F-X2 ou ‘Tampão 2’?

    133
    117

    A visita de Jobim aos EAU faz ressurgir um velho fantasma

    A visita do Ministro da Defesa Nelson Jobim aos Emirados Árabes Unidos (EAU) trouxe uma série de boas notícias para a indústria aeronáutica brasileira. Conforme anunciado pelo próprio ministro os Emirados estariam interessados não só na aquisição de um lote de aviões de ataque leve Super Tucano, mas também na participação do programa da aeronave de transporte KC-390.

    Este seria uma ótima oportunidade para que a indústria aeroespacial brasileira voltasse ao rentável mercado de defesa do Golfo Pérsico, um dos mais importantes do globo. Desde o final da década de 1980, os produtos da indústria de defesa do Brasil deixaram de marcar presença na região, e tal empreitada representaria um retorno depois de 20 anos.

    Mas a euforia inicial começou a perder impacto e ser substituída por uma enorme apreensão geral. Como sempre, existem contrapartidas neste mercado de defesa e dificilmente os EAU comprariam aeronaves do Brasil sem exercer esta opção. Uma das hipóteses levantadas para esta negociação seria a venda de caças Mirage 2000-9 para equipar a Força Aérea Brasileira (FAB).

    Como é de conhecimento geral, os EAU pretendem substituir seus Mirage-2000-9 por caças mais modernos e um dos concorrentes é o Rafale, também da Dassault. Existe a possibilidade da França receber de volta os Mirage, e repassar estas mesmas aeronaves para um outro país.

    F-X2 em perigo

    A conclusão do programa F-X2, que visa dotar a FAB de um novo vetor de caça, depende apenas da decisão política, uma vez que todo o processo de avaliação dos concorrentes já foi feito pelo Comando da Aeronáutica (CA). No entanto, esta etapa final do F-X2 vem se arrastando desde o começo do ano, quando o relatório do CA foi entregue ao Ministério da Defesa.

    Até o momento nenhuma decisão foi tomada e, com isso, perdeu-se um tempo precioso. É sabido que os atuais vetores de caça da FAB necessitam de um substituto pois nenhum caça, por melhor que seja, pode existir para sempre. O problema é que, com a demora, o fantasma do “caça tampão” volta rondar as bases brasileiras.

    Previa-se a entrada do próximo caça (escolhido pelo processo F-X2) em 2014, mesma época em que os Mirage 2000 (F-2000) deixariam o serviço ativo no 1º GDA (Grupo de Defesa Aérea). Muito dificilmente estas aeronaves continuarão voando de maneira realmente efetiva além do tempo programado. Deve-se lembrar que estes caças vieram para a FAB para “tapar uma lacuna”, deixada com a desativação dos Mirage III (F-103), e nenhum processo de modernização dos mesmos foi pensado.

    ‘Tampão 2’?

    Pelo exposto acima, a possibilidade de existir mais um caça tampão parece bastante razoável e a ideia não é nova. A novidade está exatamente na possibilidade do Brasil adquirir caças Mirage 2000-9 usados provenientes da Força Aérea dos EAU como parte de um possível acordo de defesa entre os dois países.

    O Mirage 2000-9 é uma das versões mais modernas da família Mirage, incorporando também soluções adotadas para o Dassault Rafale, da geração de caças posterior. O “traço nove” é superior até mesmo aos Mirage 2000 em uso pela Força Aérea Francesa (Armée de l’air). Ao todo, os EAU possuem perto de 60 caças no padrão “traço nove”, sendo que parte deles pertenciam a um lote anterior e foram modernizados. O lote mais recente começou a ser recebido em 2003.

    Em parte, a configuração desses aviões pouco difere da proposta apresentada pelo consórcio Embraer/Dassault para o finado programa F-X. O grande temor está exatamente aí. Pelas quantidades existentes deste caça nos EAU (cerca de sessenta) e pela pouca idade destas aeronaves (metade deles possui menos de dez anos) é possível que o “tampão 2” torne-se o caça padrão da FAB por muitos anos, extinguindo completamente o programa F-X2.

    Se esta hipótese se concretizar, todo o projeto de se possuir uma aeronave moderna e no estad0-da-arte, com participação da indústria nacional e de acordo com as necessidades brasileiras irá por água abaixo. O próximo “tampão”, poderá não ser somente um tampão, mas o futuro caça da FAB pelas próximas duas ou três décadas.

    LEIA TAMBÉM:

    117 COMMENTS

    1. De novo não…
      Fala que é mentira, para de colocar essa coisas aki…
      Num desanima não to contando os dias para 4 de outubro e agora isso, alegria de brasileiro dura pouco mesmo.

    2. Eu acho uma ótima opção ter esses mirage 2000-9 desde que venham a um bom preço…. São caças com tecnologia recente, pouco utilizados (média de 10 anos de uso), eles já seriam o melhor caça do bairro ao lado do SU-30mki da venezuela e do F-16 block 50 do chile… Assim gastariamos menos nesse programa e teríamos, quem sabe, verba para entrar em um programa de 5ª geração com outros países, ou até mesmo vir a adquirir o f-35 já oferecido pelos EUA ou o Pak-FA russo…

      Cabe ressaltar que a compra de apenas 36 RAFALES iriam custam quase 7 bilhões de dolares ao país e que só iriamos recebê-lo por completo lá pra 2016 se não houver atrasos… Nessa época esse caça já estará ultrapassado pois já teremos uns 10 países voando com f-35 e em 2018 INDIA e Russia estarão com seus pak-fa prontos…

      Então, senhores, acho que é sim o pulo da gato pegar esses caças de Dubai e aproveitar pra vender alguns super-tucanos e kc-390 para eles… Cabe ressaltar que a transferência de tecnologia nesses programas é insignificantes… O Brasil não produzirá um futuro caça a partir deles.. O máximo que acontecerá é de o Brasil poder utilizar seus misseis de fabricação nacional nos mesmos, diga-se de passagem… nem míssel BVR fabricamos… O Maa-1b já tá ultrapassado e o futuro A-DARTER em parceria com a Africa do sul não tem nada de especial, não é superior a seus similares… Por sinal só deveremos recebê-los em 2015…

    3. Três datas possíveis para a finalização do “éfexis”:

      -23 de outubro de 2010;
      – Após as eleições presidenciais, desde que não dê 2º turno;
      – Depois da copa de 2014;

      🙁

    4. Mas será que 60 caças virão com um bom preço?
      E outra o ministro da agricultura frances disse q a Europa não é lixão da América Latina, e talvez ele realmente esteja certo, seria o inverso em especial França-Brasil…

    5. De qualquer maneira va ter que ter um caça tampão em grandes quantidades.

      Principalmente se for o Gripen NG, onde não chegou nem a protótipo e não entra em operação antes de 2017.

      Os gripens estgocados são das versões iniciais e são pouco capazes. Não se acha F-16 disponíveis usados nas versões mais novas.

      Seria uma opçlão sim.

      Só que a FAB com qualquer tampão escolhido teria que impor uma certa modernização, para alcançar o padrão (de data link e armamento) alcançado com os F-5M.

      Nada é eterno e os bicudos, principalmente de Canos, já estão sentido isso. Na realidade´, não temos nem Mirage 2000 e F-5M por muito tempo. É assustador, mas a FAB já perdeu seu “time” no Fx-1, onde o GF escoheu o Gripen C/D e Anápolis não achou adequado para a filosofia do esquadrão.

      TEMOS QUE CAIR NA REAL. A perraça tem consequencias…

    6. É questão de soberania, só vamos tampar o sol com a peneira… Concordo com a vinda desse M2000-9 com a condição de q desenvolvamos algo realmente nosso e isso vai ser quando? Ninguem sabe responder…

    7. Vamos aguardar o resultado da eleição e se depois de lá nada mudar podem se preparar para ver mais domínio francês chegando aqui.
      Será que os portugueses expulsaram eles daqui mesmo no Período Colonial?

    8. Mais uma formidável >=( bolada nas costas da FAB dada por esse ótimo governo e mais um sucesso da atual diplomacia.

      E a END? Fica só no papel.

    9. Perdoem-me mas achar nojo ser brasileiro já é demais, mas sinto orgulho de se ser brasileiro e alguma coisa devemos fazer, mesmo que alguns achem que o voto não é uma poderosa arma. Nossos governantes não merecem respeito e como formadores de opinião devemos debater e fazer chegar as idéias até àqueles que podem resolver esse problemas de má administração pública. Peço à todos que não se julguem culpados e nem sintam nojo, mas façam algo para que essa escória suma de nossa administração pública.

    10. Robson Br disse:
      26 de setembro de 2010 às 20:39

      “a FAB já perdeu seu “time” no Fx-1, onde o GF escoheu o Gripen C/D e Anápolis não achou adequado para a filosofia do esquadrão.”

      Robson, novamente peço o favor de que não passe informação falsa ao pessoal mais novo, que não vivenciou aquela época.

