer que os Su-22 derrubariam os “gordos e pesados jatos yankee” é d+ na minha opinião, Vc acha que a US Navy por “miseros” 33 anos confiaria a defesa de seus GT’S a um gato gordo e pesado. é fato que o filme TOPGUN ajudou na fama do Tomcat, sem contar o fato de ser um avião muito bonito, mas o fato é que chegar perto de um F-14 naquela época sem sair ileso era quase impossivel e ainda hoje seria tarefa dificil. O F-14 era uma plataforma de arma completa,… Read more »

HIDERALDO
HIDERALDO
3 anos atrás

O inacreditável é que o capt KLEEMAN, depois de muitas horas de voo e tendo participado dessa contenda e abatido um caça em combate real, veio a falecer quando desta vez pilotando um F18 simplesmente derrapou e capotou na aterragem, em 1985. Um acidente não muito comum na aviação.

HIDERALDO
HIDERALDO
3 anos atrás

Em algum site alguém comentou que “seria perigoso demais se o Estado Islamico ou ISIS tivessem caças…Ora bolas eles nunca vão ter justamente por causa disso: se eles levantassem voo desafiando as esquadrilhas americanas, seriam abatidos como vacas em um matadouro. Os pilotos americanos são os melhores do mundo e ainda tem os melhores aviões. Por isso os extremistas só combatem pelo terrorismo…

HIDERALDO
HIDERALDO
3 anos atrás

Na verdade, falando do “incidente do golfo de sidra”, o que ocorreu ali foi quase que premeditado pelos americanos. Olhem o mapa: o golfo de sidra está todo dentro do território líbio e PORQUE A FROTA AMERICANA ESTAVA TÃO PRÓXIMA DA COSTA??? O mediterrâneo e suas águas internacionais ofereciam um imenso espaço mais para o norte para a frota americana “fazer seus exercícios”. Acontece que Moamar Kadafi já vinha publicamente condenando a presença americana no mediterrâneo e as relações diplomáticas entre os dois países ferviam naquele momento. Os americanos entenderam que TINHAM DE DAR UMA RESPOSTA à ALTURA, (Hoje o… Read more »

HIDERALDO
HIDERALDO
3 anos atrás

Agradeço aos amigos do ‘PODER AÉREO’ por sempre publicarem meus comentários. Um abraço a todos os profissionais, amantes e simpatizantes da aviação! Se passarem por Santa Rosa no RS vamos assar uma costela e uma linguiça e saboreá-las acompanhadas de umas cervejas geladas de rachar o copo…