sábado, abril 17, 2021

Gripen para o Brasil

F-X2: não basta comprar. É preciso manter e operar

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

vinheta-exclusivo O Brasil está prestes a definir o vencedor do programa F-X2. Um programa muito bem elaborado que evoluiu a partir dos fracassos do seu antecessor (programa F-X).

Depois de definido o vencedor e feitos alguns ajustes finais, será a hora de estabelecer as linhas de financiamento, formas de pagamento, parcelas etc.

Obviamente que, em função do volume de recursos necessários, estes não sairão do orçamento do Comando da Aeronáutica. Virão diretamente dos cofres da União.

A questão que se coloca no momento são os devidos recursos para a correta manutenção e operação destas aeronaves, independentemente do caça escolhido.

Corremos o risco de não deixar o ciclo vicioso de falta de verbas para manter nossas aeronaves. Não é de hoje que os recursos da FAB são insuficientes para manter devidamente seus aviões e helicópteros. De tempos em tempos surgem reportagens na mídia sobre o elevado número de aeronaves paradas por falta de recursos.

A falta de recursos também reduz o número de horas de voo, refletindo no nível de adestramento dos pilotos. Isto é mais crítico em aviões de alta performance como o caso do caça a ser escolhido.

Perdemos uma grande oportunidade de encerrar de vez este nefasto ciclo quando foi criada a END (Estratégia Nacional de Defesa). Na proposta inicial da END foi definida uma porcentagem do Orçamento da União que garantisse um nível de operacionalidade para as Forças Armadas, superior ao atual.

Por motivos de ordem política, o Executivo vetou qualquer tentativa de vincular a END com um determinado percentual de recursos, como existe para outras áreas do governo. Uma das desculpas era engessar ainda mais orçamento, tornando-o menos flexível do que já é.

Os três finalistas da concorrência do F-X2 estão entre os melhores caças do mundo. Independentemente da aeronave a ser escolhida, a FAB estará muito bem equipada.

A pergunta que fica é: teremos os recursos necessários para garantir a correta manutenção e o nível de prontidão desejados para as décadas que virão ou veremos a mesma novela de sempre?

Leia também: F-X2: Jogo de cartas marcadas?

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
JC

Aposto na mesma novela de sempre.

Felipe Cps

Pois é, e aí? E se, pra piorar, comprarmos a aeronave francesa, que sabidamente tem o maior custo por hora de vôo das três concorrentes?

Sds.

Harry

Caros, fico com o final do post
“Os três finalistas da concorrência do F-X2 estão entre os melhores caças do mundo. Independentemente da aeronave a ser escolhida, a FAB estará muito bem equipada.

A pergunta que fica é: teremos os recursos necessários para garantir a correta manutenção e o nível de prontidão desejados para as décadas que virão ou veremos a mesma novela de sempre?”

Resposta: GRIPEN-NG
ABS

Rodrigo Rauta

É por isso que defendo a escolha do Gripen. Até prefiro o Rafale, mas diante da nossa habitual falta de recursoso, um caça que tenha o custo de manutenção menor é sempre bem vindo!

Abraços!

PróPatria

Pensando friamente a ”falta de recursos” para manter a operacionalidade e prontidão de toda força aérea seria resolvida e com espaços para ampliação da frota com alguns milhões a mais nos recursos de mantenimento pra força aérea. É só o alto oficialato das 3 forças pararem com a fanfarrice de ficar dando festas e medalhas pra um bando de civis zé ninguém e entre eles mesmo… é só eles pararem de ficar pagando extra atrás de extra e auxílio num sei o q pra qualquer membro que viagem ao exterior ou que está fazendo curso e blabla que sobra recursos…… Read more »

marujo

Também prefiro o Rafale, que foi projetado para combater F-16 e F-18,mas temo que a hora de vôo e a manutenção mais caras deixem uma eventual frota da FAB do modelo no chão. O Rafale,bem comos outros equipamentos de origem európeia, são a resposta política e operacional perfeitas às bases norte-americanas na Colômbia.