      Todo mundo sabe que o lobby da Dassault junto ao GF e a Embraer na época foi violentíssimo. Rolou até cascata de champanhe na Embraer pra comemorar a “venda” do M-2000 quando conseguiram a adesão do GF.

      A Força Aérea Brasileira sempre quis o Gripen. Porque será?

      Porque tanto no FX1 quanto neste FX2 a proposta francesa era uma PORCARIA, e a sueca encaixa PERFEITAMENTE com o que a FAB sempre quis.

      Jamais houve “pirraça” da FAB. Houve sim é muita POLITICAGEM com seus caças. Houve sim dois governos descomprometidos com a segurança nacional, visando apenas os próprios interesses políticos.

      Sds.

    11. O que o amigo Flavio citou acima, pra mim faz muito sentido, prefiro ficarmos com esses M2000-9 por um bom preço, do que comprarmos um 4ª geração a um preço altissimo enquanto todo o mundo já pença em caças de 5ª geração.

      Agora um pergunta qual BVR usariamos, MICA ou Derby?

    12. Robson BR
      Se essa informação de que a FAB não achou adequado o Gripen seria porque tem apenas um motor e o alcance é pequeno, agora, com o passar dos anos e a oferta do Gripen NG, com alcance maior que o F/A-18, com produção no Brasil a FAB já é defensora do mesmo. Como as coisas mudam!

    13. Eu acho que não…
      Depois de todo discurso em cima de Estrategia Nacional de Defesa, desenvolvimento da industria de defesa, transferencia de tecnologia, o Nelson Jobim nao arriscaria sua imagem nessa.
      Pra mim é so especulacao.
      Abraços

    14. Artur Paulo disse:
      26 de setembro de 2010 às 20:50
      Perdoem-me mas achar nojo ser brasileiro já é demais, mas sinto orgulho de se ser brasileiro e alguma coisa devemos fazer”
      Vc esta certissimo, uma pessoa que só tem orgulho de seu ´país por ele possiur equipamento A ou B, não é mais patriota do que aqueles que lembram que sao brasileiros somente na copa do mundo…..
      Tenho orgulho de meu País, e por isso tenho esperanças…. FX-2 esta em pauta e inclusive foi comentado pelo jobim nesses ultimos dias, por isso penso que ainda esta de pé, mas creio sim que talvez houveram MUDANÇAS de PLANOS, como talvez um caça tampão eficiente ate 2015 ( quando da entrada do novo caça) e após isso uma concepçao Hi-low Para FAB… Mas só talvez….Nao Vamos perder as esperanças antes da hora…
      ABRAÇOS

    15. Batam 3x na madeira…toc toc toc…. rezem….. acendam velas….. qualquer coisa menos isso. Até o Rafale eu prefiro à isso, para ver minha opinião em comprar esses Mirages “semi-novos”.

      Depois de tanto comprometimento com as Jacas, vamos de “seminovos”? Eles não querem ser o lixão de produtos agrícolas da AS, mas nós podemos ser o ferro-velho deles??

      Esses caças ao meu ver não valem nada. Nada. podem ser modernos capazes de disparar AM-39, StormShadow, Micas, mas será mais uma “prateleirada” e pior, com custo operacional que como alguns aqui já citaram, um sorvedouro de recursos da FAB, que poderá acabar com o sonho (pelo menos o meu) de virmos a projetar e produzir um caça de 5ª geração nacional, claro em parceria, sejam Suecos, Indianos, ou Russos.

      []’s

    16. A compra dos mirages dos EAU resolveria um grande problema da Dassault.
      E traria um grande problema para a FAB.
      Por mais que o NJ defenda abertamente os interesses da Dassault, não acredito que seria favorável à essa opção.

    17. E tome bolsa isso e bolsa aquilo com o dinheiro de quem trabalha e produz no maior programa de compra de votos da história, sem cobrar que os mesmos participem do processo produtivo e enquanto isso nossas FAs vão se sucateando, pois o dinheiro ai para essas tais bolsas que só melhoram o conforto momentaneo, pois a saúde também está atirada e a educação não melhorou em qualidade.

    18. Não sou especialista…

      Mas pelo visto querem empurrar o Rafale goela a baixo da FAB e eles não o querem… Até alguns ja comentaram que o Grippen seria melhor pois tem empresas Brasileiras envolvidas nele ( Akaer ) e todos seriam melhor beneficiados com ele, F/A-18 sem chance…

      Acho que uma saida razoável para o impasse é pegar os Traço-9 e usa-lo de bode expiatório, dando a desculpa de não precisar por enquanto do FX-2 e cair fora da esfera política imposta com os Franceses

      Depois sem alarde entrar no projeto do NG e seguir em frente…

      Sei não mas ta me cheirando a isto…

      [ ]´s

    19. A ladainha que o Ministro jobim pregou para todo o mundo foi a de que o Brasil nao iria mais comprar de prateleira.

      A exigencia fundamental para a aquisicao de um novo caca seria a ToT.

      Se eles fizerem isso (comprar os Mirage 9000-9) , o programa FX-2 sera lembrado como o maior embuste militar do planeta.

      Se e que e para comprar de prateleira, vamos ate Boeing e compramos os F-18 SH e mais a transferencia de tecnologia que eles ofereceram para a FAB.

      Vamos sair ganhando duplamente: ter uma maquina fomidavel na FAB (F/A-18E/F) e aprederemos um Know How importante para futuros projetos aeronauticos.

      Nunca confiei nas promessas da Franca, e nao gostaria de ter um caca na FAB, que ainda dependa da cadeia de suporte logistico (pecas e armamentos) oriunda da Franca.

    20. Vader……….

      É notório que a aeronave SU35 entrarão em atividade em 2011 na força aérea russa. Eles iriam disponibilizar alguns SU35 em 2012 como contrapartida da entrada do brasil no PAK 50.

      Se vc quer links, peço perdão, mas são de leituras feitas diariamente a nivel nacional e internacional, pois, a materia sobre DEFESA muito me encanta.
      Caso o amigo tenha alguma dúvida, há uma ferramenta que poderás tirar quaisquer dúvidas.
      Segue o link: http://www.google.com.b

      Um grande abraço e gosto muito de vossos comentários, sempre atuante, doravante em algumas ocasiões plenamente JOCOSOS.

    21. Isso seria o fim.
      Se cancelarem o FX-2 e pegarem caças “tapa Buraco” o pais cairia no descaso total.
      Mas da atual administração federal não se pode duvidar de mais nada.

    22. No tópico:

      Se isso acontecer será o fim da FAB.

      E de uma forma ironicamente melancólica. Se escolherá depois de quase 15 anos e dois FX justamente a aeronave que a FAB ENJEITOU no FX1.

      Seria a destruição completa do sonho da FAB de ter uma aeronave no estado-da-arte. Ficaremos com esses Mirage “ad aeternum” e nossos políticos jamais comprarão outra aeronave até que esses caiam de podres.

      Aí eu teria de dar o “troféu jóinha” para o Nelson Jobim e este governo atual. Eles superariam todas as minhas expectativas, e olha que desses caras eu não duvido de nada… Por outro lado serviria para demonstrar a todos os apoiadores incondicionais deste governo que eles não estão nem um pouco preocupados com a defesa nacional.

      O MIrage-2000-9, como todos os Mirage-2000, é uma aeronave que NÃO TEM FUTURO.

      Os franceses ABANDONARAM o projeto Mirage justamente em sua hora mais promissora, quando o caça poderia estar vendendo que nem água, por ser uma alternativa barata e tradicional às aeronaves americanas, com o fim de forçar a venda de sua JACA bimotor, o Rafale.

      Como todos sabem, trocaram o certo pelo duvidoso e se deram mal: estão encalhados com sua JACA.

      O Mirage-2000 tem uma hora-vôo altíssima e baixíssima disponibilidade, e a FAB é testemunha disso.

      Mas se não serve a FAB (de quem todo rafanático desconfia) vejam o exemplo da ROCAF (Taiwan): a hora-vôo do Mirage está acima de US$ 20.000, e eles estão desesperados com a baixa disponibilidade e a completa ausência de assistência pelos franceses. Aliás, não faz muito tempo os M-2000 de Taiwan foram todos “groundeados”!

      A modernização destes caças e a integração com armamento de outras procedências é inviável, senão impossível. Até o barramento francês é diferente do resto do mundo!

      Como estas aeronaves não operam mísseis de outra procedência, ficaríamos reféns do armamento francês (caríssimo). E como os franceses não fabricam mais armas para o M-2000, ficamos apenas com os estoques velhos e o “poderoso” MICA (enquanto for produzido).

      Para piorar, o Dassault Mirage-2000-9 é filho único! Só os EAU operam! Tem baixa comunalidade até com seus primos do AdlA! Tanto é que os EAU estão desesperados para encontrar um trouxa que os compre!

      Enfim, seria o pior dos mundos para o Brasil. Uma tragédia.

