Conheça como funciona a linha de montagem do caça Saab Gripen nas instalações da Embraer em Gavião Peixoto (SP) – as atividades cresceram desde a inauguração no ano passado, junto com os desafios para cumprir cronogramas atuais e futuros de entregas

Por Fernando “Nunão” De Martini*

Nesta última quarta-feira, 5 de junho de 2024, o Poder Aéreo visitou pela segunda vez a linha de montagem brasileira do caça Saab Gripen, instalada num grande hangar do complexo industrial da Embraer em Gavião Peixoto (SP) e conferiu como a linha se desenvolveu desde a última visita, há pouco mais de um ano. Naquela ocasião, em 9 de maio de 2023, quem visitou as instalações foi o editor Guilherme Poggio, quando conferiu a cerimônia de inauguração e o início das atividades.

Poggio apurou muitos detalhes sobre o funcionamento das estações de trabalho da linha de montagem brasileira (incluindo comparações com as instalações da Saab na cidade sueca de Linköping), e discorreu sobre como as atividades poderiam ser ampliadas. Clique nos links a seguir para conferir a parte 1, parte 2 e parte 3 da matéria sobre a inauguração. Mas volte logo pra cá após a leitura da reportagem do ano passado, pois temos ainda mais conteúdos para apresentar agora.

Um cronograma apertado

Foi com esse histórico na cabeça, sobre a situação da linha ä época de sua inauguração, que viajei para Gavião Peixoto a convite da Saab. Meu principal objetivo foi conferir o quanto a linha progrediu desde então e questionar como ela atenderá ao exigente cronograma da FAB para os últimos anos de entregas, 2026 e 2027. São dois anos em que mais da metade (21) dos 36 caças Gripen encomendados deverão ser entregues, e a maior parte deles corresponderá aos 15 Gripen E alocados à linha de montagem brasileira. É possível compreender essa demanda a partir da análise do cronograma abaixo, apresentado pela FAB em 2023, representando mudanças feitas por aditivos ao contrato. Essas alterações resultaram numa concentração de boa parte das entregas nos anos finais:

Por esse cronograma, até o final deste ano de 2024 todas as entregas de caças Gripen para a FAB serão exclusivamente do tipo monoposto (Gripen E), que vêm sendo produzidos na Suécia e entregues por via marítima. Lembremos que o contrato engloba 28 aviões de um só lugar, o Gripen E, somados a 8 de dois lugares, o Gripen F, sendo que estes últimos só serão produzidos na linha de montagem sueca (falaremos mais disso em outra matéria). Também não se pode esquecer que, além dos 3 caças Gripen E originariamente programados para este ano, ainda falta entregar um exemplar que atrasou, dos 4 previstos para 2023.

Comparando o cronograma nos anos de 2022 a 2023 com as entregas já noticiadas aqui, vemos que há 8 caças Gripen E entregues e voando hoje no Brasil, sendo 7 operacionais no 1º GDA, Esquadrão Jaguar, da Base Aérea de Anápolis (em Goiás) e um exemplar, o Gripen E de matrícula 4100, em testes operacionais, mas que não aparece no cronograma desses anos por não fazer parte oficialmente da frota da FAB (explicarei a seguir).

Como já divulgado na quarta-feira (clique para acessar matéria publicada a partir de nota à imprensa da Saab), o primeiro exemplar da linha de montagem brasileira tem entrega prevista para 2025, ano em que a linha sueca deverá, por sua vez, entregar os 2 primeiros aviões dos 8 encomendados do tipo biposto. Da Suécia também deverá vir, no ano que vem, o caça que provavelmente será o último da quota sueca de entregas do monoposto, somando 13 Gripen E (os quais, acrescentados aos 8 Gripen F, resultam em 21 caças produzidos na Suécia).

A partir de 2026, todos os caças Gripen E serão, pela análise do cronograma, da quota brasileira de 15 exemplares com montagem em Gavião Peixoto, com os 14 restantes (após a entrega do primeiro em 2025) divididos entre 6 aeronaves em 2026 e 8 em 2027. Um notável aumento da cadência de entregas.

E sim, você viu direito: há 9 exemplares de Gripen E, no cronograma, para o ano de 2027, e não os 8 que mencionamos acima. Mas estamos entendendo (a partir de informações apuradas ao longo do tempo) que o nono Gripen E de 2027 será o primeiro Gripen que foi enviado ao Brasil, com matrícula 4100. No momento ele é empregado como avião de testes, sendo que sua propriedade não foi passada em definitivo à FAB. Pelo que sabemos isso se dá por razões contratuais, incluindo a responsabilidade pela campanha de certificação, mantendo esse Gripen ainda como propriedade da Saab. A transferência definitiva do 4100 deverá ocorrer ao final da campanha de certificação, sobre a qual falaremos em outra matéria dedicada ao GFTC (Centro de Testes de Voo do Gripen).

Em resumo, pela análise do cronograma, contrastado às entregas já realizadas e à divisão entre as linhas de montagem sueca e brasileira, esta última deverá entregar 1 caça Gripen E em 2025, seguido de 6 em 2026 e nada menos que 8 em 2027 para cumprir os prazos. Na imagem abaixo, modificada a partir do cronograma já mostrado, os prováveis 15 caças da linha brasileira estão marcados em azul. A também provável última entrega, que será a passagem da aeronave 4100 oficialmente para a frota da FAB, está marcada num círculo verde:

Cronograma da FAB com marcações feitas pelo Poder Aéreo: no círculo verde, a provável entrega definitiva da aeronave de testes 4100; na área marcada em azul, as prováveis posições, no cronograma, dos 15 caças Gripen E da linha de montagem brasileira

 

Será que a cadência de entregas da linha brasileira conseguirá aumentar, com essa rapidez, para atender aos três últimos anos (2025-27) do cronograma?