Capitão

O Nelson Jobim não tentará aprovar um projeto de lei na qual o orçamento não pode ser contigenciado?
Não é só o que está escrito no texto, sobre recursos e END. Há outros projetos para deixar as forças armadas com recursos necessários porque isso é básico. Se não houvesse intenção de melhorar estes recursos não haveria vontade de se comprar meios novos…pois pra quê queremos meios novos sem poder operar? Melhor não ter…
Mas isso se resolve. Com o PIB crescendo a uns 4,5..5,5% aa ninguem vai reclamar e contigenciar recursos.
Abs

marujo

Assim seja, Capitão.

Capitão

Acredito ser indispensável a colocação da fonte do artigo. Se é da autoria do blog ou extraído de algum outro lugar. Isso deve ter sempre.
Abs

Poggio

Capitão,

Veja no final no artigo. Ele está classificado com “Editorial”

Poggio

Capitão,

Veja no final no artigo. Ele está classificado com “Editorial”

Mauricio R.

“O Rafale…” “…são a resposta política e operacional perfeitas às bases norte-americanas na Colômbia.”

Pq resposta aos “Flanker” do Chavito, eles não são de jeito e maneira.

Patriota

O Gripen Ng nem sequer está em produção e nem a Suecia o adquiriu,
o custo de aquisição assim como o custo operacional está fortemente ligado a escala de produção , sendo assim o Gripen NG
poderá ser o caça mais caro da história da FAB .

Douglas

Por isso o Gripen está fortíssimo.

esse papo de transf de tec, ainda que por milagre ocorra demandará uma miríade de investimentos que não está na agenda do congresso de hoje nem do proximo.

ou seja, não haverá massa de capital nem massa intelectual pra absorver tudo. Ficamos sonhando com uma proxima geraçaõ de jatos brazucas sem pensar muito nas dezenas de bilhoes que isso custa.

vejam os subs, por 4 convencionais e a promessa de um “casco” maior a conta já chegou em 17 bi….

Por isso o gripen e seu custo operacional baixo é opção viável.

CADU

Boa noite a todos.
Acho que deveríamos pegar os dois vetores, o RAFALE para HI ( 36 )e o GRIPEN-NG para LOW ( 36 ), e ficar com as duas tecnologias para no futuro fazer o caça BR, voaríamos mais com os GRIPEN-NG que são econômicos, e se por acaso precisássemos interceptar alguém, usaríamos o RAFALE ( maior autonomia ), se precisássemos dos outros 48, eles seriam GRIPEN-NG.
Saudações.

Paulo Subtil

Não dá pra ter dois, manutenção fica inviável.

Infelizmente.

Esta opção Hi- Low é um sonho , nada mais.

André

Com toda razão! A compra é a parte menos complicada. Após isso há a manutenção, que para o primeiro lote será de cerca de 30 anos. Mas há também a operação e operar não significa apenas voar para lá e para cá. Significa, sim, aprender a operar a aeronave com toda a parafernália eletrônica e de armamento. Para isso, além de treinos e mais treinos, é necessário promover programas de aperfeiçoamento da aeronave, seja com relação a incorporação de novos equipamentos (eletrônica, armamento, enfim, novas tecnologias que surgem ao longo do tempo), seja para sanar ou reduzir problemas decorrentes de… Read more »

Thiago

Achei tendencioso o tópico
pois embora o Gripen esteja nascendo agora ele ja nasce defasado se comparado com o Rafale ou F-18.
É claro que ele é muito bom, mas vamos olhar nossa geografia e imaginar potenciais cenários. A autonomia do Gripen NG deixa muito a desejar, sem falar que o lance de desenvolve-lo seria “quase” um mito por ele utilizar tecnologia americana a qual não sera repassada.