      Se vamos de tampão 2, precisamos de um caça que seja barato de operar e de modernizar e que tenha comunalidade com armamento americano/israelense. Nesse sentido voto no F-16, mas até mais F-5 seria uma pedida melhor do que esses M-2000.

      Sds.

    23. Enquanto for especulação deste site não há muito o que se temer, quando se publicar algo na imprensa, ou alguém do MD disser algo neste sentido aí o bicho pega…
      Sem saber o preço dos aviões e o custo efetivo por hora/voo não dá para falar se é boa proposta ou não.
      ToT não haveria, mas até aí, no fx-2 também há muitas dúvidas se o ToT seria realmente feito, qualquer que fosse a escolha.

    24. 🙁
      Os Argentinos devem estar morrendo de rir de nós…daqui há pouco até o uruguai aparece com J-10, o paraguai com Tejas e a gente nessa lenga-lenga de “efexisdodiabo”…

    25. Patriota disse:
      26 de setembro de 2010 às 21:09

      Prezado Patriota, acho que você errou de post, mas tudo bem.

      Meu caro, jamais houve uma “proposta” de PAK-FA, apenas meras sondagens do lado brasileiro.

      Como jamais houve isso, muito menos houve oferecimento de Su-35 à FAB, até final de PAK, coisa que poderá ocorrer, SE ocorrer, em 2020 ou em 2200.

      Aliás, seria até estranho os russos oferecerem uma aeronave supostamente avançadíssima para aguardar outra ainda mais (supostamente) avançada.

      Russo não rasga dinheiro e não tem só idiota nem no gf nem na FAB. SE houvesse havido uma proposta neste sentido ela seria olhada com cuidado. A verdade é que a proposta russa pro FX2 foi um lixo, e foi desclassificada antes da short-list porque conseguiu ser ainda pior que a francesa.

      A sua dificuldade em encontrar algo “semi-oficial” que comprove essa assertiva estapafúrdia apenas comprova o que eu disse.

      Saudações e sem ressentimentos.

    26. Gente, sem pânico!
      O Brasil vai adquirir os 60 Mirage 2000-9 a preços módicos (subsidiados pela própria frança, que não cogita recebê-los de volta nem a pau, está cortando seu orçamento de defesa, mas quer vender para os Emirados o Rafale) e virão os 36 Rafales F3 do FX2.
      Serão 96 aeronaves que comporão um excelente hi-lo (Rafales-Mirages). Nem a França terá um Hi-lo desse porque, como já afirmado na reportagem, o 2000-9 é superior aos mirages operados hoje na França e o Rafale F3 é o xodó da industria francesa.
      Quem, por estas bandas sulistas, terá capacidade para se opor a tal conformação de defesa? Isso sem contar com os bicudos – Br….
      Vamos pensar grande.

    27. Lembrando da entrevista com o Geneal Silvy:

      (…)
      E sobre o Mirage 2000-9 dos EAU?

      GDA Alain Silvy: As autoridades francesas têm sido muito claras sobre este assunto. Uma vez que o Rafale seja encomendado pelos Emirados Árabes Unidos, o Mirage 2000-9 será levado de volta à França, que irá enviá-los para uma agência de revogação encarregada de sua revenda para exportação. Isto significa que, nessa hipótese, não está previsto que equipem as Forças Armadas francesas.

      Mas não seria interessante para o AdA, dado que estes últimos (Mirage 2000-9) são células com avançados sistemas de armas?

      GDA Alain Silvy: Nós não podemos dizer que não sentimos nenhum interesse nestas máquinas, pois seu desempenho apresenta sistema de armas realmente surpreendentes. A Força Aérea poderia certamente se beneficiar. Entretanto, o indispensável trabalho para a compatibilidade com o padrão OTAN destes sistemas de armas seria muito pesado, com um custo provavelmente superior aos 700 milhões de euros previstos para a renovação dos nossos Mirage 2000D, o que é uma prioridade para nós.
      (…)

      http://www.aereo.jor.br/2010/08/16/entrevista-com-o-almirante-alain-silvy-sobre-o-estado-das-negociacoes-do-rafale-com-o-eau/

    28. Vader disse:

      Felipe…Felipe…sempre com a sídrome do sabe tudo….

      No apagar das nuvens do GF FHC, foi anunciado o Gripen C/D, um caça até pouco conhecido entre nós, pois a SAAB não tinha investido tanto em propaganda, ou porque tinha gente dentro do GF…deixa para lá….mas foi um choque dentro de anápolis…

      mas…como disse o Paulão:

      paulao disse:
      26 de setembro de 2010 às 20:56

      “”Eu acho que a era FHC já passou e isso já diz tudo…””

    29. Pedro disse:
      26 de setembro de 2010 às 21:37

      É Pedro, temo que isso ocorra. O Jobim, vai nos fazer pagar dobrado para salvar a Dassault.
      Vamos comprar 36 Rafale a preço de ouro e ainda vamos ser camaradas e entubar mais 60 Mirage 2000 usados que eles vão receber dos EAU. Com isso viabilizamos também a venda do Rafale para os EAU.
      Como dizia a Kate Lyra em um programa do Jô Soares no início dos anos 80 “Brasileiro é tão bonzinho….”

    30. Robson Br disse:
      26 de setembro de 2010 às 21:41

      “No apagar das nuvens do GF FHC, foi anunciado o Gripen C/D”

      Exatamente. Anunciado PELA FAB; tanto é que não foi comprado nada, como sempre. Porque pelo “consórcio GF/Embraer” já teria sido fechada a muito tempo a compra do M-200-Br…

      O lobby francês é poderoso. Foi assim no FX1 e a história se repete agora.

      Mas a FAB não quis, não quer, e nem JAMAIS aceitará de bom grado um caça francês depois do Mirage-III. A FAB JUROU DE MORTE os franceses depois de comer o pão que Satanás amassou com o Mirage-III.

      Despisciendo aqui relembrar tudo que passou a Força Aérea com tal tralha… mas a FAB lembra.

      Ponha uma coisa na cabeça: no que depender da FAB esta jamais voará um caça francês.

      Infelizmente não depende dela. Os governos insistem em, para fazer politicagem com a buzanfa alheia, cair no eterno lobby dos comedores de lesma, malgrado a FAB os rejeite terminantemente. A FAB não compactua com isso, e está no papel dela. Mas não é ela que assina o cheque, então tudo que ela pode fazer é não escolher os franceses. O que não fica difícil, levando-se em conta que eles só oferecem lixo para o Brasil…

      Por fim, e apesar de ter informações completamente diferentes, cabe ao amigo lembrar que Anapólis não é a FAB…

      Sds.

    31. Vader disse:
      26 de setembro de 2010 às 21:57

      “”Mas a FAB não quis, não quer, e nem JAMAIS aceitará de bom grado um caça francês depois do Mirage-III. A FAB JUROU DE MORTE os franceses depois de comer o pão que Satanás amassou com o Mirage-III. “”

      Quando a coisa é pessoal é difícil mudar.
      Pelo que sei…a disponibilidade dos M2000 é muito maior que dos F5-M. Duvido que o pessoal de quer trocar pelos bicudos.

      O Anti-aquele, anti-aquilo….cega as pessoas.

      Quando os americanos fecharam as portas para nós, foram os franceses que abriram. Foram com os Mirage III que os israelenses deram um coro nos árabes com material soviético…etc…

      Acorda meu amigo…tira umas férias…recicle….tire as vendas dos olhos……
      Seja mais imparcial.

    32. Vader disse:
      16 de agosto de 2010 às 20:41

      Na boa, adoro o M-2000 e acho que as diferenças entre ele e o F-16 (o primitivo, não os monstrengos atuais) são desprezíveis. Mas no caso das imagens achei que o piloto do F-16 era meio newbye mesmo.

      Ou deu mole de propósito, pra ver se o grego atirava e começava a guerra. 🙂

      Sei lá, muito estranho ter um F-16 paradão ali no HUD, sem fazer nada da vida, parecendo que tava passeando… Ou então o M-2000 já tinha a bambooshka SPECTRA funcionando e as imagens são de longe… 🙂

      Leia mais (Read More): ‘Dogfight’: Mirage 2000 grego versus F-16 turco | Poder Aéreo – Informação e Discussão sobre Aviação Militar e Civil

    33. Robson Br disse:
      26 de setembro de 2010 às 22:08

      Robson, o Mirage-III não era um caça ruim, ao contrário. Ruim foi o relaxo, o desleixo, a palhaçada, a sacanagem e a trairagem com que os franceses trataram o Brasil, o que deixou nossos Jaguares aos cacos.

      Quanto ao M-2000 do GDA, consta que não é bem assim. E pior: contam com os moderníssimos e poderosíssimos Magic como sua arma principal… 🙂

      Agora, o piloto pode gostar disso ou daquilo, e como qualquer militar normalmente se apega a seu equipamento. É normal: quando eu era militar achava o FAL o melhor fuzil do mundo.

      Mas piloto não paga conta de armamento e manutenção. É um mero dente na engrenagem da máquina. Sua opinião deve ser levada em conta, mas não é só opinião de piloto que conta.