Afinal, um ano se passou desde o início da montagem estrutural do primeiro exemplar, que acaba de ir para a etapa de montagem final e ainda tem um longo processo de instalação de componentes pela frente, além de testes de voo, até a entrega à FAB no segundo semestre de 2025.

Era essa a maior dúvida em minha cabeça ao chegar nas instalações da Embraer em Gavião Peixoto, no interior de São Paulo, enquanto o ônibus com a comitiva de jornalistas contornava parte da área ocupada pela pista de 5km de extensão, aproximando-se dos hangares e demais edifícios do complexo industrial, antes de parar próximo a um Super Tucano “espetado” junto à recepção (imagens abaixo). E esse desafio do cronograma seria, obviamente, minha principal questão na seção de perguntas e respostas, realizada entre as apresentações dos executivos da Saab e o início da visita ao chão de fábrica, juntamente com pessoal da Embraer.

Apresentações da Saab e seção de perguntas e respostas

Luiz Hernandez, diretor de cooperação industrial da Saab Brasil, apresentou no auditório os principais temas de transferência de tecnologia e perspectivas de desenvolvimentos futuros do programa, seguido de Häns Sjöblom, gerente geral da Saab em Gavião Peixoto, que falou sobre a linha de montagem, o Centro de Desenvolvimento do Gripen (GDDN) e o Centro de Ensaios em Voo do Gripen (GFTC) – estes dois centros serão temas de outras matérias desta série.

A eles se juntou, para a seção de perguntas e respostas, Walter Pinto Junior, vice-presidente de programas de defesa da Embraer, que além de responder pela empresa para o Programa Gripen falou sobre o KC-390. Ao ler isso, você já deve ter adiantado, em sua cabeça, o que escrevo agora: o KC-390 também é um tema para outra matéria, a ser publicada nos próximos dias, incluindo fotos de nossa visita à impressionante linha de montagem do jato de transporte militar. Já a próxima matéria desta série abordará em detalhes o que foi apresentado e respondido por Luiz Hernandez, Häns Sjöblom e Walter Pinto Junior na etapa inicial da visita. Temos muito conteúdo a absorver ao longo dos próximos dias (ainda bem que esta matéria foi publicada numa sexta-feira e você tem todo o final de semana para digeri-la).

Vale adiantar aqui um dado importante apresentado por Luiz Hernandez, relacionado à tela que fotografei acima (nessa fase inicial da Press Trip as câmeras e os celulares eram permitidos, depois ficaram trancados num armário e um fotógrafo da Saab passou a registrar nossa visita). É mencionado que o programa inclui o treinamento de 350 brasileiros na Suécia, e já informamos em matérias passadas que o pessoal da Embraer, hoje trabalhando tanto na linha de montagem quanto nos centros de desenvolvimento e testes de Gavião Peixoto, responde por boa parte desse número. Luiz afirmou que esse treinamento, que somou cerca de 600 mil horas, já está praticamente finalizado, com o pessoal de volta ao Brasil.

No momento, há funcionários da Saab sueca aqui no país, tanto na SAM (Saab Aeronáutica Montagens, onde são produzidas aeroestruturas do Gripen – clique aqui para matéria), na cidade de São Bernardo do Campo (SP) quanto em Gavião Peixoto. Porém, eles não são responsáveis por realizar o trabalho em si, nas linhas de produção. Quem coloca a mão na massa são brasileiros, e o papel dos suecos está mais para a consultoria, ajudando nas dúvidas e em problemas novos a resolver. Em breve, abordaremos aqui no site os programas de pesquisa e desenvolvimento que parte desses profissionais brasileiros realizam hoje, o que inclui não só pessoal da Embraer, mas também do Departamento de Ciência e Tecnologia da Aeronáutica.

Häns Sjöblom (foto acima) apresentou em primeira mão um novo vídeo sobre os trabalhos realizados em Gavião Peixoto, que já reproduzimos em matéria publicada na própria quarta-feira (clique aqui para acessar o vídeo) e algumas informações sobre a linha de montagem, incluindo a capacidade dela ser expandida para atender a novas encomendas brasileiras e de outros países latino-americanos (mais um tema para próximas matérias, evidentemente).

Sobre a situação atual, informou que a primeira célula de Gripen, cuja montagem estrutural foi iniciada à época da inauguração, em maio de 2023, passou para a fase de montagem final numa plataforma / estação de trabalho específica para esse fim. A plataforma que ela ocupava passou a abrigar uma segunda célula, que realiza hoje a segunda fase de montagem estrutural. E a primeira plataforma, que a segunda célula vagou, será ocupada em julho por partes da terceira célula a iniciar a montagem, e que já estão sendo recebidas.