Hornet

Sobre a pergunta do blog: acho que depende muito do crescimento econômico do país nos próximos 10 ou 20 anos. Ter ou não ter dinheiro para manter os equipamentos militares e manter o adestramento dos militares em alta capacitação, depende exclusivamente do crescimento econômico do Brasil no médio e longo prazo. E as projeções econômicas, tanto as nacionais como as internacionais, são as melhores possíveis para o Brasil dos próximos anos. Neste sentido, acredito que teremos condições plenas de manter não apenas os caças do FX2 como também os demais equipamentos que estão sendo comprados/construídos agora. Sem falar que toda… Read more »

Felipe Cps

Thiago em 11 ago, 2009 às 18:27

Gripen NG nasce defasado? O único a ter supercruise, também com radar AESA, o melhor datalink do mundo, extremamente manobrável, construído em módulos substituíveis, pode integrar mísseis suecos, russos, europeus, franceses, israelenses, americanos, sul-africanos, brasileiros…

DEFASADO? Porque? Porque não é americano? Porque não é francês?

Sobre a questão de autonomia não vou nem falar mais… Isso é uma balela de marca maior…

Sds.

Carlos Augusto

Concordo plenamente com você Patriota, o Gripen Ng nem sequer está em produção e nem a Suécia o adquiriu,o custo de aquisição assim como o custo operacional está fortemente ligado a escala de produção , sendo assim o Gripen NG poderá ser o caça mais caro do FX-2. E com mais uma agravante já que a turbina e os avionicos deste caça são americanos, e podem sofrer embargo do congresso americano a qualquer momento.

Abrivio

1) Reduzir o número de tipos operados, operar aeronaves mais novas com contratos de manutenção com o fabricante (em certa medida, tem sido feito).

2) Reduzir o número de aeronaves VIP (a tendência tem sido inversa, transformando a FAB em operadora de jatinhos para políticos e familiares).

3) Reduzir a estrutura burocrática priorizando a atividade-fim.

Carlos Augusto

Poderia se tornar um espinho para a FAB.

Iuri Korolev

Concordo Hornet
Infelizmente minha falta de tempo não tem permitido que eu acesse, quanto mais escreva neste blog.
Douglas
No dia em que o Brasil decidir sair da condição de país usuário de tecnologia para desenvolvedor teremos a massa intelectual necessária.
O problema é que aqui não vale a pena seguir carreira nessa área.
Pague bem e terá os melhores cérebros, que é o que ocorre no hemisfério norte.
Abraços

evandro

Não vejo os Bases Americanas na Colombia como uma preucupação para o Brasil e sim para o Sr Ditador Hugo Chaves e seus patetas Evo Morales e Rafael Correa. Hoje a melhor proposta para o FX2 é o da Boeing com o F18 E/F Super Hornet.

latino

por essas e outras estou na torcida do gripen ng ,,que adianta ter caças e não ter dinheiro pra mante los em pleno funcionamento

sds

Leandro_O.

Eu acredito que o Brasil esteja mudando no quesito DEFESA!
Não so na FAB, mas sim nas tres forças!
Acho que dinheiro não vai faltar.(tomara)

Gosto muito do projeto Gripen ng!Seria uma otima aerona para a FAB devido ao seu custo beneficio.
Pena que so vai ter um motor e com isso o risco de ejeção sobre grandes areas (mar, Amazonia) e maior do que dos outros comcorrentes do FX-2! Sem falar que ainda so e um projeto, e a FAB esta precisando de uma aeronave de combate multitarefa pra ontem!!!

Flwww Abraço!!!

Vitor

Eu tambem torço pelo Gripen por causa de sua facilidade de manutenção e operação. Incrivel o projeto. Para o Brasil seria perfeito já que aqui fazemos milagres para manter projetos funcionando com as peças que temos.

Harry

Caro Mauricio R “O Rafale…” “…são a resposta política e operacional perfeitas às bases norte-americanas na Colômbia.
Não seria o mais inteligente.
A resposta vira com o tempo, Um exemplo Hugo Chaves já esta fechando um acordo de Compra de 10.000 automoveis e mandado que Uribe agora passe a vender para EUA ou seja compra de carro=0. Para voce ter ideia a Colombia vende 7bilhões de dolares para Venezuela com balanço superavitario O jogo mal começou, não esqueça que o Brasil tem projetos de investimentos na Colombia e no Peru, que ensaiou apoiar Uribe, e não é pouco
Abs.

