domingo, dezembro 5, 2021

Gripen para o Brasil

Manutenção da linha de produção do Super Hornet será decidida em março de 2014

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Empresa precisa decidir em breve se adquire ou não itens de longo prazo, necessários para a produção de novas aeronaves. Se novos pedidos não surgirem, linha de montagem fechará em 2016

 

Super Hornet production line - Northrop el segundo

A Boeing deverá decidir em março de 2014 se investirá dezenas de milhões de dólares para continuar a produção do caça F/A-18 Super Hornet, disse um alto executivo da empresa nesta segunda-feira 9/12, ressaltando sua confiança de que encomendas suficientes emergirão para manter o avião em produção até além de 2020.

“Eu sei onde aposto o meu dinheiro”, disse Mike Gibbons, vice-presidente dos programas F/A-18 Super Hornet e EA-18 Growler, a jornalistas após uma cerimônia da Marinha dos EUA celebrando o 35º aniversário do primeiro voo do F/A-18 Hornet na sede do comando da aviação da Marinha.

“Temos sido extremamente otimistas sobre o futuro da produção do Super Hornet e do Growler “, Gibbons disse, notando que a Boeing investiu recentemente quantidades substanciais em novas ferramentas para reduzir o custo de construção de aviões em sua fábrica em Saint Louis.

A linha de montagem do avião está programada para fechar em 2016. A Boeing e seus aliados lançaram uma grande campanha para pressionar os militares dos EUA para comprar mais Super Hornet a um custo de cerca de US$ 51-52 milhões por avião, incluindo motores , radares e equipamentos de guerra eletrônica, especialmente devido ao fato de que a versão embarcada do F-35 não estar operacional até 2019.

A produção de caças inclui itens como titânio, que devem ser comprados bem antes do início da produção, o que significa que a Boeing pode ter que pagar por esses itens para garantir que os aviões sejam construídos em tempo se pedidos firmes da Marinha ou compradores estrangeiros não aparecerem em breve.

A Boeing também está promovendo as vendas externas dos aviões para o Canadá, Dinamarca, Brasil, Malásia, Kuwait e outros países do Oriente Médio, mas os executivos admitem que não há orçamento na USN para mais aviões e várias das competições estrangeiras foram adiadas.

O capitão de mar e guerra da USN Frank Morley, que dirige o programa para a Marinha, disse a repórteres que os principais líderes militares dos Estados Unidos irão decidir o futuro do programa ao longo do próximo ano.

Super Hornet e Hornet em elevador de porta-aviões da USN - foto Northrop Grumman

“Há conversas aqui e ali”, disse ele, acrescentando que as decisões sobre mais pedidos dependerão de futuros níveis de financiamento do Pentágono.

Ele disse a evolução contínua do Hornet para o Super Hornet foi “um enorme sucesso para a Marinha”, acrescentando carga útil, alcance e sobrevivência, mantendo o programa dentro do cronograma e das metas de custo.

A Marinha está considerando agora as atualizações adicionais, incluindo a adição de tanques de combustível conformais – que poderiam reduzir o arrasto e melhorar o alcance do avião por até 130 milhas. Gibbons disse que a Marinha solicitará mais atualizações.

Morley disse que o plano atual da Marinha não inclui compras adicionais de F/A-18E/F Super Hornet e/ou EA-18G. Mas seu gabinete preparou opções para compras adicionais se os líderes do Pentágono decidirem financiá-los.

Randy Forbes, um dos principais membros do Comitê de Serviços Armados da Câmara, pediu na semana passada para que o secretário de Defesa Chuck Hagel mantenha a produção dos jatos além de 2016, dado o impacto da conclusão do programa sobre a base industrial.

Gibbons disse que estava confiante sobre vendas adicionais para Marinha dos EUA e aliados, observando que a Marinha ainda não tinha adicionado fundos no seu orçamento para começar a fechar a produção e preservar ferramental do avião, um processo que normalmente custa várias centenas de milhões de dólares.

Ele disse que a Boeing estava esperando para adquirir itens de longo tempo para a produção adicional até depois do orçamento do ano fiscal de 2015 do Pentágono, que por sua vez é dependente dos congressistas americanos em encontrar uma maneira de evitar cortes de gastos automáticos generalizados – exigidos nos termos de um processo chamado “sequestration”.