      Sds.

    34. Não acho que exista a menor possibilidade de que isto aconteça, e me surpreenderia se o ministro estivesse tratando desse assunto nesta visita.

      Acredito que estas aeronaves somente sejam colocadas à venda depois que forem retiradas de serviço nos EAU e repatriadas para a França. Isto somente deve começar a ocorrer em 2014, quando os EAU receberem os seus primeiros Rafale, isso obviamente se houver realmente a venda.

      Por mais estranho que seja o comportamento habitual do ministro quando se trata de negócios com a França, não acredito que ele negocie comprar aviões usados que somente serão entregues daqui a quatro anos.

      Na hipótese que isso ocorresse, seria uma verdadeira catástrofe para a FAB. Compraríamos aviões velhos, com altíssimo custo de manutenção (o CLS é estimado entre 10 e 11 mil euros por hora de vôo, segundo o sr. Charles Edelstenne da Dassault), em um processo sem benefícios para a indústria nacional.

    35. No apagar das nuvens do GF FHC, foi anunciado o Gripen C/D

      Caro Robson Br, nunca houve esse anúncio. O presidente FHC passou a bola (ou seria a batata quente?) para o seu sucessor, que posteriormente encerrou o processo sem que qualquer anúncio jamais tivesse sido feito.

    36. Sei não heim Grifo
      Esse governo nos surpeende!!

      Mas como eu disse no outro post, acho que não muda nada se viesse esses mirages…..uma analogia para esse caso, seria como você ganhar uma camisa horrivel de um colega, voc^e faz cara de que gostou, mas ela não sai da gaveta ahahahhahaa

      abraço

    37. “Foram com os Mirage III que os israelenses deram um coro nos árabes com material soviético…etc…”

      E foi c/ Mirages e Fingers que os argentinos tomaram uma baita tunda, dos britânicos voando Sea Harrier.
      Não foi o material francês, mas a doutrina israelense, o que derrotou os árabes.
      E assim que a França os deixou na mão, trocaram felizes essas aeronaves pelas americanas.

    38. …..uma analogia para esse caso, seria como você ganhar uma camisa horrivel de um colega, voc^e faz cara de que gostou, mas ela não sai da gaveta ahahahhahaa

      Caro Galileu, acho que a melhor analogia seria você comprar um carro usado de um colega, mas para receber só daqui a quatro anos. Dá para imaginar uma transação deste tipo?

      Eu sinceramente também não sei a quem interessaria tal transação. Tanto para o Brasil quanto para a França seria melhor comprar os 36 Rafale do que 60 Mirage 2000-9.

    39. O negócio é o seguinte.
      Compre um PC último tipo hoje.
      Daki a 12 meses já vai estar ultrapassado por novas tecnologias.
      Compre uma placa de vídeo hoje, daki a 12 meses ela vai estar um tanto defasada; ainda vai rodar os jogos prediletos, mas haverá outras mais potentes, com mais recursos, com mais TECNOLOGIA e haverá softwares novos com cada vez mais recursos, que demandam cada vez mais poder de processamento.
      A comparação não é perfeita, mas na verdade dá uma boa idéia do que estamos tratando.
      Qdo tratamos de jatos de combate, não é como era a 20, 30, 40 anos, buscador de calor, regra de área e coisa assim… Essa foi a era “romântica” da aviação de combate a jato.
      Estamos na era da microeletrônica, dos processadores em nanômetros, da IA.
      Jatos, armas, mísseis, muito interessante tudo isso. Mas na verdade, o pano de fundo de toda essa história é a TECNOLOGIA, e ela HOJE avança muito rápido, mais rápido do que há alguns anos.
      Não é à toa, que o Eurofighter tem seus tranches, que o Gripen tem seu NG, que o Rafale tem seus Fs. É a TECNOLOGIA ELETRÔNICA (principalmente) que avança cada vez mais.
      Dito isso, não faz sentido algum para uma nação de 190.000.000 (o número é de propósito pra deixar claro a magnitude dos interesses em jogo) milhões de habitantes, com riquezas incomensuráveis, com estruturas de engenharia caríssimas construídas, com uma economia das mais valiosas do planeta, uma nação desse porte ter a sua…
      DEFESA encarada como algo secundário.
      DEFESA não é luxo, é NECESSIDADE.
      Não precisamos de 200 jatos com a última tecnologia, mas os que tivermos DEVEM ter a tecnologia mais moderna. À propósito, parece ser esse o pensamento do pessoal dos EAU, por isso a exigência do modelo 2000-9 – e eles pagaram por ela.
      Hoje, a tecnologia do 2000-9 é defasada em no mínimo 8 anos (OITO ANOS!!) – contrato assinado em 1998, primeiro jato entregue em 2003, Não precisamos de um novo jato velho. Precisamos de um jato com a última tecnologia possível e orçamento para atualizá-la de tempos em tempos.
      Ter forças armadas, navios de guerras, fuzis de assalto, jato de combate, seja o que for, com TECNOLOGIA DEFASADA, é meio caminho para perder em combate.
      E não queremos isso.
      Si vis pacem, para bellum

    40. putz!!!
      agora ferrou tudo!!!
      gente agora acho q o fx 2 morreu mesmo
      o.O putz!!!
      nao acho muito dificil desses mirage 2000-9 vierem pra ca nao!!!
      o senado disse q caso o rafale ganhasse o fx2,os senadores da oposiçao iriam barrar a compra dos avioes por serem demasiadamente caros,entao vai acabar em pizza esse fx2!!!!
      e como o jobin nao quer outro aviao se nao for o rafail vai acabar comprando esses mirage 2000-9 dos EAU
      afff e nessas horas q da o maior vergonha de ter nacido em um pais q se contenta com pouco!!!
      e o pior com pouco e usado ainda por cima!!!

    41. Não acho que seja interessante a compra de Mirage 2000-9, nem para caça tampão.
      A melhor proposta do FX-2 foi a dos EUA. Clara e objetiva, sem prometer mundos e fundos e coisas. Ainda poderíamos receber alguns F-16 de tampão, com muito mais escala que os Mirage, embora em performance sejam excelentes vetores. De quebra poderíamos pleitear alguma coisa com projeto F-XX da Boeing, que por sua vez é muito mais confiável que a Dassault. É uma pena que o antiamericanismo leviano e tolo, e uma trupe que executa políticas partidárias-ideologógicas invés de política de estado, debochem da melhor e mais clara proposta do FX-2. Um vetor poderosíssimo, com grande escala e ainda contar com o suporte da Boeing e possivelmente entrar num projeto de 5ª geração.

    42. Aliás, desculpe o double-post, mas foi boa a observação do colega acima que disse que a END seria violada caso isso(a compra de tampões) acontecesse. Seria (des)interessante a END ser violada em seu segundo ano de vida.

    43. Senhores, sem invenções. Na época do governo FHC foi selecionado o gripen C/D. Porém o ex-presidente não fez nenhum anúncio para deixar a decisão para o próximo governo. Só que nesse governo tivemos 8 anos e teremos novamente mais caças temporários.

    44. isso tem cheiro de materia plantada pelos que se julgam perdedores para tentar melar a decisão e tentar a sorte com outro governo.

      NOTA DOS EDITORES:
      O AUTOR DA MATÉRIA É UM EDITOR DO BLOG.
      VOCÊ ESTÁ CERTO DO QUE ESCREVEU EM SEU COMENTÁRIO?

    45. Sinceramente eu não entendo, se é pra comprar caças tampão sem receber nenhuma tecnologia pq então não fecha um acordo com os russos sobre os Su-30 ou Su-35 e entra no Pak-Fa e aguarda?

      Ou nossos politicos são muito burros ou os franceses e arabes é q são muitos espertos.

    46. Sinceramente, prefiro o confiável e barato Mirage, do que o caro e enxaqueca Rafale. Outra é que nossos pilotos e técnicos se adaptariam mais facilmente as novas tecnologias embarcadas no delta wing poupando horas de simulador que são caríssimas. E como alguns amigos aqui já afirmaram, o Rafale já é um projeto ultrapassado para não dizer o pior e seria melhor mesmo aguardar os 5ª Geração e adquirir equipamentos novos para mante-los por mais tempo. O único problema seria a raiva que os franceses vão ficar dos brasileiros quando a Dassault quebrar, já que ela não consegue vender esse mico bi-reator para ninguém e acabaram caindo no coaxar do sapo barbudo pensando que a salvação viria do país tropical.

    47. Prezados Poggio e Nunao,

      Jah que vcs estao no espirito, aqui vai minha sugestao. Que tal ir num cinema, e lah pelo meio, gritar alto e de forma terrorizante:

      – “FOGO, FOGO,FOGO, o cinema estah em CHAMAS!!!!!”

      O desespero causado por vcs serah semelhante… 🙂

      []s!