Linha de montagem do Gripen, em Gavião Peixoto, fotografada em maio de 2023 ainda com duas estações de trabalho e apenas a primeira célula ocupando uma delas – foto G. Poggio

Ou seja, em relação à época da inauguração, quando foram apresentadas somente duas plataformas / estações de trabalho, e apenas uma célula ocupando a estação inicial (foto acima), o gerente geral da Saab em Gavião Peixoto certamente informou um progresso: a adição da terceira plataforma e a presença de duas células na linha, além de parte de uma terceira, em diferentes estágios de montagem.

Entre os materiais de apoio disponibilizados aos jornalistas para a visita, havia uma brochura de 11 páginas apresentando todo o esquema da linha de produção, com suas diversas fases, da qual reproduzimos abaixo a principal ilustração. Nela já era possível perceber, enquanto acompanhava as apresentações dos executivos da Saab, a adição da terceira plataforma de trabalho (número 5 na imagem abaixo) além de 10 aeronaves ilustradas em diferentes estágios de produção, testes e preparação para entrega.

Tendo isso em mente, quando o evento abriu para a fase de perguntas e respostas, questionei em português (e depois em inglês, especificamente a Hans Sjöblom, ainda não muito familiarizado com nossa língua)  se haverá necessidade de acrescentar mais plataformas à linha, dada a concentração das entregas de caças Gripen E nos dois últimos anos do cronograma atual da FAB.

Hans respondeu que não haverá mais plataformas (onde se encaixam os gabaritos ou “jigs”) na linha de produção de Gavião Peixoto. Disse que as estações de trabalho previstas atendem à cadência de produção necessária para cumprir o cronograma (mais tarde, na visita à linha, complementou que o ritmo de trabalho aumenta conforme as equipes ganham experiência). Finalizou afirmando que, caso surja a necessidade de aumentar ainda mais a cadência, existe a possibilidade de se acrescentar um turno de trabalho, mantendo-se a estrutura da linha.

Confrontando as afirmações a tudo que expus mais acima aos leitores sobre o cronograma de entregas, é óbvio que precisaria conhecer pessoalmente a linha de montagem para compreender a confiança do executivo da Saab. Assim, é hora de deixar para a próxima matéria os demais detalhes informados nas apresentações. Vamos seguir direto ao hangar onde está instalada a linha de montagem do Gripen no Brasil.

Dentro do hangar da linha de montagem do Gripen

A foto acima mostra as três plataformas / estações de trabalho, com todo o ferramental, gabaritos e demais sistemas de apoio instalados, no interior de um dos grandes hangares da Embraer em Gavião Peixoto. No canto superior direito da imagem está a estação temporariamente vaga, da primeira etapa de montagem estrutural, e que será ocupada em julho pelas partes atualmente em recebimento – fora do enquadramento, bem à direita, estava ainda embalado em plástico o conjunto da fuselagem central e asas. Na ilustração abaixo, que mostra as três etapas da montagem estrutural é a parte maior das quatro seções desenhadas da “Estação 1” (clique para ampliar a imagem).

Abaixo, ampliamos a foto panorâmica para mostrar as plataformas / estações 1 e 2 de montagem estrutural, para facilitar a visão do espaço ainda vago da primeira estação, em comparação com o espaço ocupado por uma célula em montagem na segunda.

Comparando a ilustração acima com a foto ampliada abaixo, percebe-se que a célula da estação 2 já está com as quatro seções unidas (fuselagem dianteira, unidade do armamento, fuselagem central das asas e fuselagem traseira). Fomos informados que a célula já passou pelo processo de selagem dos 12 tanques de combustível do caça, e no momento está em testes de pressão dos tanques e da cabine / cockpit.

Nas duas imagens a seguir, veja detalhes da célula atualmente na Estação 2 (que é o segundo caça a ocupar a linha de montagem), a primeira foto sem trabalhadores em volta para apreciar melhor os detalhes da célula nesse estágio, e a segunda com a equipe trabalhando. Falando em equipes, as fotos mostram relativamente poucas pessoas realizando as tarefas, mas a Saab informou que a linha envolve cerca de 200 funcionários, sendo 95% deles brasileiros. Desse total, 60 estão dedicados especificamente à área de produção (operadores, supervisores, gerentes) e os demais 140 em trabalhos de suporte de engenharia de produção, suprimento, logística, qualidade e funções administrativas, dentre outras.

Voltando às fotos, você se lembra que falei da existência de um conjunto fuselagem central / asas já entregue e ainda embalado em plástico, e que no mês que vem deverá ser colocado no espaço vago da estação 1?

Esse conjunto, que está fora de quadro na foto panorâmica mais acima, é visível na foto abaixo entre as pernas da mesa à direita da imagem, coberta por um plástico de proteção azulado. O conjunto está no chão da fábrica, e o ângulo da foto coincidentemente o enquadrou no vão de uma mesa (mas não se engane, é uma parte com mais de três metros de comprimento e outros tantos de largura, e que ainda vai receber as partes externas das duas asas quando chegar à estação 1).

Quando esta célula das imagens acima, atualmente na estação 2, finalizar esse estágio de produção, será retirada da plataforma (há pontes rolantes no alto do hangar) e colocada sobre uma espécie de carrinho triciclo, também referido como “dummy” (substituto do trem de pouso na linha de montagem), para seguir à etapa 3 marcada na ilustração que repetimos abaixo. Nessa fase, é feita a medição geométrica da estrutura, garantindo que a montagem está precisa, no alinhamento previsto.