Ele disse que a Boeing poderia facilmente lidar com dezenas de milhões de dólares necessários para a compra adiantada de certos itens até que o Congresso aprove a alocação dos recursos no orçamento, mas disse que a empresa não iria manter o programa vivo a menos que novas encomendas surgissem.

“Vai ser uma decisão baseada em negócios. A Boeing certamente manterá a linha de produção desde que a USN expresse seu desejo de comprar mais jatos”, disse Gibbons.

Mas ele acrescentou : “É óbvio que nós não manteremos a linha se … não há (mais) clientes.”

Gibbons disse que a empresa estava procurando maneiras de cortar custos na fábrica de St. Louis após 2016, combinando as linhas de produção dos F/A-18 Super Hornet com a do F-15, construído na linha de produção adjacente.

Ele disse que a empresa também estava examinando outras opções para continuar reduzindo o custo dos aviões, mas disse que o custo por avião provavelmente aumentará em vários milhões de dólares se as próximas encomendas da Marinha vierem em bases anuais, em vez de em um contrato plurianual.

Gibbons disse que estava confiante de que os líderes da Marinha e do Pentágono iriam optar por comprar mais F/A-18 dados os riscos remanescentes na conclusão do desenvolvimento da versão naval do F- 35.

“Eles são pessoas inteligentes e pragmáticas … que olham para as suas melhores opções quando têm de tomar essas decisões, e eles são flexíveis”, disse Gibbons . “Há um monte de postos de trabalho em jogo. ”

Oficiais da Marinha dizem que os combatentes da Boeing e Lockheed se destinam a operar em conjunto ao longo de décadas . Mas alguns F- 35 apoiadores temem que atrasos orientada por orçamento em encomendas da Marinha para o F-35 poderia desvendar essa parte do programa F-35 , especialmente se a Marinha continua a comprar jatos da Boeing no mesmo período.

FONTE: Reuters (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

FOTOS: Northrop Grumman

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

18 Comments

Subscribe
Notify of
guest
18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ozawa

Enquanto isso a linha de produção do F-35 está em plena operação… Ao menos dos diecast’s…

http://www.flyingmule.com/products/HM-HA4401

Magnífico !

Almeida

A caravana passa e os cachorros ladram, se perpetuam no poder comprando voto e fazendo propaganda com dinheiro público e não decidem nada.

Almeida

OFF-TOPIC:

Réplica tamanho real do F-117A (e outros) na China:

http://www.stormclimb.com/2011/08/16/chinese-f-117-full-size-replica-a-cause-for-concern/

Clésio Luiz

Será que o F-15 ainda vai botar uma pá de cal na cova do F/A-18E? Ele já fez isso com vários projetos da mesma época, como o F-14, Mirage 2000, MiG-25/31, F/A-18 (o original), F-22 (o seu sucessor!) e pelo andar da carruagem até o F-16 e MiG-29.

Seus criadores devem estar orgulhosos.

Gilberto Rezende

Ainda tem gente que defende esta aeronave como a melhor e mais moderna no FX-2 para o Brasil nos próximos 30 anos….

HMS TIRELESS

Antes uma aeronave que já possui mais de 400 unidades entregues, que será utilizada por seu principal operador por mais 15 anos no mínimo e quepode ser custeada por nós, a uma rainha de hangar meu caro Giba….

Fernando "Nunão" De Martini

“HMS TIRELESS em 11/12/2013 as 18:04 Antes uma aeronave que já possui mais de 400 unidades entregues, que será utilizada por seu principal operador por mais 15 anos no mínimo” Mais 15 anos no mínimo? Isso é para os primeiros que foram entregues, em 2000 e pouco, e que já estão perto da metade da vida útil e teriam, teoricamente, a outra metade ainda pela frente, ou seja, mais uns 15 anos. Só vão se aposentar antes se a USN achar que Block 1 não vale mais a pena operar. Já os Block II somam uma enormidade de caças e… Read more »

Carcará 01

E parece que a Boeing vai pro tudo ou tudo mesmo, pra desespero de quem ainda quer “unzinho por fora” dos franceses:

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/12/1383756-boeing-pode-contribuir-com-desenvolvimento-de-aeroportos-regionais-no-brasil.shtml

Galeão Cumbica

Osawa este modelo e diferente, eu tinha comprado do outo sem bombas e misseis, mas agora esta sem estoque, sera que chega?