      P.S.: Drcockroach apoia Gripen C/D ou F-16 como tampao no lugar do Rafale, mas se for Mirage usado, entao que venha qualquer um dos tres finalistas;
      PPS: Provavelmente a visita aos EAU tem relacao com o emergente centro aeroespacial deles e a fabrica de compositos Strata.

    48. Sempre fui da opniâo que se deve aproveitar boas oportunidades de negócio. Vejamos por exemplo o Chile que comprou F-16 novos de fábrica e 2 lotes de F-16 MLU da Holanda. Compraram aeronaves usadas que são em vários aspectos superiores aos nossos F5M.

      Acredito que esta opção pode ser muito boa, principalmente se o vencedor do FX2 não for a SAAB. O Gripen NG, se fosse o vencedor do FX2, teria uma linha de montagem única que seria no Brasil, no ABC paulista. Com uma fábrica em território nacional seguramente atingiremos as planejadas 120 aeronaves que se pretende adquirir para substituir todos os F5 e A1. Se não tivermos uma fábrica no Brasil, possivelmente somente as 36 aeronaves do lote inicial deverão ser compradas (se forem compradas).

      E a razão para esta minha opnião reside no fato de que ainda faltam muitos anos para a substituição de todos os F5 e mais anos ainda para a substituição dos A1 (que ainda nem foram modernizados). Durante todo este período, muitos acontecimetos políticos podem mudar todo o rumo do programa FX2 e possivelmente poderemos ter outras aeronaves de outros modelos e fabricantes sendo compradas para substituir nossos caças. Porém se tivermos uma fábrica instalada aqui no Brasil, tudo fica mais fácil e a tão sonhada padronização poderia se tornar realidade (veja o exemplo da Embraer que fornece aviões para a FAB como o A-29 e o futuro C-390). Se tivermos uma fábrica de aeronaves de caça de última geração no Brasil ficaria muito difícil para qualquer governante exercer qualquer outra opção de compra que não fosse a de aeronaves fabricadas aqui.

      Portanto, se o FX2 tiver como vencedor o SH ou o Rafale, os 2000-9 seriam uma ótima opção, pois seguramente unidades adicionais (além do lote inicial de 36 aeronaves) não seriam contratadas em número suficiente para equipar todos os nossos esquadrôes no momento de substituir nossos F5 e A1. E 60 caças M2000-9 podem equipar até 5 esquadrões.

      A nossa opção no FX2 pode determinar todo o futuro de nossa aviação de caça. E dependendo desta decisão poderemos estar correndo um sério risco de vermos o número de nossas unidades aéreas diminuidas por falta de aeronaves num futuro não muito distante.

      Um abraço a todos

    49. Entre amarrar nosso burro c/ uma aeronave que não é mais fabricada e não se consegue atualizar, pelo menos s/ a intromissão e os palpites dos franceses; então melhor amarrar esse burro no Typhoon.
      Que pelo menos é uma aeronave moderna, bem distribuída no mercado e ainda em produção.
      Mesmo que encampassemos as células Tranche 1 usadas, que aliás são orientadas á defesa aérea nossa principal necessidade, estaríamos mto mais bem servidos dada a modernidade do design e seu vasto desempenho superior até mesmo a le jaca.
      Não que a EADS seja algo melhor e mais fácil de se trabalhar do que a Dassault, como ficou patente na forma como os contratos referentes ao A-400M estão sendo renegociados, mas pelo menos teremos algum espaço de manobra p/ podermos integrar nosso parco armamento como o míssil A-Darter, não estaríamos sujeitos ao fraco desempenho de ambas as versões do míssil Mica e nem dependentes de certos gadgets tipo Spectra e OSF de duvidoso desempenho e usabilidade dado ao que está disponível no mercado
      Além de acrescentarmos funcionalidades como o nosso datalink, que na aeronave francesa usada não terá sequer vez.

    50. A esta altura do campeonato o Plano B, já virou Plano A.

      Mesmo que o escolhido fosse o SH, um contrato destes não se fecha em menos de um ano, 2011, em 2012 começaria a instrução da turma da manutenção e pilotos, para as entregas começarem em 2013.

      No ritmo de 12 por ano para somarem os 36 serão até 2017 e tem F5M e M2000 que não chegarão até lá.

      Na minha visão pegaríamos um “tampão” para pelo menos 15 anos operação e iniciando simultaneamete um FX3 com caças de 4G+++ e o FX4 com somente aviões de 5ªG.

      Não adianta insistirmos em termos uma frota 100% 5G, ninguém está aguentando o custo e não seremos nós a aguentar.

      Vamos precisar de um avião para a espinha dorsal e a força stealth para ser fator de dissuasão.

      Sobre estes M2000-9, os EAU tem grana para torrar para com eles, nós não.

      Deixem os franceses se virarem com eles.

      Pessoalmente não acredito que o Jobim vá fazer isto no final do seu mandato ou por “vingança” contra a FAB.

    51. Bem, vamos por partes,
      Primeiro, não acho que uma possível compra de M2000-9 cancelasse o FX2, para mim são coisas distintas.
      Este governo já demonstrou outras vezes que toma decisões políticas em detrimento de decisões técnicas, senão vejamos(podem me corrigir se estiver errado, falo de memória e desculpem o off topic mas é para ilustrar meu raciocínio).
      1 – Os Scorpennes foram escolhidos devido ao acordo com a França. A Marinha estava propensa a seguir com os projetos alemães. Teve que dar uma guinada para os franceses e até arrumar desculpas para isso.
      2 – Os M2000C vieram por iniciativa do Planalto. Mesmo tendo-se a necessidade de um caça tampão para o lugar dos MIII, existiam outras alternativas que a FAB estava estudando com mais cuidado, como os Kfir israelenses e os F-16MLU holandeses. Os primeiros foram para a Colômbia, os segundos para o Chile.
      3 – Nenhuma das 3 forças tencionava adquirir lotes de Helicópteros como o EC-725, talvez preferissem mais Black Hawk/Sea Hawk, mas foi fechado este acordo outra vez por iniciativa do Planalto.
      Então voltando ao tópico, se o governo entender que seria útil adquirir estas aeronaves, mesmo a contragosto da FAB, vai adquirir. Garantiria a volta ao mercado árabe de defesa, mais clientes para Super tucano e principalmente, para o KC-390. Afinal de contas, quantos mais parceiros para dividir os custos de desenvolvimento e clientes para garantir uma linha de suprimentos a preços acessíveis melhor. A matemática a nível estratégico muitas vezes foge o da simples “compra de prateleira”. Acho difícil cancelar o FX2 pois já se foi longe demais nele, acho que já estamos no “Ponto sem retorno” do mesmo.
      Teríamos então 60(?) M2000-9 mais 36 FX2. A diferença é que isso provavelmente mataria um segundo lote de FX2. Os EAU possuem cerca de 68 M2000-9, sendo 18 biplaces. Destes, 20 mono e 12 bi são novos de fábrica, os demais são sobreviventes de um lote de 2000, onde foram comprados 22 EAD, 8 RAD e 6 DAD. Com a modernização para o -9 este primeiro lote deixou de ter diferenças entre os mono de combate e reconhecimento.
      Atualmente equipam 3 esquadrões (71,76 e 86) na base de Al Dhafra, em Abu Dhabi(Lembrar que os EAU são 7 estados, entre eles Abu Dhabi e Dubai)
      Tradicionalmente os EAU solicitam que os caças usem armamento americano. Isto ocorreu com estes aviões que eram capazes de lançar AIM-9L Sidewinder. Atualmente, um dos entraves do Rafale é exatamente a imposição árabe de que use armamento americano, já em uso em seus F-16E/F(55E + 25F).
      Não acho o binômio 2000-9 + Rafale tão ruim assim, possuem diversos sistemas em comum. O -9 é multi-role, portanto não há necessidade de se criar GDAs, e,es reequipariam unidades normais da nossa aviação de caça, talvez até mesmo uma de A-1, pois os 43 A-1M podem ser poucos para equipar 3 esquadrões. Primeira aposentar nossos Mike mais cansados, pois não canso de repetir, apesar de ter sistemas modernos, não deixam de ser um velho F-5, com todas suas limitações de carga e alcance.
      Se a compra for “casada” com os EAU, poderíamos requisitar a abertura dos códigos do M2000 tb. Os franceses devem ficar gratos, pois nossa ação beneficiaria o projeto Rafale, pois o Brasil, a grosso modo, viabilizaria a compra de 96 aviões. nada mau para um projeto que necessita urgentemente de vendas.
      Bem, esta é minha opinião, se tiver equivocado nos exemplos, por favor me dêem as fontes para que possa consultar e ver o que esta errado.
      abçs
      MM

    52. iSTO É – Ricardo Boechat

      CAÇAS 1

      Vive le France!

      Está pronto o relatório final do Comando da aeronáutica sobre a compra de 36 caças para a FAB. Assinado pelo brigadeiro Juniti Saito, o documento define o supersônico francês Rafale como escolha para reaparelhar a Força Aérea. O custo estimado do negócio é de US$ 4 bilhões.