Harry

Caros o problema do Gripen-NG chama-se NJ e Lula.
Abs.

VerdeAmarelo

Não sou especialista mas na minha interpretação o resultado está ai pra quem quiser ver! A escolha de um caça americano que sabidamente tem restrições quanto a transf de teconologia e de um outro, o Gripen com componentes americanos que poderiam ser vetados a qualquer momento pelos EUA já dá uma pista que a escolha deve ser os Rafale, onde se teria a garantia da transf. de tecnologia. Esta investida agora dos homem de preto da Boeing pode ser um outro sinal apontando para a vitória do Rafale, colocar três artilheiros no time aos 44 do segundo tempo é uma… Read more »

Lucas Calabrio

Prezado Hornet

Como tem mudado os ventos neste programa f-x2.
E agora como fica a situação do Rafale?
A proposta norte-americana ficou melhor, mas supera a francesa? Acredito que chegou muito próxima da proposta do Estado Francês.
Preocupa-me é a grande pressão no Jobim e Lula, pois com certeza
eles não esperavam por isso ou forçaram o jogo (all-in com a França)e tem muita relação com o pré-sal, pois se não existisse não acredito que cedessem ao quesito TT.
Seria muito interessante a escolha de dois projeto (bimotor+gripen ng)
Abraço

Lucas Calabrio

Resolveram realizar a TT devido o F-18 SH sair de cena em 2015 um ano após da entrega das primeiras unidades.
Creio que seja um bom avião, mas ao que parece este será no futuro o nosso f-5
Abraço

Washington

A escolha do Gripen NG seria a mais acertada das opções. Os três vetores em si são excelentes, mas, conforme abordado no artigo, questões financeiras precisam ser consideradas. O país precisa garantir manutenção de qualidade para os novos caças e alto nível de adestramento para os pilotos e técnicos, tudo isso, só com orçamento adequado.
Com relação a questões técnicas, como a tecnologia americana utilizada no Gripen, não acredito que os americanos que precisam manter antigos parceiros (Suécia) e fazer novos (Brasil), façam objeções aos negócios firmados, até por que, as empresas americanas também estariam ganhando.

Harry

CAro Washington é isso ai, como diz Felipe Cps eles adoram dinheiro.
Alem do que não existe nada de tecnologia sensivel.
E se fosse o caso de não fornecerem a turbina, acredite não falta opções, acredite quanto as dificuldades que eles trariam a nos,
só faria nos crecermos mais ainda, os suecos são é muito racionais,nesta altura já discutiram todas as possibilidades com a Aeronautica e já disseram que farão o caça com os requisitos que a FAB quiser.
ABS.

F35 ja

evandro em 11 ago, 2009 às 19:09,concordo com voce evandro.
Agora quanto a falta de grana,é simples,é só os srs.senadores,deputados,ministros e altos funcionarios deste governo pararem de meter a mão na combuca do cofre da união,que vai começar a jorar dinheiro para as FAs,é simples mais é dificel heim.

Nunão

“Abrivio em 11 ago, 2009 às 18:54 editar

1) Reduzir o número de tipos operados, operar aeronaves mais novas com contratos de manutenção com o fabricante (em certa medida, tem sido feito).

2) Reduzir o número de aeronaves VIP (a tendência tem sido inversa, transformando a FAB em operadora de jatinhos para políticos e familiares).

3) Reduzir a estrutura burocrática priorizando a atividade-fim.”

Perfeito, Abrivio!

Acrescentaria apenas:

4) diminuir o número de esquadrões, aumentando ao mesmo tempo a dotação de aeronaves por esquadrão.

lucas

Saindo um pouco do assunto do post, gostaria de perguntar para o pessoal mais informado sobre uma eventual notícia, de que o Rafale F3 teria de trocar seu motor por um mais potente, isto teria sido um dos parâmetros para sua compra pelo Emirados Arabes Unidos, e gostaria de saber qual é o motor que eles querem que seja trocado, e qual será o novo motor, e se o mesmo acordo teria sido fechado para uma futura e incerta compra do Rafale F3 para o Brasil?