Sds
GC

nunes neto

Editores há um erro(esquecimento) de gráfia no título,”Decidia”

Fernando "Nunão" De Martini

Obrigado pelo aviso.
Consertado agora.

champs

HMS TIRELESS 11 de dezembro de 2013 at 18:04 “que será utilizada por seu principal operador por mais 15 anos no mínimo e que pode ser custeada por nós, a uma rainha de hangar….” A única forma em que imagino o Super Hornet sendo capaz de ser custeado por nós, seria se a compra se limitasse aos 36 caças, num Hi-low mix, onde este caça seria o Hi. Fora isso vejo o Super Hornet no mesmo patamar dos criticados Rafale e Su-35 em termos de custo de operação, ou seja, fora da realidade da FAB, não sendo provável a contratação… Read more »

Antonio M

Gilberto Rezende
11 de dezembro de 2013 at 16:42 #

Pois é, deveriamos ir logo comprando o projeto de 6a geração da Dassault de uma vez por todas ……

Ozawa

Galeão Cumbica 11 de dezembro de 2013 at 19:33 #

Garanto que sim, Galeão. Já reservei 2 (dois).

Ozawa

Fernando “Nunão” De Martini 11 de dezembro de 2013 at 21:32 #

“Assim, pode-se pensar sem medo em Super Hornet operando na USN por volta de 2040, se o mundo não acabar antes.”

É mais fácil a FAB, como força combatente, acabar antes…

Gilberto Rezende

O PONTO aqui é que o Rafale é um avião mais atual tanto na sua tecnologia embarcada como no projeto aerodinâmico e do seu AIRFRAME e está em serviço na França como a MELHOR aeronave disponível ao país. O Gripen NG proposto no FX-2 era apenas uma ideia ambiciosa de nova aeronave que a DURA REALIDADE DA VIDA SUECA transformou em meras renovações de carcaças de Gripens C/D em “novos” Gripens E/F… E o Super Hornet é um MODESTO PROJETO DE NASCENÇA cujo protótipo perdeu de GOLEADA para o protótipo do F-16, foi salvo da morte e do esquecimento aeronáutico… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“E o Super Hornet é um MODESTO PROJETO DE NASCENÇA cujo protótipo perdeu de GOLEADA para o protótipo do F-16,” Gilberto, É fato que o YF-16 venceu o YF-17 na maior parte dos quesitos, mas as diferenças nas avaliações foram mínimas e, em alguns dos pontos avaliados, o avião da Northrop era superior ao da General Dynamics. Apesar da vitória do YF-16, falar que o YF-17 “perdeu de goleada” é distorcer a história. “…a DURA REALIDADE DA VIDA SUECA transformou em meras renovações de carcaças de Gripens C/D em “novos” Gripens E/F” “Renovações de carcaças” é notícia antiga. As notícias… Read more »

Joner

Gilberto, se a única opção para a industria aeronautica brasileira for o RAFALE, não teremos este tipo de produção por aqui. Quanto ao resto: “O Rafale é a MELHOR aeronave disponível na França.” Azar deles. “O Gripen NG proposto no FX-2 era apenas uma ideia ambiciosa de nova aeronave que a DURA REALIDADE DA VIDA SUECA transformou em meras renovações de carcaças de Gripens C/D em “novos” Gripens E/F…” Vc esta certo, ERA, agora estão construido o NG do zero. Ai vc disse que a maior Marinha do mundo usa um caça “meia boca”, bom, isso se deve as ameaças,… Read more »

Últimas Notícias

Finlândia deve escolher jatos F-35 na concorrência de US$ 11 bilhões

A Finlândia deve escolher os caças F-35 da Lockheed Martin Corp. em sua licitação de 10 bilhões de euros...
- Advertisement -
- Advertisement -