      CAÇAS 2

      Tem mais
      Consumada a encomenda da FAB, logo após as eleições, a Marinha também anunciará negociações para a compra de 12 supersônicos aptos para operações em porta-aviões. O mesmo modelo da empresa francesa Dassault vai faturar a venda.

    53. Luis disse:
      27 de setembro de 2010 às 1:30

      Não tenho ódio do Gripen NG. Tenho ressalvas das propostas mentirosas da SAAB e o que tem por tras delas no FX-2.

      So depois que o poggio colocou aquele post, que muitos cairam na real, mas muitos aindam continuam cegos.

      Não sou a favor do Rafale. Acho o F-18 o melhor para o Brasil, levando em conta venda de prateleira.

      Quanto aos que tem ódio dos franceses, devemos lembrar que foi sempre os militares brasileiros que foram atras deles, desde o Mirage III.

    54. Olá,

      Como a FAB não aceita nada que lhe oferecem, vai acabar com tampax denovo, é preciso aceitar um meior termo.

      Enquanto isso na Marinha, é aberta escola para engenheiros Brasileiros na França; já começaram a obra do estaleiro; já estão fazendo as chapas do 1º SBR; o opalão volta ao mar; a V-34 Barroso viaja aos quatro cantos fazendo propaganda etc.

      Abraços,

    55. NON Merci !!!

      Sou fã incondicional dos Deltas europeus.

      Todos eles;
      dos Dassault Mirage III ao Mirage 2000,
      ou do Saab 35 Draken.

      O Mirage 2000-9, versão de exportação do Mirage 2000-5 Mark2, adaptado às exigências dos EAU, é uma excelente aeronave, certamente o mais mortal de todos os Mirage que já voaram.
      Provavelmente seria capaz de enfrentar um F-16 C/D Block 50/52 ou qualquer MiG-29, até mesmo em inferioridade numérica, considerando a combinação do radar Thales RDY com mísseis MICA EM e IR.

      Se estas aeronaves estivessem voando no Brasil no início da década passada seria ótimo. Mas não estam.

      Então quais os problemas?

      Primeiro;
      São aeronaves no final de evolução, o último up-grade de um excelente produto, mas que, infelizmente, chegou ao final de sua vida útil.
      Bem entendido, final de vida útil como produto tecnologicamento novo, pois as aeronaves ainda irão voar por um bom tempo.
      Não há futuro para os Mirage… Désolé.

      Segundo;
      A França descontinuou a linha, o que significa que não deverá haver novos programas do fabricante para o Mirage 2000, apenas aqueles direcionados para o Mirage 2000-9.
      Não há futuro para os Mirage 2000-9… Désolé.

      Terceiro;
      Receber aviões usados de prateleira não iria agregar NADA em termos de conhecimento tecnológico, nem como off-sets, nem como experiência na montagem e/ou integração de sistemas.
      Seria um beco sem saída para a FAB e uma estrada para lugar algum para a indústria aeronáutica brasileira.
      Não há futuro para o Brasil como Mirage 2000-9… ficaríamos Desolados.

      Isto posto, só posso repetir Max Ungricht, da Revista Suíça CockPit ao expressar minha opnião:

      NON MERCI, Monsieur !!!

      Abç,
      Ivan.

    56. Acho eu que no fundo essas noticias são para melar fx-2 pois nunca vi uma compra tão certa (a francesa) demorar tanto para se concretizar. Pessoalmente acho que vai dar os Suecos justamente pela demora em fechar com os franceses, apesar de não concordar com os exageros do Felipe cps, concordo que dos três finalistas o sueco tem uma proposta de acordo com o que nós queremos apesar que tem o mesmo problema para mim que o francês: falta de escala! O Brasil precisaria comprar mais de 200 aviões ou ter compradores que justifiquem a produção de um novo avião e o que ninguem falou aqui (posso ser injusto um pouco) é quais seriam os mercados para venda de tais aviões? na america latina somente o Chile e talvez a Argentina seriam mercado para o Brasil, o resto não tem condições (excluindo a Colombia, que tem acordo com os americanos). Vc tem indianos e chineses com projetos, então para quem vamos vender ? Uma ideia com base nos noticiarios seria um acordo com os indianos pelo Tejas (tanto terrestre e naval) e melhorar o avião e fechar um acordo com a suecia o avião da quinta geração. Por que isso ? Oras, seria o unico pais hj com escala de produção para justificar a produção tanto de rafaeles como gripens por isso tanto a India como BRasil tem conversado nos ultimos meses.

    57. Amigos, bom dia.

      Creio que o Brasil é grande o suficiente para dispensar esse tipo de solução tampão.

      Além disso, há opções de aeronaves no F-X2 que não estão em fase inicial de desenvolvimento. O prazo de entrega destas atende perfeitamente à necessidade atual.

      E, para não deixar passar em branco a oportunidade:

      TAMPAX NUNCA MAIS!!!

      Abraços,

      Justin

      “Justin Case supports Rafale”

    58. Uma mistura de medo com nojo,esses sentimentos que tenho agora,medo dessa possibilidade se tornar verdade(é bem provavel que aconteça,já que conhecemos o velho jeitinho brasileiro,”vai lá faz um “negócio de fachada” e empurra esses mirrages pra FAB!!”)e ficamos na mesma,e aquele papo de que vamos fazer esse negócio bilhonário para compra TAMBÉM da tecnologia para futuramente produzir um caça nacional fica pra lá traz esquecido,e nojo porque isso virou coisa de muleque!nem mesmo Hugo Chaves com seus delirios faz esse tipo de besteira,quando ele promete que vai fazer algo por suas forças armadas ele cumpre,do jeito dele rebolando aqui e ali mais ta lá os caças dele,agora nossa FAB ta ai de super tucano e alguns caças que vieram desdenhados de outros países!!ainda querem chorar em sede de comite olimpico dizendo que somos sérios????

      -Como brasileiro estou com vergonha de ser brasileiro por essa possibilidade!!!!

    59. Edcreek disse:
      27 de setembro de 2010 às 9:45

      “Como a FAB não aceita nada que lhe oferecem, vai acabar com tampax denovo, é preciso aceitar um meior termo.”

      Ed,

      Tenho certeza que vc tem ótimas intenções, caso contrário não iria comentar seu argumento.

      Contudo, observe que seu texto, inconscientemente, coloca em pauta uma ameça velada, que espero não esteja acontecendo pelos corredores do poder.

      Seria algo terrível como:
      Vcs tem uma opção ruim ou outra pior, escolham…
      Ou seja, vcs (FAB) aceitam o Rafale de acordo com nossa sabedoria geoestratégica, ou então ficaram com algumas dúzias de Mirage usados daqui a 3 (três) ou 4 (quatro) anos.

      Espero sinceramente que esta não tenha sido sua intenção, nem muito menos que exista algo do gênero entre os poderosos.

      Respeitosamente,
      Ivan, o Antigo.

    60. É na ___________________________ ops…. desculpe os profissionais da alegria, vcs não merecem isso. É revoltante a incopetência e o desejo de beneficios proprios, se os editores editarem, vou enternder.

      NOTA DOS EDITORES.
      EDITADO, E ACREDITAMOS QUE REALMENTE VOCÊ ENTENDE O PORQUE.

    61. Vamos pensar positivo. Mirage 2000-9 para suprir as necessidades imediatas da FAB e Rafale um pouco depois juntamente com a participação do Brasil no PAK-FA. 🙂

    62. Bom dia!

      Amigos vamos dar mais este voto de confiança a FAB! Sem desmerecer o Poggio (sempre sensato), mas vejo como mera especulação (minha opnião).
      Se vendermos o KC-390 e mais uma centena de ST, não valeria “engessar” a FAB com mais mirages (mesmo 2000’9), uma noticia dessas é querer deixar de ser lider na AL para ser coadjuvante, visto FACh e FAV. E pelo que sei atras do Mexico tb.

      Vamos orar para Sta. Clara para que isso seja apenas especulação.

    63. O M2000-5 é um caça tão ruim que os indianos só não compraram outras unidades porque a Dassault não os fabrica mais. Além do que, estão promovendo um up grade de todos os aviões do tipo que possuem.

    64. ERRATA.

      No meu texto às 10:00hs errei na digitação, escrevendo Mirage 2000-9 quando deveria escreve Mirage 2000-D, a versão de ataque do Armée de L’Air.

      Pardon!

      Sgue o texto correto:
      ………………………………

      Segundo;
      A França descontinuou a linha, o que significa que não deverá haver novos programas do fabricante para o Mirage 2000, apenas aqueles direcionados para o Mirage 2000-D, última versão de ataque do Armée de L’Air.
      Não há futuro para os Mirage 2000-9… Désolé.
      ………………………………

      Abç,
      Ivan.