Francisco AMX

Uma pergunta: A FAB NÃO SABIA DISSO? então pq ela tirou da jogada o mais barato e adiquirir e manter de todos? o F-16B52/60! este não perde nada para o caça, inexistente, sueco! um F-16B60 com AESA, fibra-optica, manobrabilidade de fazer o Gripen ajoelhar e chorar, testado e aprovado pelas 2 mais experimentadas FAs do mundo, uma que inclusive nunca considerou o pesadão SH…, e agora esta conversa? qual é a da FAB? não sabe o que quer? o que pode? o que precisa? eu, infelizmente, acho que não! acredito que tem muita gente boa na FAB, gente nova e… Read more »

Nunão

Lucas: pelo que sei, futuros desenvolvimento do Rafale, no que se refere a motorização, não contemplam outro modelo de turbina, e sim aperfeiçoamentos nas Snecma M-88 para aumento de potência, entre outros melhoramentos. Francisco AMX: o artigo acima é um editorial do Blog, não é opinião da FAB. Mas creio que a Força levou em conta as necessidades de manutenção para chegar aos três finalistas e isso também deverá pesar na decisão final. O que deve ficar claro no editorial (que não cita nenhum caça especificamente, colocando a questào para os três) é que, independentemente do caça escolhido, a questão… Read more »

belfiglio

Não acho que o Rafale está tão ruim assim de turbina.

http://www.youtube.com/watch?v=dD6cs17YseU

Das duas uma, ou o piloto e muito habilidoso ou a turbina deu conta do recado ou os dois ao mesmo tempo.

Fábio Max

É por conta destas questões que eu defendo que o Brasil desenvolva um caça nacional de serviço (“low”). Não tão sofisticado quanto os do FX-2, mas capaz de prover com o máximo de componentes nacionais, a operação diária da força, com enonomia de recursos para a manutenção dos caças “hi”. Caças como um Super Hornet devem ficar de prontidão para operação em caso emergencial. Missões de patrulha e interceptação comuns devem ficar a cargo de aeronaves de manutenção e operação bem mais baratas. A China considera isso com o J-10. A India desenvolve o HAL. Os americanos mantém uma linha… Read more »

kaleu

Caro Carlos Augusto, VC disse : – “E com mais uma agravante já que a turbina e os avionicos deste caça (Gripen) são americanos, e podem sofrer embargo do congresso americano a qualquer momento.” Gostaria de esclarecer a vc e a outros que usam o mesmo argumento o seguinte : 1º O Brasil não fabrica turbinas supersônicas, portanto, estamos sujeitos a embargos qualquer que seja a escolha. 2º As vendas estão sob contratos o congresso americano não tem poder pra vetar algo que já esta contratado e por consequencia já liberado pelo congresso. 3º A turbina do Gripen é uma… Read more »

kaleu

Srs. já comentei isso algumas vezes … Depois da escolha vem o “After-Day” … e a questão de custos é a minha maior restrição ao Rafale (US$ 19.000,00 a hora/vôo) contra US$ 4.000,00 a US$ 6.000,00 a hora/vôo do Gripen. Uma aeronave de combate voa aproximadamente (média) 200 horas por ano, ou seja, a diferença nos custos é de US$ 2,6 Milhões / ano, com uma espectativa de 30 anos, a diferença de custos passa para US$ 78.000.000,00 (setenta e oito milhões de dolares), multiplicados por 36 vetores a diferença passa a ser de US$ 2.808.000.000,00 (dois bilhões 808 milhões… Read more »

Francisco AMX

Sei Nunão, e para apimentar, ter um viés de IED na sola de um Humvee 🙂 rsrsrs, porém esta desconfiança eu sempre tive da FAB, pq ficar com um Gripen e descartar o F-16B52/60?… o que impediria de ter 4 finalistas? ora pois… deve ser carta marcada mesmo! mesmo gostando do Rafale este é o único impecilho que vejo… escolha do MD e lula… Continuo dizendo, a FAB deveria ir de F-16B52 e F-15K e deu para bola! 12 F-15K com tudo que se tem direito e 24 F-16B60, o resto é bobagem! mas se é para ser o SH,… Read more »

fullcrum

Num entendi pq dizem que o Su-27 é melhor que o Rafale? Ele num foi concebido para defender os interesses franceses e exportação? Então o mais lógico seria que ele se equiparasse ou superasse este modelo. O Rafale oferecido é bloco 3, então penso que não seja assim inferior.