A célula é então levada para fora do hangar para ser limpa e receber pintura interna e verniz anticorrosivo numa cabine de pintura em outro edifício (etapa 4 da ilustração). Ela retorna à linha de montagem para ocupar seu espaço no estágio 5 da ilustração, que é o de instalação elétrica e mecânica.

É por esse processo que acabou de passar a célula do primeiro caça da linha brasileira, que na foto abaixo está sobre o “dummy”, sendo rebocada.

 

No canto direito da foto, apenas a título de curiosidade, é possível ver os painéis de comunicação da época de inauguração da linha, assim como o nariz de um jato executivo da Embraer em produção, temporariamente abrigado no local. Em pouco tempo o jato executivo, ainda em finalização, terá que liberar essa área para o primeiro caça Gripen de Gavião Peixoto avançar aos estágios 6 e 7 de produção, que correspondem às estações 2 e 3 da etapa de montagem final (instalação de componentes, sistemas e subsistemas e teste de funcionamento de software).

Esses estágios estão marcados com os números 6 e 7 na ilustração acima e falaremos mais deles daqui a pouco. Voltemos ao estágio 5 e à recentemente ocupada estação 1 da etapa de montagem final.

Na foto a seguir, vemos na parte de baixo da imagem a estação 2 de montagem estrutural, onde está o segundo caça em produção (que já vimos em enquadramentos próximos) e mais acima a estação 1 da etapa de montagem final. É possível perceber que, diferentemente das outras duas plataformas, onde o nariz da aeronave em construção aponta para a saída do hangar, a célula que ocupa a estação fica em posição perpendicular às demais. Essa plataforma também é mais elevada que as outras duas, cujos pisos ficam ao nível das asas, enquanto nesta o nível é um pouco mais alto.

As diferenças estão relacionadas a facilitar o acesso dos trabalhadores aos diversos locais de instalação elétrica e mecânica, em sua maior parte na fuselagem: cerca de 35 quilômetros de cabos e 300 metros de tubulações (das mais variadas, como sistema hidráulico, de combustível, de arrefecimento) são instalados na célula.

Tudo isso para prepará-la aos estágios seguintes da montagem final, que serão ocupados por ferramental dedicado às etapas de instalação de aviônicos, APU (unidade auxiliar de potência), motor, rádio, estabilizador vertical, na futura estação 2 dessa etapa. Para ter ideia do andamento dos trabalhos e do ganho de ritmo, espera-se que o motor seja instalado no próximo mês de agosto.

Em seguida a essas atividades, são feitas as instalação de software e realizados os testes diversos na estação 3 da etapa (por exemplo, do sistema hidráulico e elétrico, com acionamentos seguidos do trem de pouso e suas portas, superfícies de controle, freios aerodinâmicos, sistema retrátil de reabastecimento em voo etc).  Esses estágios estão descritos na ilustração a seguir:

Nas fotos a seguir, o primeiro Gripen da linha de Gavião Peixoto é visto na plataforma / estação 1 de montagem final (estágio 5 de montagem, conforme a ilustração principal mais acima). É possível perceber que a célula recebeu a pintura interna da fuselagem e o verniz anticorrosão, ficando pronta para receber todos os cabos e tubulações mencionados. Você pode comparar, por exemplo, a pintura do interior do cockpit / cabine com as imagens mais acima da segunda aeronave, que atualmente ainda está no segundo estágio da montagem estrutural.

Na última foto da sequência, a equipe de jornalistas confere o andamento dos trabalhos de montagem final, em cima da plataforma / estação 1 desta etapa. Eu sou o sujeito de camisa branca, ao lado de Julio Granzotto, supervisor de produção da Embraer que explicou detalhes das atividades realizadas.

Julio Granzotto, supervisor de produção da Embraer (ao centro da comitiva de jornalistas, de calça marrom e camisa verde), aponta para detalhes da montagem final do Gripen na linha de Gavião Peixoto

Essa etapa de instalação elétrica e mecânica ocupa boa parte das 8 a 9 mil horas / homem alocadas para todos os estágios mostrados aqui, além das fases posteriores (pintura da camuflagem, calibração final de sistemas de navegação, de controle, combustível, entre outros, passando aos testes de motor em pista e aos testes de voo). Para esta primeira célula, onde a equipe brasileira começou a aplicar o conhecimento absorvido na linha sueca, onde recebeu treinamentos teóricos e principalmente “on the job” (com a mão na massa), foi necessário um ano para chegar a esse estágio. As demais etapas absorverão mais um ano até a entrega prevista para o segundo semestre de 2025.

Porém, fomos informados que a equipe vem ganhando ritmo a cada etapa realizada na primeira célula (e que agora são repetidas na célula seguinte), e que o tempo total entre o primeiro estágio da montagem estrutural ao último da montagem final tende a diminuir significativamente a cada aeronave. E com isso voltamos ao tema da minha pergunta, pensada a caminho das instalações de Gavião Peixoto e formulada ainda durante a apresentação inicial, porém só respondida completamente ao ver a linha de montagem em pleno funcionamento.

É possível cumprir o cronograma, afinal? E o que virá depois?

Tecnicamente, a resposta é à primeira pergunta é sim – embora o desafio não seja pequeno. Minhas dúvidas se baseavam na visão da linha ainda em seus estágios iniciais de implantação, da inauguração do ano passado, com apenas duas estações de trabalho instaladas e somente uma célula na fase de montagem estrutural. Observando agora, pessoalmente, a terceira estação instalada (foto repetida abaixo) e o ganho de ritmo, as dúvidas começam a se desanuviar, aproximando-se da imagem de céu limpo de Gavião Peixoto no dia da visita.

É bem possível que em meados 2025, quando o primeiro caça Gripen de Gavião Peixoto já estiver fora deste hangar, pintado em tons de cinza e realizando os testes para a entrega, poderemos ver até cinco células de caças Gripen ocupando cada um dos cinco estágios de montagem inicial e final, desde o fundo até a porta do hangar (marcados com os números 1, 2, 5, 6 e 7 na ilustração da linha de produção). Células cercadas de dezenas de funcionários unindo partes numa estação, testando as selagens em outra, instalando cabos numa terceira, motores e trens de pouso na seguinte, e testando softwares e sistemas na quinta.

Se em 2025, quando esperamos ser convidados para presenciar o primeiro caça Gripen finalizado pela linha brasileira (e já fora do hangar), essa imagem de cinco células no interior do edifício for uma realidade, creio que a resposta do gerente geral da Saab em Gavião Peixoto, Häns Sjöblom, soará ainda mais convincente para mim do que já soa agora.

A dúvida a responder daqui a um ano deverá ser a seguinte: o que virá depois? Afinal, se em 2025 presenciarmos um ritmo bem  estabelecido para cumprir esse exigente cronograma de 1 entrega em 2025, 6 caças em 2026 e nada menos que 8 em 2027 – ou mesmo que ocorra algum atraso e alguns exemplares fiquem para 2028 – teremos uma linha de produção devidamente “azeitada” e pronta para novos cronogramas.

A melhor notícia seria que, depois da conquista desse ritmo, viesse a produção de cerca de 14 caças adicionais ao primeiro lote de 36 aeronaves para a FAB, cuja negociação foi informada no final do ano passado, ou mesmo de um segundo lote. Os investimentos numa linha de montagem brasileira que começa a acelerar, em Gavião Peixoto, merecem ter essa continuidade garantida pelo Brasil.

O ideal é que visitássemos novamente a linha, em 2025, já com notícias publicadas de novas encomendas, assim como novos cronogramas com mais silhuetas de aeronaves desenhadas. Em outras palavras, novos desafios para essa linha de montagem cumprir.

*O editor viajou a Gavião Peixoto a convite da Saab.

Subscribe
Notify of
guest

79 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Augusto

“Os investimentos numa linha de montagem brasileira que começa a acelerar, em Gavião Peixoto, merecem ter essa continuidade garantida pelo Brasil.” É o que todos nós, entusiastas, mais desejamos. Entretanto, estou particularmente preocupado com a absurda situação das contas do país, que só sabe subir impostos e não tem dinheiro para cumprir despesas OBRIGATÓRIAS (saúde, educação, etc), quanto mais terá para comprar mais caças. Até empréstimo emergencial na China foi contraído! Quem acompanha bolsa de valores, viu hoje o banho de sangue que o atual governo fez nas contas públicas. Espero estar errado ou que haja um milagre que permita… Read more »

Akhinos

Bolsa caiu pq o emprego veio forte nos EUA e isso sinaliza que a inflação lá não ira ceder tão cedo kra. Cada coisa vc vê aqui. E esse papo de gastos obrigatórios, meu Deus kra, não é assim que funciona contas públicas. O governo emite moeda e se endivida, o problema não é ele não “arcar” com esses gastos, o problema é a trajetória de endividamento e aumento do prêmio de risc e juros.

Bolsa de valores e economia virou o novo futebol do brasileiro médio que antigamente achava que podia ser técnico da seleção.

Samuel Asafe

Eu já nem gasto tempo falando. Os caras querem que o Brasil cresça, mas não estão prontos pra que o país gere dívida. Admiram o desenvolvimento da china mas cobram o governo por corte de gastos, vai entender.

Camargoer.

Tem aquele dono de padaria… Ele vende pão. Tem vontade de vender pão de queijo e café expresso…

Ele vai no banco, faz um empréstimo e compra um forno e uma maquia de café… Ele vai vendendo pão, pai de queijo e café expresso..

Daí vai pagando as prestações para o banco… Depôs de seis meses, a dívida está paga e ele lucra o dobro por mês…

AVISO DOS EDITORES A TODOS: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E VIRANDO UM DEBATE PARALELO. VOLTEM AO ASSUNTO PRINCIPAL, CONFORME AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Santamariense

Ah, sim…”brilhante”…o problema é que nós compramos 1 cafeteira e 1 forno, mas pagamos, e continuamos pagando, o valor de 100 cafeteiras e fornos…

AVISO DOS EDITORES: ESTA DISCUSSÃO ESTÁ DESVIANDO MAIS UMA VEZ PARA UMA DISPUTA PESSOAL. MANTENHAM O RESPEITO.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Santamariense

O problema é quando tu só paga os juros dessa dívida e ainda contrai mais dívidas…matemática não tem mistério…o problema é quando usam desculpas e tergiversam para não admitir o problema real…

Vitor Botafogo

Desaprendi economia ao ler esse comentário

Akhinos

Aham, manda teu curriculo aqui na Asset que eu trabalho na Faria Lima, eu sou o economista que cobre Brasil aqui, tenho ctz que tu vai ser contratado.

AVISO DOS EDITORES A TODOS: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E VIRANDO UM DEBATE PARALELO. VOLTEM AO ASSUNTO PRINCIPAL, CONFORME AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Last edited 16 dias atrás by Akhinos
Santamariense

Hehehehe…desce do pedestal…se tu diz que as contas do Brasil estão em ordem, coitado de quem te contratou…

AVISO DOS EDITORES A TODOS: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E VIRANDO UM DEBATE PARALELO. VOLTEM AO ASSUNTO PRINCIPAL, CONFORME AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Santamariense

Entendido, editor. É que, às vezes, não consigo não rebater alguns tipos de comentários. Foi tentar me controlar. Desculpa.

Akhinos

Eu disse que não existe qlq expectativa de calote no curto prazo como o fera acima disse que havia. O governo não pagar despesas obrigatórias significa calote. Qlq pessoa sabe disso. É por isso que é importante saber o básico do que se está falando. Daí algumas pessoas inferirem que eu apoio a politica fiscal do governo atual é só mera consequência do Brasil ir tão mal no PISA e ser um dos países que tem menor habilidade de interpretação de texto do mundo. AVISO DOS EDITORES: JÁ SOLICITAMOS A TODOS QUE VOLTEM AO TEMA DA MATÉRIA. LEIAM AS REGRAS… Read more »

Last edited 16 dias atrás by Akhinos
Jorge Cardoso

______

COMENTÁRIO APAGADO. DEBATA OS ARGUMENTOS SEM ATACAR AS PESSOAS.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Bachini

Bolsa de valores é o termometro de valor das empresas brasileiras, a gastança desenfreada força o aumento de juros, retirando dinheiro do mercado e retraindo a economia.

Fernando

É, estamos vendo a retração da economia… Acabou de subir para a 8a maior do mundo. BOm mesmo era _______________

COMENTÁRIO EDITADO. EVITEM TRANSFORMAR O ESPAÇO DE COMENTÁRIOS EM PALANQUE.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Jairo

Financiamento na parcelinha da tranquilo para comprar mais unidades desde que em lotes menores, 14, 12, 10… Da para manter essa linha operacional por pelo menos 10 anos se bem projetado, o mesmo vale para as Tamandaré, no caso dos submarinos acredito que é possível manter o estaleiro operacional trocando apenas o produto, precisamos de corvetas e navios patrulha! E a França tem a opção ideal, as Gowind! Tudo vai se ajustando, e no fim o mais importante é manter as fábricas operacionais, como foi feito com a Iveco em Minas!

Marcelo

Gosto de ver esses cronogramas que muda a cada 6 meses kkk

Bispo

Sou anti-comunas e anti-gados ..rs .. mais culpar cada governo que entra pela situação do endividamento público é sem noção. Só para dar um norte de onde realmente está o problema. O Brasil destina 1,6% do seu PIB para bancar a gastança do judiciário… a média mundial é de 0,4% do PIB. Nem vou entrar na parte política…da um TCC..rs “Qual o nome do teu sócio, qual o seu negócio, confia em mim, Brasil” – by Cazuza. AVISO DOS EDITORES A TODOS: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E VIRANDO UM DEBATE PARALELO. VOLTEM AO ASSUNTO PRINCIPAL, CONFORME… Read more »

Last edited 16 dias atrás by Bispo
Akhinos

Não adianta camarada, se você dar uma explicação técnica para ajudar a pessoa com sua flagrante ignorância sobre o tema que ela pensa ser especialista, você corre o risco de ser até agredido.

__________
__________
___________é toda alucinada com essas discussões malucas de política, pensam realmente que estão numa luta do bem VS mal e que eles são mocinhos de alguma história. São eternas crianças jogando vídeo game com o controle remoto desligado, eles realmente acham que se colocarem X ou Y lá em Brasília vai mudar algo na vidinha deles.

EDITADO. LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Rinaldo Nery

Você não está de todo errado, mas, salvo melhor juízo, o modelo econômico socialista é bem pior.

Bispo

Não estamos discutindo ideologia e sim “feudos” no sistema público… uma espécie de “ditadura jurídico-politica”, que se retroalimenta entre si… perpetuando o cenário atual há décadas.

Last edited 14 dias atrás by Bispo
Fernando

Só por curiosidade… Prefere entao que nao exista judiciario, é isso??

marcelo

Excelente matéria, mais explicado penso que não dá.

Vitor Botafogo

Excelente Materia! Obrigado Poder Aéreo!

Andréverson

Bom dia.

Nada sobre as possíveis alterações das superfícies alares, no bordo de fuga?

Felipe

Todos receberão novos elevons e canards?

Felipe

Um segundo lote de 36 seria sonhar muito rs ?

Vitor Botafogo

Seria o Desejável! 30 E construídos no Brasil e mais 6 F.

Orivaldo

Ness governo tem muitos ganhando. Judiciário está sosssegado, gastando como nunca, executivo gastando como nunca, e legislativo com suas emendas. Não sobra nada para a FAb comprar mas 12 unidades? Arrecadação batendo recorde impostos sendo aumentado, cadê a grana

Camargoer.

Esqueceu de falar que tem o PIB aumentando também… Um horror

Last edited 16 dias atrás by Camargoer.
Bernardo Santos

0.8% nossa que crescimento. Até a Rússia em guerra cresceu mais, o país se endivida muito pra pouca melhora.

AVISO DOS EDITORES A TODOS: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E VIRANDO UM DEBATE PARALELO. VOLTEM AO ASSUNTO PRINCIPAL, CONFORME AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Camargoer.

No trimestre… Um horror..

AVISO DOS EDITORES A TODOS: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E VIRANDO UM DEBATE PARALELO. VOLTEM AO ASSUNTO PRINCIPAL, CONFORME AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Santamariense

Sim…um horror, mesmo! Tu te contenta com migalhas ou, o mais provável, defende a situação atual por questão ideológica.
Voltando ao tópico, tu não viu, aqui no PA mesmo, que o programa enfrenta problemas justamente devido ao orçamento liberado nos últimos anos ser insuficiente? Ora, um mínimo de honestidade nos argumentos, por favor…

AVISO DOS EDITORES: ESTA DISCUSSÃO ESTÁ VIRANDO APENAS UMA DISPUTA PESSOAL. FOQUEM NO TEMA DA MATÉRIA PARA NÃO ESTRAGAR O DEBATE MAIS UMA VEZ POR CONTA DE RIXAS PESSOAIS.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Last edited 16 dias atrás by Santamariense
Luiz

A economia tá bombando! kkkkk

AVISO DOS EDITORES A TODOS: A DISCUSSÃO ESTÁ FUGINDO DO TEMA DA MATÉRIA E VIRANDO UM DEBATE PARALELO. VOLTEM AO ASSUNTO PRINCIPAL, CONFORME AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Santamariense

Bombardeada…hehehehe

Fernando

é… Menor inflação e desemprego nos ultimos 10 anos… Maior PIB e saldo positivo de balança comercial no mesmo periodo…. Bombardeada mesmo!!

Rinaldo Nery

Creio que está equivocado quanto ao PIB e saldo de balança. Esqueceu do déficit público

Gustavo

Com a compra do segundo lote, será que teremos alteração neste cronograma original? Sim ou com ctz?

Camargoer.

Provavelmente não. Aviões adicionais serão entregues a partir das entrega do #36

Vitor Botafogo

Mais importante ainda saber é se o Governo continuar atrasando pagamentos se essa cadência será possível. Com o Déficit atual, vai ser muito difícil manter. A Argumentação de que é um financiamento internacional e que com isso os pagamentos estariam em dia para SAAB não se justifica mais conforme artigos anteriores.

bruto

interessante agora me emocionei

Leandro Costa

Muito bom ver o avanço da linha nacional de montagem do Gripen. Espero que um aumento na cadência de produção também seja possível por ingual incremento na SAM. O mesmo tempo é interessante pensar que esse mesmo pessoal, no momento ganhando ritmo, podem vir à se tornarem instrutores para mais trabalhadores Brasileiros atuando na linha de produção no caso de uma contratação adicional de aeronaves ou mesmo contratos provenientes de vendas externas no futuro que demandem um aumento na cadência de produção. E… Posso apostar que, quando o primeiro Gripen da linha nacional for apresentado, ele vai estar pintado com… Read more »

Maurício

Excelente matéria desta visita na Embraer, tb vi no canal do Caiafa master no YouTube. Parabéns a todos. Certamente terão mais gripens num novo contrato nos próximos anos.

Last edited 16 dias atrás by Maurício
Bispo

Dos 190 brasileiros na linha de montagem, sabe informar quantas mulheres, se é que tem ?

bjj

Semana passada alguns sites estrangeiros noticiaram que a Suécia pretende acelerar a aquisição do novo avião de transporte, que estava prevista apenas para o final de ano. Dificilmente vamos comprar mais caças antes do resultado da escolha sueca, já que todos sabemos – por mais que o ministro da defesa negue – que estamos sim usando a aquisição do KC-390 pelos suecos como moeda de troca para novos caças. Mesmo que o KC-390 não seja escolhido (eu acho que será), a escolha do novo avião de transporte da força aérea sueca acaba com um dos fatores que estão travando a… Read more »

Rinaldo Nery

Excelente matéria. E ainda tem gente que duvida do ToT. Impressionante. Ah, e tem probe! E IRST! Kkkkkk

Bueno

No peojeto FX-2 Caça Gripen esta claramente evidenciado a TOT mas no programa H-XBR dos helicópteros EC725/ H225M parece ser mais difícil de evidenciar.

Parabéns pelas matérias do programa FX2 , já da para iniciar a produção um documentário!

Last edited 14 dias atrás by Bueno
Rodrigo Bueno

Parabéns pela excelente cobertura, Nunão. Esclarecedora e didática. Em termos realistas, não seria um desastre se o atual cronograma se estender até 2029.

BK117

Caro Nunão, me causa estranheza o salto de ~4 para ~10 Gripen/ano. Acho que comentei uma vez aqui que ao meu ver essa grande quantidade ao final é fruto de um “Não temos como receber/pagar a tempo. Bota tudo pro final e até lá a gente decide como vai fazer.” É claro, só um pitaco meu, sem fundamento algum.

Por isso, eu também não me surpreenderia se estendessem o cronograma, por mais que eu queira estar errado.

À propósito, parabéns por mais uma excelente matéria!

BK117

Caro Nunão,

“a meu ver o esforço para esse salto só faz sentido se vier o aditivo ao contrato atual e/ou novo contrato”

Concordo plenamente.

Dudu

“Lembremos que o contrato engloba 28 aviões de um só lugar, o Gripen E, somados a 8 de dois lugares, o Gripen F, sendo que estes últimos só serão produzidos na linha de montagem sueca”

Em um eventual segundo lote, com uma quantidade expressiva comprada, o Gripen F poderia ser feito em Gavião Peixoto e integrado ao ecossistema brasileiro Gripen NG, ou a decisão de sua produção ser exclusiva da Suécia é definitiva?

Bernardo Santos

Acho que não terá quantidade expressiva de F. Se for pedido um 2 lote será do mesmo jeito que o 1 com o É sendo o maior número, então se não foi feito no 1 lote acho difícil ser fabricado no 2 lote.

Dudu

Já disse em uma matéria anterior : Se o problema da Saab para deixar o Gripen F ser produzido no Brasil, for mesmo a quantidade, o atual contrato prave a adoção de até 14 aeronaves ao primeiro lote. Tais poderiam ser só de Gripens F. Assim o primeiro lote chegaria a 50 unidades, 28 Gripens E e 22 Gripens F. Assim, 14 Gripens F’s seriam feitos no Brasil ao junto com os 15 E’s. E depois, pra fechar a conta de vez encomenda mais 58 Gripens E e F, totalmente produzidos no Brasil, pra fazer valer a pena o tempo… Read more »

Santamariense

Cara, desapega…toma um ar…pratica um hobby…ocupa a cabeça com outras coisas…essa fixação no Gripen F…patrão dos suecos…etc…isso tá te fazendo mal…

Leandro Costa

Rivotril no suprimento de água! Hehehehehe

Tutor

Que algum abençoado de Brasília, com poder de decisão, veja isso e decida aumentar a quantidade de aviões contratados.

zehpedro

Qual seria a formação acadêmica desses profissionais mostrados na foto montando o caça?

Toro

Muito boa matéria. Considerando como a Embraer produz outros modelos utilizando inclusive ajuda robótica (ver linha de produção do KC390), eu confesso que não está claro o que realmente ganhamos com essa montagem em GPX que poderia ser de fato atribuido a transferencia de tecnologia? O que a Embraer está de fato aprendendo e tem aprendido?

Existe alguma lista?

Rinaldo Nery

Eu devo ser muito burro. Se uma empresa aprende como fabricar um avião no seu País, não entendo qual a dúvida com relação à transferência de tecnologia. Foi on the job training, lá na Suécia. O que esse Toro não entendeu?

Camargoer.

Olá Rinaldo…. são duas alternativa…… ou você está errado ou os outros estão errados….

Se a gente é o único a estar errado, é provável que esteja mesmo, Nestes casos, como no livro do Machado, é um contra todos.

Quando somos poucos os errado, é provável que estejamos certos. Neste caso, como no livro “Fernão Capelo Gaivota” (esse é para quem tem mais de 50 anos hoje), a maioria esta apenas conformada.

Então, pelo que entendi, os errados somos eu, você e o Nunão… talvez existam mais. Enchemos uma kombi.

Rinaldo Nery

Li o Fernão Capelo Gaivota, quando Cadete na AFA.

Toro

Acho que a resposta do Nunao veio de encontro a minha duvida. Quero deixar claro que nao chamei ninguem de burro ou fiz piadinha e sugestao de turminhas “ou comigo, ou meu inimigo”.

Essa ideia de colocar as pessoas em extremos nao ajuda o debate, mas esse e um mal que sofremos a muitos anos aonde o que vale e voce ser da turminha A ou B.

Podemos na boa fazer melhor do que isso. Acho que esse e o proprosito de materias como essa e pelo visto varias respostas estao por vi no futuro. So isso.

Rinaldo Nery

De encontro (contrário) ou ao encontro (a favor)?

Rinaldo Nery

O que eu quis dizer com o meu comentário é que, a despeito de ¨n¨ matérias publicadas aqui (e noutros sites) a respeito dos conhecimentos adquiridos pela nossa indústria nesse projeto, ainda tem gente duvidando da ToT. Essa matéria não poderia ser mais elucidativa a respeito. A EMBRAER está ¨aprendendo¨ e se capacitando a fabricar o avião aqui, com mão de obra brasileira. Se isso não é exemplo de ToT eu não sei o que é. Por isso disse que devo ser muito burro.

Leandro Costa

Camargo, eu tenho menos de 50 e li Fernão Capelo Gaivota. Aliás… trilha sonora de Neil Diamond hehehehe

Camargoer.

Ola Toro. Uma das coisas mais difíceis que existe na ciência e química dos materiais é compor um sistema como diferentes materiais que suporte o stress da aplicação. Só isso é um enorme ganho. Existem outros…, por exemplo, a integração de sistemas de controle “fly by wire”, sensores e tudo mais em uma única interface gráfica. Antes, os aviões tinham os sensores separados… aquele monte de reloginhos e o controle do avião era por cabos ligados manche do piloto… tudo analógico Hoje, o controle é um joystick com controle elétrico que comanda as superficis do avião, sensores informam o computador… Read more »

Luís Henrique

Excelente matéria, parabéns Nunão. Muitas fotos e informações relevantes.
Uma matéria como essa mostra como a FAB tomou a melhor decisão.
Espero que o governo contrate os 14 Gripen adicionais e depois um segundo lote.
Não é possível que com uma linha de montagem maravilhosa dessa, se pensar em caça baseado em Lift para economizar um pouquinho.