    65. Senhores,

      Minha humilde opinião. Os M-2000-9 são excelentes caças, superiores (ousaria eu) ao F-16 Block 50 da FACH e falo isso porque temos que ter em mente o TO da Amárica latina, simplesmente isso. Não adianta ficar comparando o M-2000-9 com F-22, T-50, F-35, não é esta a nossa realidade… Precisamos do caça para 2014, para agora…se vier está de muito bom tamanho.
      O que acho é que o FX-2 não deveria morrer…e acho que não vai mesmo. Pensem..36 rafales último tipo + 60 M-2000-9 …uma solução Hi-Lo perfeita na cabeça do Jobim (talvez não da FAB, pelos custos) mas na cabeça de quem assessora o JOBIM e na cabeça dos Franceses (principais interessados) …aí surge a pergunta: A FAB não estaria bem? Acho que sim, muito bem, basta que ela receba os recursos necessários para operar as duas aeronaves..agora se matarem o FX-2 (o que duvido, já disse, é muito dinheiro…) mesmo assim os M-2000-9 dariam um senhor UP na força…abs.

    66. Olá, Ivan

      Voce está certo, só tenho boa fé….

      Infelizmente as coisas acontecem dessa forma, seja aqui ou India ou Inglaterra, forma-se o short-list que atendem as exigencias e depois os politicos definem.

      Não vejo essa politica como correta, mas é o que aconteçe no mundo real, seja aqui ou acolá.

      Abraços, camarada!

    67. Outra coisa…contrapartida por contraparida eu faria com os EUA…36 F-18 SH por 200 Super Tucanos e nem me preocuparia com transferência de tecnologia “irrestrita”….ora bolas….imaginem a janela do ST operando na USAF…imaginem o cartaz que isso daria ao produto da Embraer…só isso, em minha humilde opinião, já valeria o negócio pois, com certeza, a Embraer receberia novos pedidos após o aval da USAF…e o SH nos atenderia muito bem e em 2014 haja vista a rapidez com que eles atenderam a Austrália…isso pra mim seria negócio, apesar do péssimo histórico dos americanos, fora o que Boening prometeu pro KC-390…mas como o chamego é com os gauleses, repito, também faria o negócio com o Rafale + M-2000-9 (vai rolar muito dinheiro lá dos EAU…”…

    68. sim, pois a coisa carece de logica, afinal no Brasil a negociação esta praticamente fechada, aguardando apenas passar a eleição para concretizar a venda, então teria que ser um louco, oferecer aparelhos usados principalmente como foi visto, a Dassault esta precisando de volume de produção para viabilizar a fabricação do aparelho.

      o normal seria oferecer esses aparelhos para um outro comprador onde a venda estivesse perdida para outro concorrente, isso parece coisa plantada de tão sem nexo!

      NOTA DOS EDITORES:
      REPETIMOS: O AUTOR DA MATÉRIA É UM EDITOR DO BLOG.
      ENTÃO VOCÊ MANTÉM O QUE ESCREVEU NO OUTRO COMENTÁRIO, QUE UM EDITOR DO BLOG (AUTOR DA MATÉRIA, COMO INFORMAMOS) ESTARIA “PLANTANDO” ESSA MATÉRIA, COM O OBJETIVO DE “TENTAR MELAR A DECISÃO”?
      É ISSO, MARIO BLAYA?

    69. Justin Case disse:
      27 de setembro de 2010 às 10:03

      O Brasil é maior que isto certamente..

      Mas o Governo brasileiro é ?

      —————————————–

      Mario Blaya disse:
      27 de setembro de 2010 às 10:46

      Me explica ai o porque esperar a eleição, com medo de prejudicar ________________, se o povo tá agando e andando para escândalos diários que ele entende.

      Por que se importaria com 36 aviões( um nro baixo), que eles não entenderão para que servem ou as possíveis negociatas envolvidas ?

      Uma coisa é a massa analfabeta e outra quem entende este tipo de coisa.

      COMENTÁRIO EDITADO

    70. Olá, Rodrigo

      Não sou o Justin, mas digo que não é.

      Mas infelizmente teremos a continuidade como vemos a cada dia, uma pena realmente.

      Abraços,

    71. A Marinha Brasileira qie opera com restrições, não vai gastar bilhões de dólares em 12 aeronaves que operam com restrições no PA que opera com restrições, num contexto de restrições orçamentárias, que serão agravadas com o advento do novo governo que fará ajuste fiscal e vai cortar e restringir o orçamento, sendo que o primeiro alvo será a defesa.

      Notaram a quantidade de restrições?

      Sejamos francos, essa nota de Istoé é chute!

    72. Edcreek disse:
      27 de setembro de 2010 às 11:14

      Não é, mas em matéria de tapar o sol com a peneira, vocês dois estão me pé de igualdade.

      Nunca vi duas pessoas que tentam alterar tanto uma realidade, com tantos fatos OFICIAIS( já que vocês gostam disto) mostrando o inverso.

      De qualquer maneira, de toda a lista das melhorias do SP que você colocou as catapultas não terão nenhum aumento e não operarão em 100% devido a idade.

      Dá uma pesquisada nos posts do Macega lá no FBM, ele participou de tudo isto, mas cuidado para não sair chorando com a dura realidade.

      😀 😀 😀 😀 😀

      E aposto que mesmo depois disto, você vai continuar insistindo com os seus “fatos”.

    73. Isto está me cheirando a plano B, para não deixar de agradar os franceses que tem mais interesse nos EAU do que no Brasil para essa venda, a final eles tem uma compra em potencial maior, e isso ajudaria nesse negócio para a França.
      Pode ser também que ele está com medo que possam melar o negócio após a escolha, e então resouveu pensar em outra maneira de ganhar chanpagne francês

    74. Pelo fim do FX-2, seja qual for o resultado.

      E, se vierem os Mirage 2000-9 dos EAU, que venham e equipem cinco esquadrões até começarem a sair de linha, lááááá pra 2025…

    75. Olá, Rodrigo

      Já vi os post do Macegueiro sobre isso, achei bem dentro da realidade.

      A operação não é inviavel é apenas limitada, é como eu disse se for para criar doutrina e ter em mente logo o A-13 talvez tenha algum valor.

      Se o A-13 for muito para frente não compensa vamos de A-4 somente, como tenho falado desde o inicio.

      Abraços,

    76. “Edcreek em 27/09/2010 às 16:38”

      Concordo com boa parte do que você escreveu e gostaria de complementar.

      Entrando na discussão (apesar de mais adequada à matéria da Isto é, que fala de uma aquisição pela MB), não vejo problema algum na MB entrar na leva de compras da FAB, no sentido de aumentar a quantidade, ou mesmo de dividir parte dela.

      Tudo é uma questão de “timing”.

      Quando se fala de Super Hornet ou Rafale para a MB (ou mesmo do projeto do Sea Gripen), coloca-se muitas vezes a questão como se o A12 fosse operar esses caças a partir do ano que vem.

      As entregas do F-X2 da FAB eram pensadas para começar daqui a 4 anos, não?

      A FAB tem muito mais “pressa” do que a MB, não?

      Quanto tempo demoraria para entregar todo esse lote inicial da FAB, de 36 aeronaves? Quando chegaria a vez da MB começar a receber seu lote de 12 aeronaves?

      A partir daí, começaria a treinar com o vetor em terra, até atingir a IOC, também vai tempo.

      Depois, operar de forma limitada no A12, para qualificar pilotos da aeronave em pouso e decolagem em NAe. Também vai tempo.

      Até tudo isso acontecer, a desativação do A12 e a necessidade de se receber um A13 para substituí-lo já estaria muito mais próxima do que hoje.

      Apenas acredito que a MB tenha prioridades muito mais importantes hoje, mas que deve olhar sim para o problema e, se houver custo-benefício em somar uma possível compra às da FAB, nada vejo de errado. Não creio que haja custo-benefício nesse sentido hoje, mas pode vir a existir amanhã.

      Saudações
      Nunão

    77. aos Editores,

      não conheço o autor e não conheço as amizades dele. Digo apenas que um comentario desse tipo são do agrado de orgãos que não estão satisfeitos com os rumos da negociação atual.

      como disse antes, e meio irracional para a Dassault querer viabilizar uma negociação desmanchando outra que esta quase concluida! Se o blog não aceita criticas ou opiniões contrarias, e direito seus inclusive me bloquearem,

      NOTA DOS EDITORES:

      CRÍTICAS E OPINIÕES CONTRÁRIAS SÃO MAIS DO QUE ACEITAS.

      O QUE VOCÊ ESCREVEU NÃO FOI UMA CRÍTICA, FOI UMA INSINUAÇÃO SEM FUNDAMENTO. E, SE COMO VOCÊ MESMO ESCREVEU AGORA, NÃO CONHECE O AUTOR NEM SUAS AMIZADES, O QUE FEZ FOI INSINUAR DE FORMA CALUNIOSA.

      E MESMO QUE CONHECESSE, CONTINUARIA SENDO UMA INSINUAÇÃO.

      SOBRE AGORA:
      “Digo apenas que um comentario desse tipo são do agrado de orgãos que não estão satisfeitos com os rumos da negociação atual.”

      NÃO FOI ISSO QUE VOCÊ ESCREVEU EM SEU PRIMEIRO COMENTÁRIO. LEIA-O NOVAMENTE E REFLITA SOBRE O QUE QUER DIZER COM “MATÉRIA PLANTADA”.

    78. Rodrigo disse:
      27 de setembro de 2010 às 10:56

      rodrigo,

      se comprar Rafale, F-18, Grippem ou 14-bis havera criticas de especialistas da imprensa para dizer ou insinuar interesses excusos na escolha de quem quer que seja.

      portanto acabando a eleição deverá sair o fechamento do negocio!

    79. Gostaria de ter uma idéia da idade média dos colegas que aqui postam seus comentários. Digo isso pois tenho 40 anos e, apesar de ser jovem à época, acompanhei bem a história do AMX. Vcs podem perguntar o que tem a ver o velho AMX com o FX-2, mas penso haver alguns pontos semelhantes. Na época, vários perguntavam o porque do Brasil desenvolver um bombardeiro. Exatamente por ter participado desde o início de seu desenvolvimento, que a Embraer conseguiu adquirir e desenvolver tecnologia que hoje a colocam onde está, aplicadas aos vários modelos que produz. As críticas de que o Gripen não existe, não se sabe se vai voar, etc, SÃO INFUNDADAS. A Suécia é, há mais de 50 anos, um dos principais paises no desenvolvimento de caças excelentes (vide Viggen, Draken, etc). Não há motivos para duvidar ou questionar a proposta sueca. Ela é séria (segundo pilotos com quem conversei pessoalmente no ultimo TAC – Boa Vista), e daria ao Brasil possibilidades únicas.Verdade que a emoção me faz tender para o Hornet (não nego), mas a razão indica disparado o Gripen.

    80. Edcreek disse:
      27 de setembro de 2010 às 16:38

      O dia que for o seu toba em um avião no meio do oceano, operando sem folga você vai entender que isto não dá certo.

      Enquanto ficar no videogame o “limitada” ou “no limite” é plenamente aceitável 😉

    81. Mario Blaya disse:
      27 de setembro de 2010 às 18:30

      Ahhh ta..

      Você acredita que depois que de tudo que tem saído, isto ai vai alterar alguma coisa ?

      _________________

      Só que isto faz mais de ano ahaahaha

      Toda semana aparece um “insider” dizendo que semana que vem sai o resultado..

      Até hoje eu não entendi o que eles ganham com aquilo.

      EDITADO

    82. Ola, Rodrigo

      Ah uma grande diferenca entre piloto militar e civil, um preparado
      para uma situacao e o outro para outro.

      Nao sei o porque colocar o video game na historia, mas toda via prefiro futebol.

      Abracos e sem extress enquanto “brigamos” os que mandam toman champagne e

      se tiverem bom gosto Frances…..

    83. Nessa altura do campeonato, depois de dez anos discutindo a compra de míseros 36 caças e nenhuma decisão… é melhor termos aeronaves em bom estado que voem, atirem e cumpram seu papel de defesa do que um projeto que nunca sai do papel…
      Se continuar do jeito que está, quando decidirem pela compra de algum dos caças do FX .. já estarão obsoletos de qualquer forma….
      Abraços.

    84. achar caluniosa minha opinião e sua opinião, mas a replicação da materia em um blog hungaro mostra o quanto responsavel deve ser quem publica materias na internet. Principalmente se a origem for em um blog especializado em aviação de um pais que esta negociando a compra de aparelhos, em que varios lances dos participantes se mostraram amorais.

      NOTA DOS EDITORES:
      AGORA VOCÊ FALA DE OPINIÃO. POIS BEM, A MATÉRIA É UMA OPINIÃO.

      QUAL O PROBLEMA EM O BLOG COLOCAR NO AR A OPINIÃO QUE TEM SOBRE UM ASSUNTO E COLOCÁ-LA EM DISCUSSÃO?

      CONTINUANDO A FALAR DE OPINIÃO, ENTÃO PODE-SE DIZER QUE É NÃO É UMA SIMPLES OPINIÃO, MAS UM FATO, QUE VOCÊ FEZ UMA INSINUAÇÃO CALUNIOSA ( E NÃO UMA SIMPLES OPINIÃO ), NO COMENTÁRIO ABAIXO:

      “isso tem cheiro de materia plantada pelos que se julgam perdedores para tentar melar a decisão e tentar a sorte com outro governo.”

      TAMBÉM É FATO, E NÃO UMA OPINIÃO, QUE VOCÊ CONTINUOU NA MESMA LINHA, NOS COMENTÁRIOS SEGUINTES.

      E É NOSSA OPINIÃO QUE VOCÊ CONTINUA PASSANDO DOS LIMITES DO BOM SENSO E DO RESPEITO.

    85. Por incrivel que pareça devemos agarrar uns 36/48 mirage 2000-9 desses e equipá-los com MICA e AASM, pois eles ja ESTÃO PRONTOS e só farão chegar aqui e voar, de modo que, mesmo com essa compra, o Brasil terá que colocar para frente o F-X2 e que no caso ele entre no projeto do Rafale F-3 (o que provavelmente acontecerá), e ai teremos um hi-lo-mix a brasileira!!!

    86. O 2000-9 seria uma solução barata e adequada para nossa realidade.

      O 2000-9 está em pé de igualdade com o que existe de melhor na America do Sul….

      Caso tenhamos esses aviões e algum “inimigo vizinho” queira invadir nosso país, teremos plena capacidade de defeza.

      O 2000-9 tem o RDY + MICA

      Essa mistura dá para ser usada de forma eficiente contra os F-16 Chlenos e SU-30MKV Venezuelanos.

      Grande abraço a todos.

    87. Até bateu cansaço de ler tudo….pulei algumas partes…

      M-2000-9 como caça tampão = desgraça para FAB

      M-2000-9 como “brinde” do Rafale a, digamos, U$$ 5 milhões a unidade + armamento = oferta dos desesperados (nesse caso a dassault)

      M-2000-9 + venda KC-390 e ST + Pak PA 50 = alucinação!

      Olha, nós estamos acostumados a divagar, sonhar e até a delirar, mas fica difícil encaixar esses deltas “traço nove” em qualquer contexto que não uma compra M-2000 + rafale para dar conta das necessidades imediatíssimas da FAB.

      Se é para ser assim, caças novos para lá de 2014 + caças meia boca para agora vamos de F-18E/F + F-18A/B/C (os EUA colocam na mesa até uma centena!!). Até Gripen tem sobrando!

      Em outros tempos eu até comemoraria, mas hoje vejo qualquer movimento movimento frances com desconfiança porque faz tempo que a Dassault jogou o lado técnico no chão e partiu para a politica pura!

    88. Essa mistura dá para ser usada de forma eficiente contra os F-16 Chlenos e SU-30MKV Venezuelanos.

      Mica??? Em qual game??? Pq na vida real tanto o Slammer como o Alamo, isso mesmo o Alamo, nem precisa ser o Adder; sobram em cima desse míssil francês.
      E a versão IR é ainda mais pobre de desempenho, especialmente frente a vasta concorrência existente.

    89. Olá, Mauricio R.

      No cenario atual com a cobertura de R-99 A/B os Mirage-2000-9 daria conta de F-16 e ou Su-30 com certa folga. Mesmo sem essa cobertura ainda assim estariam em pé de igualdade.

      Abraços,

    90. Edcreek disse:
      27 de setembro de 2010 às 20:47

      Operar limitado não é só peso de decolagem e aterrissagem, considere também a pressão do ar, vento, condição de mar…

      E se na hora que precisar estas condições não estiverem disponíveis ?

      Não é só o pescoço do piloto, mas do pessoal do navio e 143 milhões de euros de prejuízo do avião e mais todos os valores envolvidos para resolver o problema.

      Toda máquina tem a sua limitação seja o Rafale, um ultra-leve, um 747 ou um B52 e ninguém em sã consciência vai operá-la rotineiramente no seu limite de envelope.

      Continuo insistindo…

      Enquanto você viver no mundo da fantasia, youtube e videogame, vai entender que operar assim é aceitável e o pior é que vai continuar disseminando bobagem.

      Ai em Campinas tem aeroclube muito bom…

      Vai lá aprender um pouco, a hora de avião é barata, que você tira 99% destes conceitos da cabeça.

    91. Olá, Rodrigo

      Tenho certeza que a Marinha sabe melhor que eu ou voce isso, e quem viver verá. Já coloquei que imagino que se for para ter logo o A-13 talvez compensaria mesmo que fosse para operar somente com combustivel.

      Pessoalmente não gosto de Youtube raramente acesso, sobre video game eu já disse prefiro futebol.

      Realmente aqui tem um bom aeroclube e digo mais estou a apenas 10Kms de distancia vejo os aviões manobrando para pouso ou logo após a decolagem. Aprender é sempre bom, mas não nasci para piloto, cada um na sua.

      Abraços,

    LEAVE A REPLY