Paulo Silva

Galera, infelizmente não é o Gripen C/D que está no FX2!O caça sueco realmente é um dos caças mais baratos de se operar!Estamos atualmente com um monomotor em nossa FAB, como todos sabem, como uma das horas de voo mais caras da FAB.Alguns deles estão parados por corrosão, falta de peças, motor Spey, que não se fabrica mais. O irmão do AMX, que estão na Itália já estão em fase de aposentadoria. O próprio governo sueco não se interessou pelo NG.Tentaram vende-lo para outros países, e não vingou. Vocês ainda querem um novo AMX para a FAB?Quem é que provou… Read more »

Marco Antonio Lins

É necessario saber o que quer e o que pode. ( Conentario) Se o Brasil não pode comprar, porque não pode manter o que adianta? Partiram para onde não podem, todos estes aviões são carismo. Se o Griphen tivesse um custo beneficio tão bom como dizem; nesta crise mundial teriam vendido de quantidade grande a outros paises. Nemhum piloto quer ir para conflito com mono motor. Até os Mig- 29 ocidentalisados teria sido melhor. Negociava que os avionicos fosse de Israel ,que tem nosso data – link. Pederia que aumentar seu raio de ação. Quando se emcomenda se exige o… Read more »

Edmar

Caros Amigos.: No momento vamos adquirir 36 aviões do FX2!!! Os primeiros aviões a serem substituidos vão ser os Mirage F-2000!!! O programa de modernização preve modernizar os 57 aviões F-5 e 43 aviões AMX A-1″!!! Temos 99 aviões “Super Tucanos”. Então.: 12 aviões do FX2 em Anápolis GO. 12 aviões do FX2 em Santa Cruz RJ. 12 aviões do FX2 em Canoas RS. Os outros 57 aviões “F-5M” serão postos em outras bases do país. Os 43 aviões “AMX A-1” também vão ser postos em outras bases do país. Os 99 aviões “Super Tucanos” vão continuar a vigiar as… Read more »

José

Senhores, suas atenções. O Governo Brasileiro deve investir mais nas Forças Armadas. Deve aumentar o Exército de 190 mil para 300 mil Homens. Nossas Forças no total devem somar 500 mil Homens. Os Americanos estão querendo empurrar ferro-velho para nós e a FAB não vai aceitar isso. Os Americanos estão se preparando para a grande invasão e vai tomar a Amazônia e o Pré-Sal. Os Brasileiros devem tomar cuidado, pois o mal(EUA), está para vir. Destruiram o Iraque para tomar seu petróleo. O Rafale e o Gripen são aviões mais modernos e com isso o Brasil vai ter chance de… Read more »

corsario01

Certamente comprando spares em EUROS, mais barata é que não será a manutenção dos 2 concorrentes do velho mundo.

Nunão

Francisco, Juro que não entendi o porque de sua frase “Sei Nunão, e para apimentar, ter um viés de IED na sola de um Humvee”. Para tudo na vida, quem procurar sempre vai encontrar um viés. E normalmente vai encontrar exatamente aquilo que se propôs a procurar… Nenhum texto, de qualquer pessoa, tem isenção absoluta. Agora, discordo totalmente do “IED no Humvee”, apesar de ser uma metáfora engraçada (menos para quem estiver no Humve, é claro…). Para cada um dos três concorrentes há questões relativas a custos de manutenção a se levantar e debater, pontos fortes e fracos, realidades e… Read more »

Combates Aéreos

VÍDEO: Trailer incrível de ‘dogfights’ durante a Guerra do Vietnã

Baseando-se no documentário da Duy Tan University, que visa revitalizar o primeiro combate aéreo da Força Aérea Popular do...
- Advertisement -
- Advertisement -