Boeing oferece o ‘Advanced Super Hornet’ para o Canadá

    693
    28

    Advanced Super Hornet - foto Boeing

    Custo básico de uma frota de 65 jatos da nova versão do F-18 representaria 1,7 bilhão de dólares de economia em relação a uma frota de igual tamanho do F-35 da Lockheed Martin, segundo valores informados pela Boeing

    Segundo o periódico canadense The Hill Times, a Boeing entregou ao Governo do Canadá dados sobre custos e capacidades de uma versão avançada do caça F-18 Super Hornet. A empresa alega que sua aeronave custará 1,7 bilhão de dólares a menos, para uma frota de 65 jatos, do que o caça furtivo F-35 da Lockheed Martin, cuja compra o governo deixou temporariamente em suspenso.

    Assim como o F-35, o Advanced Super Hornet (versão mais poderosa da envelhecida frota de caças CF-18 Hornet do Canadá) ainda está em desenvolvimento. Porém, diferentemente do F-35, o novo modelo da Boeing já está baseado na atual versão do Super Hornet, que é uma geração acima dos Hornets que o Canadá adquiriu na década de 1980.  A análise dessa oferta da Boeing pode atiçar ainda mais as exigências da oposição ao governo para o lançamento de uma competição de fato para um substituto do CF-18. 

    Mary Ann Brett, diretora sênior da Boeing para comunicações internacionais, disse ao The Hill Times que a empresa incluiu os dados de seu novo caça, que realizou testes de voo bem-sucedidos recentemente, na resposta final da empresa enviada em julho para o Secretariado Nacional de Aquisição de Caças. Isso fez parte de uma revisão envolvendo quatro concorrentes, o que inclui o F-35.

    Advanced Super Hornet - foto 2 Boeing

    Por e-mail, Brett respondeu a perguntas do jornal, nas quais afirmou: “Respondemos a todos os três questionários e tivemos algumas questões de ‘follow-up’ (réplicas), que agora foram respondidas. Algumas informações básicas sobre custos e capacidades do Advanced Super Hornet foram incluídas em nossa resposta (aos requerimentos de engajamento industrial – Industry Engagement Requests) tendo em vista o interesse do Canadá na capacidade contínua de crescimento.” Sobre o custo da nova versão, ela destacou que os atuais caças Super Hornet vendidos à Marinha dos Estados Unidos (USN) têm custado cerca de 52 milhões de dólares por aeronave, enquanto a versão avançada teria um acréscimo de “6 a 10 milhões de dólares por aeronave, dependendo das opções selecionadas.”

    Ainda que custe 62 milhões de dólares por avião, o custo total da frota seria 1,7 bilhões a menos do que o previsto para 65 jatos F-35 “fly-away” (prateleira ou preço básico), que é de 6,2 bilhões de dólares.

    Brett destacou também que o Advanced Super Hornet é um protótipo que passa por testes de voo, enquanto o Super Hornet custaria cerca de 2.3 bilhões de dólares a menos que uma frota de 65 caças F-35, atualmente cotados em 88 milhões de dólares por aeronave durante o período em que o Canadá potencialmente os compraria. A inflação e flutuações de câmbio poderiam acrescentar mais 7 milhões a cada F-35, segundo relatório independente da empresa de auditoria Raymond Chabot Grant Thornton.

    Super Hornet com CFT e pod furtivo taxiando - foto Boeing

    Dois outros caças se apresentaram como opções para o Canadá, na recente revisão do programa de aquisição: o Rafale da empresa francesa Dassault e o Typhoon do consórcio europeu Eurofighter, oferecido pela EADS. A sueca Saab desistiu de oferecer seu caça Gripen no primeiro trimestre deste ano.

    Apesar dos esforços da Boeing em oferecer seu produto para programas de reequipamento tanto do Canadá quanto dos Estados Unidos, ambos originariamente focados no F-35, uma reportagem da Reuters trouxe a notícia, baseada em declaração de uma alta autoridade do Pentágono,  de que a Marinha dos EUA dificilmente mudaria “de uma maneira fundamental” seus planos de adquirir uma frota de caças F-35 por 392 bilhões de dólares. Segundo a Reuters, o subsecretário de Defesa para aquisição, tecnologia e logística, Frank Kendall, disse que o F-35 permanece como a “o programa de guerra convencional de maior prioridade” das Forças Armadas dos EUA.

    FONTE: The Hill Times (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

    FOTOS: Boeing

    VEJA TAMBÉM: